Entrevista com Christine Chapman – Grã-Mestra da Honourable Fraternity of Ancient Freemasons

Christian Barnett – Grã-Mestra da Honourable Fraternity of Ancient Freemasons

Tendo as suas raízes na reforma social, a Honourable Fraternity of Ancient Freemasons, também conhecida como Maçonaria Feminina, é uma força a considerar – diz Christine Chapman.

O que é que a motivou para se tornar Maçon?

O meu pai era Maçon e adorava sê-lo. Ele aderiu já tarde demais na vida, mas fez alguns amigos maravilhosos. Significava muito para ele, pertencer. A minha mãe aderiu a seu pedido e o meu marido também, e eu sabia muito sobre isso. A minha mãe pediu-me para aderir, e então decidi entrar na Loja Constance Leaver, nº 39, em Marble Arch. Eu sou Maçon há 42 anos e nunca me arrependi, nem por um minuto!

Tornou-se Grã-Mestra em 2014. O que pensa disso?

Actualmente dedico-me quase 24h / 7 dias por semana. Estou sempre disponível através do telefone e nas Redes Sociais, à procura de oportunidades para promover a Ordem. Eu tive uma ascensão bastante rápida depois de vários anos como uma “irmã azul pálido”. A minha primeira escritório foi como um Grande Mestre de Cerimónias e nessa altura e já fazia da Maçonaria a minha vida. Acho que eles reconheceram que eu era dedicada. Não se pode assumir as responsabilidades de uma Grã-Mestra sem se dedicar a 100%.

Quais são as origens da Maçonaria Feminina?

Os antigos mitos falam em mulheres inquisitivas sendo descobertas escondidas em armários de estalagem, relógios de pêndulo e tábuas do assoalho – e que elas foram feitas Maçons para proteger os segredos – é divertido, mas nenhuma dessas mulheres desenvolveu a Maçonaria Feminina.

Começou na França pré-revolucionária do século XVIII com os Lojas de Adopção, que eram entidades maçónicas femininas sob a adopção de lojas masculinas. Quando a Revolução Francesa chegou, todas essas lojas desapareceram, pelo menos metaforicamente. No entanto, as mulheres estavam na vanguarda da sociedade intelectual francesa e Maria Deraismes, uma conhecida escritora e defensora dos direitos das mulheres, foi convidada para se tornar membro pleno direito da Loge des Libres Penseurs, integrada na Grand Loge Symbolique de França. A sua iniciação em 1882 causou um cisma; então esta loja e outras nove separaram-se para formar uma nova Grande Loja chamada La Grande Loge Symbolique Ecossaise. E um novo movimento paralelo foi formado que acabou por se tornar conhecido como Le Droit Humain, ou a the International Order of Co-Masonry.

Não muito depois disso, a feminista radical Annie Besant viajou para França para se juntar a este movimento e quando voltou a Inglaterra, decidiu formar a British Federation of the International Order of Co-Masonry em 1902, e permaneceu a sua líder até sua morte em 1933. No entanto, na verdadeira forma maçónica, houve uma ruptura por parte dos membros que queriam que a sua Maçonaria seguisse linhas similares às da Grande Loja Unida de Inglaterra (UGLE). Assim, em 1908, formou-se uma nova Grande Loja, chamada Honourable Fraternity of Antient Masonry (HFAM), embora mais tarde acrescentassem The Order of Women Freemasons ao título e agora são geralmente referidas como OWF. Até este ponto, as maçons do sexo feminino tinham usado o termo “irmã”, mas agora decidiram que, como membros de uma irmandade universal, era mais adequado serem chamadas de “irmão”.

Que tipos de Maçonaria eram praticados na Honourable Fraternity of Antient Masonry?

Nos primeiros cinco anos da sua existência, elas praticavam apenas os graus de Azuis (Craft), mas alguns membros queriam introduzir o Arco Real. Tendo recebido o grau de ex-membros de um capítulo existente da UGLE, elas formaram um capítulo para praticar o Arco Real. Mas a Grande Loja do HFAM decretou que ainda não era tempo para esta introdução.

Então, em 27 de Novembro de 1913, Elizabeth Boswell Reid e sua filha, Lily Seton Challen, montaram a sua própria Grande Loja que ficou a ser conhecida como The Honourable Fraternity of Ancient Freemasons, ou HFAF, que é minha Grande Loja. Elizabeth Boswell Reid tornou-se a nossa primeira Grã-Mestre. Assim, em 1913, tínhamos três Grandes Lojas maçónicas que admitiam homens e mulheres, embora as mulheres superassem em número os homens tanto no HFAM como no HFAF. Por fim, essas fraternidades decidiram tornar-se “de um só sexo” e, em 1933, atingimos esse objectivo no HFAF.

Então, a HFAF foi fundada numa onda de mudança social em 1913?

Nós fomos inspiradas pelas sufragistas e fomos fundadas numa onda de rebelião, porque nos separamos de um outro grupo. Mas todos foram fundados com os mesmos princípios – capacitar as mulheres. Nós tivemos uma sufragista que eu conheço – Helen Fraser, uma grande oradora que inspirou mulheres a se juntarem ao movimento sufragista.

Qual é a diferença entre a HFAF e a OWF?

A OWF é muito maior que nós. Mas gostamos de pensar que somos mais flexíveis e podemos reagir mais rapidamente a iniciativas e aproveitar oportunidades. Carpe Diem é um dos meus mantras e outro é que não há problemas, apenas soluções. Considere a consagração da nossa Loja em New Delhi. Tivemos uma senhora indiana que veio para o Reino Unido, juntou-se a uma loja e fez os seus graus porque estava determinada a levar a Maçonaria para a Índia. Mas ela não conseguiu que outras mulheres indianas fossem a Inglaterra para receber formação. Então nós fomos lá para fazer acontecer.

“Temos de lutar contra pessoas que pensam que estamos chateadas por não nos podermos juntar aos homens. Na HFAF, queremos trabalhar como mulheres, para uma organização de mulheres, fazendo coisas para mulheres”

Quais são os equívocos acerca da Maçonaria Feminina?

Às vezes, deparamo-nos com homens que não pensam que poderemos estar a fazer isto ao mesmo nível do que eles. Então tivemos de lutar contra isso. Hoje em dia eles são muito mais favoráveis e a Grande Loja Unida de Inglaterra (UGLE) é em particular. Nós também temos de lutar contra pessoas que pensam que estamos chateadas por não nos podermos juntar aos homens. Na HFAF, queremos trabalhar como mulheres, para uma organização de mulheres, fazendo coisas para mulheres. Temos um ditado: é um pouco como o futebol – o mesmo jogo, as mesmas regras, mas equipas diferentes.

Como é o vosso relacionamento com a UGLE?

Nós temos uma relação de trabalho muito boa. Considere a Política sobre Mudança de Género; nós trabalhamos juntos nisso. A nossa política espelha a da UGLE, portanto, se algum dos nossos membros se quiser tornar um homem, ele poderá continuar a ser um membro. E temos um acordo para aceitar membros das organizações uns dos outros se eles se sentirem mais felizes numa organização repleta de membros do novo sexo. Também estamos a trabalhar com a UGLE no Sistema de Universidades desde 2016, pois os alunos agora exigem que as mulheres tenham as mesmas oportunidades de se tornarem maçons.

Que outras coisas estão a fazer, para fazer crescer o  vosso número de membros?

Aumentar o nosso número de membros é um processo lento, porque, para ser honesta, na medida em que obtemos novos membros, os membros mais antigos ou deixam de vir devido à velhice, ou porque já faleceram. Mas apesar de sermos pequenas, superamos o nosso peso com muita iniciativa e inovação. Temos lojas muito comprometidas e entusiasmadas no exterior, em Espanha, Gibraltar, Roménia e Índia, e no próximo ano será inaugurada uma loja em Washington, DC.

Porque é que acha que as mulheres devem aderir à vossa Ordem?

Eu penso que, mesmo nos dias de hoje, as mulheres precisam de se sentir fortalecidas. A Maçonaria oferece isso ao tornar as mulheres confiantes, autoconscientes e autoconfiantes. É um sistema maravilhoso de moralidade e orientação para ajudá-las a levar uma vida melhor, alcançada por meio de alegorias e simbolismos. As mulheres apreciam pertencer a um grupo de outras mulheres. Especialmente hoje, quando as pessoas têm centenas de amigos on-line, mas podem não ter pessoas reais com quem possam se conectar. As mulheres levam a Maçonaria tão a sério quanto os homens. Posso dizer honestamente que a minha vida foi imensamente transformada por ser Maçon e membro da HFAF. Defenderei o direito das mulheres a serem maçons até o dia da minha morte.

Entrevista publicada na revista Freemasonry Today (FMT), pertencente à Grande Loja Unida de Inglaterra (UGLE)

Pode ser lida AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *