A Escócia retirou o reconhecimento ao Arco Real consagrado pelo Grão-Mestre da G. L. de Espanha no Peru

Supremo Grande Capítulo do Arco Real da Escócia
Supremo Grande Capítulo do Arco Real da Escócia

Em 1 de Janeiro de 1995, a Grande Loja do Peru e o Supremo Grande Capítulo do Arco Real da Escócia assinaram um tratado que foi ratificado em 16 de Junho de 1996, o qual, em resumo, implicava:

  • O Supremo Grande Capítulo do Arco Real da Escócia reconhece a Grande Loja do Peru como o único poder para o governo das Lojas que trabalha os três primeiras graus em todo o país e garante que nos Capítulos do seu Distrito no Peru só serão admitidos Mestres maçons activos da Grande Loja do Peru ou Obediências reconhecidas por ela.
  • A Grande Loja do Peru autoriza a trabalhar dentro da sua jurisdição (no Peru), a três Lojas com Carta de Patente da Grande Loja da Escócia. A Grande Loja do Peru permite os trabalhos maçónicos dos Capítulos do Arco Real da Escócia, no Peru.
  • Serão nomeados “Delegados” de ambas as partes para acompanhamento.

Em 2 de Março de 2019, o Grande Sumo Sacerdote do Supremo Capítulo do Arco Real da Espanha, Óscar de Afonso, consagra o Supremo Capítulo do Arco Real do Peru.

Alguns dias atrás, mais especificamente em 29 de Maio de 2019, o Supremo Capítulo do Arco Real da Escócia dirigiu uma carta ao Grande Escrivão Esdras do Distrito do Peru e a todos os escrivães Esdras de todos os Capítulos no Peru do Capítulo Supremo do Arco Real da Escócia, em relação ao recém-consagrado Capítulo Supremo do Arco Real do Peru, informando-os de que:

  • A consagração do novo Capítulo Supremo do Arco Real do Peru foi feita sem o seu conhecimento.
  • que não reconhece o Capítulo Supremo do Arco Real do Peru.
  • que os Irmãos que entrem no recém-criado Capítulo Supremo do Arco Real do Peru deixarão imediatamente de ser membros da Maçonaria Escocesa do Arco Real.
  • que as inter visitas entre os dois Supremos Capítulos são proibidos,
  • e termina afirmando que é “uma questão de regularidade”.

Tradução do Comunicado do Supremo Capítulo do Arco Real da Escócia

Comunicado do Supremo Capítulo do Arco Real da Escócia
Comunicado do Supremo Capítulo do Arco Real da Escócia (clique para aumentar)

AO GRANDE ESCRIVÃO ESDRAS DO DISTRITO E AOS EXCELENTES ESCRIVÃES E. DE TODOS OS CAPÍTULOS NO PERU.

Querido Excelente Escrivão E.,

SUPREMO GRANDE CAPÍTULO DO ARCO REAL DO PERU

O Grande Sumo Sacerdote, o Excelente Companheiro Joseph J. Morrow, CBE, QC, LL D e o Supremo Grande Capítulo enviam-lhe saudações fraternas. Grande Sumo Sacerdote agradece-vos todo o trabalho que fazem pela Maçonaria Escocesa do Arco Real no Peru e aprecia a contribuição dos Capítulos Peruanos e o que isso traz para a nossa Ordem, tornando-a uma organização sem limites e sem fronteiras.

Fomos informados de que o Supremo Grande Capítulo do Arco Real de Espanha consagrou o Supremo Grande Capítulo do Arco Real do Peru. Isto foi feito sem qualquer referência ou consulta. Com muito pesar, devo informar que não reconhecemos o Grande Supremo Capítulo do Arco Real do Peru e, infelizmente, qualquer membro de um Capítulo Escocês que se torne membro do Supremo Capítulo do Arco Real do Peru deixará imediatamente de ser membro da Maçonaria Escocesa do Arco Real. Esta posição também implica que nenhum Companheiro do Arco Real Escocês deve visitar qualquer Capítulo sob o Supremo Capítulo o Arco Real do Peru, nem permitir que qualquer membro do Supremo Grande Capítulo do Arco Real Peruano visite um Capítulo Escocês.

A consagração deste Supremo Grande Capítulo é lamentável. Entendemos que isto pode colocar os Capítulos Escoceses numa situação difícil, mas é essencialmente uma questão de boa ordem na Maçonaria do Arco Real em todo o mundo e uma questão de regularidade.

Não hesite em me contactar se necessitar de mais informações sobre este assunto.

Sinceramente e fraternalmente,
Grande Escrivão Esdras

O Supremo Capítulo do Arco Real da Escócia tem actualmente 470 capítulos, dos quais 220 são “Ultramarinos”, fora da Escócia.

As Grandes Lojas, Unida de Inglaterra (UGLE), da Irlanda e da Escócia mantêm critérios idênticos nos pontos fundamentais das suas respectivas Obediências. As declarações conjuntas feitas pelas três Grandes Lojas em 1938 e 1949 sobre os critérios para o reconhecimento de outras Grandes Lojas (“regularidade”) são uma boa evidência disso.

A reacção lenta mas inexorável do Supremo Capítulo da Escócia pode ser, por sua vez, um passo na direcção da retirada do reconhecimento a Espanha pelas Grandes Lojas da Inglaterra, Irlanda e Escócia, da perda da Regularidade Maçónica que se tem vindo a anunciar há meses, de forma subtil como os britânicos costumam usar.

A notícia original pode ser lida AQUI

Tradução de António Jorge

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *