Fobia à Maçonaria no diário espanhol ABC

Na sequência de um artigo publicado no Diário espanhol ABC, onde este tenta associar a Maçonaria à mafia Italiana, o Grão-Mestre da Grande Loja de Espanha, Oscar de Alfonso Ortega decidiu enviar uma carta ao ABC. Não tendo havido qualquer reacção, decidiu torná-la pública. Reproduz-se abaixo:

A Grande Loja da Espanha ficou consternada com a publicação no ABC de um artigo de página inteira que ressuscita os piores argumentos de masofobia num jornal de circulação nacional. Assinado por um conhecido apoiante do Vaticano, o texto faz alusão à operação policial em que 24 pessoas foram presas “entre elas políticos, autoridades, gerentes de várias entidades de formação profissional e policias que pertenciam a uma Loja supersecreta (sic) de Castelvetrano, infiltrada por mafiosos”. O jornal ilustra a informação com uma grande foto do Grão-Mestre do Grande Oriente de Itália. No entanto, não dedica uma única linha para referir o que o Grande Oriente da Itália disse sobre esta operação: que nenhum dos detidos é membro do Grande Oriente da Itália e que, tal como o jornal ABC fez, usa-se rótulo genérico da Maçonaria para enquadrar estes factos por aqueles que querem promover a Masofobia em Itália.

Os olhos dos milhões de maçons de todo o mundo estão em Itália. Pela primeira vez desde o totalitarismo que sofremos há um século, o ódio à Maçonaria avança num país democrático na Europa. Os seus censos são apreendidos, são impulsionadas leis para marcar publicamente os membros em algumas regiões, são feitas grandes declarações criminalizando o pertencer… Algumas destas acções são justificadas pela luta contra a máfia, um flagelo criminal capaz de se infiltrar em todos os tipos de associações, sindicatos, partidos ou instituições. Mas, porque é que apenas os censos da Maçonaria são requisitados ou os maçons são publicamente marcados?

A ideia de que não há diferença entre Maçonaria e a mafia, está inerente no artigo do ABC. Sem dúvida, é muito provável que algum mafioso se tenha conseguido infiltrar em uma associação honorável como a Maçonaria, como terá feito na Cúria, no Sistema Judiciário, nas Câmaras Municipais, nas irmandades da Semana Santa ou nos Carabineros. Mas isto não implica que a natureza de qualquer uma dessas instituições seja criminosa. Esta assimilação entre o inimigo nacional e a Maçonaria – a mafia hoje em Itália, judeus e vermelhos no passado, e, Espanha – é a espinha dorsal da masofobia daqueles que promovem o pensamento único. Esta assimilação é o que, infelizmente, perpassa no artigo publicado pelo ABC.

O ódio à Maçonaria não é novo. Como uma instituição que promove a tolerância e o pensamento livre, é uma constante desde a sua fundação há mais de 300 anos. As páginas do jornal ABC, com uma longa história, têm sido o veículo deste ódio ao Maçon em momentos totalitários dos fundamentalistas políticos ou religiosos da nossa história espanhola do século XX. Infelizmente, a história repete-se.

Oscar de Alfonso Ortega
Grão-Mestre da Gran Logia de España

Eco desta carta pode ser lido AQUI

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *