Goose and Gridiron

(sinal original da taberna “Goose and Gridiron”)

É conhecido o relato segundo o qual, a 24 de junho de 1717, quatro lojas maçónicas se teriam reunido na taberna “Goose and Gridiron” (Ganso e Grelha) e aí constituido a primeira Grande Loja e eleito o seu primeiro Grão-Mestre. Este acontecimento é consensualmente considerado o “dia zero” da Maçonaria Especulativa. Não obstante a sua importância, não chegou aos nossos dias qualquer prova documental deste evento: nem uma ata (que só começaram a lavrar-se em 1723), nem uma lista, nem sequer um simples relato em primeira mão. De facto, o registo mais antigo de que dispomos são as Constituições de Andersen, na sua edição revista de 1738 – ou seja, 21 anos depois. Curiosamente, a versão original – de 1923 – nada refere a este respeito. Muito se especula, três séculos volvidos, quanto à precisão histórica da descrição de Andersen.

O que é certo é que, num local de Londres conhecido por St. Paul’s Churchyard (Adro da Igreja de S. Paulo), houve um edifício de cinco pisos onde esteve sediada uma associação musical chamada “The Mitre” (A Mitra). Numa altura em que mesmo os ricos e nobres eram frequentemente analfabetos, era quase garantido que o fosse a maioria da restante população. Isso levou os fabricantes de sinalética a privilegiar o uso de sinais pictóricos; por mais belo e sóbrio que pudesse ser um sinal escrito, seria inútil se a maioria da população não soubesse lê-lo. Estaria, por isso, afixado sobre a porta do “The Mitre” o brasão da Worshipful Company of Musicians, com o própósito de identificar aquela como uma casa de música.

As armas desta antiga e prestigiada associação musical, fundada por volta de 1500 e hoje conhecida por The Musicians’ Company, consistem num escudo encimado por uma lira, tendo o escudo, na parte superior, dois leões separados por uma rosácea, e na parte inferior um cisne de asas abertas. O cisne a a lira eram, nesse tempo, comummente adotados como símbolo pelas associações musicais.

Pelo início do séc. XVIII a dita associação terá entrado em declínio, altura em que no edifício passou a funcionar uma estalagem e uma taberna; esta adotou o nome de “Goose and Gridiron”. Não sabemos, em absoluto, a razão deste nome, mas é clara a ligação entre o sinal que identificava a taberna e as armas dos músicos. No 1º volume de “Old and New London”, de 1878, o autor, Walter Thornbury, sugere poder o nome ter sido concebido como uma paródia de “Swan and Harp”, um nome popular na altura para casas de música. Mais prosaicamente, oferece a sugestão alternativa de que é simplesmente uma interpretação simplória do brasão da Companhia de Músicos pendurado por cima da porta do Mitre pelos pouco sofisticados frequentadores das lojas e tabernas.

Não me custa, no entanto, imaginar um muito britânico e corrosivo recém-estabelecido taberneiro, ainda sem nome nem símbolo à porta que não os dos anteriores ocupantes, quando indagado sobre se a sua casa era de música, responder que não, que aquilo era um ganso e uma grelha, e que entrassem e fossem bebendo uma cerveja enquanto esperavam pelo ganso…

O antigo edifício já não pode ser visitado: foi demolido no final do séc. XIX, época em que Londres assistiu a um grande aumento populacional. Já o sinal, de ferro e madeira pintada e datado do início do séc. XIX, pode ser visto no Museu de Londres.

Paulo M.

Fontes:

  • http://www.masonicsourcebook.com/grand_lodge_of_england.htm
  • https://en.wikipedia.org/wiki/Premier_Grand_Lodge_of_England
  • https://en.wikipedia.org/wiki/Worshipful_Company_of_Musicians
  • http://www.mqmagazine.co.uk/issue-14/p-32.php
  • https://books.google.pt/books?id=XrYKAwAAQBAJ&lpg=PA50&ots=-_ms4RgOmP&pg=PA50#v=onepage&q&f=false
  • http://www.madamegilflurt.com/2014/11/the-goose-and-gridiron.html

Paulo M.
Publicado no Blog “A partir pedra”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *