ANTIGOS DEVERES: Dos Mestres, Vigilantes, Companheiros e Aprendizes

O quarto tema dos Antigos Deveres respeita directamente aos obreiros, nos seus diversos graus e qualidades:

Toda a promoção entre maçons é baseada apenas no valor real e no mérito pessoal, a fim de que os senhores possam ser bem servidos, os irmãos não expostos à vergonha e a arte real não seja desprezada. Portanto, nenhum mestre nem vigilante é escolhido por antiguidade, mas pelo seu mérito. Torna-se impossível descrever estas coisas por escrito, e cada irmão deve ocupar o seu lugar e aprendê-las na maneira própria desta Fraternidade. Fiquem apenas sabendo os candidatos que nenhum mestre deve tomar aprendiz a menos que tenha ocupação bastante para ele e a menos que se trate de um jovem perfeito, sem mutilação nem defeito no corpo que o torne incapaz de aprender a arte, de servir o senhor do seu mestre, e de ser feito irmão e depois companheiro em tempo devido, mesmo após ter servido o número de anos consoante requeira o costume do país; e que ele provenha de pais honestos; de maneira que, quando qualificado para tal, possa ter a honra de ser vigilante, depois mestre da loja, grande vigilante e, por fim, grão-mestre de todas as lojas, conforme ao seu mérito.

Nenhum irmão pode ser vigilante sem ter passado pelo grau de companheiro; nem mestre sem ter actuado como vigilante; nem grande-vigilante sem ter sido mestre de loja; nem grão-mestre a menos que tenha sido companheiro antes da eleição, e que seja de nascimento nobre ou gentleman da melhor classe ou intelectual eminente ou arquitecto competente ou outro artista saído de pais honestos e de grande mérito singular na opinião das lojas. E para melhor, mais fácil e mais honroso desempenho do cargo, o grão-mestre tem o poder de escolher o seu próprio grão-mestre substituto, que deve ser ou deve ter sido mestre de uma loja particular e que tem o privilégio de fazer tudo aquilo que o grão-mestre, seu principal, pode fazer, a menos que o dito principal esteja presente ou interponha a sua autoridade por carta.

Estes dirigentes e governadores, supremos e subordinados, da antiga loja, devem ser obedecidos nos seus postos respectivos por todos os irmãos, de acordo com os velhos preceitos e regulamentos, com toda a humildade, reverência, amor e diligência.

Este texto mostra claramente que os Antigos Deveres remontam à fase operativa da Maçonaria, isto é, em que se regulavam as regras aplicáveis aos obreiros da arte da construção em pedra. Repare-se que, então, a entrada na Arte se fazia pela porta do Aprendizado, desde que se tratasse de “um jovem perfeito, sem mutilação nem defeito no corpo que o torne incapaz de aprender a arte, de servir o senhor do seu mestre”; provando as suas capacidades, podia então ser “feito irmão” – o que inculca que nem todos os Aprendizes logravam obter tal estatuto -, “depois companheiro em tempo devido, mesmo após ter servido o número de anos consoante requeira o costume do país”, depois, “quando qualificado para tal, possa ter a honra de ser vigilante” e finalmente “mestre de loja”. Trata-se de uma estrutura de enquadramento da aprendizagem e progresão na profissão de construtor em pedra.

É de notar que já na época operativa se regulava mais do que a mera oficina de construção, antes se prevendo a organização e funcionamento de uma vera associação profissional. Assim se compreende a menção a “grande vigilante” e “grão-mestre” e seu substituto.

Estas regras foram, recorde-se, incluídas nas Constituições de Anderson, que asseguraram a transição da Maçonaria Operativa para a Maçonaria Especulativa, estabelendo as bases da Maçonaria Regular, tal como ela é hoje entendida em todo o Mundo.

In Blog “A Partir Pedra” – texto de Rui Bandeira (01.03.07)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *