Revolução entre os maçons: Grande Oriente da Bélgica abre as suas fileiras às mulheres

Grande Oriente da Bélgica
Grande Oriente da Bélgica

Revolução ou evolução no Grande Oriente da Bélgica?

O Grande Oriente da Bélgica (GOB), principal obediência maçónica do país e que conta com cerca de 10.000 membros divididos por 118 lojas, acaba de dar um passo fundamental na sua história de quase dois séculos – foi instalado em 1833, três anos após a independência da Bélgica. De facto, a Assembleia Geral do Grande Oriente adoptou, neste domingo, 16 de Fevereiro de 2020, e por grande maioria, uma reforma dos seus estatutos e regulamentos que, entre outras modificações, agora permitirá que as lojas filiadas nesta obediência liberal e adogmática integrem mulheres no seu seio.

Porquê esta mudança? Há vários anos que o Grande Oriente da Bélgica tem sido confrontado com pedidos de Lojas nele inscritas, principalmente de Bruxelas e sobretudo flamengos, com o objectivo de filiar “Irmãs”, ou de ir ainda mais longe, iniciando mulheres numa obediência que até agora permaneceu estritamente masculina no seu recrutamento. Esta transformação profunda, da qual não podemos dizer de momento qual será o seu real impacto – para além do aspecto simbólico da coisa -, permite ao Grande Oriente da Bélgica alinhar-se com o seu equivalente francês, que está implicitamente aberto à diversidade e à não discriminação há uma década.

O Grande Oriente de França (GOdF), desde 2010, que concede às suas lojas a liberdade de iniciar mulheres, uma liberdade reivindicada há décadas, mas para a qual nunca houve uma maioria, antes de 2010, apesar do facto de que as lojas têm feito filiações selvagens desde 1990 – atraindo em troca, a ira da Obediência. No entanto, convém assinalar, isto não é suficiente, pois no caso do Grande Oriente da Bélgica, como no caso do Grande Oriente de França, pode-se estritamente falar de obediências mistas. De facto, no caso belga, o Grande Oriente da Bélgica reafirma a liberdade e a soberania das Lojas, que doravante serão capazes de decidir independentemente se se filiam ou iniciam mulheres, ou se elas permanecem como são e, portanto, permanecem masculinas.

O Grande Oriente da Bélgica conhecerá uma nova organização e será agora estruturado em três pilares, ou federações: uma federação masculina, onde apenas os homens são iniciados, e cujas Lojas filiadas decidem se darão as boas-vindas ou não às Irmãs; uma federação de mulheres que iniciará somente mulheres e cujas Lojas filiadas decidirão se receberão ou não Irmãos; e finalmente uma federação mista que acolherá Irmãos e Irmãs e iniciará igualmente homens e mulheres. Isto perturba a paisagem da principal Obediência do país, que até agora só permitia uma possibilidade de visitação às Irmãs – nas lojas que permitiam essas visitas, de forma pontual ou sistemática.

Modificados pela decisão de 16 de Fevereiro, os estatutos do Grande Oriente da Bélgica agora incluem no seu primeiro artigo um parágrafo em que “homens” foi substituído por “indivíduos”, e no artigo três a menção da agrupação das Lojas em federações, masculinas, femininas ou mistas – é na verdade este o artigo que sofreu as modificações mais importantes, assim como o artigo 45. Com a entrada em vigor dos estatutos reformados, em breve, as actuais Lojas filiadas no Grande Oriente da Bélgica serão automaticamente registradas na federação de lojas masculinas do Grande Oriente. Mas será suficiente para elas, mediante simples declaração de modificação dos seus regulamentos particulares, registrar-se na federação mista do Grande Oriente da Bélgica. Quanto às lojas da federação feminina, que ainda não existem, devem, antes de ingressar nesta federação ser reconhecidas pelas autoridades do Grande Oriente e obter o seu número de filiação.

A solução escolhida, após vários anos de reflexão e consulta, parece ser uma solução de compromisso aceitável entre sensibilidades muito diferentes a este nível. Havia claramente um grande receio de que uma decisão muito forte levasse à separação, colocando a Obediência em perigo. Deve-se lembrar, de facto, que o Grande Oriente da Bélgica experimentou uma grande cisão em 1959, que deixou uma marca duradoura na sua memória. Isso levou à criação da Grande Loja da Bélgica por cinco lojas que aspiravam a mais “regularidade”, levando no seu rastro o Conselho Supremo da Bélgica que, um ano depois, em 1960, rompeu as suas relações com a Grande Oriente da Bélgica. A Grande Loja da Bélgica, que hoje tem cerca de 3.500 membros masculinos, espalhados por 70 lojas, foi ela mesma afectada em 1979 pela saída de nove Lojas que criaram a Grande Loja Regular da Bélgica, a obediência belga actualmente reconhecida pela Grande Loja Unida de Inglaterra.

Isto resolve um problema que a Obediência arrastava por mais de meio século, problema que a minava e era portadora de uma dupla reivindicação: na Obediência, na cabeça dos Irmãos que desejavam abrir-se à pluralidade, mas também às Irmãs, fora dela, que desejavam aderir. A alteração dos estatutos levanta também as sanções e suspensões até agora impostas a algumas Lojas, que, ao derrogar as regras então em vigor, anteciparam a situação que prevalecerá a partir deste mês de Março de 2020.

O Grande Oriente da Bélgica, trabalhando ao lado de várias obediências masculinas e de uma obediência estritamente feminina, a Grande Loja Feminina da Bélgica, agora permitindo diversidade dentro dela, junta-se assim a duas outras federações de Lojas activas na Bélgica e mistas por natureza: le Droit humain, 75% dos quais são mulheres; e Lithos, uma federação recém-criada de Lojas autónomas (2006) que confederam lojas femininas, masculinas ou mistas – desde que permitam visitas a homens e mulheres. O Grande Oriente, já atravessado por uma estruturação de base linguística – o costume impõe a alternância de trienais de governação entre um Grão-Mestre de Bruxelas, Valão e depois Flamengo – passará agora a ser estruturado também numa base de género, para que haja, um dia, sem dúvida, uma Grã-Mestre do Grande Oriente da Bélgica.

Porém, se a Obediência se está a reorganizar no papel para abraçar uma estrutura complexa, mais do que é hoje, e se seus novos estatutos entrarem em vigor no dia 22 de Março, nada muda na realidade enquanto não houver Lojas que expressem o desejo de modificar o seu regulamento interno e aderir à federação mista. Em princípio, portanto, nada é imposto pelo Grande Oriente da Bélgica às Lojas que o compõem, as quais decidirão com total autonomia o seu futuro e a sua composição. Neste intervalo, a federação mista e, à fortiori, a federação feminina, são apenas perspectivas, não realidades.

Ao mesmo tempo, as sementes do apaziguamento, bem como as de uma nova discórdia, estão lá, bem presentes. A decisão do Grande Oriente da Bélgica pode, de facto, criar uma chamada… Pode-se imaginar que lojas inteiras já existentes noutras Obediências se possam juntar com armas e bagagem ao agora reformado Grande Oriente da Bélgica, o que acarreta as sementes de conflitos potenciais entre o Grande Oriente e as Obediências que poderiam ser vítimas – diz-se que já foram, ou serão em breve apresentados, pedidos de criação de Lojas femininas no Grande Oriente da Bélgica. O Grande Oriente da Bélgica espera, sem dúvida, relançar o seu recrutamento, que está estagnado há vários anos, e estancar a hemorragia – bastante relativa – causada pela saída de alguns dos seus membros para as Obediências que praticam a diversidade. No entanto, há também outras sementes aqui que podem aparecer e, em última análise, perturbar a paisagem maçónica belga, a saber, as de uma futura reunião das várias obediências liberais dentro da mesma estrutura de cúpula.

Como Baudouin Decharneux escreve no seu último livro (“Maçonaria, uma religião entre outras?”, Louvain-la-Neuve, 2019), enquanto a Maçonaria inglesa sempre permaneceu estritamente masculina, a Maçonaria latina desde o início deu lugar às mulheres, nas chamadas lojas de adopção, mas outorgando apenas às mulheres um papel complementar correspondente ao espírito da época. Estas lojas não sobreviveram à Revolução Francesa, e foi somente no início do século XX que a Maçonaria mista viu a luz do dia. A Maçonaria é lenta por natureza; portanto, não é tão surpreendente que o Grande Oriente da Bélgica não tenha se aberto a uma presença igualitária de mulheres dentro dele até ao início do século XXI.

A Maçonaria é um assunto complexo de pesquisa. Conhecemos muito bem a sua história, o seu funcionamento, os seus ritos e símbolos, as oposições que suscitou, as personalidades que outrora fizeram parte dela. Por outro lado, a Maçonologia, pelo menos como é praticada nos países latinos, tem dificuldade em trabalhar a sociologia dos maçons, na medida em que estes são discretos quanto à sua filiação, em particular nos países onde a Maçonaria liberal domina. Ou seja, se a questão da “mistura” é difícil de objectivar em termos de expressão da procura, da adesão à questão entre maçons e maçonas, motivações dos actores sociais, em termos de ligação também com questões de género à medida que surgem noutros sectores da sociedade. O que pode, ao menos em parte, explicar a desatenção dos investigadores a este respeito.

Jean-Philippe Schreiber (Universidade Livre de Bruxelas)

Tradução de António Jorge

Artigos relacionados

3 thoughts on “Revolução entre os maçons: Grande Oriente da Bélgica abre as suas fileiras às mulheres

  • Avatar

    Vejo como uma grande evolução na Maçonaria, a entrada de Mulheres, haja visto que não a Homem Maçom que não foi Gerado por uma Mulher. A Maçonaria deveria ser Plural, agregar a todos de forma Liberal e Harmoniosa.

    Reply
  • Avatar

    Estimado Irmão Antônio Jorge
    S.: F.: e U.:
    Em primeiro lugar meu sincero agradecimento pelo envio de diversos trabalhos, diariamente,.
    Para facilitar as leituras posteriores, passei a selecionar os mais interessantes com o título final de IMPORTANTE. Ocorre, porém, que quase rodos são interessantes e importantes.,
    Sou um eterno Aprendiz, pouco ou nada sei sobre a filosofia da nossa Instituição, no entanto sou seguidor assíduo de expressões arcaicas, cheias de sabedoria, chamadas de PROVÉRBIOS, os quais, sempre, nos momentos difíceis me dão as respostas…
    Agora, com relação a mudança de atitudes maçônicas na Bélgica, entende que se DEUS quisesse igualar as mulheres aos homens, Deus teria feito um único sexo…
    O Ritual maçônico masculino é ou não SOLAE, e nós precisamos de uma INICIAÇÃO, saída da caverna, do túnel… No entanto para mim a mulher com o PARTO já é uma INICIADA, e o ritual de sua caminhada deverá ser feito pela LUA e não pelo SOL.
    Espero, com certeza, as críticas que este meu ponto de vista irá receber.
    Muito obrigado pela atenção que possa me dispensar.
    Com um T.:: e F.: A.:
    Hamilton Rodrigues Ruivo M.: I.:
    Loja Estrela do Atlântico Sul No.: 120
    Porto Alegre Rio Grande do Sul – Brasil

    Reply
    • Avatar

      O mal é tentar igualar o que não é igual. Não é questão de ser melhor ou pior é uma questão de ser diferente.
      Se deixarem sucumbir a essa falsa evolução, vão destruir a única ordem independente que lida com a construção da Liberdade interior.
      Todos são caminhos – a maçonaria atravéz dos tempos aprendeu a trabalhar com o homem.

      .

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *