A castração da Maçonaria

A castração da maçonaria – um ponto de vista americano

anel maçónicoNas últimas décadas, os maçons em todo o mundo têm-se preocupado com o declínio da participação. Todos os tipos de razões foram avançadas para este declínio e muitas soluções diferentes foram tentadas para pará-lo, mas sem sucesso. A linha no gráfico dos membros maçónicos continua a sua tendência de queda constante.

Perdida no turbilhão do argumento de razões e soluções, tem-se a percepção de que a Maçonaria desenvolveu um cisma e que divide na realidade quem tem a melhor maneira de reconstruir o Ofício. É quase como se os Antigos e os Modernos estivessem de volta, mas desta vez não é sobre ritual, mas sobre prática.

Os Antigos de hoje afirmam que a Maçonaria é uma jornada pessoal de aperfeiçoamento moral que prepara um homem para reentrar na sociedade como um indivíduo que constitui para o mundo exterior um exemplo ou modelo de alguém que tomou o caminho mais alto da vida.

Falando para os Antigos de hoje, o Grão-Mestre Provincial Lord Northampton, da UGLE, diz-nos que a Maçonaria não tem nenhum papel na sociedade. Falando pelas Grandes Lojas da Inglaterra, Irlanda e Escócia, ele declara: “A Maçonaria não tem nenhum papel fora da Maçonaria e a única influência que deveria estar a procurar é sobre si mesma e os seus membros”. Ele prossegue dizendo que a Maçonaria é simplesmente uma questão de auto-aperfeiçoamento através da autodescoberta e educação com a Arte apontando o caminho e que um homem que traz as lições e virtudes da Maçonaria no seu coração será então esperado que seja um braço de melhoria para a sociedade como um indivíduo operando como tal fora da Arte. Mas nunca deveria a Maçonaria como uma fraternidade assumir qualquer posição em qualquer questão pública, afirma. “A Maçonaria não é, e nunca se deverá permitir que se transforme num grupo de lobby – não importa quão universal e nobre seja a causa.” [1]

Os “Modernos” de hoje, mais fortes nos EUA, promulgam a prática da “maçonaria comunitária” pela qual a Maçonaria como uma unidade fez um voto de caridade para toda a humanidade e depois entrou na sociedade como uma força colectiva para elevar os menos afortunados.

Esta visão é apresentada apropriadamente pelo Secretário Executivo da MSANA, Richard Fletcher, que reconhece as raízes da Ordem no Iluminismo, mas depois “moderniza” esse património em acção e envolvimento da comunidade, palavras que podem ser lidas como a Caridade Institucionalizada. Ele diz-nos:

Na minha opinião, não há nada que os Freemasons possam fazer que seja mais importante do que assumir o papel de construtor da unidade ao ser visto nas nossas comunidades, fazendo o trabalho comunitário e mostrando, por exemplo, o que significa ser parte de uma família, não só a nossa própria família, mas a família do nosso estado, a família da nossa nação. Sem o perceber completamente, os maçons costumavam fazer essas coisas. Mas, assim como o resto do país, o nosso “sentido de propósito” está corroído”. [2]

Outro comentador maçónico, Tony Fels, reafirma esta posição do aumento da participação maçónica quando diz: “Parece haver muita conversa dentro da ordem maçónica sobre o que pode ser necessário para despertar um renascimento de interesse, especialmente entre pessoas mais jovens, nos princípios e na prática da Fraternidade. Certamente, a tendência contínua entre muitas Grandes Lojas e Lojas locais para se tornarem mais visíveis nas suas comunidades locais, patrocinando fundos de bolsas, campanhas de limpeza e outras actividades benevolentes, ajudará a atrair para a fraternidade maçónica, as pessoas que desejam participar na comunhão da loja”. [3]

Ausente desta luta sobre os corações do maçom está o facto de que a Maçonaria consiste em duas áreas distintas de actualização e que ambas são igualmente válidas e ambas são absolutamente necessárias para o Maçom Completo. Simplesmente afirmou que estas duas partes do todo são:

  1. A jornada privada e pessoal em que um maçom lê e estuda por conta própria e, em seguida, aplica as virtudes e lições da Arte na sua vida diária, construindo o Templo dentro de si.
  2. A reunião na comunidade maçónica, através da qual os maçons iniciam novos membros, exemplificam rituais e costumes, cimentam os laços de fraternidade através da comunhão maçónica e interagem com a comunidade maior em geral.

A Maçonaria é então pública e privada, singular ou em grupo, aberta ou fechada. Não é justo dizer que a Ordem é exclusivamente uma ou outra. É uma mistura de prática tanto quanto a igreja de uma pessoa é. Pode ler o seu livro sagrado em particular, longe da igreja, e depois aplicar as lições da sua religião a todos que ele conhece, e pode oferecer privadamente as suas adorações à divindade na solidão da sua solitude. Ou pode ir à igreja e orar e adorar na comunidade dos crentes. E pode participar num jantar da igreja, estudo bíblico ou trabalho missionário com outros, indo até às ruas e ao público em geral. Dizer que a igreja de alguém é apenas mudar o coração de cada membro individual e não envolve a recepção do espírito ou a transformação na interacção do grupo é tão errado quanto dizer a mesma coisa sobre a Maçonaria.

No entanto, não estamos aqui para tomar partido e declarar um vencedor, mas para declarar que nem os Antigos de hoje nem os Modernos de hoje têm a resposta, já que ambos estão errados.

Os Antigos interpretaram mal a proibição do envolvimento da Loja na política. A política e a religião podem ser discutidas em Loja e na Maçonaria, pois uma fraternidade pode-se envolver na política e na religião publicamente. Somente a política partidária e a religião sectária são proibidas. Isso é para dizer que não é a aplicação geral, mas a específica que leva ao proselitismo e ao problema. Esta má interpretação fez com que os Antigos praticassem apenas metade da Maçonaria. A metade que praticam é totalmente correcta, mas metade do pão não é a coisa toda, é como tentar andar com apenas uma perna. A Maçonaria não é projectada para ser praticada como o Cristianismo Monástico sem preocupação ou relação com o mundo exterior. Nós, como maçons, não somos monges da Arte.

No entanto, os Modernos, principalmente os americanos, não se saem melhor nesta análise porque eles não apenas subestimaram a importância da instrução, da educação e da pesquisa e do estudo privados na Maçonaria até ser virtualmente inexistente, mas também assumiram a responsabilidade pública de ser aquele que coloca o principal papel da Maçonaria como salvadora dos pobres e menos afortunados do mundo. A missão na sociedade foi corrompida pelas Grandes Lojas que transformaram a Maçonaria Americana num Clube de Serviços em nome da “Consciência Maçónica”, por meio da qual os maçons gastam todo o seu tempo, dinheiro e talento na Caridade Institucional cujo principal objectivo é a publicidade maçónica e o marketing da Maçonaria. Isto não é cuidar da sociedade ou uma tentativa de apoiar os líderes da sociedade na sua busca por uma nação melhor. Pelo contrário, é uma tentativa de comprar ou subornar amigos. E ao fazê-lo, a Maçonaria, que se proclama uma sociedade nobre e virtuosa, parece hipócrita. Certamente não é um caminho que Dale Carnegie teria escolhido. Os Antigos de hoje diriam que as virtudes e lições da Maçonaria ensinam um Irmão individual a ser caridoso, mas enão ensinam uma Loja a ser o mesmo.

Para olhar para o tradicional caminho verdadeiro da Maçonaria em relação com o seu papel na sociedade, basta olhar para a sua prática logo após a sua organização formal em 1717 e a alta preponderância dos líderes mais proeminentes da sociedade que eram maçons. Para se ver, houve um tempo em que a maçonaria americana contava dentro das suas fileiras com líderes profissionais, intelectuais e governamentais, bem como proprietários e gerentes de empresas. Homens proeminentes, os motores e os agitadores da sociedade, eram maçons. Deve ser lembrado que a Maçonaria foi um produto do Iluminismo e a prática inicial da Arte envolveu influenciar directamente a sociedade. Os maçons de então não tinham escrúpulos em defender e trabalhar pela democracia, separação entre igreja e estado, liberdade religiosa e educação escolar pública para todos. Ben Franklin, Paul Revere, John Hancock, George Washington e uma série de outros, estavam intimamente envolvidos na Revolução Americana e, portanto, no refazer da sociedade da sua época. Os líderes da sociedade juntaram-se à Maçonaria porque a Maçonaria estava envolvida em trabalhar pelo melhoramento da sociedade. Isto foi política e religião ou foi meramente uma expressão e implementação desses direitos inalienáveis ​​dados a toda a humanidade pelo seu Criador?

Hoje, sob uma má interpretação estrita da proibição da política e da religião, a Maçonaria Americana não tem nada a ver com o funcionamento da sociedade e nem sequer comentará sobre qualquer violação de direitos e liberdade feita por diferentes nações ao redor do mundo ou defendida por vários grupos, aqui e no exterior. Isto tornou a prática da Maçonaria tão sem graça que desencorajou os líderes da sociedade a se tornarem membros. Se a Maçonaria Americana escolhe não se preocupar com a sociedade, porque é que a sociedade se deveria preocupar com a Maçonaria? Se a Maçonaria apoiasse os líderes da sociedade a fazer uma América mais livre e melhor, então aqueles líderes mais uma vez seriam parte da Maçonaria.

O irmão A. Gonçalves, da Grande Loja de Portugal, afirma isto com bastante clareza. “Nós maçons regulares não vivemos em cavernas ou guetos, fora da sociedade. Nós vivemos dentro da sociedade; nós somos uma parte íntima dela. Temos responsabilidades especiais que assumimos como privilégios, porque são obrigações morais e éticas ”. A maçonaria não é e não pode ser passiva ”, diz ele. Ele prossegue afirmando que os problemas do indivíduo e os problemas da sociedade se encontram na comunalidade da liberdade. A Maçonaria está para sempre ligada ao Iluminismo, à Revolução Americana, à Carta dos Direitos Humanos, à Carta das Nações Unidas, à UNICEF e a muitos outros. Ele fala sobre o Grão-Mestre do Chile, dirigindo-se a uma audiência maçónica nos Estados Unidos, enfatizando que a Maçonaria não é porta-voz de nenhum partido político nem deve haver proselitismo política na Loja, mas “as Grandes Lojas devem compartilhar alguns conceitos comuns como: oposição a qualquer tirania que negue ou restrinja, de qualquer forma, a igualdade humana e a liberdade individual para a realização completa dos direitos democráticos; um claro apoio ao direito de expressão e a uma existência justa; o respeito à soberania das nações; o reconhecimento da democracia como sistema de governo e aspiração individual ao melhoramento cultural de qualquer sociedade. A democracia e a maçonaria são sistemas substanciais e activos de progresso social dos Povos, porque ambos agem como fonte de liberdade de expressão e consciência e como um fermento para a paz interna e externa”. [4]

O caminho para a Renovação e Crescimento Maçónicos leva a uma reconexão com a sociedade através de uma afirmação constante de seus objectivos mais humanitários. Há quatro áreas principais que gostaria de destacar, onde a Maçonaria pode retornar um sentido de propósito, no seu papel na sociedade.

Discriminação

Como líder mundial em tolerância e aceitação de muitas culturas e povos diferentes, esta é uma área em que a Maçonaria americana precisa de colocar toda a sua casa em ordem. Não há espaço numa fraternidade que defenda a igualdade entre todos os homens, para que haja discriminação racial, religiosa, cultural ou económica. Nem há espaço para isso, na sociedade americana também. A Maçonaria Prince Hall tem sido, durante anos, uma grande apoiante do movimento dos Direitos Civis. Eles têm a mesma proibição nas suas Lojas contra a política partidária e religião sectária como a restante Maçonaria tem. No entanto, eles não vêem nenhuma violação dessa tradição, quando trabalham pelo mesmo tratamento igual de todos os homens. Defendem completamente, os princípios antidiscriminação e irão percorrer um longo caminho para convencer os líderes da sociedade de que a Maçonaria é sincera no seu apoio.

Liberdade

Os maçons americanos há muito tempo que são os defensores da liberdade. Não é por acaso que a frase “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” foi escrita. E advogar a busca da felicidade irrestrita pelas restrições às liberdades dadas por Deus nunca é não-maçónico. Os maçons americanos lutaram para nos libertar do domínio britânico e depois desempenharam um papel importante na estruturação da estrutura e do governo da mais longa sociedade livre na história do mundo.

Evitar a política não significa negar o civismo. O gozo da harmonia social pelos membros da Loja dependia da paz e liberdade garantidas pelas autoridades civis. Cada Loja foi planeada como um microcosmo da sociedade ideal. “Um Maçom é um sujeito pacífico para aqueles Poderes Civis que garantem a expressão da liberdade fundamental”, diz Giuliano Bernardo”. Sem a liberdade, a Maçonaria não pode existir”. [5]

A Maçonaria não foi autorizada a existir sob Hitler, Stalin, Mao e outros déspotas. Todos os tiranos reconheceram que os princípios da Maçonaria prejudicam a sua regra de controle total. Sendo assim, não seria inapropriado para a Maçonaria deixar o mundo saber que está activamente a apoiar as liberdades de todos os povos. E em casos de extrema supressão e impiedade, a Maçonaria é obrigada a falar e a trabalhar pela Liberdade, como fez durante o Iluminismo pela democratização do governo.

Direitos humanos

Prisão sem causa, tortura, negação do devido processo legal, escravidão, limpeza étnica, proibição da liberdade de expressão, recusa à liberdade de religião e liberdade de associação e terrorismo são apenas algumas das violações dos direitos humanos que podem ser mencionadas, todas elas contrariando a crença da Maçonaria no valor do indivíduo, portanto totalmente incompatível com a Maçonaria. Então, por que não dizê-lo? Não há nada politicamente partidário sobre os direitos humanos básicos e a dignidade do homem.

A renomada historiadora e cronista maçónica, Dra. Margaret Jacob, recentemente teve de responder a uma questão sobre o que ela pensava que seria a causa que a Maçonaria deveria defender para restaurar um sentido de propósito para a Ordem e recuperar o seu papel na sociedade. [6] Ela estava muito relutante em responder, já que ela disse que não era Maçon, mas quando pressionada, disse que a sua escolha seriam os Direitos Humanos.

Paz

A Maçonaria procura unir as diversas pessoas e não dividi-las. Abomina a coerção e o uso da força, excepto em autodefesa. Não defende uma causa política em detrimento de outra, uma religião em detrimento de outra, nem uma raça em detrimento de outra. Cada Templo Maçónico é um oásis de paz onde a paz e a harmonia fluem. Quando se entra num Templo Maçónico, deixa-se todas as diferenças fora da porta. A Maçonaria é a única organização no mundo que reúne em paz e harmonia homens de diferentes culturas, credos, raças, religiões, circunstâncias económicas e convicções políticas. É a maior esperança de paz que o mundo tem.

Este é um dos assuntos favoritos de Paul Bessel, que considera o papel da Maçonaria na sociedade como uma forte defensora dos direitos inalienáveis do homem designados pelo seu Criador.

Esta ideia de o papel da Maçonaria ser elevar a sociedade e apoiar a democracia e a liberdade não é um conceito tão radical. No início dos anos 1900, parece ter sido um conceito dominante na Maçonaria Americana. Os principais escritores maçónicos falaram sobre a Maçonaria trabalhando para o bem da sociedade, reunindo homens de todas as raças, religiões e origens e promovendo a paz mundial”. [7]

Bessel lembra-nos que Roscoe Pound era inflexível na sua crença de que a Maçonaria deveria promover a universalidade da humanidade e que H. L. Haywood considerava os importantes subprodutos da Maçonaria, como sendo a Igualdade, a Liberdade e a Democracia. E então Bessel faz a sua forte afirmação de permitir que a Maçonaria seja tudo o que pode ser.

A Maçonaria poderia ser, e poderia ter sido, no passado, a única instituição no mundo que, em todos os momentos, promove a tolerância e o encontro no nível. Poderíamos ser os líderes na busca da harmonia racial, ecumenismo religioso, cooperação entre homens e mulheres, civilidade entre pessoas que acreditam em diferentes filosofias políticas e amizade entre aqueles que escolhem viver as suas vidas de forma diferente dos outros. Poderíamos ser melhores do que as Nações Unidas, a Amnistia Internacional e as organizações inter-religiosas, todas juntas, porque poderíamos ser a principal organização a apoiar a tolerância para todos, em todos os lugares, em todas as circunstâncias. Este seria um papel único para a Maçonaria”. [7]

Trabalhando activamente e lutando pela eliminação da discriminação, pela liberdade e liberdade para todos, pelos direitos humanos e pela paz mundial, a Maçonaria pode recuperar o respeito e o envolvimento dos líderes da sociedade de hoje. Pode interagir com a sociedade como parceira na promoção do que é nobre, justo e correcto, promovendo a dignidade e o valor de cada indivíduo em vez de usar a sociedade para promover os seus próprios fins. A grandeza da Maçonaria estará em actuar como um veículo através do qual a sociedade se pode melhorar a si mesma, individual e colectivamente, pois nenhum homem é uma ilha e nenhuma instituição existe num vácuo. Todos nós estamos a viajar juntos nesta jornada da vida; nós somos todos um.

Frederic L. Milliken

Tradução de António Jorge

Nota: o original deste texto já tinha sido publicado no Blog “A partir pedra”, por Rui Bandeira

Bibliografia

[1] Lord Northampton, MW The Pro Grand Master, The Most Hon. the Marquess of Northampton, DL, at the European Grand Master’s Meeting on 5th & 6th November 2007 http://www.ugle.org.uk/news/european-speech.htm

[2] Franklin, Freemasonry and the Enlightenment by Richard E. Fletcher – SHORT TALK BULLETIN, Março, 2009

[3] Is Freemasonry A Religion?  Learning from a 19th-Century Masonic Debate por Tony Fels – HEREDOM, Volume 15, 2007 – page 175

[4] Freemasonry Role on The 21st Century pelo R\W\B\ A. Gonçalves, Secretário da Loja Estrela da Manhã, nº 7, da Grande Loja Regular de Portugal.

[5] The Masonic Concept of Liberty, Freemasonry and the Enlightenment by W. Bro. Alex Davidson http://www.freemasons-freemasonry.com/Davidson.html

[6] Masonic Central Radio Podcast 3/12/09, part of the mega Masonic site Freemason Information, http://www.freemasoninformation.com/

[7] Masonic Traditions in our Past and our Future por Paul M. Bessel, apresentação na Loja La France nº 93, F.A.A.M., Washington, D.C., Septembro 8, 2000

Artigos relacionados

3 Comentários em “A castração da Maçonaria

  • Avatar

    Não vejo a hora de receber o meu convite

    Reply
  • Avatar

    Sempre de forma polêmica essa forma de ver as coisas, o que a Maçonária deve ou não apoiar e até mesmo incorporar nos seus rituais. O que foi não necessariamente é, a Maçonaria precisa manter o que é bom e se reinventar para atender ao que lhe dar sentido de existência, significado.
    Excelente apanhado de ideias dentre as mais conhecidas, parabéns aos envolvidos.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *