A Maçonaria é uma perda de tempo

perda de tempoDeixe-me começar por repetir esta afirmação categórica. Caro leitor, a Maçonaria é uma perda de tempo. Mas espere um momento antes de pressionar a tecla Delete. Antes de fazer isso, convido-o a considerar o significado do que acabei de escrever.

O que significa perder tempo? À primeira vista, parece ser uma proposta simples. O que acha?

Para não estender este pequeno ensaio, proponho uma definição possível: perder tempo é gastá-lo fazendo algo inútil ou não fazer nada. Por outras palavras, matar o tempo. William James, o psicólogo, disse que matar o tempo não é assassinato, mas um suicídio.

Voltando à definição que acabei de propor, evidentemente a segunda possibilidade não se aplica a nós. Estamos a fazer alguma coisa, embora não tenha a certeza, mas não estamos a acumular poeira. A primeira possibilidade é, então, a única que nos é aplicável: estamos a fazer algo… inútil.

Mas então surge outra questão. O que significa “inútil”? Ou, por outras palavras, quando é que uma actividade é útil?

Aqui estamos a entrar no campo minado da filosofia. Mas não tema – não seguirei o conselho de Bertrand Russell, que escreveu que, para um filósofo, ser inteligível é suicídio.

Mencionei o suicídio e, como não incentivamos a auto-imolação, devemos tentar decidir de imediato o que é útil e, para começar, vamos dar olhar para a doutrina que considera a utilidade como a base de toda a filosofia: o Utilitarismo.

Vejamos o que um dicionário de filosofia diz sobre o Utilitarismo:

O Utilitarismo é a doutrina que mantém a primazia do valor da utilidade acima de todos os outros valores ou que até sustenta que apenas é um valor apropriado“. Ou seja, não há nada valioso se não for útil”.

Mais tarde, o dicionário explica que, basicamente, o utilitarismo sustenta que tudo na natureza é, ou vantajoso ou prejudicial.

O filósofo inglês Jeremy Bentham fez uma habilidade e substituiu Prazer por Utilidade. Ou seja, útil é o que nos dá prazer ou evita a dor. O seu seguidor John Stuart Mill, outro inglês, talvez o mais famoso no campo utilitarista, afirma que existem vários graus de prazer e chega à conclusão de que os prazeres intelectuais e afectivos são superiores aos físicos. O prazer de ouvir boa música ou encontrar a resposta para um problema, diz ele, é mais alto do que comer uma iguaria ou levar para a cama uma jovem. Não vou continuar com esta linha de pensamento, mas acredito que Mill escreveu isto quando tinha 55 anos, o que no seu tempo era uma idade avançada, quando aventuras amorosas talvez já excedessem as suas capacidades.

Tudo isto é bastante abstracto. Vamos descer à terra. Quando dizemos que algo é útil para nós, isso significa que ganhamos alguma coisa com isso. O lucro pode ser material, como ganhar mais, por exemplo, ou tomar um remédio para melhorar, ou pode ser irrelevante, como ter bons amigos.

A partir dessa perspectiva, vamos ver se é útil vir à Loja, sentar-se para ouvir uma palestra, fazer uma cerimónia, colocar algumas moedas na bolsa da caridade, comer uma refeição menos que sumptuosa e voltar para casa.

Onde é que está o lucro nisto tudo?

Em Loja não ganhamos dinheiro, não fazemos negócios, nem nos aproveitamos uns dos outros e, eu ouso dizer, sentar um par de horas em cadeiras duras não proporciona grande prazer.

Não seria mais agradável permanecer confortavelmente sentado na poltrona em frente à Televisão ou ao computador, tomar uma bebida, ouvir boa música, ler uma história de detectives ou algo mais sério?

Isto, seria sem dúvida agradável, isto é, útil.

No entanto, acho que começamos a discernir sinais de que nem tudo está perdido.

Vamos ver. Qual é o objectivo declarado da nossa instituição? A Maçonaria – dizemos – pretende ter homens bons e torná-los melhores, e através deles eles melhorar a sociedade humana para alcançar o ideal de uma humanidade sábia, ilustrada e tolerante, onde a fraternidade se torne o vínculo universal entre todos os seres humanos.

Estes objectivos são úteis? Devemos supor que são, mesmo que sejam inatingíveis num determinado momento ou num determinado ambiente.

Aqui, vamos voltar ao assunto do Utilitarismo. Não pode haver dúvida de que o ódio, a guerra, os conflitos, o terrorismo não podem dar prazer. Apenas mentes doentes podem encontrar satisfação em assassinar crianças. As pessoas normais não se divertem com a dor dos outros. Consequentemente, tudo o que leva a suavizar os pontos difíceis entre as pessoas, isto é, aumentar a fraternidade, deve ser positivo e útil.

Eu estou a contradizer a minha afirmação inicial. Perigoso. Mas vamos seguir em frente.

Vamos examinar algumas outras actividades da vida quotidiana. Por exemplo, é útil ir ao estádio para assistir a um jogo de futebol? Não só não nos dá lucro material – não ganhamos nada – mas pelo contrário, temos de pagar a entrada. Qual é o lucro nisso? Algo imaterial: o prazer de ver a nossa equipa vencer, ou a oportunidade de mandar o outro para o inferno se ele vencer.

Lembrem-se de que, quando ganhamos, é porque merecemos, mas se o outro lado vencer, foi por pura sorte.

Vamos ver outras actividades. Ler um bom livro ou assistir à televisão, até que ponto é útil? Temos de concluir que sim, apenas na medida em que nos dão prazer, satisfação, o que significa que estamos a confirmar a proposta de Bentham que mencionei anteriormente.

Mas se é assim, há uma série de actividades comparáveis, como ir ao cinema, ao teatro, à ópera, a um concerto, às compras, à igreja ou, finalmente, ao cemitério. Alguém disse que assistiu aos funerais de todos os seus amigos; caso contrário, eles não viriam ao seu.

Em todas estas ocasiões que acabei de mencionar, podemos afirmar que estamos a perder tempo, a menos que aceitemos a equivalência entre útil e agradável.

Contudo, há acções, como atar um nó, ir ao barbeiro, engraxar os sapatos, o que, mesmo sob esta perspectiva, não podem ser consideradas úteis. Não há obrigação moral de cortar o cabelo, e não acredito que dê prazer. No entanto, nós fazemo-lo, perdendo tempo.

O tempo, queridos irmãos, é o único bem insubstituível; e ainda assim, gastamo-lo dia a dia, hora após hora, e minuto a minuto.

Voltemos para a Loja. Provavelmente, já percebeu que o meu argumento tem uma falha básica, uma lacuna crucial. Eu tenho falado o tempo todo do ponto de vista do indivíduo, e ignorei, por enquanto, o resto do mundo, a família, o ambiente humano em que vivemos, a sociedade ao qual pertencemos.

Ampliando o âmbito, fazendo “zoom out”, o problema torna-se mais complicado; alguns actos podem não ser úteis para o indivíduo, mas são para a comunidade. Um exemplo simples é o do soldado que arrisca a vida para proteger o país. Não há prazer em patrulhar a fronteira ou sentar-se dentro de um tanque, e ainda assim, nós fazemo-lo, porque é útil para o país, e o país inclui a nossa família, e a família inclui-nos a nós. Então aqui temos um exemplo de algo útil que não dá prazer.

Ainda na nossa Loja, eu pergunto-me se realizar bem uma cerimónia, uma iniciação, por exemplo, dá prazer. Eu acredito que sim. É o mesmo prazer de cumprir bem um dever, de realizar uma tarefa bem feita. É o mesmo prazer do artista que completa o seu trabalho, do músico que está satisfeito por ter tocado perfeitamente.

Mas há mais. Nós lemos artigos – não este, é claro – e aprendemos algo. Um filósofo disse que quando a mente se amplia para incluir uma nova ideia, ela nunca volta ao seu tamanho anterior. Ampliando o nosso horizonte mental, podemos tocar a borda do desconhecido. Isto é filosofia, meus irmãos; como Bertrand Russell disse, a ciência é o que se conhece; filosofia é o que não se conhece.

Se considerarmos apenas a riqueza material, na Maçonaria estamos realmente a perder tempo, mas se lidarmos com a riqueza mental, ouso dizer, a riqueza espiritual, então estamos de facto a ficar ricos. Rico em ideias, em amigos, em oportunidades de contribuir para o bem-estar da sociedade e para o progresso do nosso país. Então confesso que estava enganado no título do meu trabalho. Talvez tenha sido intencional.

Cheguei ao final do meu texto. Alguém disse que, se não se puder dizer o que quer dizer em vinte minutos, é melhor escrever um livro.

A mensagem que queria transmitir com este artigo é muito simples: se perdemos tempo na Maçonaria ou não, depende apenas de nós. Vamos todos e cada um de nós, fazer tudo o que for necessário para que nunca sintamos que desperdiçamos o nosso tempo.

Leon Zeldis

Tradução de António Jorge

Artigos relacionados

2 Comentários em “A Maçonaria é uma perda de tempo

  • Avatar

    Muito instigante e corajoso este texto; provoca reflexões e dá vontade de compartilhar com os Irmãos que não tiveram oportunidade ou interesse em ler…

    Tenho um pedido a fazer: interessaria-me muito saber algo sobre os autores dos artigos aqui publicados (de onde são, Loja etc); até para quando falar e recomendar o artigo poder ilustrar com o adequado resguardo da autoria.

    Reply
  • Avatar

    Gostei muito do texto

    Gasto o meu tesouro (tempo) a filosofar sozinho e a fazer experiências E cheguei a uma conclusão….porque não com alguém como eu
    Estou aberto a trocar ideias do desconhecido e metelas em prática

    Cumprimentos Fernando sousa

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *