A Maçonaria Feminina em Portugal – Um pouco de História

Se é certo que a Grande Loja Feminina de Portugal perfez dez anos no dia 29 de Março de 2007, não é menos certo que a grande e feliz aventura começou muito antes.

Deixem-me recordar.

Eram os finais do ano de 1979. O Grande Oriente Lusitano queria comemorar o 130º aniversário do nascimento do Dr. Sebastião de Magalhães Lima, advogado, escritor, jornalista, um dos mais lúcidos e dedicados propagandistas dos ideais republicanos, ministro da Instrução Pública após a revolução de 14 de Maio de 1915 e, principalmente, para os Membros do Grande Oriente Lusitano, um dos mais ilustres Grão-Mestres da História dessa Obediência Maçónica.

O Grande Oriente Lusitano queria utilizar a Biblioteca Nacional para organizar as comemorações à altura do ilustre comemorado: uma exposição documental e iconográfica, ilustrada com colóquios e conferências. Tudo isto durou duas semanas, durante as quais tivemos muitas ocasiões para conhecer melhor o Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano de então, o Comandante Simões Coimbra, assim como o Dr. Pisani Burnay, alto dignitário dessa mesma Obediência, assim como muitas outras personalidades, diríamos hoje: “muitos outros Irmãos“…

Passadas estas comemorações, começou a aventura.

Os dois ilustres Maçons já citados estavam a fazer contactos com Mulheres Portuguesas, apresentando-lhes a proposta de recriarmos a Maçonaria Feminina, que já tinha tentado existir entre fins do século XIX e princípios do século XX, sobretudo depois de implantada a República. Tinha chegado a vez da Manuela Cruzeiro ser também contactada, a qual, num estado de espírito de surpresa, de temor, de deslumbramento, mas também, de uma primeira impressão de incapacidade de arcar com responsabilidades ainda desconhecidas, enfim, um verdadeiro “estado de choque”, fez muitas perguntas às quais eles responderam serenamente, observando-a, numa espera silenciosa.

Ela prometeu pensar em toda a conversa. Era uma 6ª feira.

– Se a inclinação dela fosse favorável ao projecto, disseram-lhe eles, convidavam-na a ir a casa do Dr. Dias Amado, onde, na 2ª feira seguinte, se realizaria uma reunião para se discutir este assunto.

Essa reunião incluiu também, além do dono da casa, o Professor Oliveira Marques, a poetisa Natália Correia, a Jornalista Maria da Graça Pessoa Pons, que vivia em França, para onde se tinha exilado por motivos políticos, o Comandante Simões Coimbra e o Dr. Pisani Burnay.

Poucos meses depois desta reunião, o Dr. Dias Amado faleceu.

Houve um prolongado silêncio de muitos meses, quase um ano. Até que, um dia, um novo grupo de Maçons, organizou outra reunião. Não eram as mesmas pessoas, mas o assunto era o mesmo: fazer renascer a Maçonaria Feminina em Portugal. Estavam lá reunidos o Fernando Marques da Costa, o Rui Rocha, o Laureano Carreira, a Maria Belo, a Manuela Cruzeiro, entre outros. Da conversa tida, durante essa tarde, saiu a decisão de fazer renascer a Maçonaria Feminina em Portugal.

Estávamos então em 1981. Começaram a intensificar-se os contactos e, em 1982, consideraram-se reunidas as condições para concretizar o projecto.

As primeiras 4 Mulheres portuguesas da futura Grande Loja Feminina de Portugal foram iniciadas em França, no dia 3 de Outubro de 1982. Dessas quatro, duas vieram a afastar-se, mas as outras duas permanecem nas hostes: Maria Belo e Manuela Cruzeiro.

Em 1983, instalada a primeira Loja Portuguesa, “Unidade e Mátria”, começou o recrutamento das Mulheres portuguesas que trabalhariam até 1997 … 14 anos … para construir a Grande Loja.

Falemos de alguns números e factos dedicados às que vieram depois de 1997. Como foi dito, nos primeiros dias de Outubro 1982 foram iniciadas as primeiras quatro mulheres maçons desta 2ª República (embora a primeira, forte e valente, não tivesse sido exactamente uma república).

A 6 de Maio de 1983, levantou colunas a segunda Loja portuguesa (uma existiu nos primórdios do século 20) se apenas contarmos as Lojas femininas independentes e não as de adopção. 15 maçonas da G:.L:.F:.F:., francesas, depois de um ano de reuniões preparatórias, receberam luz verde para iniciar a maçonaria feminina em Portugal como fundadoras da Loja Unidade e Mátria. Nela foram integradas as quatro aprendizas, que nesses dias subiram a companheiras tendo sido iniciadas 6 novas maçons.

Unidade e Mátria foi crescendo e tinha já iniciado 33 Irmãs dispensando assim a presença das suas fundadoras, quando foram levantadas colunas de mais duas Lojas, ambas a 21 de Fevereiro de 1988: a Loja Lusitânia, a Oriente de Lisboa que contou com 15 fundadoras das quais 4 portuguesas, embora ainda sem ofício; e a Loja Invicta, a Oriente do Porto, com 14 fundadoras, das quais 6 portuguesas mestras já com ofícios. Integravam esta última Loja duas companheiras portuguesas, também como adjuntas de ofícios. Todas as fundadoras eram diferentes o que significa que se empenharam 19 mestras francesas e dez mestras e duas companheiras portuguesas nesse trabalho. Se para as portuguesas não foi fácil viajar regularmente para o Porto, mais difícil terá sido para as nossas Irmãs de França (uma aliás do Luxemburgo), as quais quero aqui homenagear.

Estavam criadas as condições, para, com o desenvolvimento destas duas Lojas, se começar a preparar a Obediência. Enquanto isso, também em 22 de Fevereiro, mas de 1992, dez anos depois das primeiras incitações de maçonas portuguesas, criava-se mais uma quarta Loja a Oriente da Figueira da Foz, a Loja Claridade que já não necessitou de auxílios exteriores. Foram fundadoras 17 maçonas, das quais já só duas francesas, ou antes, portuguesas da G:.L:.F:.F:. que viviam uma em França e outra no Luxemburgo, movidas por laços de afecto.

Foi assim que, em 1993, haviam já sido iniciadas em Portugal 88 mulheres, começaram os trabalhos directos para a criação da GLFP. Foram trabalhos preparatórios e exploratórios, de maturação. E a partir de 21 de Dezembro de 1994, com diversas reuniões entre as 4 Veneráveis das Lojas, foi feito o arranque final com a ajuda directa da G:.L:.F:.F:.. Durante um ano, os primeiros passos foram, como era natural, hesitantes. Até que, em Janeiro de 1996, a G:.M:. Adj:. da G:.L:.F:.F:., Marlène Vannier, reuniu com as Irmãs disponíveis (24 Mestras, 8 Companheiras e 10 Aprendizas). Nessa reunião foram fixadas as condições e regras para a estruturação da Obediência de forma a que no Congresso da G:.L:.F:.F:. desse ano, em Setembro, fosse votado o nosso pedido de patente que seria entretanto apresentado e assinado pelas 4 Veneráveis Mestras das Lojas portuguesas, pedido a que teria de se juntar o nosso projecto de Constituição.

Foi constituída uma Comissão de Coordenação de 12 Mestras, cada Loja tendo eleito, em Sessão e por voto secreto 3 Mestras com mais de três anos.

Esta Comissão tinha por mandato elaborar os termos da Constituição da futura Obediência e de os submeter a uma AG para que seriam convocadas todas as Mestras. O projecto a discutir e votar teria de ser sujeito às Lojas com um mês de antecedência. O voto positivo necessitaria de 2/3 das Mestras presentes.

Assim se fez e AG teve lugar a 24 de Março desse ano. O projecto de Constituição aprovado (ainda viria a sofrer pequenas modificações propostas pelo Conselho Federal da G:.L:.F:.F:.) e o pedido de patente assinado nesse dia pelas 4 Veneráveis em exercício, (de que só está hoje entre nós a Manuela Cruzeiro) foi enviado à G:.L:.F:.F:.. Estudado no Conselho Federal e enviado para estudo nas Lojas francesas, a G:.L:.F:.F:. aprovou enfim a criação da obediência Portuguesa no seu Congresso de Setembro de 1996 e a 7 de Dezembro o Conselho Federal aprovou também a data de 29 de Março de 1997 para a entrega da patente.

Vale a pena um parêntesis para observar o seguinte. Há já muitos anos, a G:.L:.F:.F:. havia criado uma Loja chamada Rosa dos Ventos cujo objectivo tem sido a de fundar Lojas e eventualmente criar Obediências fora de França. Portugal foi, curiosamente, o único país onde as primeiras Lojas e em seguida a Obediência não foi fruto do trabalho da Rosa dos Ventos, mas de Irmãs, que de uma forma ou de outra tinham laços com Portugal, e como já vimos, com o impulso forte, entusiasta e fraterno dos Irmãos do GOL, apoio que nunca deixaremos de reconhecer.

Entretanto os trabalhos da Comissão das Doze continuaram. Havia então já 124 maçons portuguesas iniciadas em Portugal. Antes da cerimónia de Instalação, em Fevereiro de 1997, uma nova AG de Mestras portuguesas foi convocada para eleger, em Sessão Solene, por voto secreto, o primeiro Conselho Federal de 18 membros e de entre elas a 1ª Grã-Mestra portuguesa, a nossa Irmã Manuela Cruzeiro. Desse Conselho Federal faziam parte Mestras de todas as Lojas.

Em seguida foi só preparar as festividades. Para a ocasião, o Júlio Pomar ofereceu-nos um desenho de que foi feita uma litografia de que ainda existem bastantes exemplares e que pode ser comprada pelas II que quiserem. É um belo Pomar, de um estilo sóbrio e que tem nele muito do que podemos representar.

Tudo correu bem, como previsto. E como os povos felizes, diz-se que não têm história, talvez também não haja no futuro muito mais a contar.

Foram desde então levantadas colunas de mais sete Lojas, em Lisboa, Leiria, Coimbra e Évora. Das quais a última fez esta ano o seu primeiro aniversário. E provavelmente no início do próximo ano maçónico a Luz chegará ao Algarve com a nossa 12ª Loja..

Até ao passado Congresso de Setembro de 2006 tinham sido iniciadas nas LL portuguesas 339 mulheres, sem contar com as 4 iniciadas de início em França. Este ano devemos, creio, contar mais 40 iniciações ou à volta disso. Mas na Obediência, hoje, só somos umas 250. As 93 que nos faltam, foram caindo, por razões várias, ao longo destes 24 anos. Cabe-nos continuar um trabalho cuja força e vigor sustente no caminho da LUZ todas as que estão e vierem a estar, afim de que consigam encontrar na nossa fraternidade o apoio de que todas precisamos em busca do aperfeiçoamento espiritual e moral de cada uma e da humanidade.

Como disse Fernando Pessoa:

Deus quer, o Homem sonha, a obra nasce …

Não sei que deus é que quis, mas sei que nós quisemos, e continuamos a querer. Depois, sonhámos, e continuamos a sonhar. E a obra nasceu e está a crescer, e continuará a crescer, porque sabemos que não fazemos questão de acabá-la, mas apenas de “desenvolvê-la” .

Desde 1979 até 1997, trabalhámos durante esses 18 anos sem vacilar, aprendendo que, para construir seja o que for, é preciso conceber com paciência e atenção, com a paciência que vem principalmente do amor com que se fazem as coisas, e com a atenção que nasce da importância que damos às coisas.

Mas também é necessário querer, com força, com determinação, considerando cada progresso como uma vitória, por mais insignificante que esse progresso seja, não desmoralizar quando até parece que todas as forças negativas do universo se uniram para nos impedir de avançar.

Então, é preciso acreditar que os movimentos cósmicos não param e tudo o que for negativo, virá a ser positivo em consequência desses mesmos movimentos. É necessário saber recusar as forças negativas, as quais devemos não temer nunca, e abrir caminho às forças positivas, nas quais devemos nunca deixar de acreditar.

Essas forças estão dentro de nós, fazem parte de nós, estão à nossa disposição, se não nos esquecermos delas.

E é então que é possível agir, com Força e com Beleza.

Como é historicamente conhecido, o pensamento maçónico”teve origem em si-mesmo», isto é, foi-se formando porque rejeitava os maus sentimentos e queria desenvolver os bons.

Tal como foi dito há um ano, no dia 29 de Março de 2006, aqui estamos, tomando em nossas mãos, isto é, agindo, e em nossos corações, isto é, concebendo com sabedoria, querendo com força e acreditando com beleza, preparadas para fazer a transmissão desta mensagem, que nos permite festejar com Alegria, com Tolerância e com Solidariedade, a realização de um sonho que começou a ser sonhado há quase 28 anos.

Alocução de Maria Belo no décimo aniversário da GLFP.
Prancha conjunta com Manuela Cruzeiro

A Maçonaria Feminina em Portugal – comunicação apresentada na G:.L:.F:.A:. – 2014

A Grande Loja Feminina de Portugal completou dezassete anos, no dia 29 de Março de 2014, mas a sua grande e feliz aventura começou muito antes.

Grande Loja Feminina de Portugal – 10º Aniversário – 29 de Março de 2007

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *