Condições Para Ser Maçon!

“Erros são, no final das contas, fundamentos da verdade. Se um homem não sabe o que uma coisa é, já é um avanço do conhecimento saber o que ela não é” (Carl Gustav Jung).

Maçonaria – A Maçonaria agrega um grupo de iniciados que, além de amarem o próximo, amam-se a si mesmos, evoluindo mentalmente, na incessante busca do saber.

Toda instituição que recebe seus adeptos por meio do processo iniciático foge do comum, pois, existindo uma “selecção”, a Maçonaria ocupa-se dos problemas superiores, fugindo do vulgar.

interrogacao_1298O maçon, como elemento componente da instituição, por sua vez, deve comprovar pertencer a uma entidade selectiva e destacar-se do mundo profano, por exemplo.

Reconhece-se o maçon mais pela conduta.

O maçon foi “escolhido” mercê da vontade do Grande Arquitecto do Universo, que é Deus, entre milhares de pessoas; é um “destaque” e por esse motivo ele faz jus às benesses que a Maçonaria dispensa.

O Maçon deve, a todo o momento, ser grato por ter sido “chamado” e demonstrar essa gratidão pelo seu viver.

O que a Maçonaria lhes oferece? – Pela dedução de suas Leis, a Maçonaria não oferece nenhuma outra vantagem aos seus filiados, senão a que se relaciona com a solidariedade, a amizade fraterna e o levantamento moral de suas personalidades.

A solidariedade e a Verdade – Os elementos da amizade fraterna são nossos pontos perfeitos: a obrigação de deixarmos nosso próprio caminho para servir a um Irmão merecedor; a obrigação de sempre nos lembrarmos de nosso Irmão em nossas meditações; a obrigação de mantermos sigilo; a obrigação de ajudar um Irmão e de proteger seu bom nome; e finalmente, a obrigação de prevenir um Irmão da presença de um perigo. Nós oferecemos essa obrigação moral àquele que estiver disposto a manter reciprocidade.

A solidariedade não corresponde, necessariamente, à ajuda material. Ela pode ser uma mão ou um ouvido amigo, um favor ou uma palavra encorajadora. O compromisso subjacente é o de uma disposição de ajudar a outro Maçon, ou sua família, com o mesmo nível de consideração que seria demonstrada em relação a um irmão natural. Nós podemos oferecer esse compromisso àquele disposto a manter mutualidade.

A Verdade é um dever e uma medida de valores que nos é confiada. Cada um dos três Graus da Maçonaria Simbólica ensina, por preceitos, alegorias e símbolos, as virtudes da justiça, fidelidade, temperança, coragem e prudência, tudo o que temos para sermos verdadeiros – verdadeiros ontem, verdadeiros hoje e verdadeiros amanhã. Nós estamos dispostos a compartilhar as lendas, as alegorias e símbolos que as ilustram, com aqueles que estiverem dispostos a praticar as virtudes que elas representam.

Amizade fraterna, solidariedade e verdade exigem actividades e compromisso pessoal. Temos que fazer algo para colocá-las em prática. A Maçonaria pode dar aos homens uma oportunidade de fazer algo para melhorar a si mesmo na busca daquelas verdades. Devemos demonstrar-lhe que os princípios maçónicos oferecem um modo de pensar e um modo de viver.

Temerários – aqueles que porventura intentem marchar para seus Templos visando interesses pessoais ou alimentando esperanças alheias aos fundamentos do referido ideal, deverão ser evitados, porque, ou se enganarão redondamente ou irão se decepcionar em pouco tempo de estada nas suas fileiras.

Todos os maçons, de qualquer grau, têm por dever precípuo observar e fazer observar as Leis Maçónicas e Regulamentos Vigorantes. Sob um prisma todo especial, são métodos que ensinam tudo que possa dizer respeito à família, à honra, à ciência, ao princípio de liberdade e a todas as ideias elevadas, às grandes concepções e todas as iniciativas de indiscutível grandeza moral.

Livres e de bons costumes – É a condição exigida para que um profano ingresse na Maçonaria por intermédio da Iniciação.

Não basta o candidato ser politicamente livre; não basta que tenha um comportamento moral comum. A Maçonaria proclama que a sua filosofia tem por base na tradição, nos usos e costumes; portanto, “costumes” não é um mero comportamento, uma moral de conduta, mas sim um universo de práticas que conduzem o ser humano a uma vida espiritual.

O candidato deve comparecer à Iniciação com uma disposição quase de “amar a seu futuro irmão” como a si mesmo. Isso exige um comportamento para com seu próprio corpo, para com sua própria alma e para com o seu espírito.

Ser livre e de bons costumes constitui uma exigência de maior profundidade do que parece à primeira vista; seria muito cómodo aceitar um candidato que politicamente é livre, pois não há mais escravidão no mundo; ou que, penalmente, não se encontre preso, cumprindo alguma pena.

Livre e de bons costumes é a característica do maçon e ele deve fazer jus a essa benesse. Todo o maçon, mesmo antigo na Ordem, tem o dever de se manter “livre e de bons costumes”.

A iniciação – significa a “aceitação” para fazer parte do grupo, posto que possa ser definida como “princípio”, é a expressão peculiar para as cerimónias e ritos secretos, místicos e espirituais.

O principal é ter equilíbrio e evitar o fanatismo; o maçon é um Iniciado permanente; mesmo que se afaste de sua Loja, a Iniciação não sofrerá abalo; é como o sacerdócio, in aeternum.

A Maçonaria sempre adoptou a Iniciação como meio de seleccionar seus filiados.

Liberdade, Igualdade e Fraternidade – Apesar de inserido no lema da Maçonaria, o mundo ainda não conseguiu definir a igualdade e a liberdade, e muito menos a Fraternidade.

Igualdade – Nossa Constituição afirma que todos são iguais perante a lei; contudo, um menos favorecido da sorte não encontra vaga nos colégios para seus filhos em idade escolar; um pobre enfermo bate às portas dos hospitais em vão; não há oportunidade para o trabalho; o lazer e a diversão não são distribuídos equitativamente; o que é benesse não é dado aos pobres. Um pobre que apenas consegue subsistir porque ganha somente para a escassa alimentação, não pode fazer parte do maravilhoso preceito constitucional de igualdade. Uma igualdade injusta não é igualdade.

Um maçon deve cultivar a igualdade como se fosse uma virtude! As diferenças sociais ferem e aviltam; a operacionalidade maçónica detém-se, também, nesse campo.

Liberdade – Nada há mais perigoso que esse conjunto de nove letras, porque frequentemente, em nome da liberdade, cometem-se os mais hediondos crimes. A liberdade exige um conjunto de acções complementares; uma falsa liberdade oprime e desajusta, desequilibra e desilude.

Fraternidade é uma associação fraterna usada para demonstrar que todos os homens podem conviver como se fossem Irmãos da mesma carne.

Maçonicamente interpretando, a Fraternidade apresenta-se de vários modos: a Fraternidade de uma Loja; a Fraternidade em uma Ordem; a Fraternidade Universal, também designada de “Fraternidade Branca”.

O candidato que passa pela Iniciação maçónica ingressa após a sua aclamação em Loja, na Fraternidade maçónica, nos seus vários aspectos e de modo permanente.

A Fraternidade implica obrigações e direitos; a parte ética e de comportamento é muito importante. São admitidas pequenas rusgas, como sucede dentro de uma família, mas com a obrigação de serem passageiras.

O maçon tem o dever de tolerar esses incidentes e perdoar se eles tiverem sido mais intensos.

Concluindo, de tudo o que expusermos acima, temos a dizer que a Maçonaria não tem objectivo nem a pretensão de convencer alguém a alguma coisa, pois sabemos todos nós que ninguém convence ninguém a nada, cada um é que se convence por si só.

Tudo o que contraria o bom senso e a lógica ou que seja contrário à prática do bem não é Maçonaria.

Valdemar Sansão – M:. M:.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *