O segredo da Educação Maçónica: deixe-a funcionar

­­Ensinando Maçons recém iniciados… “o Trabalho”

A minha parte favorita depois da iniciação do recém-criado Irmão, é quando este recebe o seu livro de Ritual, codificado. Na minha jurisdição, é um pequeno livro azul que explica a experiência de se tornar um Aprendiz Maçon. Normalmente, leva ao novo irmão alguns meses para aprender a lê-lo, dominar o catecismo e memorizá-lo. Os maçons recém-formados no estado de Nova York são obrigados a demonstrar proficiência em Loja para poderem avançar para o grau de Companheiro.

Não importa o quanto estejam preparados para fazer “O Trabalho” de aprender o nosso ritual, eu sorrio quando um irmão recém admitido abre o seu livro de Ritual pela primeira vez, encara a desordem diante dele, então olha para cima com uma expressão de completa confusão e perplexidade. “Como é que sou suposto de aprender isto quando nem sequer consigo ler?”, Perguntam. “Não é”, respondem-lhe. E assim começa a programação da Educação Maçónica.

Na minha Loja, isto significava encontrar-se com os outros Irmãos do meu grupo (eram-mos 7 ) no escritório do nosso instrutor nas noites de segunda-feira após o jantar. Cada um de nós revezava-se lendo um parágrafo, uma passagem ou uma página sob o seu ouvido atento até chegarmos ao ponto de não mais lermos as páginas, mas ao invés disso, olharmos para a mesa,  e sermos capazes de recitar partes da memória. Um por um, levantámo-nos depois de algumas semanas ou meses de trabalho e pudemos dizer tudo. Ainda me lembro do suor frio no meio das minhas costas na noite em que fui testado.

Esta foi a minha experiência.

Para os novos maçons com quem trabalho agora, estas sessões acontecem antes ou depois da nossa Sessão de Loja, na sala de estudo do nosso templo ou ao telefone nas noites de semana em que ambos temos uma hora ou mais livres para nos conectar. Esta é a experiência deles. Como nos encontramos não é relevante; é o fluxo da lição que é importante. Para a frente e para trás, aprendendo através da antiga prática de boca a orelha. O aluno com seu livro de cifras na mão, o mestre solicitando de memória, ajudando-os a formar as palavras e a aprender os significados. Em Janeiro deste ano, iniciei o meu programa de pós-graduação em Aprendizagem e Ensino com Tecnologias Emergentes. Uma coisa que sempre me fascinou como aprendiz adulto é como as coisas que fazemos todos os dias têm um nome real (algumas das quais eu compartilharei em algum momento) e a rapidez com que novos conhecimentos podem ser implementados na nossa vida. Parte do meu trabalho de mestrado está focado em como usar novas tecnologias no ensino; a outra metade está em aprender. O que descobri são três métodos para ensinar a educação maçónica a novos membros.

Performance vs. Mestria

A Aprendizagem Cognitiva é uma teoria que implica que aprendemos uns com os outros, através da observação, imitação e modelagem. Será melhor explicada no sentido tradicional de o professor escrever um problema de matemática num quadro-negro, juntamente com os passos para resolver a equação. O aluno então tentaria resolver um problema semelhante usando o mesmo método. É assim que a maioria aprendeu que 2 + 2 é igual a 4. É provável que você tenha aprendido as suas tabuadas de multiplicação desta maneira, memorizando que 6 x 6 são 36, não entendendo a operação executada por um par de números para derivar um terceiro número, chamado produto. Aprendemos a nossa tabuada dos 6’s (6×1 a 6×10) para avançar para os 7’s na tabuada de multiplicação. A memorização não está errada; O problema é que não permite o domínio de um assunto.

No seu texto sobre aprendizagem individualizada, Salman Khan descreveu a diferença entre memorização e domínio. Tal como ele disse, “A primeira vez que você está a tentar que o seu cérebro entenda um conceito é quando outro ser humano pergunta: “você percebe isto?””. A memorização cria uma barreira no avanço do aluno. Um plano de aulas tradicional é uma rotina de trabalhos de casa, lição, trabalhos de casa, lição, exame instantâneo. Quer o aluno falte ou falhe, a turma passa para o próximo conceito. Bons alunos começam a falhar, apesar do professor ou das suas habilidades.

O Domínio está em tomar tempo para “ensinar” ao aluno o assunto, a sua teoria e princípio – onde o aluno é motivado pela sua capacidade de dominar um conceito em vez de obter uma melhor pontuação no teste. Pense na diferença entre um Irmão que você ouviu que memorizou o ritual versus um irmão que dominou o seu papel. Há uma enorme diferença na sua confiança, na sua capacidade de articular e transmitir o ponto de vista da lição. Os Mestres tornam-se bons professores que ensinam óptimos alunos.

O segredo de um bom professor

Eu fiquei surpreendido quando ouvi Itzhak Perlman como convidado num dos meus podcasts favoritos, “Here the Thing”, apresentado por Alec Baldwin. Eu digo surpreendido porque Alec geralmente convida uma um grupo ecléctico de convidados para o seu programa para discutir tudo, desde arte e cultura, a políticas públicas, a negócios. A última pessoa que eu esperava ouvir no palco era a maior violinista do mundo. É claro, Itzhak partilhou como o seu amor pelo som do violino no rádio levou à sua incrível carreira como intérprete. Na história, Alec concentrou-se na sua “descoberta”, que foi quando Itzhak revelou que o grande segredo de um bom professor é “não apenas o que dizer, mas saber o que não dizer”.

A sua troca de ideias foi brilhante. Alec começou por lhe perguntar, como é que, depois de ser rotulado como um génio musical aos 9 anos, ele agora ensina jovens prodígios. “Todo o mundo tem seu próprio cronograma de desenvolvimento”, começou Alec. “Mas como é que você trabalha com aqueles que têm esse grande presente, essa naturalidade?” “Você deixa-os em paz“, Itzhak respondeu sem pensar. “Você deixa-os em paz! Você não os quer magoar. Deixe o talento desenvolver-se. Normalmente, as coisas melhoram à medida que você envelhece. Quando um professor tem um talento incrível na frente deles, eles querem dar tudo de si e tornam-se muito exigentes. Deixe-os em paz! Há certas coisas que você não pode ensinar”. As palavras de Itzhak foram cimentadas na minha mente no dia seguinte à iniciação de um novo Irmão na minha loja. Este Irmão era único, enquanto eu fazia o meu papel nas aulas de Perguntas e Respostas, Eu juraria que o vi a olhar para o chão o tempo todo Agora, todos nós tivemos aquele lugar momento durante um curso, especialmente o primeiro, quando fomos expostos a tanto, que nosso cérebro está cheio. Temos mais perguntas mais perguntas na nossa mente, do que espaço para preencher. Quando lhe foi entregue o seu “pequeno livro azul” após a sua iniciação naquela noite, ele imediatamente começou a me fazer perguntas sobre a sua experiência. E estas perguntas foram  muito além da decoração do Templo da Loja.

Ele conseguiu naquela noite não apenas de refazer os seus passos – mas de recordar as palavras exactas que lhe foram ditas, juntamente com parte da minha parte. Eu fiquei chocado! Eu perguntei-lhe como sabia isso. A sua resposta foi: “Eu estava a memorizar o que você estava a dizer. Não foi isto que me mandaram fazer?” Quando trabalhámos na sua proficiência ritual pelo telefone, este irmão e eu passámos cerca de uma hora analisando as linhas de texto e uma hora adicional de mim respondendo às perguntas dele. Pensei em Itzhak quando este Irmão perguntou: “Que livros eu posso ler agora?” Para outros, eu ter-lhes-ia dito para se concentrarem no Ritual. Para ele, apeteceu-me dizer “todos”. Em vez disto, lembrei-lhe o que o Mestre lhe contou sobre a Bíblia durante a formação. Agora ele está a enviar mensagens bíblicas para o chat em grupo, para discussão.

Os andaimes

De todos os princípios de aprendizagem aos quais fui exposto, este é um que tem um duplo significado – tornando-o um pouco maçónico. Suportando o processo de apoiar os alunos na sua aprendizagem. Assim como o trabalho de construção requer um sistema de suporte elevado para os homens trabalharem, o mesmo se aplica à maneira como aprendemos. O objectivo do professor é ter mais um papel de mentor / facilitador do que o do tradicional professor de ideias. Os alunos partilham a responsabilidade de aprender, participando no sucesso da aula. Os andaimes podem ser pequenos grupos onde os indivíduos demonstram o seu domínio de uma área para outros alunos – falando com eles na sua língua – ou promovendo o ensino e a aprendizagem entre pares. Para matérias que são difíceis ou abstractas, os andaimes podem ajudar a obter apoio através da aprendizagem em grupo para compreender ideias complexas.

Este método também permite que o instrutor divida a turma em grupos, que são equipas menores e mais fáceis de gerir, em vez de tentar ensinar o grupo todo. Maçonicamente, podemos adoptar esta prática nas nossas práticas rituais. Um dos meus irmãos sugeriu a ideia de organizar os nossos ensaios de subida de grau como uma produção teatral: funções principais, backups, funções secundárias, conjunto e de seguida, execução completa.

Isto não só permitiria tempo para nos concentrar-mos nos papéis individuais, em pequenos grupos lado a lado, mas à medida que o elenco fosse lentamente integrado no produção plena, cada participante aprenderia o fluxo do ritual em vez de apenas se sentar no seu lugar, à espera do seu tempo de falar. Muitas vezes me pergunto-me sobre os maçons do passado, quando ainda andávamos a cavalo ou andávamos de um lado para outro. Como seria aprender, naquela época em que a imprensa estava a dar os primeiros passos e a maioria dos americanos não sabia ler. A aprendizagem baseava-se no “boca em boca”. Agora posso estar ao telefone na minha sala de estar, a conversar durante uma hora com um novo Irmão que está a voltar para casa do trabalho. O que é interessante é que, embora os tempos e a tecnologia tenham mudado ao longo dos séculos, o “boca a boca” ainda é a forma mais valiosa e gratificante de aprendizagem. Ainda não há um conjunto de vídeos para ensinar aos nossos novos Irmãos esta importante Educação Maçónica. O conhecimento ainda é passado do mestre que fala para o aprendiz que ouve. Como diz o velho ditado, “a palavra ‘ouvir‘ tem o mesmo valor que a palavra ‘silencioso‘”.

Michael ArceMidnight Freemason Contributor

Tradução de António Jorge

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *