Porque é que não há mulheres na Maçonaria regular?

Recentemente, temos assistido a um ressurgir da discussão sobre a abertura da Arte às mulheres. Também houve avanços nesse sentido no Reino Unido, onde as mulheres transexuais (ou seja, homens que agora vivem como mulheres), se tornaram maçons enquanto homens, podem continuar a participar, no pós-operatório; e os homens (ou seja, mulheres que agora vivem como homens) são bem-vindos a pedir adesão à Loja, assim como aqueles que nasceram do sexo masculino (ver Aqui). O tópico foi dissecado ao nível de Loja, em fóruns de discussão, em plataformas da comunicação social, bem como nas mais diversas publicações… mas um dos argumentos mais salientes neste debate continua a ser subutilizado no discurso maçónico. Nós vamos chegar a isso adiante, mas primeiro um olhar para o mais típico …

As razões para a exclusão das mulheres da maçonaria têm uma ampla gama de tenacidade. Um dos mais ouvidos sobre a Loja é de que os homens precisam de um lugar onde possam ser homens. Este argumento obviamente não está muito bem desenvolvido, já que o homem é um homem, independentemente do local e da localização (a menos, é claro, que ele seja submetido à cirurgia de mudança de sexo). O teor geral dessa afirmação é que o homem precisa de estar fora do alcance da visão e do ouvido das mulheres para ser verdadeiramente um homem, o que é obviamente absurdo e quase faz mais para provar o inverso do argumento. Pode-se imaginar uma sala escura e esfumaçada em que os garotos desobedientes, na ausência da tão temida autoridade feminina, podem beber e amaldiçoar o conteúdo do seu coração, provavelmente enquanto jogam póquer ou bilhar. Embora isto possa parecer agradável, não está certamente no âmbito da Maçonaria.

Outro argumento mais persuasivo envolve uma cláusula nos Ancient Landmarks [“que um Maçom seja um homem […]”] e na Master Mason Obligation [“Eu não ajudarei, nem estarei presente em […]”, etc.] . Recorrer aos Landmarks para reforçar o argumento contra as mulheres que ingressem na Maçonaria Regular é empregar uma espécie de lógica circular, na medida em que termina onde começa sem discutir a premissa básica. O Master Mason Obligation é outro assunto, no entanto. Este é um juramento irreversível, um pacto que se fez com Deus, com a Loja e connosco mesmo. A única maneira de contornar esta cláusula obrigatória é se a Grande Loja da jurisdição a removesse da Obrigação. Teoricamente, se esta cláusula fosse removida, e depois de haver Irmãos suficientes elevados já na sua ausência para operar uma Loja de Mestres Maçons, eles poderiam iniciar e elevar uma mulher. Mas há uma razão pela qual isto é desaconselhável…

O argumento mais forte para impedir que as mulheres participem da experiência da Loja Azul Regular é que o seu ritual é especificamente de natureza masculina e provavelmente ressoaria comparativamente muito pouco para as mulheres, que já possuem sinais biologicamente e socialmente transformadores que ocorrem intermitentemente ao longo das suas vidas. Os homens segregaram-se em sociedades iniciáticas “secretas” desde tempos imemoriais – qualquer trabalho antropológico de nível básico sobre o assunto deveria colocar desfazer qualquer dúvida sobre a base histórica desta tendência. A socialização de género único é um mecanismo (Publicado em freemason.pt)comum e saudável da experiência humana até aos dias de hoje. Homens e mulheres são biologicamente, fisiologicamente, emocionalmente e psicologicamente diferentes. Tão diferentes, em alguns aspectos, que há pouca razão para não duvidar que “um sistema peculiar de moralidade, baseado em alegorias e ilustrado por símbolos, projectado por e para homens, a fim de iniciar [“causar algo, especialmente um evento importante, ou processo”, para iniciar – “Dicionário Encarta, recolhido online]” em um processo no qual eles são transportados de uma fase psicossocial da sua existência para outra, pudesse ter qualquer eficácia na promoção de um efeito verdadeiramente transformador sobre as mulheres.

Tal como está, no entanto, existem muitas Lojas irregulares e clandestinas que aceitam as petições de entrada de mulheres. Há até mesmo Lojas que são exclusivamente femininas – irmandades maçónicas, por assim dizer (The Honourable Fraternity Of Antient Masonry). Sem mencionar as várias organizações, ligadas à Maçonaria Regular: a Order of the Eastern Star, a Order of the Amaranth, o White Shrine of Jerusalem, a Ladies Oriental Shrine of North America, Daughters of the Nile, Daughters of Mokanna, e a Social Order of Beauceant. Mas a verdade parece ser que as mulheres geralmente não estão tão interessadas no que a Fraternidade oferece, ou então provavelmente se juntar-se-iam à Co-Maçonaria (Le Droit Humain, uma Maçonaria irregular e mista) em números aproximadamente semelhantes. As mulheres parecem ter as suas necessidades sororais e psicologicamente transformacionais satisfeitas através de outras saídas naturais, mais adequadas ao temperamento feminino – e, reciprocamente, esses sistemas femininos provavelmente contribuiriam com muito pouco significado para o desdobramento da narrativa da vida de um homem.

O objectivo deste artigo é tentar desafiar as crenças e opiniões sobre o que tem sido um assunto controverso, particularmente nos últimos tempos. Se alguém, como Maçom, é da opinião que a Maçonaria deveria permanecer exclusivamente masculina, ou se deveria iniciar (Publicado em freemason.pt) mulheres, então é importante que desenvolva um suporte razoável para o que defende – um argumento racional que seja livre de falácias lógicas e possa resistir à crítica. Nós, como maçons, devemos sentir-nos mais confortáveis do que a maioria com a ideia de desafiar os nossos padrões e perspectivas filosóficas para ver se eles resistem ao escrutínio – e é sempre preferível que alguém examine as suas próprias opiniões, para que não venha outro e questione as nossas crenças com base nas suas superiores capacidades de raciocínio.

Jaime Paul Lamb

Tradução de António Jorge

Artigos relacionados

3 Comentários em “Porque é que não há mulheres na Maçonaria regular?

  • Avatar

    Os segredos deve ser mantido entre os homens devido a força que sempre existiu,não na fragilidade de uma mulher que possa até por impulso revelar alguns segredos aos mortais que não faz parte …

    Reply
  • Avatar

    Mulher tem mais dificuldades em guardar segredos , historicamente são inteligentes , amigas , fortes , mas gostam de falar um pouco mais e foge dos princípios e segredos cultuados pelas Lojas.

    Reply
  • Avatar

    Boa noite sou membro da Grande Loja do Rio Grande do Sul acredito qua maçonaria e masculina foi criada por homens eu acho temerário esta mistura não sejamos impocritas. Partimos dos landemarks para anualizarmos esta questão a partir da inclusão da das mulheres isto cai por terra as nossas leis usos e costumes. No futuro as Grandes Lojas deveram descurtir esta questão convenhamos nos isto vai ser inevitável ate as nossas leis maçônicas ten que ser mudadas não parece ser uma coisa simples haverá uma grade discussão ampla sobre o assunto. E sabido que a varias coerentes que querem descurtir este assunto tenho opinião formada sobre assunto mais é temerário comentários obrigado pela oportunidade de me expressar.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *