Porquê “Loja” maçónica???

Qual o Maçon que nunca foi questionado por um profano do porquê do termo “LOJA”? Muitos são aqueles que perguntam se vendemos alguma coisa nas Lojas, para justificar o nome. Alguns, fanáticos e ignorantes, chegam a ponto de perguntar se é na Loja que os maçons vendem as suas almas!

Em primeiro lugar, precisamos de ter em mente que, só porque “loja”, em português, designa um estabelecimento comercial, isso não significa que o mesmo termo  noutras línguas tenha o mesmo significado. Vejamos:

“Loge”, palavra francesa, pode referir a casa de um caseiro ou porteiro, um estábulo, ou mesmo o camarote de um teatro. Mas os termos franceses para um estabelecimento comercial são “magasin”, “boutique” ou “commerce”.

Da mesma forma, o termo usado na língua inglesa, “lodge”, significa cabana, casa rústica, alojamento de funcionários ou a casa de um caseiro, porteiro ou outro funcionário. Os termos mais apropriados para um estabelecimento comercial em inglês são “store” ou “shop”.

Já o termo italiano “loggia” significa cabana, pequeno cómodo, tenda, mas também pode designar galeria de arte ou mesmo varanda. Os termos correctos para um estabelecimento comercial são “magazzino”, “bottega” ou “negozio”.

Em espanhol, “logia”, derivada do termo italiano “loggia”, denomina alpendre ou quarto de repouso. As palavras mais adequadas para estabelecimento comercial são “tienda” e “comercio”.

Por último, vejamos o exemplo alemão, “loge”, que não tem apenas a grafia em comum com o francês, mas também o significado: um pequeno cómodo mobiliado para porteiro ou caseiro, ou um camarote. Já os melhores termos para estabelecimento comercial em alemão são “kaufhaus”, “geschaft” ou “laden”.

Com base nestes termos, que denominam as Lojas Maçónicas nas línguas francesa, italiana, espanhola, alemã e inglesa, pode compreender-se que as expressões se referem a uma edificação rústica utilizada para alojar trabalhadores, e não a um estabelecimento comercial. Verifica-se então uma relação directa com a Maçonaria Operativa, em que os pedreiros costumavam e até hoje costumam construir estruturas rústicas dentro do canteiro de obras, onde guardam as suas ferramentas e fazem os seus descansos. Estas simples edificações que abrigam os pedreiros e as suas ferramentas nas construções são designadas por “loge, loggia, lodge, logia” nos países de língua francesa, alemã, inglesa, italiana e espanhola.

A palavra em língua portuguesa que mais se aproxima deste significado não seria “loja” e sim “alojamento”. As nossas Lojas Maçónicas são exactamente isso: alojamentos simbólicos de construtores especulativos. Isto fica evidente quando se estuda a história da Maçonaria em muitos países de língua espanhola, que algumas vezes utilizavam os termos “Alojamiento” em substituição à “Logia”, o que parece querer dizer que ambas as palavras têm o mesmo significado.

À luz dos significados dos termos que designam as Lojas Maçónicas noutras línguas, podemos observar que a teoria amplamente divulgada de que o uso da palavra “Loja” seria uma herança das lojas onde os artesãos vendiam o “handcraft”, ou seja, o fruto do seu trabalho manual, além de simplista, é errada. Se fosse assim, os termos utilizados nas outras línguas citadas teriam significado similar ao de estabelecimento comercial, se fossem usados em substituição das outras palavras que servem a esse fim.

Na próxima vez que passar em frente a um canteiro de obras e ver à margem aquela estrutura simples de madeira compensada ou placas de zinco, cheia de trolhas, níveis, prumos e outros utensílios em seu interior, muitas vezes equipada também com um colchão para o pedreiro descansar à noite, lembre-se de que essa estrutura é a versão actual daquelas que abrigaram os nossos antepassados, os maçons operativos, e que serviram de base para nossas Lojas Simbólicas de hoje.

Adaptado de texto de Kennyo Ismail

2 Comentários em “Porquê “Loja” maçónica???

  • Avatar

    Caro I:. António

    Para dar uma achega a este precioso artigo, assim como todos que tens publicado, na minha aldeia Alfaiates –Sabugal DESIGNANVAM POR LOJA A PARTE INFERIOR ONDE METIAM OS ANIMAIS
    NORMALMENTE AS VACAS.

    No Verão e tempo bom levam-nos para o campo no Inverno ficavam recolhidos na LOJA . Além de os animais estarem LIVRE DOS ATAQUES DOS LOBOS MAIS ESFOMEADOS NO INVERNO servia para aquecer a casa já que o soalho era normalmente de madeira com pequenas frestas PORQUE OS INVERNOS ERAM MUITO RIGOROSOS COM NEVE DIAS SEGUIDOS.

    Era um local muito reservado, discreto e era onde pornoitavam graciosamente passageiros ou peregrinos desconhecidos de passagem.

    Tfa
    Olívio Dias

    Reply
  • Avatar

    Em Portugal, Loja não significa somente um estabelecimento comercial. Creio que agora está em desuso mas, loja também quer dizer, no interior do norte de Portugal, as dependências inferiores onde, na casa rural nortenha, se guardavam as alfaias , sementes, animais, etc. Normalmente, eram de chão de lajedo e com entrada exterior, sem ligação à casa propriamente dita que ficava no piso superior.

    Como referência para pesquisa:
    lo·ja |ó| s.f. (francês loge)
    substantivo feminino
    1. Estabelecimento de venda ou de comércio (ex.: loja de brinquedos).
    2. Piso ao nível ou quase ao nível da rua.
    3. Piso térreo de uma habitação que serve para armazenamento ou para apoio às actividades agrícolas (ex.: a loja está cheia de tralha; a enxada está na loja).
    4. Templo maçónico (ex.: a maçonaria local possui lojas em vários municípios).

    “Loja”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/Loja [consultado em 08-09-2019].

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *