Os Símbolos Maçónicos

A simbologia maçónica possui uma linguagem lógica e complexa, utilizando desde símbolos com figuras geométricas a sinais, toques de mão e batidas especiais. Os símbolos, não valem por si, mas pelo significado que encerram e que importa conhecer; conhecer o seu significado deve ser portanto uma das prioridades para o Aprendiz Maçon, talvez a mais importante. A seguir se transcrevem os principais símbolos maçónicos, que devem ser conhecidos no Grau de Aprendiz:

ACÁCIA

A Acácia é a planta símbolo por excelência da Maçonaria, sendo utilizada pelos Mestres Maçons como sinal de identificação, representa a segurança, a clareza, e também a inocência ou pureza. A Acácia foi tida na antiguidade, entre os hebreus, como árvore sagrada e adoptada como símbolo maçónico. Os antigos costumavam simbolizar a virtude e outras qualidades da alma com diversas plantas. A Acácia é inicialmente um símbolo da verdadeira Iniciação para uma nova vida, a ressurreição para uma vida futura.

A interpretação simbólica e filosófica da planta sagrada é riquíssima e lembra a parte espiritual que existe dentro de nós que, como uma emanação de Deus, jamais pode morrer. A acácia é, simplesmente, a representação da alma e nos leva a estudar seriamente nosso espírito, nosso eu interior e a parte imaterial da nossa personalidade.

AVENTAL

O Avental é o elemento principal das insígnias maçónicas, sendo o símbolo do trabalho.

O avental é, invariavelmente, de pele. Branco para os aprendizes e companheiros, branco orlado de vermelho ou azul celeste (de acordo com a Potência da loja simbólica ou com o Rito praticado), para os mestres.

É, geralmente, composto por um rectângulo – mas pode mudar de forma para um hexágono e para semicírculo, alusivo à forma do Templo de Salomão, a que se sobrepõe uma abeta triangular. A abeta no primeiro grau (Aprendiz) encontra-se levantada enquanto que nos demais graus encontra-se dobrada para baixo.

No segundo grau a aba é dobrada para baixo com entrada no grau de Companheiro Maçónico, onde o mesmo começa a percorrer caminhos mais esotéricos. As cores do rectângulo, as suas dimensões e decorações variam com os graus, as funções, os ritos, as obediências e a própria História.

CINZEL

columnsInstrumento cortante numa das extremidades, usado por escultores e gravadores. O Cinzel é um dos símbolos específicos do Grau de Aprendiz, pois, sendo destinado ao esquartejamento da pedra (que transforma a pedra bruta em pedra cúbica, usada nas construções) ele simboliza a Razão, a Inteligência, enquanto que esotericamente, é o físico, ou a matéria, sobre a qual actua o espírito, que é o Maço.

COLUNAS

As três colunas, das três ordens arquitectónicas gregas (Dórica, Jónica e Coríntia) são as que, simbolicamente, sustentam a Loja Maçónica ou o Templo, sendo, por isso, assignadas ao Venerável Mestre e aos Vigilantes. A coluna Dórica, a mais forte, sem base e com um capitel simples, mas de alta plasticidade era a personificação da Força do homem, sendo, por isso, atribuida ao 1º Vigilante, responsável pela Coluna da Força. A coluna Jónica, mais esbelta, com uma base e um capitel trabalhados, com quatro voltas era a representação da Sabedoria, sendo, portanto a do Venerável Mestre, personificação da Sabedoria. A coluna Coríntia, com um capitel de maior beleza plástica é a representação da beleza, sendo atribuida pelo 2° Vigilante, responsável pela Coluna da Beleza.

COMPASSO

compassRepresenta a Justiça, pela qual devem ser medidos os actos do homem: simboliza, também, o comedimento na busca, já que, traçando círculos, delimita um espaço bem definido, símbolo do todo, do Universo. No plano esotérico, o Compasso é a representação das qualidades espirituais e do conhecimento humano.

O Compasso é considerado um símbolo da espiritualidade e do conhecimento humano. Sendo visto como símbolo da espiritualidade, a sua posição sobre o Livro da Lei varia conforme o Grau. No Grau de Aprendiz, os ramos do Esquadro cobrem as hastes do Compasso, mostrando que a materialidade suplanta a espiritualidade, ou que a mente ainda está ainda subjugada pelos preconceitos e pelas convenções sociais, sem a necessária liberdade para pesquisar e procurar a Verdade. O grau de abertura indica o nível do conhecimento humano, sendo esta limitada ao máximo de 90º, isto é ¼ do conhecimento. A sua Simbologia ainda é muito mais variada, podendo ser entendido como Símbolo da justiça, com a qual devam ser medidos os actos humanos. Simboliza a exatidão da pesquisa e ainda pode ser visto como Símbolo da imparcialidade e infalibilidade do Todo-Poderoso.

CORDA DE OITENTA E UM NÓS

É um adorno encontrado no alto das paredes verticais, com um nó central acima da cadeira do Venerável Mestre, tendo de cada lado quarenta nós, que se estendem pelo Norte e pelo Sul, terminando, seus extremos, em ambos os lados da porta Ocidental de entrada, em duas borlas representando a Justiça (ou Equidade) e a Prudência (ou Moderação). Essa abertura na corda significa que a Maçonaria é dinâmica e progressista, estando, portando, sempre aberta às novas ideias que possam contribuir para a evolução do homem e para o progresso racional da humanidade.

DELTA RADIANTE

O Delta, ou Triângulo Equilátero, é o símbolo das tríades divinas. O Delta maçónico, além dessa representação, tem, no seu interior, as letras do nome hebraico de Deus, embora também seja usado o Olho Onividente, que o assimilam ao olho da Sabedoria de Horus. O Delta simboliza a Sabedoria Divina e a presença de Deus. O Delta é o símbolo máximo presente em um Templo.

ESPADA

Instrumento de ataque e defesa é mais própria do Cobridor do Templo, o qual, simbolicamente deve usá-la para proteger o recinto contra eventuais intrusos. É o símbolo da combatividade do homem em defesa de seus domínios. Nas mãos do Venerável Mestre, a Espada Flamejante, simboliza o poder de que está revestido para “criar” e “construir” Aprendizes, Companheiros e Mestres.

ESQUADRO

Significa a rectidão, limitada por duas linhas: uma horizontal, que representa a trajetória a percorrer na Terra, ou seja, o determinismo, o destino; e outra vertical, o caminho para cima, dirigindo-se ao cosmo, ao universo, ao infinito, a Deus. Rectidão é a qualidade do que é recto, tanto no sentido físico quanto no moral e ético; assim, à rectidão física, emanada do Esquadro, corresponde a rectidão moral, caracterizada pelas acções de acordo com a lei, com o direito e com o dever, e a virtude de seguir rectamente, sem se desviar, a direcção indicada pela equidade. É um instrumento passivo e auxiliado pelo compasso. O seu desenho permite traçar o ângulo recto e, por tanto, esquadrejar todas as formas. Deste modo, é visto como símbolo, por excelência, da rectidão. É também a primeira das chamadas Jóias Móveis de uma Loja, constituindo-se na Jóia do Venerável, pois, dentre todos, este deve ser o mais justo e eqüitativo dos Maçons. O Esquadro, ao contrário do Compasso, representa a matéria – por isso é que, em Loja de Aprendiz, ele se apresenta sobre o Compasso. Predominância da Matéria sobre o espírito.

O compasso e o esquadro reunidos tem sido a mais antiga, bem como a mais comum representação da Instituição Maçónica. Tanto se apresentou este símbolo compasso-esquadro, que ele é prontamente reconhecido, até mesmo pelos profanos (pessoas não iniciadas na Maçonaria). É o sinal distintivo do Venerável Mestre uma vez que esotericamente representa a “Justa Medida”.

A Justa Medida quer dizer em última análise a Rectidão. Faz lembrar aos maçons em geral e a cada instante que todo as suas acções deverão ser implementadas com serenidade, bom senso e espírito de justiça. Faz recordar o compromisso solene assumido pelo iniciado, de sempre agir dentro de uma escola de perfeita honestidade e rectidão.

ESTRELA DE CINCO PONTAS

starSendo a Estrela do Oriente ou a Estrela Iniciação, é para os Maçons cristãos a que simbolizou o nascimento de Jesus; para estes é o símbolo do Homem Perfeito, da Humanidade plena entre Pai e Filho As Estrelas representam as lágrimas da beleza da Criação. Olhemos para cima, para o céu e encontraremos a nossa estrela guia.

Representa o homem nos seus cinco aspectos: Físico, Emocional, Mental, Intuitivo e Espiritual. Totalmente realizado e uno com o Grande Arquitecto do Universo. É o Homem de braços abertos porque já se encontra no domínio das suas paixões e das suas emoções. Apresenta a ligação com os cinco elementos encontrados dentro de um homem, e que constituem o microcosmo: fogo, terra, ar, água e éter (este sendo uma substância relacionada ao espírito), a estrela apresenta uma variedade de nomes como: pentagrama, pentalfa, estrela rutilante, etc.

Nos templos da Maçonaria, a abóbada celeste está adornada de Estrelas, representando as lágrimas da beleza da Criação ou menos dogmaticamente a extensão do universo onde nos encontramos. É o emblema da paz, do bom acolhimento e da amizade fraternal.

Considera-se também ser o símbolo que exalta a feminilidade uma vez que representa a deusa Vénus e traz na sua forma a trajectória realizada a cada oito anos por esse planeta em relação a Terra.

A estrela tem relação do homem de braços e pernas abertos com o Homem Vitruviano de Da Vinci.

LETRA “G”

É o símbolo de Deus, o Divino Geómetra. Uma das razões para ser tomada como símbolo sagrado da Divindade, é que a palavra Deus, inicia-se com “G” em vários idiomas: GAS, em Siríaco; GADA, em persa; GUD, em sueco; GOTT, em alemão; GOD, em inglês, etc. A letra “G” é a sétima letra de qualquer alfabeto que utilize o grafismo árabe e apresenta diversos significados:

  • g_masonic_symbolGeometria ou a Quinta Ciência – É fundamento da ciência positiva, simbolizando a ciência dos cálculos, aplicada à extensão, à divisão de terras, de onde surge a noção da parte que nelas a nós compete, na grande partilha da humanidade e dos direitos da terra cultivada;
  • Gnose – É o mais amplo conhecimento moral, o impulso que leva o homem a aprender sempre mais e que é o principal factor do progresso;
  • Gravitação – É a força primordial que rege o movimento e o equilíbrio da matéria;
  • Geração – É a vida perpetuando a continuidade dos seres. Força Criadora que se acha no centro de todo o ser e de todas as coisas;
  • Génio – É a inteligência humana a brilhar com seu mais vivo fulgor;
  • Glória – a Deus;
  • Grandeza – O homem, a maior e mais perfeita Obra da Criação;
  • Gimel – Uma palavra hebraica, entende-se como “os deveres do homem para com Deus e os seus semelhantes”.

LIVRO DA LEI

Simboliza a Lei Divina. Quando da Cerimonia da Abertura do Livro e leitura de um trecho, espiritualiza-se a Loja e seus presentes.

LUA

Considerada desde a mais remota antiguidade, como a mãe universal, o princípio feminino que fertiliza todas as coisas, representa a alma. As suas forças são de carácter magnético e, portanto, opostas às do Sol, que possuem carácter eléctrico. A Lua deve estar representada na parte Ocidental do teto dos Templos, em meio às trevas, em oposição ao Sol, que está no Oriente, para mostrar a escalada iniciática do Obreiro, das trevas em direcção à Luz. Também pode estar presente no retábulo do Oriente, junto com o Sol, ladeando o Delta do lado em que ficar o Secretário, já que o titular desse cargo, na correspondência cósmica dos cargos em Loja, representa a Lua porque ele reflecte, nas actas, a luz que vem do Orador, personificação do Sol.

MAÇO ou MALHO

Instrumento utilizado para, actuando sobre o Cinzel, desbastar a pedra. Simboliza a Força de carácter a serviço da Razão e da Inteligência (representados pelo Cinzel). Do ponto de vista místico, é o espírito actuando sobre a matéria. Também é um símbolo específico do Grau de Aprendiz.

MALHETE

Pequeno martelo em madeira, emblema da vontade activa, do trabalho e da força material, instrumento de direcção, poder e autoridade utilizado por isso pelo Venerável Mestre e pelos dois Vigilantes em Loja;

NÍVEL

Instrumento para comprovar a perfeita horizontalidade da superfície, simboliza a Igualdade. O Nível maçónico é uma combinação de Nível e Prumo, com o formato de um Delta ou de uma letra A, de cujo centro pende um fio vertical, o qual, se a superfície não for perfeitamente horizontal, se deslocará para um dos lados. O Nível está presente na saudação do Grau, no movimento horizontal da mão direita até o ombro direito. E a jóia do Vigilante.

PAINEL

O Painel Simbólico da Loja de Aprendiz, mostra o pórtico e as colunas vestibulares, simbolizando a entrada no Templo; a Pedra Bruta, a Pedra Cúbica e a Prancha de Traçar, símbolos dos três Graus simbólicos: Aprendiz, Companheiro e Mestre, respectivamente; o Compasso e Esquadro entrecruzados, o Nível e o Prumo, simbolizando as três luzes da Oficina: Venerável Mestre, I ° e 2° Vigilantes, respectivamente; o Maço e o Cinzel, instrumentos de trabalho do Aprendiz no desbastamento da Pedra Bruta; três janelas simbolizando a marcha do Sol; a Corda de Nós; e uma Orla Dentada, enquadrando todo o conjunto, simbolizando os opostos.

PAVIMENTO MOSAICO

De origem sumeriana, simboliza, com seus quadrados brancos e negros, os opostos na vida do homem: a boa e a má sorte, a virtude e o vício, a riqueza e a miséria, a alegria e a tristeza, etc. Representa a mistura de raças, das condições sociais e do dualismo.

PEDRA BRUTA

Objecto de trabalho do Aprendiz, deve ser desbastada e esquadrejada para se transformar em Pedra Cúbica, polida e regular. Simboliza o próprio Aprendiz no seu esforço para se aperfeiçoar e polir seu carácter, a sua rectidão e a sua integridade; é, enfim, o próprio símbolo de seu aperfeiçoamento na Maçonaria.

PRUMO

Instrumento usado para medir a perfeita verticalidade de uma superfície, é o símbolo da profundidade do Conhecimento, da Rectidão e da Justiça. Representa, também, o Equilíbrio, ou Estabilidade, quando perfeitamente a Prumo. Está presente na saudação do Grau, no movimento vertical da mão direita ao longo do tronco. É a jóia do 2° Vigilante.

RÉGUA

Haste de madeira ou metal dividida em 24 partes; cada parte corresponde a uma polegada. Necessária para marcar os limites do esquadrinhamento da pedra para que as suas bordas sejam rectas, simboliza um caminho rectilíneo a seguir, com uma conduta recta, sempre à frente. É o emblema da disciplina, da moral, da exactidão e da justiça. Também é um símbolo do Grau de Aprendiz.

SOL

Desde os mais remotos tempos, o Sol é o símbolo da Luz. Para a Maçonaria a Luz é a do Conhecimento, do esclarecimento mental e intelectual. O Sol deve estar presente na decoração do Templo, no teto, mostrando a Luz que vem do Oriente. Presente também no retábulo do Oriente, ladeando o Deita, junto com a Lua, estará do lado em que fica Orador, pois, na correspondência cósmica dos cargos em Loja, o Orador simboliza o Sol, pois dele emana a Luz, como Guardião da Lei.

TEMPLO

Símbolo da construção maçónica por excelência, da paz profunda para que tendem todos os maçons. Construindo o seu templo interior e construindo, em conjunto com os irmãos, um templo universal.

TROLHA (Ou colher de pedreiro)

Trata-se de uma espécie de pá achatada com a qual os Pedreiros assentam e alisam a argamassa. Sendo um instrumento neutro, deve ser visto como um Símbolo da tolerância, com que o maçon deve aceitar as possíveis falhas e defeitos dos demais Irmãos. Pode ser vista, também, como um Símbolo do amor fraternal que será, então, o único cimento que uniria toda a Maçonaria. Desta forma, passar a Trolha, significa perdoar, desculpar, esquecer as diferenças. Entendida desta forma, pode ser vista como símbolo da paz que deve reinar entre os maçons.

Compilado de textos diversos de autores não identificados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *