Diário de um Maçom em quarentena

Dia 1

Não sinto falta nenhuma da loja. Acho que a Maçonaria estava até a pesar e eu não sabia.

Dia 2

Já assisti a todos os vídeos sobre Maçonaria no Youtube. Hora de começar a reprise.

Dia 3

Tenho ouvido a aclamação mesmo sozinho em casa e batidas de malhete no sótão. Será que estou a enlouquecer?

Dia 3

Iniciei o meu cão e o meu gato. Foi uma belíssima cerimónia. Vendar o gato foi bastante difícil, estou todo arranhado! Mas o cão colaborou bastante. Agora temos um triângulo.

Dia 4

O gato apresentou uma prancha dizendo que a Maçonaria teria surgido dos deuses felinos egípcios. O cão protestou, dizendo que isso era esquizoterismo. Quase que se gerou uma briga na loja. Encerrei a sessão com um golpe de malhete.

Dia 5

O cão e o gato discutiram sobre se nossa loja era do REAA ou do Rito de York. Para agradar a ambos, elevámos os dois. Agora ambos são Companheiros e poderão ajudar nos cargos da loja.

Dia 6

O entregador do Uber Eats deu as batidas ritualísticas… Será que é Irmão?

Dia 7

Alarme falso: O entregador do Uber Eats estranhou quando lhe tentei aplicar o telhamento e deu-me avaliação negativa. De repente, ele pode ser de Potência ilegítima.

Dia 8

O cão está a ter dificuldades com a função de Mestre de Cerimónias. Ainda não entendeu que deve correr atrás da bolinha apenas no sentido horário. O gato vai bem como cobridor, só não foi melhor porque entendeu que era para aterrar e não enterrar a espada.

Dia 9

Estamos a planear a iniciação do papagaio. O gato ficou revoltado com o uso do pano preto sobre a gaiola, dizendo que no rito dos Antigos não existia isso.

Dia 10

Dia de Festa! O papagaio ficou muito emocionado com a iniciação. Estou a pensar em adquirir um hamster, dois porquinhos da índia e um lagarto para obter a nossa carta constitutiva definitiva.

Dia 11

A polícia interrompeu a sessão, a pedido da minha esposa, que está preocupada com o tempo que passamos no porão. Felizmente, o polícia era Irmão. Prometeu não nos incomodar, em troca de um certificado de presença, já que está a difícil obter um por estes dias.

Dia 12

O banquete ritualístico foi um sucesso. Porém, a cunhada teve uma crise nervosa porque eu, o cão, o gato e o papagaio comemos juntos na mesa de jantar.

Dia 13

Sessão acalorada! O papagaio propôs que a loja se tornasse mista, para incluir a cunhada e a minha filha. O cachorro, que tem o cargo de tesoureiro, concordou na hora, mas eu e o gato não queremos perder a regularidade.

Dia 14

Mais confusão! O cachorro solicitou a cadeia de união em prol de um amigo Husky Siberiano. O gato acusou-o de ser comunista e saiu no meio da sessão. Temo pelo futuro da loja.

Dia 15

A sessão de hoje foi cancelada. Teríamos trabalho sobre egrégora, mas o cachorro comeu o Breviário Maçónico e não conseguimos encontrar outra fonte sobre o assunto.

Dia 16

Sessão do Tribunal Maçónico com denúncia de perjúrio contra o papagaio. Por fim, apurou-se que ele estava apenas chamando o Zé, zelador do prédio e não a fazer a aclamação em público. A paz voltou a reinar nas nossas colunas.

Dia 17

Perdemos a nossa corda de 81 nós, depois que o cachorro roeu metade e o gato desfiou a outra metade com as unhas. A cunhada continua a chorar todas as noites, abraçada ao travesseiro, dizendo que eu perdi o juízo.

Dia 18

O cão fez xixi nas colunas zodiacais e o gato empurrou a espada flamígera do altar. Creio que não teremos outra alternativa senão migrar pro Ritual de Emulação.

Dia 19

Preocupados com a cunhada, os membros pediram uma Câmara do Meio. Na Câmara do Meio, decidiu-se chamar o Conselho de Mestres Instalados. No Conselho de Mestres Instalados, decidiu-se accionar o Conselho de Família. No Conselho de Família, foi questionado porque é que o Irmão Hospitaleiro não cumpriu o seu papel. Foi criada uma comissão, que encaminhou o seu parecer para a Câmara do Meio. Voltamos à questão na Câmara do Meio para discutir o papel do Irmão Hospitaleiro, que pediu para falar no Conselho de Mestres Instalados. Faremos nova reunião amanhã, para decidir quando é que nos vamos  reunir novamente para falar sobre o agendamento das próximas reuniões a fim de deliberar sobre a acta da reunião anterior.

Dia 20

Não foi possível realizar a Cerimónia de Exaltação, pois o gato teimou que Hiram tinha ido apenas atrás de alguma gata no cio e já voltava. Acabamos fazendo a Exaltação do cão e do papagaio e a Elevação do gato apenas por aclamação.

Dia 21

Apresentação das candidaturas para a próxima eleição! O papagaio insinuou fraude, mesmo sendo ele o único candidato ao Veneralato. O cão e gato reagiram criando um grupo só deles no WhatsApp e criticaram a próxima gestão, que ainda não assumiu.

Dia 22

Regularizámos o entregador do Uber Eats na nossa Loja. Ele continua sem entender bem os nossos procedimentos e rezou um Pai Nosso quando foi trazido entre colunas. Provavelmente deve ser do Rito Escocês Rectificado.

Dia 23

A loja entrou em colapso! O cão viu o avental verde-água da cunhada e disse que era do Rito de York. O gato ficou danado e pediu o Quite na hora. Levou o hamster e também o periquito, que era o nosso novo Aprendiz. Agora as lojas reúnem-se em dias alternados. Eu estou filiado em ambas.

Dia 24

Dia de sessão na loja do gato e do hamster. Apelidaram os irmãos da Loja antiga de profanos de avental.

Dia 25

Dia de sessão na loja do cão e do papagaio. Insinuaram que a loja nova não é Maçonaria e que são todos primos e não irmãos.

Dia 26

Após muito diálogo, decidimos fundar uma Grande Loja para cuidar dos assuntos afins. Apesar da sua pouca experiência, o periquito foi eleito o primeiro Grão-Mestre, por ter demonstrado muita competência. O facto dele ser de linhagem real é mera coincidência.

Dia 27

O cão convocou o primeiro protesto dos delegados regionais das lojas contra o Grão-Mestre por má gestão e por interferir em assuntos locais.

Dia 28

Sob aplausos calorosos, o papagaio declarou a Loja desfiliada da Grande Loja. Foi criado um Grande Oriente Local, que promete ser muito diferente.

Dia 29

Guerra entre o Grande Oriente e a Grande Loja nas redes sociais. As demais pessoas da casa questionam se isto é Maçonaria. Um grupo acusa o outro de trair o seu juramento.

Dia 30

Cansei-me desta briga. Decidi pedir o Quite e adormecer! As lojas lamentaram a minha saída, mas continuam as reuniões, dizendo que eu nunca deixei a Maçonaria entrar em mim.

Dia 31

Mais um dia sem Maçonaria… Adormeci e sonhei com uma sala cheia de incenso… Será que o peixe já pensou em ser irmão?

Adaptado de Autor desconhecido

Partilhe este Artigo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *