Pequenas considerações sobre o “3”…

Para qualquer Maçom o número “3” tem uma relevância especial, pois este é um número cujo o seu carácter esotérico encontra presença na Arte Real.

O número “3” na sua forma numeral/sinal foi nos dado a conhecer pelos Povos Árabes que utilizavam esta sinalização. Mas existe a teoria de que a sua origem remonta à Índia e que fora conhecida pelos árabes através das suas incursões comerciais por terras do Extremo Oriente. O número “3” ao ser desenhado, ele é formado por três ângulos.

Por sua vez, na Escola Pitagórica, este número era tido em grande importância, mas não na sua forma numeral, mas antes na sua forma geométrica. E isto porque na Escola Pitagórica era estudada a Geometria e tudo o que em Natureza era análogo à relação entre ambas.

Mas o número “3” também representa a “Trindade”. Não uma trindade apenas, mas as várias trindades existentes, sejam elas de cariz religioso, social ou filosófico. E é quase sempre nesta forma que ele aparece à Luz profana.

Eis algumas de entre as várias trindades conhecidas:

  • A trindade Cristã: Pai, Filho e Espírito Santo.
  • A trindade Hindu: Brahma, Shiva e Visnhu.
  • A trindade Egípcia: Hórus, Ísis e Ósiris.
  • A trindade Cabalística: Kether, Chokmah e Binah.
  • A trindade Familiar: Pai, Mãe e Filho.
  • A trindade Alquímica: Nigredo, Rubedo e Albedo.
  • Os três Planos ou Dimensões: Material, Espiritual e Físico.
  • O Lema: Bem Pensar, Bem Falar e Melhor Fazer…

E por aí fora…

Sobretudo na Maçonaria (o mais relevante neste texto por razões óbvias) o “3” tem presença “obrigatória”, ou seja:

  • Nos três princípios Maçónicos: Liberdade, Fraternidade e Igualdade.
  • As três Luzes da Loja Maçónica: Venerável Mestre, Primeiro Vigilante e Segundo Vigilante.
  • As três Ordens Arquitectónicas Gregas usadas nas colunetas maçónicas: Dórica, Jónica e Coríntia.
  • As três qualidades maçónicas: Sabedoria, Força e Beleza.
  • Os três pontos usados nas Abreviaturas e Códigos Maçónicos.
  • A célebre frase latina que aborda a aprendizagem maçónica (na qual são citados os três principais sentidos): “Audi, Vide et Tace”.
  • O Triângulo Equilátero (também ele, símbolo da Divindade).
  • As romãs que se encontram sobre as Colunas que estão à entrada do Templo…

E principalmente nos seus deveres principais de um Maçom (outra manifestação da presença do “3”):

  • O respeito pelos Usos e Costumes da Maçonaria Regular,
  • A vontade em aprender, trabalhar e em progredir como Ser Humano,
  • e finalmente, o guardar absoluto silêncio do que assistir ou ouvir em sessão maçónica, principalmente nunca revelando a condição de um Maçom a profanos.

E desta forma simples, ficaram demonstradas algumas das formas com que o “3” nos aparece no nosso dia-a-dia…

Nuno Raimundo
Publicado no Blog Pedra de Buril em 22 de Agosto de 2011

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *