História do Freemason’s Hall – a sede da Grande Loja Unida de Inglaterra (UGLE)

ugle freemasons hall 3lkj76

Esta grande estrutura em estilo art déco, cobrindo mais de dois hectares, foi construída entre 1927 e 1933 por H. V. Ashley e F. Winton Newman para ser a sede britânica da Grande Loja Unida de Inglaterra. Foi originalmente chamada de Memorial da Paz Maçónica, em homenagem aos Maçons que morreram na Primeira Guerra Mundial. O nome posteriormente foi mudado para Freemason’s Hall ,quando a Segunda Guerra Mundial estourou.

Trata-se do único edifício art déco em Londres ainda a ser usado para o seu propósito original.

O Freemason’s Hall é o terceiro edifício maçónico no local. O primeiro foi construído em 1775 na área hoje ocupada pelas Salas Connaught. Servia como uma combinação de taberna, salas de reuniões e teatro para artes cénicas. O Hall foi construído por Thomas Sandby, (Royal Academy), que ganhou um concurso de arquitectos.

O novo edifício não se limitou à Maçonaria, desde o princípio, mas funcionou como palco para bailes, concertos e eventos literários. Em 1814, Sir John Soane assumiu as funções de Grand Superintendent of Works (Grande Superintendente de Obras), cuidando da estrutura do edifício. Soane remodelou o Hall na década de 1820, acrescentando uma sala de reuniões e uma cozinha.

Com início em 1862, o edifício original de Sandby foi reconstruído e ampliado por Frederick Pepys Cockerell. Este segundo Freemason’s Hall tornou-se eventualmente inseguro devido aos danos causados pelo incêndio em 1883, e grande parte dele foi demolido para dar lugar ao edifício actual.

No Freemason’s Hall está localizado o Memorial Shrine, um memorial aos 3225 maçons que morreram na Primeira Guerra Mundial. No centro deste memorial está um caixão dourado projectado por Walter Gilbert, que também projectou o Victoria Memorial no exterior do Palácio de Buckingham. O Freemasons ‘Hall foi inaugurado em 19 de Julho de 1933 por Sua Alteza Real o Duque de Connaught, KG, actuando como Grão-Mestre.

Dentro do Freemason’s Hall estão 24 templos; espaços usados por várias Lojas e Capítulos Maçónicos para as suas sessões rituais. Cada templo é único e todos são ricamente decorados em estilo Art Déco. No centro do edifício está o Grande Templo, acessível por portas maciças de bronze pesando mais de 1 tonelada cada. O Grande Templo pode acomodar 1700 pessoas e é frequentemente usado para concertos e apresentações, bem como um ponto de encontro para as Lojas Maçónicas da região da Grande Londres e para as Sessões da Grande Loja Unida de Inglaterra.

O edifício tem sido usado tanto interna quanto externamente como um substituto para a Thames House (a casa do MI5) na série de TV Spooks e na série de TV Spy; também apareceu extensivamente na antiga série de filmes para TV, Poirot de Agatha Christie. O edificio faz aparições pontuais frequentes em episódios de outras séries de televisão, como o seu uso extensivo em Hustle, série 5, episódio 2. Tanto o seu exterior como o seu interior foram usados ​​num episódio de New Tricks, e o interior foi usado para a adaptação cinematográfica de The Hitchhiker’s Guide to the Galaxy, onde o Freemasons ‘Hall se tornou o templo no qual o povo “Jatravartid” ora pela “vinda do Grande Lenço Branco”. Também foi usado em muitos outros filmes, incluindo Agent Cody Banks 2: Destination London, The Wings of the Dove, Johnny English, Sherlock Holmes e a adaptação para a televisão de The Line of Beauty.

Muitas partes do Freemason’s Hall estão fechadas ao público, excepto para visitas guiadas regulares. No entanto, existem duas áreas que estão regularmente abertas e são de acesso gratuito – a Biblioteca e o Museu da Maçonaria.

A Biblioteca

freemasons hall library 3ju6yjhk
Biblioteca do Freemason’s Hall

Está sberta ao público como uma biblioteca de referência, embora os usuários necessitem de se registrar primeiro. A biblioteca possui uma enorme colecção de livros impressos e manuscritos sobre a Maçonaria, quer em Inglaterra, quer no resto do mundo. As colecções não são estritamente limitadas à Maçonaria, mas incluem assuntos relacionados, como tradições esotéricas e estudos místicos. Há também um grande número de livros e periódicos sobre sociedades relacionadas, como a Oddfellows e Foresters. A biblioteca também disponibiliza um serviço de pesquisa genealógica.

O Museu da Maçonaria

freemasons hall museum 3lku87ytr
Museu da Maçonaria

Esta fascinante colecção de memorabilia fica situada no primeiro andar do edifício, e a sua área de implantação estende-se até à biblioteca. O museu conta a história da Maçonaria e sociedades relacionadas desde o seu início, incluindo as suas associações místicas com o Templo de Salomão em Jerusalém. Há um grande número de manuscritos e memorabilia antigos, incluindo vidros, cerâmicas, móveis, retratos, paramentos, trajes de gala e pratas.

Muitos dos itens em exibição estão relacionados com maçons famosos, como Sir Winston Churchill e o Rei Edward VII. Por exemplo, pode ser visto o avental usado por Churchill. No centro do museu há uma enorme cadeira dourada, que se parece apropriadamente com um trono, feita para o Príncipe Regente, mais tarde Rei George IV.

winston churchill apron 3ytt54gt
Avental de Winston Churchill

Também em exibição estão os Articles of Union (1813), um dos documentos mais importantes na história da Maçonaria, por meio do qual a Grande Loja Antiga e a Grande Loja Moderna se fundiram para criar a Grande Loja Unida de Inglaterra. Ao lado está o documento mais antigo do museu: Grande Loja nº 1 Ms, um manuscrito em pergaminho datado de 1583.

Há ainda uma fascinante exposição sobre a história dos hospitais Maçónicos na Primeira Guerra Mundial e o papel das enfermeiras.

Um objecto peculiar chamará certamente à sua atenção: a “Mesa Maçónica”. Trata-se de uma mesa de bétula, do final do século XIX, que se abre para revelar um modelo do Tabernáculo Bíblico no Deserto. O interior está preenchido por uma misteriosa colecção de números que podem ser organizados em várias sequências. Ninguém sabe o que os números significam; os números não parecem ter qualquer significado Maçónico tradicional, pelo que o seu significado permanece um mistério.

O Freemason’s Hall numa fita do tempo

  • 1769 – A primeira Grande Loja anuncia planos para construir um Templo Central e começa a registrar todos os seus membros para arrecadar fundos.
  • 1774 – Um terreno é adquirido na Great Queen Street, em Londres, consistindo numa taverna de frente para a rua com um jardim atrás que leva a uma segunda casa. Thomas Sandby,, vence o concurso de arquitectos para o Hall. O seu Grande Salão é construído sobre o jardim, ligando as duas casas.
  • 1776 – O novo Freemasons’ Hall é consagrado em 23 de Maio. Além de eventos maçónicos, torna-se um importante local na vida social de Londres para concertos, bailes, noites literárias e reuniões de sociedades eruditas e de caridade.
  • 1814 – ir John Soane torna-se Grande Superintendente de Obras, responsável pelo Templo. Na década de 1820 realiza uma ampla remodelação do Freemasons’ Hall, incluindo as cozinhas e uma sala de reuniões, infelizmente agora perdidos.
  • 1862 – 1869 – O edifício original de Sandby é amplamente estendido para o leste, com projectos de Frederick Pepys Cockerell, num estilo severamente clássico. Parte desta fachada ainda existe, agora voltada para as Salas Connaught.
  • 1883 – Em 3 de Maio, o Freemasons ’Hall é quase que completamente destruído por um incêndio.
  • 1919 – O Masonic Million Memorial Fund é criado para reconstruir o Freemasons ’Hall como um memorial aos 3000 membros que morreram em serviço activo na Primeira Grande Guerra.
  • 1925 –É realizado um concurso internacional de arquitectos. O projecto vencedor da parceria de H. V. Ashley e Winton Newman é baseado numa estrutura de aço maciça.
  • 1925 – Em 8 de Agosto, cerca de 7250 irmãos almoçaram com o Muito Venerável Grão-Mestre em Olympia, ainda a maior refeição servida na Europa. No final do almoço, é anunciado que foram arrecadados mais de £ 825.000 para o fundo de construção.
  • 1927 – Em 14 de Julho, mais de 6000 irmãos no Royal Albert Hall assistem ao Grão-Mestre lançar a primeira pedra para o novo edifício através de um relé eléctrico; enquanto uma falsa pedra é colocada na reunião, a pedra real é colocada no canto de Great Queen Street.
  • 1927 – 1933 – As obras avançam no novo edifício, começando com a torre no extremo oeste e gradualmente espalhando-se para o este com a demolição gradual do antigo Hall.
  • 1933 – Em 19 de Julho, 5353 irmãos enchem o novo Freemasons’ Hall e o edifício é dedicado ao serviço Maçónico pelo Grão-Mestre, Sua Alteza Real, o Duque de Connaught, KG.
  • 1985 – O Freemasons’ Hall torna-se aberto ao público e vê um voltar ao ethos original de ser um centro Maçónico e estar disponível para eventos não Maçónicos. Nesta nova fase, torna-se um local popular para filmes e dramas de televisão.
  • 2007 – As áreas de armazenamento e arquivo do andar térreo inferior são convertidas em escritórios modernos nos quais estão localizadas as quatro instituições de caridade Maçónicas nacionais
  • 2014 – O magnífico órgão de Henry Willis & Sons no Grande Templo é restaurado à sua antiga glória graças à generosidade do Supremo Grande Capítulo. Isto significou limpar, reparar e dar nova voz aos mecanismos existentes, que incluíam 2220 tubos e 43 batentes, bem como montar uma nova caixa de cerca de quatrocentos tubos na parede leste.
  • 2017 – O memorial aos maçons agraciados com a Victoria Cross durante a Grande Guerra é inaugurado em 25 de Abril pelo Grão-Mestre, Sua Alteza Real, o Duque de Kent KG.

António Jorge

Fontes

  • Diversas fontes incluindo a Página da Grande Loja Unida de Inglaterra (UGLE)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *