Iniciação, adopção, maçonaria no feminino

sagrado feminino 23erDos mais recentes contributos no domínio da historiografia do Século das Luzes ressalta, como denominador comum, a opinião consensual de que o século XVIII não poderá ser bem compreendido, se a sua abordagem não integrar o fenómeno Maçónico.

A Maçonaria, como forma de sociabilidade, constituiu-se nesta época como verdadeiro laboratório de ideias, contribuindo para a difusão e, interiorização de conceitos de igualdade, fraternidade, virtude e, cosmopolitanismo, que influenciaram a verdadeira revolução de mentalidades operada neste século, responsável pelo advento das correntes filosóficas que estão na base do actual pensamento democrático e, republicano.

Insere-se neste aspecto a questão da Iniciação Feminina, que surgiu por volta de 1740, em França, através da pratica do Rito de Adopção.

Vários trabalhos de investigação, alguns dos quais muito recentes, têm vindo a revelar aspectos desconhecidos relativamente a esta problemática, abrindo novas perspectivas sobre a Maçonaria Feminina do século XVIII.

Muitas das opiniões sedimentadas nos últimos dois séculos relativamente ao Rito de Adopção, que fundamentaram a construção da vulgata de que o mesmo não foi mais (Publicado em freemason.pt) do que uma sub-maçonaria, inventada pelos Irmãos da época, para preservarem uma forma de sociabilidade apenas masculina, encontra-se hoje muito contestada. Os historiadores mais recentes tendem, pelo contrario, a considerar as Lojas de Adopção do séc. XVIII como uma forma de feminismo “Avant la lettre”.

Muitas das fontes que ajudaram a construir esta ideia feita baseiam-se em afirmações de autores maçónicos da época, entre os quais se dividem as opiniões, no que concerne ao valor iniciático do Rito de Adopção, predominando uma tendência para o cepticismo.

Neste contexto se enquadram as declarações de Tschoudy, que entendia esta forma de fazer Maçonaria como sendo “uma agradável bagatela”, ou de Jouaust que a apelidava de “inovação graciosa” e, de “inocente recreação”.

Outros autores, como Thory, levaram o seu cepticismo mais longe escrevendo, em 1812, que “A Maçonaria das Senhoras, como a dos Homens, teve os seus Ritos diversos; o fim principal destas associações foi quase constantemente o mesmo em todas as Lojas: Bailes, concertos, festins, actos de beneficência, declarações de estima e de afectos formaram geralmente a base dos trabalhos”.

Estudos desenvolvidos nos últimos anos, baseados sobretudo na análise dos rituais do Rito de Adopção e, nas Actas dos Trabalhos das Lojas, contradizem radicalmente estas opiniões.

Quando se aprofunda a exegese dos textos dos manuscritos dos rituais do séc. XVIII, emerge uma construção simbólica bastante diferente da generalizadamente utilizada nas Lojas estritamente masculinas, baseada em temas retirados do Antigo Testamento, mais precisamente do Livro da Génese.

Estes rituais, que impressionam pela sua riqueza, respeitam integralmente as formas e, as regras maçónicas, revestindo-se de um profundo sentido iniciático e, esotérico, onde aos mitos retirados da Bíblia se misturam sincretismos alquímicos.

O Rito comporta uma Iniciação, no Grau de Aprendiza, que obedece à mesma estrutura geral dos Ritos estritamente masculinos, na qual a recipiendária depois de passar por uma fase de separação, numa câmara de preparação, é vendada e despojada dos “metais”, realiza viagens, assume um compromisso, recebe a Luz e, depois de revestida com os respectivos paramentos, recebe a comunicação dos segredos.

Os Graus subsequentes, de Companheira e de Mestra, complementam o primeiro, desvendando progressivamente o sentido do Rito, que busca o aperfeiçoamento das Irmãs através da Amizade e da Fraternidade, assentes na prática das virtudes.

O ponto chave deste percurso iniciático centrava-se, no séc. XVIII, na recepção no segundo Grau, no qual a Loja simbolizava o Jardim do Éden.

Nesta cerimónia, a Loja era decorada com uma pequena mesa coberta com um pano negro, no qual se encontravam representadas lágrimas e, sobre o qual se dispunha uma caveira. Em alguns rituais esta imagem da morte era enfatizada, substituindo-se a mesa por um esqueleto.

Sobre o trono do Venerável colocava-se uma estrela iluminada, que simbolizava a Vida.

A recipiendária depois de introduzida numa câmara de preparação, era vendada e conduzida ao Templo.

A cerimónia iniciava-se pela prova do fogo, na qual a Aprendiza era conduzida numa deambulação em torno de uma terrina cheia de aguardente em chamas.

Após ter sido provada, a recipiendária era desvendada, fazendo-a voltar-se para contemplar a Morte, visão esta seguida de uma viagem para a Vida, materializada por nova volta sobre si mesma, de modo a ficar de face com a Estrela da Vida.

A Aprendiza deslocava-se então até ao Venerável, que lhe dava a comer uma maçã, referindo-lhe que a mesma lhe daria o conhecimento do Bem e do Mal.

Finalmente, após o compromisso, eram comunicados à recipiendária os segredos do Grau, explicando-lhe que a Árvore, representada no Painel de Loja, simbolizava a violência das (Publicado em freemason.pt) paixões humanas, a qual só poderia ser detida tornando-se Maçona, e praticando a Fraternidade e, as Virtudes inerentes à sua condição de Iniciada.

Face à culpabilização tradicional da Mulher na Queda do Paraíso, muito presente na cultura cristã dos séculos anteriores, poderá parecer enigmática a escolha da sedução de Eva pela serpente, como tema central do Rito de Adopção.

A resposta, contudo, representa uma subtileza que faz do ritual deste Rito uma verdadeira obra prima de sentido esotérico.

No ritual de Adopção, a recipiendária é introduzida num “Paraíso Terrestre” no qual não lhe é proibido comer a maçã, pelo contrário esta é-lhe oferecida pelo Venerável, que à semelhança do que se verifica na maior parte dos rituais do séc. XVIII, simboliza Deus.

Algumas versões dão ainda uma nova chave para reforçar esta ideia, ao incluírem a expressão “Lamma Zabatany” como palavra de passe, tratando-se esta da ultima exclamação atribuída a Jesus Cristo, imediatamente antes da sua morte na cruz.

Temos pois, uma inversão completa da história da Genesis, sendo Eva, no Rito de Adopção, equiparada a Jesus Cristo, no seu sacrifício supremo, situação esta ainda reforçada, em alguns rituais, pelo facto de a nova Companheira ser sentada à direita do Venerável, ou seja à direita do Pai.

Assim, para Eva, comer do fruto da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal não é um gesto ditado pela curiosidade, como na Genesis, mas pelo contrário um sacrifício para salvar a Humanidade da Ignorância.

É aceitando as consequências deste acto (materializadas pela imagem da morte), que o caminho da virtude se lhe torna visível, sendo este o único que a poderá levar à felicidade suprema (ilustrada pela Estrela da Vida). Esta só se poderá obter através de um esforço consciente para levar uma vida virtuosa, em confrontação permanente com as tentações do mundo.

Eva tornava-se assim, para a nova Companheira, no modelo positivo da primeira Mulher Iniciada.

Tudo isto parece ser uma construção demasiado elaborada para o que seria suposto tratar-se apenas de uma mera distracção para algumas Damas pertencentes à Alta Sociedade, condição esta generalizada entre as Maçonas da época, conforme atestam os nomes que figuram nos Quadros das Lojas de Adopção. A titulo de exemplo, em Sessões da Respectable Loge La Candeur, encontra-se registada a presença das Princesas de Lamballe, de Carignan, das Duquesas de Chartres, de Bourbon, de Rochechouart, de Loménie, de Nicolai, das Marquesas de Rochambeau, de Béthisy, de Fancour, entre muitos outros nomes de Damas da Alta Nobreza.

Estudos recentes, desenvolvidos em especial por Jan Snoek, da Universidade de Heidelberg, levantaram uma ponta do véu, no que concerne a este mistério.

Muito embora o Rito de Adopção tenha sido reconhecido e, regulamentado pelo Grande Oriente de França em 1774, assumindo então a forma ao qual se encontra correntemente associado, na qual as Lojas deste tipo se encontravam inevitavelmente sempre subordinadas a uma Oficina masculina, tinham as suas Sessões obrigatoriamente presididas pelo Venerável Mestre da mesma e, iniciavam apenas mulheres, existem registos que comprovam o inicio da sua pratica em época anterior, próxima de meados da década de quarenta, tais como os constantes de Actas da Loja L’Anglaise de Bordeus (1746), ou da Loja Saint Julien, de Brioude (1747).

Segundo Snoek, o termo Adopção já era utilizado pela Maçonaria Inglesa, na segunda metade do séc. XVII, como sinónimo de recepção. Como tal, este investigador defende que o conceito de Loja de Adopção poderá ter sido importado daí, significando uma Loja na qual se procedia à Iniciação de profanos, certamente masculinos.

O facto de alguns dos catecismos dos primeiros Rituais de Adopção evidenciarem que os mesmos serviam para iniciar recipiendários de ambos os sexos leva a crer que (Publicado em freemason.pt) as primeiras Lojas que receberam mulheres eram Oficinas masculinas, subsistido todavia o enigma quanto à origem destes rituais, tão diferentes da prática corrente.

A chave do “puzzle” parece encontrar-se na exposição francesa “Le Parfait Maçon”, de 1744. Esta publicação desvenda um sistema em quatro graus, destinado a Homens, no qual o conteúdo dos seus dois primeiros graus engloba todo o corpo temático do Rito de Adopção.

A origem deste sistema parece sobressair da primeira pergunta do catecismo do seu grau de Mestre:

  • P: Sois Mestre Maçon ?
  • R: O meu nome é Harodim

Harodim, ou Príncipe da Maçonaria é o nome de uma Tradição Maçónica praticada durante a primeira metade do séc. XVIII em Londres e, no Norte de Inglaterra, em meios Jacobitas, paralelamente à Grande Loja dos Modernos.

Pouco se sabe sobre os Rituais desta corrente Maçónica, mas parece confirmado que a introdução da Maçonaria em França se processou em duas vagas, sendo a primeira Jacobita, promovida por Lord Derwenwater e por MacLean e, a segunda Hanoveriana, impulsionada por Desaguliers, Coustous e, pelo Duque de Richmond.

Segundo Snoek, teria sido precisamente nessas primeiras Lojas Stuartistas, nas quais se praticava a tradição Harrodim, que teriam começado por ser iniciados homens, passando depois a ser recebidos homens e mulheres e, finalmente só mulheres.

A tradição Harrodim está também na origem da primeira Ordem de Cavalaria Maçónica conhecida, a Ordem Real da Escócia, o que confere ao Rito de Adopção uma linhagem que justifica o seu alto valor iniciático.

Mesmo que a Iniciação Feminina tenha sido restrita a um estrato social limitado fundamentalmente à aristocracia, a mesma não é alheia a uma alteração de mentalidade, que se encontra plasmada nas evoluções dos conceitos de virtude feminina e, de participação da Mulher na sociedade, que se foram verificando ao longo da segunda metade deste século.

Se na primeira metade do mesmo uma mulher virtuosa era aquela que merecia boa reputação, encontrando-se este conceito associado à virtude da castidade ou, pelo menos à sua aparência, a partir dos anos 50 começou a emergir um novo modelo de “Honnete Femme”.

A ideia de que a virtude feminina é da mesma natureza que a masculina, mas que a Mulher, por se encontrar menos sujeita às paixões, detinha um papel de reserva moral da sociedade e, como tal o dever de exemplo e, de participação social em prol dos outros, emergiu na opinião pública da época, não lhe sendo alheios os valores veiculados nas Lojas Maçónicas. Estes contribuíram para o desenvolvimento de uma consciência feminina até aí inexistente, alicerçada em laços de Fraternidade.

Não é, pois, de estranhar que uma Maçona tenha, em 1782, referido numa Sessão de Loja de Adopção, aos seus Irmãos e Irmãs, que “tal como não existe distinção sexual para a alma, também não existe distinção sexual para as virtudes”.

A revolução francesa de 1789 veio a dar uma nova dimensão e, relevância ao debate sobre o papel social e, politico das mulheres, passando a encontrar-se posições claramente feministas entre alguns homens, muitos deles Maçons.

Este poema de 1788, do Abade Jacques Rangeard (1723-1797), clérigo e membro da Respectable Loge Les Neuf Soeurs, ilustra bem esta evolução de mentalidades:

O Homem do Criador foi, como se sabe, a obra
Sob o nome de Homem estão compreendidos
Os dois sexos formados cada um à sua imagem
Um deles teve a Força em partilha
O outro da Beleza conhecendo todo o preço
Dela fez seu primeiro apanágio.
(…)

A Mulher dizia-se devia em consequência
Ao Homem seu antepassado, seu oráculo, seu rei
Seguir-lhe as vontades, submeter-lhe a sua fé
E de um Mestre absoluto reconhecer a sua dependência
De todos estes crimes diversos
Da lei do mais forte efeito imperdoável
(…)

De dois seres iguais esta desigualdade
Que estabelece entre eles todos os nossos códigos bárbaros
E deste poder, este império usurpado
(…)

Imbecis promotores dos antigos usos
Nós lamentamos o espirito, os costumes dos primeiros tempos
(…)

O mundo governado cobria-se antigamente
De tristes preconceitos, de erros e de trevas
Mas dissipou-se o prestigio odioso
Que muito tempo ao belo sexo fascinou os olhos
Todos os gostos, todas as artes iluminaram a sua alma
O génio tem a sua voz e, o segue e o inflama
(…)

O belo sexo elevou-se
Até à sublime epopeia
Assim pelo talento os dois sexos rivais
Para a Glória os dois marcham a passos iguais
Concluamos com segurança
Que enfim da razão o Homem escutando a voz
Deve baixar a sua altivez e reformar as suas leis
Ao belo sexo reconhecer a nova existência
E respeitar os direitos que o Céu a dotou
Não sem duvida à predominância
Mas no mínimo à independência
E sobretudo à Igualdade”

Os Ritos Maçónicos são, essencialmente, ferramentas simbólicas, que possibilitam a quem os pratica trabalhar progressivamente a sua Pedra Bruta, interiorizando valores que lhe permitam, no mundo profano, irradiar a Luz recebida em Loja, para proveito da Humanidade. Na minha opinião, o Rito de Adopção, com todas as suas particularidades e, condicionamentos, não deixou de cumprir estes desideratos.

As nossas Irmãs das Lojas de Adopção do séc. XVIII foram, na realidade, Maçonas de parte inteira e, este Rito, dentro do contexto da época, contribuiu para o desenvolvimento (Publicado em freemason.pt) de uma Fraternidade Feminina e, para uma primeira consciencialização de uma desigualdade até aí aceite como natural.

Graças ao Rito de Adopção, a corrente Maçónica Feminina mergulha as suas raízes no séc. XVIII, constituindo uma aberração que, em pleno séc. XXI, ainda persistam culturas para as quais as ideias do Abade Rangeard seriam revolucionárias.

Subverter esta realidade continua a ser um desafio, no Aqui e Agora, das Maçonarias contemporâneas, na sua demanda por uma Humanidade mais Justa e, mais Fraterna, assente em dois Polos complementares, equitativamente equilibrados.

Joaquim G. Santos

Bibliografia

  • Anónimo “Le Parfait Maçon”, 1744;
  • Anónimo ”L’Adoption ou la Maçonnerie des Dames”, 1783;
  • Anónimo ”La Franc-Maçonne ou Revelation des Mysteres des Francs-Maçons”, 1744;
  • Bacot Jean-Pierre / Caille Laure ”Les Loges d’Adoption du XVIIIeme siècle – Un feminisme avant la lettre »”, Paris, 2011;
  • Burke Janet ”La franc-maçonnerie, l’amitié et les dames de la noblesse : le rôle des sociétés secrètes dans l’introduction des idées des Lumières chez les élites feminines prérevolutionnaires”, Pergamo Press Vol 10, 1989;
  • Huffmire Casey ”Women and Freemasonry in France and Germany” , Paris, 2013;
  • Le Forestier René ”Maçonnerie Feminine et Loges Academiques”, l’Arche, Paris, 1979;
  • Linton Marisa ”Virtue Rewarded ? Women and the Politics of Virtue in Eighteenth-Century France”, 2014;
  • Marcos Ludvic ”La Franc-Maçonnerie des Femmes sous l’Ancien Régime et au 19eme siècle”, 2002;
  • Moreillon Françoise ”Le Rite d’Adoption ”, Biennale Culturelle Maçonnique Bordeaux, 2012;
  • Mollier Pierre ”Un ecclésiastique féministe et franc-maçon en 1788”, 2015;
  • Ragon Jean-Marie ”Manuel Complet de la Maçonnerie d’Adoption ou la Maçonnerie des Dames”, Collignon Libraire-Éditeur, Paris, 1860;
  • Ragon Jean-Marie ”Tuileur Général de la FrancMaçonnerie”, Collignon Libraire-Éditeur, Paris, 1861;
  • Snoek Jan ”The Adoption Rite, its Origins, Opening up for Women, and its Craft Rituals ”, REHMLAC Diciembre 2012-Abril 2013;
  • Snoek Jan ”Le rite d’adoption et l’initiation des femmes en franc-maçonnerie, des Lumières à nos jours”, Dervy, Paris, 2012;
  • Saint Victor Louis Guillemain de ”Manuel des Franches-Maçonnes ou La Vraie Maçonnerie d’Adoption”, Paris, 1779,1785,1786,1787,1788.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *