Maçonaria à cubana: foice e martelo de um lado, régua e compasso do outro

A maçonaria cubana é a única no mundo tolerada por um regime totalitário.

O que está por trás disso: o papel dos maçons na Revolução ou a filiação dos próprios irmãos Castro?

O imponente Edifício Maçónico, epicentro das atividades da Ordem em Cuba, localizado na Avenida Salvador Allende, no centro de Havana.

Cuba é o único caso de país de regime marxista duro que tolera em todo o seu território uma importante sociedade secreta de fundo esotérico: a maçonaria. Hoje, na bela e conturbada ilha de Fidel e Raul, florescem nada menos que 318 lojas maçónicas, frequentadas abertamente por cerca de 30 mil membros inscritos. Números bastante altos para um país de população tão pequena. A santeria – culto afro-cubano primo-irmão dos nossos candomblé e umbanda – é, em Cuba, o único outro sistema de poder esotérico capaz de concorrer com a maçonaria em termos de existência razoavelmente livre e solta.

Várias histórias correm na ilha, tanto nos meios maçónicos quanto fora deles, para explicar esta curiosa tolerância. Alguns dizem que Fidel e Raul são maçons, mais provavelmente o segundo. Outros afirmam que se trata de um dever de gratidão: durante a revolução cubana, Fidel Castro ter-se-ia refugiado numa loja maçónica, onde encontrou abrigo e protecção. Por isso, ele nunca fechou nem um único templo maçónico nem perseguiu os seus membros.

O facto é que, hoje, a Grande Loja de Cuba – epicentro das actividades da organização no país – é inteiramente regular e reconhecida pela maioria das grandes lojas maçónicas ao redor do mundo.

Facto incontestável, e que talvez tenha a ver com esta tolerância, é que a própria independência de Cuba foi alcançada em boa parte graças à acção de maçons franceses e cubanos. A maçonaria surgiu em Cuba em 1763, a partir de lojas militares inglesas e irlandesas. Quando os ingleses partiram, chegaram os franceses, aos milhares, fugidos da revolução no Haiti em 1791. A primeira loja realmente cubana foi o Templo das Virtudes Teológicas, fundada em Havana em 1804 pela Grande Loja da Luisiana.

O que torna única a presença da maçonaria em Cuba é o papel que ela desempenhou durante as três décadas de luta pela independência do jugo espanhol entre 1868 e 1895. Os três grandes líderes revolucionários – José Martí, Antonio Maceo e o “pai da nação” Carlos Manuel de Céspedes eram, todos eles, maçons. Historiadores dizem hoje que foi impossível para os revolucionários comunistas varreram para debaixo do tapete a afiliação maçónica desses três heróis nacionais. Mas a verdade é que pouco ou nenhum esforço foi feito nesse sentido. A imensa maioria dos presidentes cubanos, começando por Carlos Manuel de Céspedes, foram maçons.

Há outras características curiosas no comportamento da maçonaria no seio da sociedade cubana. Claro, ela é monitorada pelo governo que quase certamente mantém agentes e informantes infiltrados no interior das lojas. Mas são muito raras as intervenções abertas ou as limitações impostas aos cultos. Para manter este confortável estado de coisas, os líderes maçons cubanos preferem não adoptar posições de confronto com as políticas do regime. Apesar disto, eles recebem de braços abertos nos seus quadros um grande número de dissidentes.

Após o desmembramento da União Soviética – que era o maior parceiro comercial de Cuba – o governo cubano facilitou ainda mais as coisas para a maçonaria, autorizando-a a participar em cerimónias públicas e a abrir várias novas lojas. Contudo, o funcionamento regular de todas as lojas maçónicas ainda está sujeito à permissão por parte das autoridades, e a publicação de livros e panfletos maçónicos é bastante restringida pelos serviços de censura governamental.

Símbolo no topo do Edifício Maçónico

A Grande Loja de Cuba, conhecida popularmente como o Edifício Maçónico, foi construída por volta de 1955 para as funções de Templo e sede central das entidades maçónicas de Cuba e chegou a albergar a Universidade Maçónica. Trata-se de um edifício imponente, incluído entre as obras arquitectónicas mais significativas da cidade de Havana. Encontra-se na actual Avenida Salvador Allende, no centro da capital cubana. Sem esquecer que o chileno Salvador Allende, amigo e aliado dos irmãos Castro, era maçon convicto.

A jornalista italiana Anna Lombardi, do jornal La Repubblica, conseguiu um feito inédito: visitar a Grande Loja de Cuba, em Havana, e vários outros templos maçónicos na ilha. Mas não apenas: Lombardi entrevistou líderes maçons cubanos e participou de rituais fechados da Ordem. O seu saboroso relato foi publicado na revista “Il Venerdì di Repubblica“, edição nº 1301, de 22 de Fevereiro de 2013. Transcreve-se o seu artigo:

AS LOJAS DE CUBA – Assim sobrevivem os maçons na ilha de Fidel

Por: Anna Lombardi (La Repubblica, Itália)

Um edifício numa aldeia perdida na Sierra Maestra, na porta os símbolos maçónicos do esquadro e compasso: dizem que em 1956 esconderam-se nela Fidel Castro e os seus barbudos apenas desembarcados do Granma. E foi exactamente no interior dessa velha loja maçónica de montanha que o futuro Líder Máximo criou aquele Movimento 26 de Julho que em poucos anos teria varrido para longe a ditadura de Fulgêncio Batista, inspirando-se nos ensinos de José Martí, o herói cubano pai do movimento independentista da ilha. Herói e maçon. Como outros revolucionários latino-americanos (e não apenas) do final do oitocentos: de Benito Juárez a Simon Bolívar. Dizem ser por isso que, uma vez no poder Fidel, em reconhecimento, tolerou a maçonaria: ordem misteriosa (os afiliados preferem defini-la “discreta”) que em todo o mundo compartilha ritos e símbolos naquilo que define “incansável busca da verdade”.

Diploma de filiação na Loja Minerva, uma das mais importantes de Cuba

Claro, muitas histórias são contadas em Havana. Que a tolerância de Fidel para com a maçonaria deve-se ao seu afecto por um seu professor maçon. Que o padre Angel, famoso proprietário de terras, era um afiliado. Que se trata de um gesto de respeito ao seu amigo Salvador Allende, também maçon. Até algumas teorias direitistas, das quais a Internet está cheia, segundo as quais o próprio Fidel é um iniciado. Ou, pelo menos, o seu irmão Raul…

Qualquer que seja o segredo que se esconde por trás da complacência dos Castro em relação à Ordem, é certo que a cubana é a única maçonaria tolerada por um regime totalitário. Foram os franceses em fuga da revolta dos escravos no Haiti em 1791 a levá-la para Cuba.

Mas já em 1859 Cuba orgulhava-se de possuir uma loja autónoma, a mesma que opera até hoje. Ela escapou inclusive à homologação cultural pós revolução que aconteceu em 1959, embora alguns “irmãos” tivessem proposto a sua dissolução, sob a alegação de que “no novo contexto político certos ideais não tinham mais razão de existir”. O Grão Mestre daquela época fugiu para a Flórida com todo o seu estado-maior, e a partir de Miami passou a lançar anátemas sobre os seus confrades que permaneceram na ilha, desencorajando-os de eleger um novo chefe.

Hoje, na ilha, existem 318 lojas frequentadas por mais de trinta mil afiliados. O número tem aumentado ultimamente: “Depois da queda do Muro de Berlim” contou um antigo Grão-Mestre ao New York Times

muitos jovens vieram a nós em busca de respostas que o Estado não tem condições de dar. Eles identificam-nos como exemplo social: não discutimos política nem religião“.

Diz Mark Falcoff, experto em América Latina da revista Foreign Affairs, que foi exactamente este factor que permitiu à maçonaria cubana manter a sua autonomia. Evitando a política, a organização pode discutir temas “incómodos” como o aborto e a globalização. E pode acolher nas suas fileiras muitos dissidentes do regime: dos 75 presos durante a Primavera Negra, a onda repressora de 2003 que visou jornalistas, sindicalistas e outros opositores, doze eram maçons. “Mas a Loja não foi envolvida no caso“, contou um deles, o jornalista Jorge Olivera ao jornal Chicago Tribune.

Templo Maçónico da Logia Dignidad e Virtud, em Vinales

Oficialmente, o governo elogia a maçonaria por estar ligada aos momentos mais nobres da história cubana. Mas a Grande Loja precisa de qualquer modo pedir permissão para qualquer coisa: desde depor uma coroa de flores aos pés da estátua de José Martí até a publicação de um simples manual ritual. Em privado, os seus membros lamentam-se da presença de infiltrados, fazendo ameaças veladas quando um estrangeiro frequenta um tanto em excesso a Loja. Mas todos pensam que, no futuro, a maçonaria terá um papel importante no processo de reconciliação das diversas almas do país.

Certo, nem todas as lojas gozam de boa saúde. Muitas, sobretudo as que estão muito distantes da capital, estão em ruínas. Mas todas citam o Grande Templo Nacional Maçónico, um edifício de onze andares coroado por um esquadro e compasso, situado no número 508 da Avenida Salvador Allende, em Havana. Quando foi inaugurado, em 1955, era um dos mais modernos de Cuba e um dos mais ricos, como testemunham ainda hoje os pequenos sofás de couro azul ou as colunas encimadas por globos luminosos. É aqui que acontecem os ritos colectivos. É aqui, entre essas paredes, medalhas e espadas, que o Grão Mestre e o Grão Secretário mantêm os seus escritórios. Há também um museu, uma biblioteca aberta ao público e um asilo que abriga os maçons idosos e administra as doações – sobretudo medicamentos – enviadas pelas lojas americanas e europeias.

Templo da Loja Maçónica Verdad, na cidade cubana de Matanzas

Nos subterrâneos localiza-se a escura “câmara de reflexão”; nela, em companhia de esqueletos e outros símbolos da vanitas (vaidade) humana, o aspirante a iniciado começa a sua aprendizagem. “Morre” para depois renascer para uma nova vida no interior da comunidade. Um ritual simbólico que, no país da santeria, o culto sincrético que une elementos africanos a elementos católicos, foi enriquecido com passagens ainda mais macabras.

Mas pode ter sido exactamente este mix o factor que suscitou, ulteriormente, o favor dos Castro. Os irmãos sempre usaram os símbolos da santeria a seu favor. Como aconteceu em 1959 – uma semana depois da fuga de Batista – quando Fidel, durante um comício, fez com que duas pombas brancas – símbolos de Obatalá, versão local de Cristo – pousassem sobre os seus ombros.

Santeria e maçonaria, em resumo, para obter consenso na Cuba pós Revolução. A primeira, útil para fascinar a população afro-americana, pouco representada no regime. A segunda, útil para garantir a simpatia da esquerda latino-americana. Foice e martelo de um lado, régua e compasso do outro.

Adaptado de Revista Oásis – Edição #35 (7 de Março de 2013)

Um Comentário em “Maçonaria à cubana: foice e martelo de um lado, régua e compasso do outro

  • O fato relatado com Fidel Castro é de maior profundidade. Na verdade, quem salvou Fidel e seu companheiro, de execução sumária quando da prisão por força de terem se perdido do seu destacamento, foi a intervenção do oficial que comandava o pelotão que o prendeu, o Tenente Sarriel, que era maçom. Diz a história contada,que ao ser decretada a execução dos dois, o Tenente Sarriel, falou “idéias não se matam” e no alvorecer deu fuga aos presos , praticamente direcionando-os a Sierra Maestra, onde havia o domínio dos revolucionários. Outra versão, diz que o companheiro de Fidel que era maçom, gritou por três vezes ao ouvir a decisão de execução: ” Mas as idéias não morrem, jamais”. Estes brados, ouvidos pelo Tenente Sarriel, que também era maçom, fizeram com que os dois condenados não fossem executados e o final da história é o mesmo. Por esta razão, Fidel não extinguiu a Maçonaria quando foi instituído governante de Cuba, apesar de ter declarado a extinção de todas as instituições e Ordens de cunho religioso, iniciático ou que pudessem representar focos de insurreição.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *