O Segundo Estatuto de William Schaw (1599)

Introdução

William Schaw Lindsay (1550-1602)

Sabemos muito pouco sobre William Schaw (1549-1602), Mestre das Obras para a coroa da Escócia de 1583. Sucessor de Sir Robert Drummond Carnock, ele teve de lidar com a construção, reparação e manutenção de castelos e campos do Stuart Rei James VI, até à sua morte. Ele também tinha a responsabilidade como um Supervisor Geral de todos os maçons (pedreiros) que viviam na Escócia. William Schaw produziu um estatuto para regular as práticas dos maçons em 28 de Dezembro de 1598, conhecido como o Primeiro Estatuto de William Schaw. No ano seguinte, fez estatutos complementares para os pedreiros escoceses, seguindo as reivindicações expressas tanto pela Loja de Edimburgo como pela Loja de Kilwinning, esta última se declarando firmemente a sua precedência, como a primeira loja maçónica criada na Escócia. Por este motivo, entende-se a causa do segundo estatuto de William Schaw não ter sido incluído nos arquivos da Loja de Edimburgo. Podem, no entanto, ser encontrados na Loja de Kilmarnock, fundada em 1734 pela Loja de Kilwinning.

O texto (tradução livre por Luciano R. Rodrigues)

Em Edimburgo, 28 de Dezembro de 1599.

  • É estabelecido que o vigilante dentro dos limites de Kilwinning e outros lugares subordinados à sua loja, será escolhido e eleito anualmente por uma maioria dos mestres da referida loja, no vigésimo dia de Dezembro, no interior do templo de Kilwinning como a principal e segunda loja da Escócia, que depois disso o Vigilante Geral será avisado, anualmente, quem é o escolhido como vigilante da loja, imediatamente após a sua eleição.
  • É considerado necessário e oportuno, por meu Lorde Vigilante Geral, que cada loja na Escócia deve ter, no futuro, as suas antigas liberdades como antes, e em particular, que a loja de Kilwinning, segunda loja da Escócia, terá o seu vigilante presente na eleição dos vigilantes dentro do limite do Distrito de Nether de Clydesdale, de Glasgow, de Ayr e de Carrick; Com o dito vigilante e diácono de Kilwinning tendo o poder de convocar os vigilantes restantes e diáconos dentro dos limites acima mencionados, quando eles tiverem qualquer necessidade importante de fazê-lo, para ser julgado pelo vigilante e diácono de Kilwinning, sempre que lhes convier convocar, quer em Kilwinning ou em qualquer outra parte do oeste da Escócia e dos limites acima referidos.
  • É considerado necessário e oportuno, por meu Lorde Vigilante Geral, que Edimburgo seja em todos os tempos futuros, como antes, a primeira e principal loja na Escócia, e que Kilwinning será a segunda loja, como foi notoriamente demonstrado nos nossos antigos escritos, e que Stirling será a terceira loja, de acordo com os antigos privilégios da mesma.
  • É considerado oportuno, que os vigilantes de cada loja sejam responsáveis perante os Presbíteros [tribunais da igreja] dentro da jurisdição do seu xerife, para os maçons subordinados às suas lojas, com relação a todas as ofensas que qualquer deles cometa, e um terço da parte das multas pagas serão utilizadas para os uso de caridade da Loja onde qualquer ofensa for cometida.
  • Que haverá julgamentos feitos anualmente, pelos vigilantes e mestres mais velhos de cada loja, estendendo-se a seis pessoas, que julgarão todas as ofensas, para que a punição possa ser executada em conformidade com a equidade e justiça, e boa consciência e a antiga ordem.
  • É estabelecido pelo meu Lorde Vigilante Geral, que o vigilante de Kilwinning, segundo na Escócia, seleccione e escolha seis dos pedreiros mais dignos e perfeitos, dentro dos seus limites, para testar a qualificação de todos os maçons dentro dos limites acima mencionados, da sua arte, ofício, ciência e memória antiga, de modo que o vigilante e o diácono, possam ser responsáveis daqui por diante para com as pessoas que são de responsabilidade deles, dentro dos seus limites e jurisdição.
  • Autoridade é dada ao vigilante e ao diácono de Kilwinning, como a segunda loja, para excluir e expulsar da sociedade e da corporação, todas as pessoas que desobedecerem a igreja, ofício, conselho e outros estatutos e actos a serem feitos a seguir para a boa ordem.
  • É estabelecido pelo meu Lorde Vigilante Geral, que o vigilante e o diácono, com os seus mestres da loja, seleccionarão, escolherão e constituirão um tabelião qualificado, como um escrivão e que o tabelião escolhido ocupará o cargo, e que todos os contratos, quitações e outros escritos, relativos ao Craft, só serão escritos pelo secretário, e que nenhum tipo de registro, nem título, nem qualquer outro documento oficial, será usado pelo referido vigilante e diácono antes mencionado, a menos que seja feita pelo dito secretário e por ele escrito.
  • É estabelecido pelo meu Lorde Vigilante Geral, que todos os antigos actos e estatutos, previamente feitos pelos predecessores dos maçons de Kilwinning, devem ser observados fielmente e mantidos pelo Craft, em todos os tempos vindouros e que nenhum aprendiz ou artífice, em qualquer momento, será admitido ou aceito, excepto dentro do templo de Kilwinning, como sua paróquia e segunda loja, e que todos os banquetes para a entrada de aprendizes, de companheiros de ofício, sejam feitos dentro da referida loja de Kilwinning.
  • É estabelecido que todos os companheiros de ofício, na sua entrada, paguem aos livros comuns da loja, a soma de dez libras em dinheiro, com dez xelins de luvas antes de ser admitido, e isso incluirá a despesa para o banquete, e ele não será admitido sem um teste suficiente e prova de memória e arte de ofício pelo vigilante, diácono e um quarto dos mestres da loja, sob a supervisão do formador e responsável perante o Vigilante Geral.
  • Que todos os aprendizes a serem admitidos não serão admitidos até que primeiramente tenham pago ao banco comum, acima mencionado, a quantia de seis libras em dinheiro, para pagar o banquete para todos os membros da loja e os seus aprendizes.
  • É estabelecido que o vigilante e os diáconos da segunda loja da Escócia, Kilwinning, prestem juramento, fidelidade e verdade de todos os membros e companheiros de ofício, dentro de todos os limites que lhes são confiados anualmente, que não terão associação com Cowans ou trabalharão com eles, nem qualquer um dos seus servos ou aprendizes, sob a pena que os antigos actos lhes impõem e multas.
  • É estabelecido pelo vigilante geral, que o vigilante da loja de Kilwinning, sendo a segunda loja na Escócia, irá testar todos os companheiros do ofício e cada aprendiz, sobre a arte da memória e ciência, de acordo com as suas vocações, e no caso de terem perdido qualquer ponto exigido deles, eles devem pagar a penalidade da seguinte maneira pela sua preguiça, isto é, cada companheiro do ofício, vinte xelins, cada aprendiz, dez xelins, a ser pago ao caixa para o bem comum, anualmente, e em conformidade com o uso comum e prática das lojas neste reino.

E para o cumprimento, observação e guarda destes estatutos e de todos os outros actos e estatutos anteriormente feitos e a serem feitos, os vigilantes, diáconos e intendentes das lojas mencionadas, por boa ordem, mantendo-se em conformidade com a equidade, a justiça e a antiga ordem, para a elaboração e colocação do mesmo, o Vigilante Geral deu o seu poder e autoridade ao referido vigilante e aos acima escritos, para estabelecer e fazer actos em conformidade com as regras acima.

E, em sinal e prova disso, eu, Vigilante Geral da Escócia, estabeleci e fiz escrever estes actos e estatutos, e assinei o mesmo com a minha mão, atestando deste lado e do outro lado.

Dando conhecimento ao vigilante, ao diácono e aos mestres da Loja de Kilwinning, que Archibald Barclay, nomeado encarregado para a dita loja, apareceu em Edimburgo nos dias 27 e 28 de Dezembro, onde o dito Archibald, na presença do Vigilante Geral e os mestres da loja de Edimburgo, produziu a sua incumbência, e comportou-se honestamente e com muito cuidado para a execução das coisas que lhe foram cometidas, mas por causa da ausência de Sua Majestade por estar fora da cidade, e porque não haver mestres, excepto os da loja de Edimburgo, convocada neste momento, não pudemos obter qualquer ordem estabelecida (como os privilégios do Craft exige) neste momento , mas depois, quando a ocasião nos oferecer, obteremos o mandado de Sua Majestade tanto para autorizar os privilégios da loja, como para qualquer penalidade estabelecida para as pessoas desobedientes e perturbadores de toda boa ordem.

Sendo assim, considero ser bom para mostrar a todos os irmãos da loja, que em testemunho disso, eu assinei este presente documento com a minha mão em Holyrood House no dia 28 de Dezembro, do ano de Deus 1599.

William Schaw, Mestre do Trabalho,
Vigilante dos Maçons.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *