São João da Escócia

São João Ogilvie

São João da Escócia é o padroeiro dos primórdios do Rito Escocês Antigo e Aceito, como afirmam os rituais franceses deste Rito, os mais antigos nos seus graus simbólicos.

Num ritual francês chamado Guide des Maçons Écossais ou Cahiers des trois grades symboliques du Rit Ancien et Accepté, isto é, Guia dos Maçons Escoceses ou Cadernos dos três graus simbólicos do Rito Antigo e Aceito, de 1804, ao abrir os trabalhos da Loja, o Venerável Mestre tira o chapéu e diz: “Au nom de Dieu et de Saint-Jean d’Écosse, la L∴ d’apprenti est ouverte. Il n’est plus permis à aucun frère de parler, ni de passer d’une colonne à l’autre sans en avoir obtenu la permission; de s’entretenir de questions politiques ou de controverse, sous les peines que commandent (Publicado em freemason.pt) les statuts généraux de l’ordre. À moi, mes frères[…]”. Em português temos: “Em nome de Deus e de São João da Escócia, a Loja de Aprendiz está aberta. Não é permitido a qualquer irmão falar ou deslocar-se de uma coluna a outra sem obter permissão, discutir questões políticas ou controversas, sob as penas que comandam os estatutos gerais da Ordem. A mim, meus Irmãos […]”.

Num outro ritual, também francês e de 1804, chamado Grade d’App∴ le∴ du Rit Ancien, em Português, Grau de Aprendiz do Rito Antigo, da Grande Loje Generale Ecossaise de France, para o mesmo momento tem-se que o Venerável Mestre tira o seu chapéu e diz: “Au nom de Dieu et de St∴ Jean d’Ecosse je déclare cette L∴ ouverte et couverte, il est défendû de parler, quitter sa place, ni passer d’une Colonne à l’autre, sans en avoir obtenu la Permission sous la Peine que la majorité de la L∴ croira convenable”, traduzindo: “Em nome de Deus e de São João da Escócia, eu declaro esta Loja aberta e coberta, é proibido falar, deixar o seu posto, ou mover-se de uma coluna para a outra sem obter permissão, sob a pena que a maioria da Loja julgar apropriada.”.

No livro de Albert Pike, chamado The Porch and the Middle Chamber – The Book of the Lodge – Secret Work, ou seja, O Pórtico e a Câmara do Meio – O Livro da Loja – Trabalho Secreto, publicado em 1872 nos Estados Unidos da América para que os irmãos americanos conhecessem as práticas da Maçonaria simbólica do REAA da forma como eram feitas originalmente na França (pois só praticavam os Altos Graus deste Rito nos EUA), tem-se no encerramento dos trabalhos: “In the name of God and of Saint John of Scotland, and under the auspices of the Supreme Council (Mother—Council of the world), of the 33d and last degree of the Ancient and Accepted Scottish Rite of Free—masonry, for the Southern Jurisdiction of the United States, and by virtue of the authority in me vested as Venerable Master of this Lodge of Apprentice Masons, I declare it to be duly closed. With me, my brethren […]”. Em Português: “Em nome de Deus e de São João da Escócia e sob os auspícios do Supremo Conselho (Conselho Mãe do Mundo), do 33° e último grau do Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria, para a Jurisdição Sul dos Estados Unidos, e por virtude da autoridade em mim investida como Venerável Mestre desta Loja de Aprendizes Maçons, eu declaro esta Loja fechada. Comigo, meus Irmãos. […]”.

Agora no Brasil, no Ritual do 1° Gráo-Aprendiz do Rito Escossez Antigo e Acceito do Grande Oriente e Supremo Conselho do Brazil (hoje GOB), adoptado por esta Obediência em 1898, tem-se: “Em nome do Gr∴ Arch∴ do Univ∴ e de S∴ João da Escóssia, nosso padroeiro, está (Publicado em freemason.pt) aberta a Loj∴ de Apr∴ Maç∴, com o titulo distintivo N……, desde agora a nenhum Ir∴ é permitido fallar ou passar de uma para outra collumna, sem obter permissão, nem occupar-se de assuntos prohibidos pelas nossas leis. A mim meus IIr∴ […].”

Em todos estes quatro rituais citados, consta noutros momentos que a Loja é dedicada a São João da Escócia, inclusive no telhamento a visitantes, onde se diz: “um visitante da Loja de São João da Escócia”.

Existem algumas entidades beneficentes, escolas e hospitais no Brasil que levam o nome deste santo por terem sido fundadas pela Maçonaria.

Hoje em dia, no Brasil, grande parte dos rituais das Obediências já não contêm mais estas dedicações a São João da Escócia, e possivelmente isto deu-se por um simples motivo: não existem quaisquer evidências da existência deste Santo.

Existe um santo de nome, São João Ogilvie, nascido em 1579 na Escócia e morto na forca em 1615 também na Escócia. É o único mártir escocês oficialmente registrado pela Igreja Católica Romana, e consequentemente o único São João de lá.

João Ogilvie foi filho de um nobre escocês e que nasceu na religião do estado da Escócia, o Calvinismo. João converteu-se ao Catolicismo aos 17 anos, em Louvain na Bélgica, e em seguida participou de várias instituições educativas católicas. Juntou-se aos jesuítas em 1597, e foi ordenado sacerdote em Paris, em 1610.

Tudo isto ocorreu numa era de grande perseguição ao catolicismo na Escócia, mas mesmo assim João solicitou repetidamente autorização para pregar na sua terra natal para onde então voltou em 1613. Ele trabalhou escondido como missionário em Edimburgo e Glasgow, esquivando-se dos caçadores-de-sacerdotes da Rainha disfarçando-se de soldado de nome Watson.

Após onze meses João foi traído por um falso católico, foi preso, interrogado, torturado, tudo para que entregasse o nome de outros católicos activos na Escócia. Depois de três tentativas infrutíferas de tortura, João negou-se a dar qualquer informação e foi condenado à forca por ser leal ao Papa e por negar reconhecer a supremacia do Rei em assuntos espirituais.

Entretanto, não há nada que ligue oficialmente São João Ogilvie a São João da Escócia. E além disso existe uma barreira que impede aquele de ser este: a barreira do tempo. A não ser que os irmãos franceses (precursores dos rituais do REAA) e os escoceses que os influenciaram, tenham reconhecido a santidade de João Ogilvie antes da própria Igreja (o que é improvável), um espaço de cerca de 200 anos os separam, logo que João Ogilvie só foi beatificado em 1929 pelo Papa Pio XI e canonizado em 1976 pelo Papa Paulo VI.

Além disto, à época da morte de João Ogilvie, a Maçonaria já se encaminhava para a sua estruturação quanto a instituição inclusive no que tange ao (Publicado em freemason.pt) ritual (tanto na Inglaterra, como na Escócia e França) e os documentos da época, nada trazem sobre Ogilvie, até porque a Maçonaria e ele são tão contemporâneos que não há a possibilidade de um reconhecimento precipitado por parte dos maçons em relação a João.

Consultando-se todas as referências bibliográficas deste trabalho, inclusive a Catholic Encyclopedia e o Martyrologium Romanum, acerca de São João da Escócia, em vários idiomas, absolutamente nada foi encontrado que provasse a existência de um santo com o designo de São João da Escócia, nenhuma data, nenhum nome, nenhuma canonização ou beatificação, o que nos leva a concluir que há grande probabilidade deste Santo ser apenas uma lenda criada para apadrinhar o Rito Escocês Antigo e Aceito.

Adaptado de Autor desconhecido

Bibliografia

  • BLOG CATHOLIC SAINTS INFO. Saint John Ogilvie. Disponível em http://catholicsaints.info/saint-john-ogilvie/. Acesso em Nov. 2015.
  • Guide des Maçons Écossais ou Cahiers des trois grades symboliques du Rit Ancien et Accepté. França, 1804.
  • GRANDE LOJE GENERALE ECOSSAISE DE FRANCE. Grade d’App∴ le∴ du Rit Ancien. França, 1804.
  • GRANDE ORIENTE E SUPREMO CONSELHO DO BRAZIL. Ritual do 1° Gráo-Aprendiz do Rito Escossez Antigo e Acceito. Adoptado em 1 de Julho de 1898. Rio de Janeiro, 1904.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *