A Maçonaria é essencial?

George Smith Patton Jr. (November 11, 1885 – December 21, 1945)

“A anti fragilidade é uma propriedade essencial dos sistemas para reagir em resultado de stress, choques, volatilidade, ruído, erros, falhas, ataques ou falhas”.

Num artigo da revista Southern California Research Lodge Fraternal Review, o irmão Angel Millar perguntou se a Maçonaria era anti frágil. Se for, esta crise será talvez o melhor teste à sua resiliência.

Costumamos falar sobre grandes maçons. Muitas vezes perguntamos onde estão os grandes maçons hoje? Quando tudo acabar, teremos feito a nossa parte? É este o momento em que esses grandes homens emergem? Neste momento de desafio, sucumbiremos às nossas paixões básicas, descansaremos sobre os louros ou exemplificaremos os valores que tanto prezamos?

O general George Patton fez um discurso ao Terceiro Exército, que pode ser extremamente relevante para a nossa situação actual.

No discurso, ele falou sobre todos os homens fazerem a sua parte, seja como motoristas de camião ou especialistas em manutenção de telégrafos. No final do discurso, ele disse:

Então, há uma coisa que vocês, homens, poderão dizer quando a guerra terminar e voltarem para casa. Daqui a trinta anos, quando estiverem sentados ao lado da lareira, com o neto no joelho, e ele perguntar:O que é que você fez na grande Segunda Guerra Mundial? Você não terá que tossir e dizer: ‘Bem, o seu avô cavou merda na Louisiana’. Não, senhor, você poderá olhá-lo nos olhos e dizer: ‘Filho, o seu avô cavalgou com o grande Terceiro Exército e um filho da puta chamado George Patton!’

Estamos todos orgulhosos de ver o Irmão Oscar Alleyne, 2º Grande Vigilante de Nova York, a fazer a sua parte. Estamos cientes de que muitos outros também estão a fazer a sua parte. Muitos de nós são considerados essenciais de uma maneira ou de outra.

A situação actual global faz-me pensar sobre se a Maçonaria é essencial. Por Maçonaria, não quero dizer apenas a estrutura; Quero dizer o modo de vida. E eu respondo que é essencial, ou pelo menos que deveria ser.

Se a Maçonaria é essencial ou não, não depende dos nossos líderes eleitos. Depende de nós, individual e organizacionalmente. O que estamos a fazer ou o que podemos fazer para garantir que nós, como maçons, façamos a nossa parte?

Os nossos líderes estaduais e federais forneceram-nos listas de actividades essenciais. A “Maçonaria” não está nelas. Deixe isso repousar por um minuto. Pode ser a lição mais importante que aprendemos na nossa geração maçónica.

Se queremos sobreviver, devemos deixar de ser triviais. Se vamos prosperar, devemos fazer algo essencial. A “Maçonaria” pode não estar nessas listas, mas há bastante que está. Essas listas não são uma imposição sobre as nossas liberdades; elas são um convite para agir. Faça máscaras, hospede angariadores de fundos on-line para bancos de alimentos, ajude a apoiar aqueles que estão a trabalhar horas extra para fornecer serviços essenciais.

Se prosperamos ou não, está totalmente dependente de se agimos ou não. Daqui a trinta anos, o que diremos aos nossos netos quando eles se sentarem nos nossos joelhos? Para mim e tenho certeza de que muitos de vocês, não vamos querer dizer que cavámos merda na Louisiana. Não, eu quero olhá-los directamente nos olhos e dizer que eu era um Maçom, e que nós fizemos a nossa parte.

É hora de pegar nas nossas ferramentas e começar a trabalhar.

Michael Jarzabek

Publicado em The Midnight Freemasons

Tradução de António Jorge

Artigos relacionados

Partilhe este Artigo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *