Combate à ignorância… dever dos Maçons

ignorance 65tr3we

Só é necessário fazer guerra com cinco coisas: com as doenças do corpo, as ignorâncias da mente, as paixões do corpo, as seditações da cidade e as discórdias das famílias

Pitágoras

A ciência não é uma filosofia ou um caminho espiritual; é uma maneira de se comportar no mundo. É uma maneira de pensar que incentiva a lógica, a razão, a informação e a comunicação de forma a explorar o mundo em maravilhas e descobertas.

É lamentável que a polarização e o nacionalismo, tribalismo, se se quiser, tenham transformado “notícias falsas” e “factos alternativos” em parte de nossa vida quotidiana de agora. É uma realidade com a qual devemos aprender a navegar. Não é apenas aprender a investigar factos e números, pesquisas e excessos das redes sociais, mas é aprender que, às vezes, devemos desaprender. Começar com a ideia de que “devemos saber” é uma falácia. O que devemos fazer é começar a nadar na nossa própria ignorância e conhecer o que não sabemos.

Para ser franca, se queremos combater a ignorância, devemos começar pela nossa.

Todos os dias ouvimos pessoas que, em virtude do seu “conhecimento” auto-designado, sem a ciência ou a experiência necessária para o suportar, descartam o trabalho rigoroso que os cientistas fizeram para estabelecer ou desmascarar o nosso conhecimento da natureza. Químicos, astrofísicos, climatologistas, oceanógrafos, biólogos, geneticistas e nutricionistas foram deixados de lado quando as suas mensagens não se encaixavam na narrativa de interesses corporativos ou nos excessos das redes sociais. Aqueles que parecem ter mais dinheiro, mais participação de mercado ou mais “marca” têm a última palavra. Separamos os instruídos como elitistas e os interesses corporativos como “o homem comum”. Quem terá os nossos melhores interesses no coração?

Para ser muito clara, perícia não é a mesma coisa que elitismo. Um verdadeiro especialista e cientista sabe onde estão os seus limites de conhecimento. Eles sabem que sabem menos do que pesquisaram e estão numa missão para explorar. Eles estão a desenvolver teorias e a testá-las, perguntando o que falhou e o que funcionou. Eles sabem que os frutos do seu trabalho podem levar anos, décadas para sustentar a verdade e, provavelmente, levar a mais perguntas.

O elitismo, por outro lado, é “… a crença ou atitude de que indivíduos que formam uma elite – um grupo selecto de pessoas com qualidades intrínsecas, alto intelecto, riqueza, habilidades especiais ou experiência – têm maior probabilidade de serem construtivos para a sociedade como um todo e, portanto, merecem influência ou autoridade maior que a dos outros”. Eles são os líderes nomeados ou gurus que têm as respostas. Um cientista pode ser um elitista, mas isso não é uma reflexão sobre a ciência, mas sobre o carácter do indivíduo. Ou falta dela.

Depois de acabar de ver o documentário “Behind the Curve”, na Netflix, achei extremamente interessante ouvir os dois lados do debate sobre a “teoria da terra plana”. Na comunidade da Terra Plana, existem aqueles que realmente acreditam no que a ciência os decepcionou, de que eles têm a verdade e a ciência para a apoiar. O que foi extremamente interessante foi ouvir as observações dos cientistas sobre este grupo de pensadores dissonantes. Não houve condescendência ou elitismo de nenhum dos cientistas entrevistados. Não houve piedade ou condenação. Era um verdadeiro desejo, o não ignorar ou marginalizar a discussão, mas envolver-se nela; tratava-se de reunir as pessoas em vez de considerar a situação, um “nós” e “eles”. Não se tratava de crenças e factos; era sobre educação. Conhecimento. Combate à ignorância.

A Maçonaria tem uma visão interessante das ideias da natureza e da ciência, pois elas são combinadas com a filosofia e a busca pela Verdade. É um dos poucos lugares que parece que ambas se podem unir, para discutir e debater com uma narrativa muito aberta. A ciência é tão valorizada quanto a experiência; a física e a metafísica coexistem na conversa e no pensamento. Nada está fora dos limites. Estas conversas, sejam numa reunião da Loja ou em reuniões sociais, em grupos de estudo ou centros de estudos filosóficos, são as formas de combater a ignorância, se estivermos dispostos a ouvir.

Recentemente, participei num grupo de estudo em que o assunto estava em perceber se a humanidade tinha ou não influência sobre as mudanças climáticas. Eu tinha a certeza de que os humanos influenciaram os ciclos da natureza; como não podiam? Existem sete biliões de pessoas no mundo, ocupando espaço, consumindo recursos e poluindo o mundo ao seu redor. Era uma crença e eu sabia disso. No entanto, desafiei-me a ter uma mente aberta e não fazer um julgamento antes de entrar na sala. Por formação, não sou climatologista, meteorologista, geóloga ou qualquer outro tipo de especialista. Conheço geologia do ensino secundário e ciência da faculdade para calouros. Vamos ser sinceros, não sei nada. O que fiz foi trazer minha própria atitude e leituras da comunicação social e revistas de pseudo-ciência, com o objectivo de produzir uma mensagem oscilando para um lado ou para outro. Estando fora da escola por muitos anos, também senti o orgulho da idade – conhecia algo do mundo, que droga. Eu realmente senti que “conhecer-se a si mesmo” fazia parte do meu vernáculo.

Admito que a conversa trouxe a minha opinião para uma visão mais moderada do que para um “lado” específico do debate. O apresentador discutiu descobertas científicas que eu não tinha considerado e factos geológicos dos quais eu não tinha absolutamente nenhum conhecimento. Aprendi sobre eras glaciais, descobertas sobre o derreter dos glaciares actuais, amostras de núcleos de gelo, escalas de tempo geológicas e factos históricos de importância global. Não direi que a minha mente mudou; Eu direi que saí com uma ideia mais ampla de questionar o que me disseram e aprender a verdade por mim mesma. Aprendi que o que eu tinha era uma crença, não uma evidência. Para mudar a minha ignorância, precisava de fazer o trabalho… Eu próprio.

É aqui que, para mim, a colisão entre ciência e Maçonaria está no seu melhor. A Maçonaria é uma escola de mistério – um rito iniciático que traz a idéia de que o ser humano é a natureza e a melhor maneira de entender a natureza e os mistérios da vida e da morte é estudar a natureza. Como estudar a natureza? As escolas de mistério da Grécia antiga, segundo Blavatsky, “não são um sistema único, mas baseadas na estrutura espiritual do universo“, da qual é importante entender a natureza. Eles estão inextricavelmente ligados, o Espírito e a Natureza, talvez até sejam o mesmo. A Maçonaria, como descendente moderno dessas escolas de mistérios, procura tomar o importante da natureza e do espírito e impulsionar o ser humano a aprender que ambos residem na humanidade, e é trabalho do Maçom não apenas continuar a procurar a verdade, mas também procurar a Verdade É fazer perguntas sempre, desde conhecer-se a si mesmo até conhecer o mundo, e duvidar de tudo. É ter respeito tanto pelo processo científico quanto pelo nosso próprio processo. Somos sete biliões de experiências e todas são igualmente válidos. Senão, porque é que as estamos tendo?

Para os filósofos antigos, a ignorância era o oposto do bem. Para Aristóteles e Platão, ninguém faz mal por vontade própria, mas apenas por ignorância. Sócrates tinha os seus próprios métodos para combater a ignorância, e muitos destes princípios podem ser encontrados nos rituais e na educação Maçónica. Desde a aprendizagem contínua e avançando diariamente na educação, para educar, em vez de criticar, o Maçom torna-se um cientista do mundo. Os maçons recorrem à ideia de Sócrates de que nos devemos “conhecer a nós próprios”, na medida em que nos falta conhecimento e que não fazemos ideia do que é melhor para os outros. O ponto central é a chave para o equilíbrio em todas as coisas, mas especialmente no combate à ignorância. Uma abordagem medida, curiosa, porém consciente. Por fim, acho que Sócrates estava mais certo quando disse que a ignorância é inevitável. Quando Sócrates disse: “Não sei nada, excepto o facto de minha ignorância“, o que ele estava a dizer era que ele não ignorava todas as coisas, mas que estava ciente de que ignorava todas as coisas. Ele sabia que seria para sempre ignorante e era apenas através da perseverança que ele poderia tornar-se “bom”.

Kristine Wilson-Slack

Tradução de António Jorge

Fonte

  • Blog Universal Freemasonry

Artigos relacionados

One thought on “Combate à ignorância… dever dos Maçons

  • Avatar

    as é aprender que, às vezes, devemos desaprender.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *