DeMolay CEH – 4 – Ordem DeMolay

A Origem da Ordem

Um acidente aconteceu numa caçada em 1919, em Kansas City, Missouri, Estados Unidos da América, deixando sem pai uma família na qual Louis Lower era um menino entre 13 e 19 anos. Após o falecimento de seu pai, Louis Lower transferira a figura de seu pai ao amigo da família, o Maçon Frank Sherman Land, com o qual buscava constantemente conselhos e orientações, a quem pediu seu primeiro emprego.

Após constantes conversas com Lower, Frank Land reconheceu que o desejo do rapaz de atenção paternal não era limitado somente a ele, mas que se estendia a inúmeros outros jovens que tivessem pais ou não. Surgiu para Land, então, a ideia de formar uma Organização Juvenil que proporcionasse e devido treinamento e guia para uma melhor cidadania, uma organização de jovens que proporcionasse elevados valores patrióticos.

Tio Land disse a Lower o seu pensamento, solicitando sua ajuda para formar um clube de rapazes, pedindo que ele convidasse alguns amigos de Escola Secundária para uma reunião. Eles iriam organizar o clube. Foi em Fevereiro de 1919 que Louis Lower e oito de seus amigos se reuniram num templo Maçónico com Frank Sherman com a finalidade de formar uma nova organização de jovens. Nunca nenhum deles poderia sonhar, menos ainda Frank, que no espaço de 40 anos o Movimento estaria activo em 14 países e territórios tendo assim iniciado centenas de milhares de rapazes e algumas personalidades mundiais.

A inspiradora ideia de formação de um clube jovem de cunho educacional foi muitíssimo bem-recebida por todos os nove rapazes. Surgiu então a questão de como chamar essa nova organização. Frank citou vários nomes famosos, porém nenhum agradava os rapazes de modo especial. Um dos jovens sugeriu que por estarem num Templo Maçónico, alguma figura histórica ligada à maçonaria deveria ser lembrada.

jacques de molay
Jacques de Molay

Aceita, por uma determinação do destino, a sugestão tomou corpo quando Land mencionou o nome de Jacques DeMolay. Este nome cativou imediatamente cada um dos jovens. Quando eles ouviram que DeMolay fora o último Grão-Mestre dos Cavaleiros Templários e morrera como um Mártir da lealdade e tolerância, eles unanimemente concordaram que DeMolay seria a escolha, usando a pronúncia inglesa. Em 18 de Março de 1919, os noves jovens com 24 de seus amigos reuniram-se novamente no Templo Maçónico, organizando oficialmente a Ordem DeMolay, com o número ideal de 33 jovens. Foi somente 20 anos mais tarde que Frank Land descobriu que 18 de Março era aniversário de morte de Jacques DeMolay, em 1314.

Na segunda reunião, Louis Lower foi o primeiro a fazer a promessa DeMolay sobre a Bíblia que Land havia recebido em St. Louis quando tinha 12 anos, por ter frequentado a Escola Dominical durante 10 anos consecutivos. Os primeiros oito DeMolays prestaram uma homenagem a Lower. Tio Land sempre dava sugestões valiosas quando precisavam nas reuniões, em especial em uma das primeiras reuniões, em que alguém sugeriu limitar o número de integrantes a 75. “Tio Land” explicou que seria egoísmo pois a organização deveria ser boa para todos, não para alguns. As palavras de Tio Land pareciam ter actuado como a luz verde, pois em menos de 1 ano, o Capítulo “Mãe do Mundo”, em Kansas aumentou para o número de 3000 jovens iniciados.

O Ritual DeMolay foi escrito pelo Maçom e Jornalista Frank Marshall na Primavera de 1919, e permanece inalterado até hoje, excepto por poucas palavras. A organização tornou- se também bem-sucedida e conhecida por serviços de caridade, treinamento da cidadania e actividades sociais sadias. A Ordem DeMolay realmente assegurou-se uma história imortal de sucessos, através de seu trabalho para treinar líderes e garantir um mundo melhor para o futuro.

Os primeiros anos da Ordem

O grupo original de nove jovens contava com Louis Gordon Lower, Ivan M. Bentley, Edmund Marshal, Gorman A. McBride, Jerome Jacbson, Willian W. Steinhilber, Elmer Dorsey, Clyde C. Stream e Ralph Sewell.

Gorman A. McBride foi eleito Presidente; Lester Pennington, Vice-Presidente; Louis G. Lower, Secretário; John Miller, Tesoureiro; e Clyde Stream, Guardião-das-Armas.

Na reunião de Abril de 1919, os títulos dos Oficiais foram mudados de Presidente para Mestre Conselheiro, Vice-Presidente para 1° Director, Secretário para Escrivão e Guardião- das-Armas para Sentinela. Um 2° Director estava adicionado, e Averill Tatlock assumiu esta posição.

A questão da responsabilidade sobre a organização foi trazida antes ao Corpo do Rito Escocês de Kansas City. A Loja de Perfeição Adoniram decidiu se responsabilizar pela Ordem DeMolay e apontou o primeiro Conselho Consultivo. Os membros eram John H. Glazier, Frank S. Land, Percy A. Budd, Frank A. Marshall, Arthur A. Metzger, Fred O. Wood, Leon Thalman, W Raymond M. Havens, Frank I. Buckingham, Ellis R. Jones e Alex MacDonald. Todos trabalhavam activamente no Corpo do Rito Escocês, e naturalmente todos eram Maçons do Grau 33.

Todos os membros da Ordem DeMolay frequentavam a Escola Secundária em Kansas City, Missouri. Em uma das reuniões, uma proposta foi apresentada, vinda de um comité, estudada e trazida por um grupo como um todo, que os membros no DeMolay se limitaria a 75 membros. Os membros discutiram e aprovaram a acção unanimemente. Até este ponto, Tio Land sentado no fundo da sala, veio para frente e pediu para ser ouvido. Ele mostrou como eles estavam sendo egoístas. Ele lembrou que alguns jovens da escola secundária estavam interessados em participar da organização como DeMolays, depois certamente outros com interesses similares nas escolas Secundárias da cidade. Ele disse que DeMolay não deve ser uma organização exclusiva. Se ela é boa para um jovem, ela deve ser boa para todos. “Para nos tornarmos grandes, nós devemos ser grandes”, ele disse.

Um membro fez a proposta de que a questão deveria ser reconsiderada. Uma nova votação realizada. Os DeMolays unanimemente decidiram que nenhum limite de membros seria estabelecido. O que Dad Land falou foi um importante catalisador. Apenas um ano depois, o Capítulo Mãe tinha iniciado 2.000 membros.

Logo depois da primeira reunião, na Primavera de 1919, Tio Land pediu a um íntimo amigo e líder Maçom para escrever o Ritual. O homem era Frank A. Marshal, escritor editorial do Jornal de Kansas City.

Tio Land providenciou a filosofia e princípios para serem embutidos no ritual, e Dad Marshal forneceu a imaginação e a habilidade de escrever. O resultado foi o Grau Iniciático e o Grau DeMolay. O Ritual é eterno, pregando os principais pontos de uma vida boa e de carácter e presenteando-os em um significativo caminho. Os Rituais foram primeiro usados em 1919, e hoje eles continuam basicamente o mesmo. Eles são usados em todo Capítulo DeMolay no mundo inteiro.

O primeiro uso de Oficiais Capitulares, como nós conhecemos hoje, foi em 16 de Setembro de 1919. Averill C. Tatlock foi o Mestre Conselheiro; Harry A. Carpenter foi o 1° Conselheiro, Louis G. Lower foi o 2° Conselheiro. Esses títulos, e a expansão do número de Oficiais, foi directamente resultado do Ritual DeMolay escrito por Frank A. Marshal. O Ritual foi completado e usado como trabalho de grau pela primeira vez no Templo do Rito Escocês em Kansas City em 27 de Setembro de 1919. Na reunião regular de 2 de Dezembro de 1919, Louis G. Lower, o primeiro DeMolay, foi eleito Mestre Conselheiro. Ele foi instalado em 23 de Dezembro de 1919.

Em Novembro de 1919, o nome da Organização foi oficialmente mudada de Conselho DeMolay para Ordem DeMolay. Com o crescimento do Capítulo Mãe, a fama de DeMolay foi crescendo.

Um proeminente Maçom de Nebraska, Zoro D. Clark, veio a Kansas City, viu o trabalho e actividades da organização, e decidiu que ele queria estabelecer DeMolay em seu Estado. Em 8 de Maio de 1920, um time de Iniciação do Capítulo Mãe foi para Omaha e instituiu o Segundo Capítulo no mundo. Pouco depois, Maçons em outras comunidades em Nebraska, Missouri e Estados próximos estavam clamando por Capítulos. Em Março de 1922, havia se estabelecido Capítulos DeMolay em 39 dos 48 Estados Unidos, bem como no Distrito da Colômbia.

Interessado na expansão da Ordem, Tio Land, como Conselheiro do Capítulo Mãe, respondeu algumas solicitações para informação e autorização para a fundação de novos Capítulos.

Uma organização temporária foi formada para atender os inúmeros pedidos, e uma Constituição, Estatutos, rituais impressos e outra série de coisas foram preparadas.

Membros do Grande Conselho e um time de iniciação do Capítulo Mãe estavam viajando por todo os Estados Unidos instituindo Capítulos. A maioria dessas turmas de novos associados era muito grande. Em 12 de Fevereiro de 1923, Capítulo Templário em Pittsburgh, Pensilvânia, iniciaram 1.099 novos membros – a maior turma na história DeMolay. Iniciações e Cerimónias eram feitas nas mais diversas localidades, incluindo o Metropolitan Opera House localizada na cidade de Nova York.

No Outono de 1920, o Capítulo Mãe tinha desenvolvido algumas actividades para estes membros. Alguns dizem que o excepcional time de Basebol do Capítulo Mãe tem um destino para fazer com este crescimento. Uma Marcha Unida DeMolay e uma banda de 100 componentes manteve DeMolays ocupados e atraiu mais jovens para se associarem.

Perto do final de 1921, Tio Land percebeu que ele tinha de dedicar todo seu tempo a esta nova organização ou retirar-se. A decisão foi fácil. Como Grande Escrivão, ele tornou-se um trabalhador por tempo integral pela Ordem.

Maçonaria e a Ordem DeMolay

Como os Capítulos DeMolay cresceram em número e potência, a organização como um todo também cresceu em prestígio, e aumentou o interesse desenvolvido pela fraternidade Maçónica. O reconhecimento oficial e aprovação por um grupo Maçónico era o desejo do Tio Land. A primeira grande organização a dar seu selo de aprovação e apoio a DeMolay foi o Grande Capítulo Geral dos Maçons do Arco Real. Em Setembro de 1921, uma proposta apresentada pelo Grandioso Sacerdote Geral Frederick W. Craig foi passado o desejo dos Capítulos do Arco Real para adoptarem o movimento DeMolay em suas Jurisdições. No início de 1922, o Capítulo Wisconsin dos Maçons do Arco Real apoiaram a Ordem, e alguns outros Grande Capítulos também o fizeram.

Também durante 1922, o Grão-Mestre da Grande Loja do Mississippi emitiu a notícia de que todas as lojas estavam sendo incentivadas a patrocinarem Capítulos DeMolay. O Grande Capítulo dos Maçons do Arco Real e o Grande Comendador dos Cavaleiros Templários de Mississippi também o fizeram. Deste modo, o suporte oficial da Ordem DeMolay pela Maçonaria, a qual começou em 1921, culminou em Fevereiro de 1963 quando uma Declaração de Princípios foi assinada pelos líderes da Maçonaria.

Um estudo feito após a fundação e os primeiros tempos da Ordem DeMolay revelou uma dúvida em alguns Maçons: se a Ordem foi sempre de inspiração Maçónica. Aparentemente esta era a intenção e o fervente desejo do fundador Frank Shermann Land. Desde o início, com o apoio só do Soberano Inspector Litúrgico do R:.E:.A:.A:. da Maçonaria em Missouri, EUA: Juiz Alexandre Cochran, os líderes Maçons davam assistência ao crescimento e desenvolvimento da nova organização que florescia. Alguns anos mais tarde já era frequente se escutar na Maçonaria Americana que “DeMolay” foi a primeira nova ideia tida pela maçonaria em 200 anos. Durante os 74 anos de história da Ordem DeMolay, a instituição e seus líderes foram muito cuidadosos para não apresentarem a Ordem DeMolay como Organização Maçónica Juvenil, mais sim uma organização sob o patrocínio da Maçonaria, apesar do público em geral identificá-la como tal, e muitos dirigentes da Maçonaria referirem-se à Ordem como o futuro da Maçonaria.

Desde o início os membros da Ordem DeMolay eram recrutados entre os filhos de Maçons e seus amigos. Somente Maçons podem servir como presidentes de conselhos nos vários Capítulos e somente organizações Maçónicas podem patrocinar Capítulos da Ordem DeMolay.

A Ordem DeMolay no Brasil

A Ordem DeMolay se estabeleceu no Brasil graças aos esforços de Tio Alberto Mansur, que tomou conhecimento da Ordem em 1970, em uma de suas viagens aos Estados Unidos, através da leitura do “The New Age – July 1969”, comemorativo do cinquentenário da Ordem DeMolay. Percebendo a suma importância desta Instituição, e a necessidade de preencher uma vital lacuna na Maçonaria brasileira, o sonho de trazer a Ordem DeMolay para o Brasil foi despertado.

Após diversos contactos infrutíferos com o Supremo Conselho Internacional da Ordem DeMolay, Alberto Mansur conheceu pessoalmente em 1974, o Soberano Grande Comendador Norte-Americano George A. Newbury, que participava da VII Reunião dos Soberanos Grandes Comendadores das Américas, realizada no Rio de Janeiro, a quem revelou seu desejo de fundar a Ordem DeMolay no Brasil.

Logo após Newbury regressar ao seu país ocorreram os primeiros contactos do Supremo Conselho Internacional da Ordem DeMolay com o Brasil. O sonho estava se tornando realidade!

Alberto Mansur em seu primeiro relatório oficial como Soberano Grande Comendador do Supremo Conselho do Grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria para a República Federativa do Brasil, anunciava como meta prioritária de sua gestão a criação da Ordem DeMolay no Brasil, iniciando um grande trabalho de divulgação da Ordem em toda a extensão do Território Brasileiro.

Passaram-se cinco anos sem êxito; até que, pela manifestação do Destino, Alberto Mansur obteve a felicidade de conhecer em Boston, no ano de 1979, o então Grande Mestre Internacional C. C. “Buddy” Faulkner, Jr grande líder e entusiasta da Ordem DeMolay, que com grande visão, imediatamente confiou em Mansur, autorizando-lhe a fundar a Ordem DeMolay em nosso país, nomeando-lhe, em 06 de Março de 1980, Membro do Supremo Conselho Internacional e Oficial Executivo da Ordem DeMolay para o Brasil.

Desta forma, foi decidido patrocinar o primeiro Capítulo da Ordem DeMolay no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, sob o patrocínio do Supremo Conselho do R.E.A.A., com o título de Capítulo Rio de Janeiro da Ordem DeMolay.

A Ordem DeMolay no Piauí

28 de Novembro de 1998. Precisamente nesta data o Estado do Piauí recebia, em suas terras, as luzes das 07 Virtudes Cardeais de um DeMolay! Instalou-se, com grande festa, no templo do Palácio Maçónico Tiradentes, em Teresina, o Capítulo Guardiões do Piauí n° 370 da Ordem DeMolay! Era o início, para os Piauienses, e o fim de um grande projecto, para Alberto Mansur: implantar a Ordem DeMolay em todos os Estados do Brasil. Com a instalação da Ordem no Piauí, o Supremo Conselho da Ordem DeMolay para o Brasil passou a ter unidades em todos os estados da Federação. É, portanto, para os Piauienses uma data histórica e, para os DeMolays do país, um marco, considerável ressalte-se, levando-se em conta o tamanho continental do nosso País.

A estória da instalação da Ordem no Piauí demonstra bem o jeito aguerrido de ser do Piauiense. Eis que passam a residir na cidade de Altos-PI, dois DeMolays, para nós, Ilustres! Jofram Lima Roseno e Cláudio Lopes de Sousa. Por um acaso, conheceram-se e resolveram convencer os maçons a patrocinar a Ordem DeMolay. Levaram o projecto à Loja Acácia Altoense. Os maçons, naturalmente, adoraram a ideia. Levaram-na ao Grão-Mestre do Grande Oriente do Estado do Piauí, José Leite Gondim Cavalcante, que acatou. Designou para a tarefa o seu Grão-Mestre Estadual Adjunto, António Odeon Batista, e o seu Chefe de Gabinete, o Ilustre e eterno Oficial Executivo José Almeida de Sousa.

Definida a ideia, necessária a articulação com o Supremo Conselho. Alberto Mansur vibrou com a ideia! Ele, há muito, já desejava ver o Estado do Piauí com Capítulos DeMolays. Solicitou, então, ao Oficial Executivo do Estado do Maranhão, que providenciasse a instalação! Ocorre, então, um revés. O Estado do Maranhão desconfirma a instalação, pouco antes da data marcada! O Grão-Mestre do GOEPI, então, chama para si o compromisso de instalar a Ordem no Estado. Entra em contacto com o Oficial Executivo do Estado do Tocantins e solicita-lhe a instalação, nem que para isso tivesse de custear todo o transporte dos Oficiais para Teresina. Mas não foi necessário! Quando Mansur soube da situação, determinou ao Oficial Executivo do Estado do Maranhão que providenciasse imediatamente a instalação! E assim aconteceu.

A Ordem chegou ao Piauí pelos braços de seu vizinho e parceiro Maranhão, assim como a Maçonaria, há 180 anos. São fortes os laços que unem estes dois estados… outra não poderia ser a estória!

O crescimento da Ordem foi fabuloso. No seu segundo ano de existência no Piauí, cresceu para 03 Capítulos e 01 Convento de Cavaleiros. Foram instalados os Capítulos Francisco Rosa Filho N° 411, em Altos e Luiz Ribeiro Gonçalves Neto N° 408, em Teresina, bem como o Convento 28 de Novembro, em Teresina. Em 2000, Já eram 06 Capítulos. Foram instalados em 2000 os Capítulos João Noleto de Sousa N° 423, em Floriano, Enéas Nunes Maia, em Canto do Buriti e António Cardoso de Albuquerque N° 466, em Picos. A Ordem começara a descer para o Sul. Em 2001, mais 03 Capítulos: Esperança Jovem Simoense N° 474, em Simões, Monsenhor Sólon Aragão N° 495, em São João do Piauí e Professor Carvalho Neves N° 500, em Teresina. Alias… o número 500 foi um presente dado por Mansur aos Piauienses, quando atendeu ao pedido do então Oficial Executivo, José Almeida de Sousa, pela concessão do número para o Piauí. Em 2002, mais 02 Capítulos e 01 Corte de Chevalier: Capítulos José Barreto de Albuquerque N° 512, em Parnaíba e Manoel Ferreira de Sousa N° 562, em Jaicós, bem como a Corte de Chevalier Eustáquio Soares de Sousa N° 42. Com o Capítulo José Barreto de Albuquerque, o Piauí passou a ter no Norte do Estado uma unidade DeMolay.

Até 2005, o Estado do Piauí era coordenado por uma Oficialaria Executiva, Capitaneada nos seus 07 anos de existência pelo Ilustre José Almeida de Sousa. Ressalte-se que ele permaneceu todo este tempo por desejo dos próprios DeMolays! Quando em 2004 foi promulgada a actual Constituição da Ordem DeMolay, o tio Almeidinha sentia que seu ciclo estaria findando e preparou caminho para a fundação e Instalação do Grande Capítulo do Estado do Piauí, facto que veio a se concretizar em 05 de Novembro de 2005. Nesta data, por ocasião do Congresso Estadual, a Assembleia da Oficialaria Executiva da Ordem DeMolay para o Estado do Piauí decidiu pela extinção deste corpo administrativo, substituindo-o pelo Grande Capítulo Estadual da Ordem DeMolay para o Estado do Piauí, que veio a receber o número 13. Assumiu o primeiro triunvirato de dignitários ocupando os cargos de Grande Mestre Estadual, Grande Mestre Estadual Adjunto e 2° Grande Mestre Estadual Adjunto: Dirceu Iglesias Cabral Filho, Paulo Roberto de Araújo Barros e Waldemar Higino de Sousa Filho, respectivamente. Importante salientar que o Piauí adoptou a mesma sistemática do Supremo Conselho no tocante à sucessão de seus dignitários.

Em 20 de Maio de 2006, fundou-se no Piauí a Associação DeMolay Alumni Piauí, já prevista no Estatuto Social do Grande Capítulo Estadual como entidade integrante da Executiva do Grande Capítulo.

Em Dezembro de 2006, por ocasião do Congresso Estadual, deixou o cargo de Grande Mestre o Ilustre Dirceu Iglesias Cabral Filho, ascendendo ao cargo o Ilustre Paulo Roberto de Araújo Barros.

Paulo Roberto procurou imprimir uma administração baseada em metas. Programou uma série de objectivos para serem cumpridos pelos Oficiais Executivos Regionais, com o fito de dar ânimo às unidades DeMolays. Procurou dar maior autonomia administrativa e financeira às regiões. Entretanto, teve de renunciar ao cargo de Grande Mestre em Maio de 2007, visto que, na vida profana, exerce o cargo de Juiz de Direito, e o Conselho Nacional de Justiça, firmou entendimento de que seria incompatível à Magistratura o exercício da Presidência de entidades como a DeMolay.

Com a sua renúncia, ascendeu ao posto de Grande Mestre Estadual o Ir.: Waldemar Higino de Souza Filho, Adjunto de Paulo Roberto, que governou os destinos da Ordem no Piauí até VI Congresso Estadual, ocasião onde passou o posto para Ir.: João Batista Machado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *