O Aprendiz Estóico

Vivemos numa era de incerteza. Até agora, vinte milhões de pessoas já se candidataram ao desemprego, mais milhões estão em quarentena e não temos fim à vista para a pandemia que assolou o mundo. Isto faz com que muitos de nós sintam uma sensação avassaladora de ansiedade, porque estas circunstâncias estão fora de nosso controle. Muitos dos sistemas de apoio que as pessoas tinham, como amigos e familiares, deram lugar ao isolamento. E há boas chances de piorar antes de melhorar. Estaremos cercados por imagens da morte nas notícias e na nossa comunidade. Isto será chocante para a maioria, mas como Maçons, estamos preparados exclusivamente para isto, porque fomos preparados pelos ensinamentos do nosso Ofício. Já aprendemos a contemplar a nossa própria mortalidade quando a maioria se afasta de tais pensamentos. Estamos mais bem equipados para ajudar os que sofrem – a reformular esta experiência como uma oportunidade de crescimento.

Vou concentrar-me no grau de Aprendiz, pois ele fornece as ferramentas mais directas para entender este sentimento de pavor e interpretá-lo através de uma mentalidade estóica. A primeira parte disto não é frequentemente usada em muitas jurisdições, mas a sua importância não pode ser exagerada – a Câmara de Reflexão. Esta tradição surgiu nas Lojas Alemãs para meditações existenciais. O ponto focal da Câmara de Reflexão, assim como muitos outros graus e ordens mais elevados, é o crânio, um lembrete da fragilidade da vida. É um lembrete do facto de que a nossa existência é limitada no tempo. Através da morte, somos lembrados de porque é que a vida é tão preciosa. Porque nós também, como tudo na vida, devemos passar. Não há escapatória nem fuga. Nós vamos morrer.

Para os não iniciados, este pavor sombrio pode levar a pessoa a preencher este vazio com um estilo de vida hedonista, buscando uma satisfação consumista ou um serviço cruel ao senso de superioridade. Mas, como muitos em casa, no momento, todas as entregas da Netflix, da Amazon e publicações políticas irritadas não o distrairão do facto genuíno de que a sua experiência terminará. Pior ainda, outros voltam-se para o niilismo, sem encontrar nenhum objectivo na sua experiência. É aqui que as verdades maçónicas dão alívio, porque as lições do Aprendiz estão ligadas à antiga filosofia do Estoicismo.

O Estoicismo é uma antiga escola de filosofia grega fundada em Atenas por Zenão de Cítio. A escola ensinou que a virtude se baseia no conhecimento inventado pela razão; os sábios vivem em harmonia com a providência divina – a força divina que governa a natureza e o destino de todos os homens. O Estoicismo ensina a ser indiferente às vicissitudes de prazer e de dor. Os Estóicos reivindicam muitos filósofos influentes, incluindo Epicteto, Séneca e até o imperador romano Marco Aurélio. Os Estóicos viam a morte como uma sucessão natural da vida que não pode ser negada, mas que pode ser usado como um grande motivador na vida. Os Estóicos acreditavam que, por meio de nossas acções, nos é dada a oportunidade de viver o que os Estóicos chamavam de vida virtuosa.

Os Estóicos definiram a virtude dentro de quatro características, conhecidas como as Quatro Virtudes Cardinais do estoicismo. Soa familiar? Deveria porque o Estoicismo, ao lado da ética aristotélica, são as principais abordagens fundadoras da ética da virtude Ocidental.

  • Prudência, a sabedoria inata que possuímos.
  • Justiça, nossa capacidade de ser moral em nossas acções.
  • Temperança, nosso autocontrole sobre nossas acções, e
  • Coragem, sendo corajosos diante das adversidades da vida.

Precisamos de incorporar todas estas virtudes em toda percepção da vida e em todas as nossas acções. Para os Estóicos, esta é a única vida que vale a pena ser vivida – uma vida de significado na qual cada um afecta positivamente o mundo. Os Estóicos sabiam que não tinha sentido discutir ou lutar contra os aspectos da vida sobre os quais não temos controle. Eles sabiam que tudo o que podemos fazer é controlar como percebemos a adversidade e quais são nossas acções em resposta a ela. Nas suas cartas morais a Lucilius, Séneca explica que a morte é o acto unificador que une toda a humanidade.

O acto de morrer é igual em todos. A morte não tem graus maiores ou menores; pois tem o mesmo limite em todos os casos, o fim da vida”. – Séneca. Cartas de um Estóico. Carta LXVI.

A morte é a inevitável adversidade que todos enfrentamos, independentemente de raça, crença ou estilo de vida. É a grande força de união entre todos os homens. É uma verdade universal. Não temos controle sobre a morte, mas temos controle sobre as nossas vidas, a direcção que desejamos seguir. Todo o dia que acordamos é outra oportunidade de dar passos no caminho da virtude, mas a cada dia nos aproximamos de morrer. O tempo é o nosso recurso mais precioso, porque é finito. É um recurso que devemos utilizar para encontrar a virtude. O Aprendiz é ensinado a usar o seu tempo usando a régua de 24 polegadas. Oito horas para a nossa vocação para trazer estabilidade às nossas vidas, oito horas para descansar para trazer estabilidade ao nosso corpo e mente, e oito horas ao serviço de Deus para trazer virtude para as nossas vidas. Mas qual é o serviço de Deus? Certamente não é apenas um trabalho de caridade e oração. Para o Estóico, é tomando medidas para fazer coisas que criem um propósito para as nossas vidas. Pode ser tão simples quanto aproximarmo-nos de alguém em necessidade, expressar gratidão àqueles que amamos ou tão nobre quanto curar o cancro. É através das nossas acções e de como vivemos as nossas vidas, que agregamos valor, não através do nosso cargo, da nossa casa de Verão ou dos nossos desejos mais básicos. Tudo o que fazemos reverbera ao longo do tempo com um efeito composto. Portanto, esforcem-se para impactar o mundo de uma maneira que o deixe como um lugar melhor do que como o encontrámos, esforcem-se para ser a vossa própria pedra cúbica, vivendo uma vida que vale a pena ser vivida. No livro nove das Meditações, Marco Aurélio lembra a si próprio:

“Não penses desdenhosamente na morte, mas observa-a com favor; pois até a morte é uma das coisas que a natureza deseja. ” Marco Aurélio. Meditações IX.3

Este é o dilema existencial que a humanidade enfrentará em breve. Quando esta pandemia acabar, muitos de nós ou perdemos alguém que amamos ou conhecíamos alguém que perdeu alguém que ama. Logo estaremos todos muito conscientes da fragilidade da nossa condição física. É da natureza humana fugir do perigo, ou fugir da luta e dos efeitos da luta. Nós estamos programados para temer a nossa própria morte. Mas é uma inevitabilidade, por isso, quando nos deparamos com a morte, encaremos isso com Coragem.

Não é que só tenhamos um curto espaço de tempo, mas que desperdiçamos muito dele. A vida é longa o suficiente e foi dada em medida suficientemente generosa para permitir a realização das maiores coisas, se a totalidade dela for bem investida. Mas quando é desperdiçada em luxos e descuidos, quando não é dedicada a um bom fim, forçada finalmente pela necessidade última, percebemos que passou, antes de percebermos que estava a passar”. Séneca. Sobre a falta de vida.

Sim, o nosso tempo é finito, mas a nossa virtude não é. Se você tivesse hoje, o que faria para deixar uma impressão no mundo? Você ainda tem tempo para viver uma vida virtuosa, para causar o impacto que deseja, para trazer apreço aos outros e alegria neste mundo”. “…olhe para a imensidão do tempo atrás de si e para o tempo que está diante de si, outro espaço sem limites. Neste infinito, qual é a diferença entre quem vive três dias e quem vive três gerações?” Marco Aurélio. Meditações. IV.53

Não importa o tempo que reste na sua vida, assuma o controle da sua experiência. Neste momento de pandemia, não há melhor momento para estar lá para os outros, para fazer a diferença, aliviar o medo e inspirar acções. O mundo precisa desesperadamente de liderança e, como Maçons, temos uma infinidade de sabedoria a ser solicitada para nos fortalecer para enfrentar o desafio. Seja um Aprendiz Estoíco diante desta pandemia. Siga o seu sentido de prudência e aja de maneira justa em todas as suas experiências. Tenha temperança em todos os seus desejos e, diante das adversidades e da inevitável decadência, mostre coragem e dignidade. Para nos manter motivados nos nossos empreendimentos, deixo-lhe um pedaço de sabedoria do grande Marco Aurélio.

“Pense em si como morto. Você viveu a sua vida. Agora pegue no que resta e viva-a adequadamente”

Marco Aurélio. Meditações VII.56

James E. Frey

Tradução de António Jorge

Fonte

  • Midnight Freemasons

Artigos relacionados

Partilhe este Artigo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *