O que é que traz homens para a Maçonaria, geração após geração?

(Um diálogo entre Robert Johnson [1] e Todd E. Creason [2])

Robert Johnson: O que é que minha geração (The Millennials [3]) retira da Fraternidade? Esta é uma questão que me foi proposta há pouco tempo pelo irmão Todd E. Creason. Quando pensei sobre isto, eu realmente não sabia como responder à pergunta.

Todd E. Creason: Bem, eu fiz-te a pergunta porque eu vejo estes jovens aderindo, e pergunto-me porquê? A sua geração adere pelas mesmas razões que a minha (Publicado em freemason.pt) faz? Estamos à procura das mesmas respostas? Temos as mesmas expectativas no começo? É a mesma coisa que a geração do meu pai, do meu avô e do meu bisavô procurava?

Robert Johnson: Eu pensei “Não tiramos todos nós a mesma coisa da Maçonaria? Não nos tornamos homens melhores? Não podemos simplesmente retirar disto, o que lhe colocamos?” A resposta surgiu-me depois quando me sentei no trabalho a pensar na questão. Não, nós não tiramos todos a mesma coisa da Maçonaria. Para mim e minha geração, e não posso falar por todos, mas acho que quando nós, os Milenares ouvimos a palavra fraternidade, pensamos imediatamente no filme ” Revenge of The Nerds “. Pensamos em Lewis, Booger, Ogre e talvez na Fraternidade da Lambda Lambda Lambda.

Todd E. Creason: Eu tenho que admitir que quando eu comecei a pedir para aderir à Loja, eu não pensava na Maçonaria como uma Fraternidade da forma como eu entendia o termo. Eu pensava nela mais como uma sociedade antiga na posso de conhecimento e sabedoria e rica em tradição e ritual. Como um estudante vitalício de história, eu estudei muitos homens que eu conhecia como maçons, e perguntei-me se o sucesso que tiveram não era algo que eles aprenderam com a Maçonaria. Os meus objectivos no inicio eram puramente egoístas. Eu queria tornar-me um homem melhor e aprender o que os maçons tinham para me ensinar, para que eu pudesse beneficiar-me disso pessoalmente. Eu estava muito disposto a colocar o que fosse preciso para isso, contanto que eu obtivesse aquilo que eu queria.

Robert Johnson: Quando pensamos sobre os maçons, não acho que necessariamente pensemos em Fraternidade. Nós pensamos sobre o filme ” National Treasure “, Magia, Mistério e talvez alguns dos nossos membros Millennial mais fundamentados pensem em amizade e caridade. Pode ser que só quando estivemos totalmente unidos e nos tornámos Mestres Maçons, é que realmente percebemos que fazíamos parte realmente de uma Fraternidade. Eu acho que eu partilho os seus sentimentos em ter aderido por um ganho pessoal. Eu também estava à procura de conhecimento para me ajudar a entender o mundo, o povo e por que estamos todos aqui. A natureza destes desejos também era egoísta.

Todd E. Creason: Algum tempo atrás, eu escrevi um artigo com Michael Shirley, e nessa peça, nós os dois admitimos que ver o filme ” National Treasure ” desempenhou um papel em ambas as nossas decisões de solicitar a adesão. Mas a realidade era muito diferente. Quando fui elevado a Mestre Maçon, ninguém me entregou a chave da biblioteca ou um pergaminho antigo com todas as respostas. Não tenho a certeza, claro, mas estou convencido de que ninguém que eu tenha conhecido na Fraternidade nos anos seguintes sabe da localização do Tesouro Templário, do Santo Graal ou da Arca da Aliança. O que descobri é que, de repente, conheci muitos homens excelentes, dedicados a se tornarem homens melhores, independentemente da idade (Publicado em freemason.pt) deles, e cheios da certeza de que possuíam a capacidade e a responsabilidade de se tornarem homens melhores vivendo uma vida virtuosa, trabalhando para tornar o mundo um lugar melhor para se viver. E todos aqueles homens foram de repente meus irmãos, e pouco tempo depois, meus amigos também.

Robert Johnson: Exactamente o que é uma fraternidade, é algo bastante claro para aqueles de nós que foram membros das Fraternidades na faculdade. Então a questão permanece: o que é que um Millennial obtém da fraternidade? Eu só posso falar por mim e eu acho que sou um bom teste para a pergunta, mas o que eu ganho é um sentimento de pertença, um envolvimento semanal, ter algo para fazer que eu sei que faz a diferença.

Todd E. Creason: Eu não poderia concordar mais com essa afirmação. Pela primeira vez na minha vida, tive a oportunidade de contribuir para algo que realmente significa alguma coisa. Eu encontrei uma casa na minha Loja – foi um lugar a que eu realmente senti que pertencia, e isso é bastante incomum para um homem estranho como eu. Eu logo me esqueci das razões egoístas que eu tinha originalmente quando solicitei a adesão. Eu comecei a tentar encontrar formas de usar os conhecimentos que já tinha para contribuir para os objectivos da minha Loja. Consegui finalmente praticar e polir habilidades que tinha, mas que nunca tive a possibilidade de usar no meu trabalho – como escrever. E rapidamente aprendi que tinha habilidades que nem sabia que possuía e, dentro do ambiente confortável da minha Loja, não tive medo de praticar e desenvolver essas novas habilidades com a ajuda dos meus irmãos. Eu aprendi a fazer o ritual numa grande catedral do Rito Escocês e a falar sobre a Maçonaria para um grupo de pesquisadores maçónicos. A ideia de falar em público, fosse de que forma fosse, antes da minha entrada na Loja deixava-me sufocado, mas logo descobri que os benefícios de superar esse medo valeriam o preço de borboletas nervosas e algumas camisas húmidas.

Robert Johnson: Diz-se que as pessoas que têm uma reunião (não relacionada com o trabalho) uma vez por mês ou mais frequentemente, são pessoas mais felizes. De facto, um estudo realizado decompôs-se da seguinte maneira; Quando temos uma coisa nova (um carro, uma bicicleta, um jogo, um gadget), ficamos felizes por cerca de uma semana. Quando recebemos um aumento no trabalho, ficamos felizes com isso por cerca de três a quatro dias, mas quando comparados com a felicidade que sentimos quando temos uma reunião de irmandade ou uma reunião do clube do livro, tudo isso perde na comparação. A felicidade que sentimos por fazer parte de um grupo dura meses e anos. Isto foi baseado numa reunião por mês. Este é certamente o caso para mim também. Eu realmente fico energizado por ter passado tempo com homens verdadeiramente notáveis.

Todd E. Creason: E há uma grande verdade nisto. Alguns anos atrás, a minha Loja tinha um membro que estava a passar por alguns momentos muito tumultuosos na sua vida pessoal. Estávamos todos preocupados com ele, porque todos sabíamos que ele estava numa montanha russa emocional à época. Mas todo o mês, sem falta, ele aparecia na nossa reunião, ocupava a sua cadeira e, no final da reunião, era um homem muito diferente do homem oprimido que tinha entrado – de volta ao seu antigo eu novamente. Quando ultrapassou a sua crise pessoal, ele levantou-se numa das nossas reuniões e agradeceu à Loja; disse que não importava o quão baixo ele se sentisse, nunca perdeu uma reunião, porque não importava o estado da sua mente quando ele entrava – quando saía, sentia-se melhor. E agradeceu a alguns membros individuais por lhe ligarem, ou irem visitá-lo – ele sabia o que estavam a tentar fazer. Eu lembro-me de como os membros olhavam uns para os outros quando ele disse que – isto não tinha sido algo que tivesse sido discutido, era apenas algo que os membros da Loja se encarregaram de fazer. Isso é o que fazem os maçons – somos irmãos, somos família e cuidamos uns dos outros.

Robert Johnson: Eu tenho encontros todas as semanas. Eu como, bebo e vivo esta Fraternidade. Eu sou rico mesmo. Rico em felicidade. E o outro lado? Há, é claro, o Millennial que adere e é basicamente forçado a recuperar a sua loja de volta dos mortos? Esgotamento. Então, novamente, o que é que um Millennial obtém da Fraternidade? Bem, acho que eu preferia perguntar: “O que é que a Fraternidade obtém dos Millennials?” Somos uma geração de homens que são realmente necessitados. Precisamos sempre já; nós crescemos com o slogan da Nike, “Just Do It”. Então é isto que fazemos.

Todd E. Creason: Eu não creio que haja alguma resposta errada. Eu acho que se se perguntasse a cem Maçons, porque eles aderiram, e o que é que eles conseguiram, ter-se-iam cem respostas diferentes. Poucos minutos após ter sido elevado a Mestre Maçon, o meu seguro condutor, o irmão Sean McBride, deu-me um conselho. Eu estava sentado na Loja, tentando absorver tudo o que tinha experimentado e ele sentou-se ao meu lado e disse-me: “Você vai retirar da Maçonaria o que colocar nela“. Foi um excelente conselho, e está provado ser verdade, excepto que eu descobri que nunca posso colocar de volta o que eu tirei. Mais tarde, recebi outro conselho de um Maçom que conheci quando me juntei ao Rito Escocês. O conselho de William J. Hussey foi um pouco diferente. O seu conselho foi: “A Maçonaria será o que você fizer dela“. Ele estava correcto também. Todos os caminhos de cada Maçon são diferentes, o que eles contribuem é diferente, e o que eles retiram é também diferente. Para alguns é a comunhão, para outros é o conhecimento esotérico, para outros é o ritual, e para os maçons como eu é a história e a tradição. Mas acredito que todos os maçons podem concordar numa coisa. Não há nada mais que seja como isto.

Robert Johnson: Eu acho que é só isso. Não há nada mais que seja como isto. O grande tesouro da Maçonaria de que todos falam sempre, tem o potencial de 7,5 mil milhões de coisas diferentes, porque essa Fraternidade é diferente para todos. Para mim, o meu tesouro era (Publicado em freemason.pt) exactamente o que eu precisava na vida. E conforme as minhas necessidades cresciam, a Maçonaria cumpria essas necessidades. Os tesouros da Maçonaria cresceram e cresceram na minha mente porque as coisas que eu precisava, moralmente, filosoficamente e até mesmo materialmente, foram satisfeitas pela Fraternidade. É um tanto estranho, mas eu considero-me o homem mais rico do mundo e espero que a maioria dos maçons se sinta da mesma maneira quando pensam em todas as coisas que esta Fraternidade fez. A Maçonaria é a maior organização do mundo.

Robert Johnson e Todd E. Creason

Notas

[1] Robert Johnson, 32°, é o editor do blog Midnight Freemasons. Ele é um Maçom do primeiro distrito do nordeste de Illinois. Pertence à Loja Waukegan nº 78 e é também membro dos corpos do Rito de York, Royal Arch, Conselho Críptico e Cavaleiros Templários, da Illinois Lodge of Research e um membro do the Scottish Rite Valley de Chicago, bem como um membro fundador da Sociedade do Rei Salomão, uma organização de caridade administrada pela Grande Loja de Illinois. O irmão Johnson actualmente produz e gere um podcast semanal (programa de rádio na internet) Whence Came You? que se concentra em tópicos relacionados com a Maçonaria. Além disto, produz curtas-metragens focados em gerar interesse na Fraternidade e escreve artigos maçónicos originais de tempos em tempos. Ele é casado e pai de três filhos, trabalhando em tempo integral na indústria de segurança e é também um fotógrafo como hobby, bem como um ávido fabricante de cerveja.

[2] Todd E. Creason, 33 ° é o fundador do blog Midnight Freemasons e continua a ser um colaborador regular. Ele é o autor de vários livros e romances, incluindo a série Famous American Freemasons. É membro da Loja Homer nº 199, e um Antigo Venerável da Loja Ogden nº 754 (IL). É membro do the Scottish Rite Valley de Danville, do York Rite de Champaign/Urbana (IL), do Ansar Shrine (IL), do Eastern Illinois Council nº 356 Allied Masonic Degrees,  e o Charter President do Illini High Twelve em Champaign-Urbana (IL)

[3] Millennials, também conhecida como Geração Y, são o grupo demográfico após a Geração X e a Geração Z anterior. Os millennials são às vezes também chamados de “echo boomers” devido a um grande aumento nas taxas de natalidade no final dos anos 80 e 90, e porque os millennials são frequentemente filhos dos “baby boomers”. As características da geração do milénio variam por região e por indivíduo, e o grupo inclui uma variedade de condições sociais e económicas, mas que são geralmente marcadas por atingirem a maioridade na Era da Informação e se sentirem confortáveis no uso de tecnologias digitais e redes sociais.

O texto original pode ser lido AQUI

Tradução de António Jorge

Artigos relacionados

Um Comentário em “O que é que traz homens para a Maçonaria, geração após geração?

  • Avatar

    Boa tarde
    Sou leitor do artigo sempre que posso,sou grato ao poder Superior por ter a oportunidade de aprender muito através da leiteira dos artigos , o que me deixa mais forte e confiante em aguardar a minha vez de ser convidado a ser membro da irmandade
    Att.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *