O Venerável Mestre e o trono de Salomão

justiçaAo estar ao comando da Loja, além da observância contínua do contido nos regulamentos administrativos, ritualísticos e jurídicos, em consonância legal com os poderes constituídos, o Venerável Mestre terá que avaliar, juntamente com os membros do seu quadro de Oficiais, o que é prioritário. O que é prioridade hoje, talvez não seja amanhã. Cada Venerável tem a sua forma de agir, que deve estar em sintonia com a legislação pertinente.

É comum que cada Venerável Mestre imprima a sua maneira, o seu toque, denotando particularidades inerentes ao ser humano, algo congénito, parte subjectiva caracterizada com uma marca pessoal. Há os que se dedicam e dão ênfase à administração, a empreendimentos, à ritualística, ou ainda ao social (filantropia).

É valioso ressaltar que Venerável Mestre é um cargo de enorme envergadura. Sem dúvida, o maior cargo na Maçonaria Simbólica. Não confundir com grau. Venerável Mestre não é grau. Trata-se de um cargo de muita responsabilidade, que tem conotação mística pelo que representa no seio maçónico e no mundo profano.

Diria por analogia, que o Venerável Mestre poderia ser comparado, de forma limitada, a um Capitão de uma embarcação, daquelas que navegam pelos oceanos. Empreendendo uma viagem onde poderão ocorrer tempestades, ondas agitadas, levantes, motins, calmarias, bonança e por aí adiante. Lógico que para viajar é preciso planeamento prévio e, na viagem, planeamento de manutenção, relativo ao que for necessário para pôr a embarcação em funcionamento.

Na condição de comandante terá que saber ouvir. Não se deixar levar num primeiro instante. Poderá sofrer pressões veladas ou ostensivas. Será o ponto de equilíbrio. Ocorrerão erros, isso é normal. Só erra quem faz. Dos erros, extraem-se as maiores lições. E somente acerta quem tem iniciativa, coragem.

Ao cabo da viagem empreendida que levou um ou dois anos, estando prestes a atracar no porto, num dia e hora determinados, o comandante terá então realizado uma viagem que, certamente, exigiu muito da sua pessoa e dos demais membros co-responsáveis.

Mesmo experimentando incompreensões e dificuldades, o Venerável Mestre é amigo de todos, como um sol que se irradia a todos que o recebem. Por mais que soframos de perfeccionismo, todos nós temos defeitos. Afinal, somos seres humanos. O erro é não admiti-los; é pior não os tentar corrigir.

O cargo de Venerável é temporário e o exercício dignifica seu ocupante, por ter sido escolhido entre os seus pares para a distinção de os representar e conduzi-los à continuidade da Loja. Poderá até ser impecável na área administrativa, mas deverá evitar esbarrar em problemas como: falta de tacto nas relações com os Obreiros; acomodação; individualismo e até ausência de ética.

Na essência o Venerável Mestre é um coordenador, um instrumento gerador de frequência, de vibração, um modelo organizador, mediador, aglutinador, preceptor e não um mandante, decisor, chefe ou ditador, mesmo até porque lhe cabe manter a união do grupo, a harmonia do todo, o exemplo da conduta maçónica.

Deve desenvolver uma visão de conjunto, assimilando as actividades de forma mais ampla e realista. Aprendendo, acima de tudo, a respeitar o outro.

O bom Venerável Mestre não é aquele que sempre resolve os problemas que ocorrem na sua Loja, mas, sim, aquele cujos problemas nunca ocorrem na sua Loja.

A sua posição embora a mais honrosa, é a mais difícil. Deve ser absolutamente imparcial, não tomando partido nem deixando perceber os seus pontos de vista em relação às matérias objecto de debates.

Os membros de uma Loja têm os mesmos direitos e deveres. Ao Venerável cabe a difícil tarefa de manter esse equilíbrio. Deve ater-se, na sua maneira de agir, a uma (Publicado em freemason.pt)forma em que todos sintam os seus direitos respeitados e cumpram os seus deveres.

O Venerável não tem por missão impor normas; mas sim fazê-las respeitar de forma natural. A sua missão é sempre impessoal e não se impõe pela força. É apenas o condutor dos trabalhos, equidistante das facções que no plenário da Loja lutam pelas suas ideias.

Além das atribuições consignadas nos Landmarks, usos e costumes, Rituais e tradições da Maçonaria, compete ao Venerável, ao assumir o cargo, liderar com inteligência, sabedoria e visão esclarecida para atingir o seu objectivo. Por isso é que uma Loja é, antes de tudo, o retrato de seu próprio Venerável, que a conduzirá bem ou mal, segundo o seu próprio modelo de vida.

O Venerável Mestre é uma figura que assume destaque e proporções especiais. As suas atribuições definem-se em dois planos: o administrativo e o esotérico.

Plano administrativo

No plano administrativo não há ainda um modelo de administração, um vade-mecum (vai comigo) com esse objectivo, ou seja, uma cartilha que ensine o “bê-á-bá”, a “cola” para que o recém-empossado recorra quando em dúvida. Ele haverá de interpretar, sistematizar por si mesmo.

O Venerável é o presidente da sociedade civil, que é a Loja. É o seu administrador geral e o seu representante junto à Potência ou Obediência a que a Loja se subordina. Sendo esta uma organização à semelhança das empresas, não deve se distanciar das teorias, métodos, técnicas e sistemas da moderna administração, para atingir com segurança e eficácia os resultados desejados.

Plano esotérico

No plano esotérico, o Venerável Mestre adquire a condição de guia espiritual dos Obreiros, transformando-se num verdadeiro sacerdote da Ordem.

O Venerável é especialmente quem deve “iluminar” a Loja com a sua Sabedoria e o recto julgamento que simbolicamente representa, dirigindo construtivamente a sua actividade. Como líder da Loja, ele tem uma tarefa extremamente pesada: é dele que dependem, em grande parte, a orientação espiritual da sua Oficina e os trabalhos que aí são feitos.

O Venerável tem à sua disposição forças poderosas, sem fugir do Rito e da liturgia. É preciso que elas sejam projectadas para que se tornem edificantes, para que (Publicado em freemason.pt)todos tenham a inabalável certeza e sintam nos seus corações toda a vibração e plenitude do que é ser um verdadeiro Irmão.

Não se pode perder de vista a necessidade de nos auto-examinarmos, com o devido cuidado para não sermos severos com os outros e extremamente indulgentes connosco.

O Venerável que está de posse do Primeiro Malhete, não existe para si mesmo, mas para os outros; esquece a si próprio para servir aos outros.

Aquele que tem um cargo de comando deve estar ciente de que comandar é a arte de “mandar com”, para ser exercida com sucesso nos ambientes maçónicos, onde o consenso deverá sempre ser buscado. Para isso há de enfrentar resistências, sobretudo aquelas existentes no seu próprio coração.

Ao Venerável cabe interpretar os factos, direccionar a acção, tomar as decisões mais eficazes e fomentar a cooperação entre todos. Se ninguém fizer nada (lei do menor esforço), tudo continuará como está (lei da inércia) e acabará na desordem (lei da entropia).

Sempre existirão diferentes formas de se compreender e solucionar um problema ou de melhorar alguma coisa. Basta trilhar o caminho que conduz à Verdade e ao Bem, que não faltarão os recursos necessários.

Não há lugar para ditaduras, submissão cega e veneração nos ambientes maçónicos, onde o consenso será sempre buscado, mesmo entre os Irmãos que possuam pontos de vista diferentes.

O Venerável Mestre, sabendo o que tem a fazer, deverá tentar fazê-lo de modo sensato, compreendendo que todos somos Um, e que, portanto, só aquilo que o UNO quer, pode, realmente, ser agradável a todos. Deve conduzir o seu malhete para que todos os Irmãos recebam alegria semelhante.

Denilson Forato

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *