Porque sou Maçon no Grau de Aprendiz

Eis e que sinto e o que para sempre me fará sentir.

Nuvens brancas são a síntese da tempestade que o comum dos mortais deverá buscar no primeiro portal da Senda Maçonica. Sons reverberam em sua consciência, virgem de segredo da Arte Real que Iniciador algum poderá revelar a não ser ao ouvido atento que cruzar o Umbral do Inconsciente. Neste inconsciente adormecido o pretencente depositará o segredo maçonico de tal forma que, somente individual e misticamente será compreendido não se revelando por intenção mas por ideal de operar a arte na construção dos símbolos que refletirá a sua sinceridade, fervor e persistência no estudo e na prática da Arte.

Feliz aquele que compreender o privilégio de ser um APRENDIZ. Não um grau iniciático. Não simplesmente uma idade de três anos, uma cegueira temporária um desconhecimento da linguagem e da Arte nas, conscientização da eterna procura do conhecimento real, que não se encontra na forma mas na essência. Não tenhamos pressa por aumento de salário; estaremos sempre abaixo do grau colado pois, ao recebê lo ainda não o conhecemos.

Sem polemizar os doutos afirmaremos que a MAÇONARIA jamais se dividiu em operativa e especulativa lato senso, os dois aspectos sempre estiveram unidos na arquitectura do homem templo para engrandecinento do divino homem que pemanece adornecido como pedra bruta à espera do devido polimento. Temos a real oportunidade de conhecinento prístimo que nos torna verdadeiramente irmãos pelo saber. Nosso Pai é o Grande Arquitecto e a nossa Mãe; a LOJA que nos fez ver a LUZ do ESPÍRITO quando gerou no útero o futuro construtor, livre do fanatismo, companheiro inseparável da ignorância. TESTAMENTO. Na Maçonaria o testamento difere do testamento civil que é, uma preparação para a morte enquanto que a vontade do candidato está preorada para uma vida nova. Ele serve para o profano testemunhar, por escrito, suas intenções filosóficas. Como última manifestação de sua vontade, o testamento maçonico permitirá a compreensão da PREPARAÇÃO necessária para que o profano esteja apto a prosseguir na senda iniciática.

Desnudo de toda a arrogância deverá sentir o frio metal no seu peito e tropeçar no primeiro degrau daquela LUZ que busca.

Com deferência e dignidade deverá afirmar sua condição de homem livre e de bons costumes.

L:. F:. G:. – A:. M:. – R:.L:.M:.A:.D:.

Lisboa, 14.02.6999

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *