Simbologia esotérica da Branca de Neve e dos 7 anões

snow white 3hyt65cc

Branca de Neve e os 7 anões é o conto mais popular dos irmãos GRIMM. Lembremo-nos que estes irmãos de origem alemã, antes do advento da revolução industrial na Europa do século XIX, se dedicaram à tarefa de visitar aldeias nas florestas do Alemanha antiga com o objectivo de colectar antigos mitos, contos e tradições herdados de tribos celtas e sacerdotes druidas, que foram passados ​​de geração em geração. Nos anos 30 do século XX, esta história tornou-se conhecida mundialmente pela sua versão em quadrinhos de WALT DISNEY, que omite muitos elementos essenciais da história original, e dizemos essenciais, se realmente queremos entender a sua linguagem oculta.

Na maioria dos casos, ao longo da história, ensinamentos com grande conteúdo espiritual e esotérico adquirem uma linguagem universal, e essa linguagem é simbólica, e o simbolismo através da história fornece-nos uma ferramenta extraordinária, porque o seu ensino para a o homem é como a água em qualquer recipiente, que, independentemente do tamanho ou forma, se adapta ao recipiente, portanto, o simbolismo da história é uma maneira de o ensino atingir qualquer ser humano, independentemente do seu grau de evolução ou idade, porque de crianças a idosos, todos conseguem ver na história algum ensinamento moral.

Mas nós, amantes do conhecimento, sem o desejo de acreditar que somos superiores ou melhores que os outros, na nossa condição de aprendizes na antiga Sabedoria, devemos aprender a observar mais do que ver, ouvir mais do que ouvir e, como verdadeiros Quixotes, aprendemos a ver gigantes onde os Sanchos do mundo profano, que nas suas vidas, lhes bastam um pedaço de pão e um queijo Manchego, vêem simples moinhos de vento.

Era uma vez uma linda rainha que costurava sentada perto de uma janela cuja moldura era feita de madeira de ébano. Era um dia frio de Inverno, e distraída pela beleza dos flocos de neve que caíam como penas brancas, a rainha espetou o dedo com a agulha e três gotas de sangue caíram na neve. A rainha olhou para o contraste de sangue vermelho na neve branca e na moldura preta de ébano e suspirou: “Como eu gostaria de ter uma garota com a pele branca como a neve, os lábios vermelhos como o sangue e os cabelos pretos como madeira de ébano! “…

É assim que a história começa na versão original dos irmãos GRIMM; alguns detalhes omitidos por Walt Disney e que é importante sabermos, entre outros: que a madrasta tenta matá-la três vezes:

  1. a primeira vez com uma faixa para o cabelo que lhe amarra na garganta para a sufocar, mas os anões chegam a tempo e salvam-na;
  2. a segunda, com um pente envenenado, mas ela também é salva com a ajuda dos anões;
  3. e uma terceira vez com a maçã envenenada, é aí que ela é vítima de um poderoso veneno que causa a chamada “morte do sono”.

Basicamente, a história da Branca de Neve mostra-nos a jornada da alma, a sua descida à matéria, a sua aprendizagem, as suas provações na vida, até a sua evolução para um ser superior, puro e perfeito.

O conteúdo esotérico desta história refere-se a uma realidade bastante séria; a iniciação, ou seja, o trânsito no caminho da evolução humana que, através de alguns dispositivos, causa a morte, que muitos chamam de morte catatónica ou estado de catalepsia em que o candidato entra, e uma ressurreição simbólica da ignorância à sabedoria e da imaturidade à idade adulta espiritual.

Branca de Neve é ​​uma jovem garota que vive no palácio do seu pai, mas está sob a tutela da sua perversa madrasta, que conhece as artes ocultas; a madrasta consulta e conjura um espelho mágico, que representa esotericamente o “olho que tudo vê”, e pergunta quem é a mais bonita em todo o reino, ao qual o espelho responde: “minha senhora, você é tão bonita quanto uma estrela, mas há um ser celeste que é o mais bonito do mundo e mil vezes mais bonito do que você … ”. O espelho é como a consciência da rainha do mal que lhe diz a verdade.

A rainha é linda, mas má, porque simboliza a beleza material, e a Branca de Neve é ​​mil vezes mais bonita do que ela porque simboliza a beleza espiritual, que não tem comparação com nada na terra. Recordemos que a sua pele é tão branca como a neve que cai do céu.

Branca de Neve é ​​a matéria primordial principal; dito em língua sânscrita é o “Mulaprakriti“; é a matéria primordial que antes de atingir o seu objectivo; deve passar por um processo de alquimia, representado por três cores; branco, vermelho e preto:

  • branco simboliza pureza e beleza espiritual,
  • vermelho simboliza amor e paixão;
  • e o negro a morte;

Lembremo-nos de que o desejo da mãe de Branca de Neve, que representa o segundo logos, a mãe cósmica, um elemento feminino que cria vida nos universos, era ter uma filha Branca, Vermelha e Preta.

Nessa arte arcaica chamada “ALQUIMIA”, também são usadas estas três cores, que são etapas do processo de transmutação; essas fases são chamadas: Nigredo, que é o negro ou a morte; Albedo é o branco, a pureza e a luz; e Rubedo; qual seria a manifestação perfeita que a Grande Obra se tem através do amor. Vale ressaltar que este conhecimento das artes ocultas era bem conhecido por alguns grupos esotéricos do início do século XX. Um deles era a sociedade THULE, e não é em vão que dois dos seus membros, Adolf Hitler e Rudolf Hesse, concebem que o símbolo do movimento nacional-socialista ostentará essas três cores; recordemos como era a bandeira nazista: suástica preta, esfera branca e quadrado vermelho.

A madrasta má visita Branca de Neve três vezes com a intenção de “matá-la”. Disfarça-se com um pouco de magia nas três visitas, para que Branca de Neve não a reconheça; nas duas primeiras ela é salva pelos anões, mas numa Terceira, não – os anões não podem fazer nada diante de uma força superior, como é o veneno da maçã vermelha.

Esta maçã está intimamente relacionada com o fruto proibido do Jardim do Éden, encontrado na árvore do conhecimento, e também aí havia a serpente que dava o fruto a Adão e Eva com a promessa de que, se o comessem, seriam como Deus. Aqui a maçã representa conhecimento e a serpente representa um grande professor ou hierofante.

Depois de morder a maçã, Branca de Neve cai, ​​vítima da Morte Adormecida. É colocada numa urna de vidro como se estivesse morta, até o príncipe chegar e a acordar com um beijo – aqui o tema da “salvação por amar ”o amor divino que supera tudo. Então casam-se, o que se refere ao casamento celestial, união divina que existe entre a alma e o espírito para uma fusão eterna que nos proporciona“ ser felizes para sempre ”.

A tripla morte e ressurreição para a vida cumpre o processo de iniciação da vida, e também nos lembra as três quedas que Cristo teve no Caminho da Cruz, os três dias que demorou a sua ressurreição e os três passos que devemos dar para alcançar Maestria da Maçonaria.

Por outro lado, podemos interpretar os anões de três pontos de vista: um universal, o outro humano e ainda outro, numérico.

Do ponto de vista universal, os anões representam o aspecto da matéria mineral nas suas sete extensões, ou seja, os sete metais. Cada anão também tem o carácter do planeta que o domina:

  • Feliz é Ouro (Sol).
  • Soneca é Prata (Lua).
  • Sabichão é o Mercúrio (Mercúrio).
  • Mudo é o Estanho (Júpiter).
  • Tímido é Cobre (Vénus).
  • Zangado é o Ferro (Marte).
  • Atchim é o Chumbo (Saturno).

Do ponto de vista humano, os anões seriam os sete veículos da personalidade do ser humano, através dos quais se manifesta a centelha divina que há muito tempo teve a sua origem na matéria.

Do ponto de vista numérico, a Cabala esotérica reflectida neles está presente aqui: vemos 7 anões, 7 colheres de chá, 7 camas e 7 pires. Também vemos o número três participar muito nesta história: três são as gotas de sangue que a mãe de Branca de Neve viu reflectidas na neve, três são as mortes pelas quais ela passa antes da sua ressurreição para uma nova vida; e noutras histórias fantásticas, também vemos o número 3 reflectido; três são os desejos que são solicitados ao génio, três são as fadas madrinhas, três são os testes ou enigmas a resolver, etc …

E para finalizar, devemos prestar muita atenção à seguinte frase: “colorín colorado, este conto está acabado“, porque colorado, é vermelho e não outra cor, é a paixão transmutada em amor puro através da qual se manifesta a grande obra una vez superada a morte, representada pelo negro, e alcançada a luz (branco). Recordemos o que dissemos sobre o processo de transmutação ou alquimia. Vamos citar mais uma vez a bandeira nacional socialista – a ordem das cores é a mesma que acabamos de mencionar, do seu centro à sua expansão; Preto, morte (suástica sagrada no sentido horário); Branco, luz, que se expande em forma circular e, finalmente, vermelho.

MEUS AMIGOS, os contos de fadas são muito ricos em ensinamentos esotéricos antigos, e mostram-nos as grandes verdades de uma maneira tão simples que mal a percebemos. Contudo, é de pouca utilidade sabermos interpretar a linguagem simbólica, se nos nossas vidas. todos os dias ainda somos as mesmas pessoas comuns; a verdadeira pedra filosofal encontra-se nos nossos corações, e o processo de transmutação ou alquimia que deve ser realizado dia a dia, sendo pessoas melhores, melhores filhos, melhores pais, melhores amigos e melhores em tudo; e essa Grande Obra, essa Alquimia mágica é alcançada através do despertar da consciência, de nos vermos no espelho mágico que carregamos dentro e que não temer ou fugir da verdade. Sejamos humildes e comecemos a nos conhecer, façamos essa grande jornada para as profundezas da nossa consciência e contemplemos alegremente a verdadeira luz.

E colorín colorado, este conto está acabado

Rolando Jesús García

Tradução de António Jorge

Artigos relacionados

3 thoughts on “Simbologia esotérica da Branca de Neve e dos 7 anões

  • Avatar

    Achei maravilhoso! Ensina a prestar atenção em tudo!

    Reply
  • Avatar

    Prezados Senhores

    Agradecida por esta exposição,
    Poderei sugerir a mesma explicação mas para um outro conto, Alice no País das Maravilhas ou Alice por trás do Espelho

    Reply
  • Avatar

    Prezados Senhores,
    Sou um pouco fraco da história da Europa,entretanto,no início do texto,diz que eram tribos celtas que viviam na Alemanha mas,acreditava que eram germânicas.Estarei errado?
    T:.F:.A:.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *