O problema da proibição da Política e da Religião na Maçonaria

É uma das primeiras coisas que nos dizem sobre a maçonaria, seja como instrução a um novo membro ou explicando alguns princípios básicos aos profanos.

“Não discutimos política nem religião na loja. É divisivo”. Também podemos ouvir algo do tipo: “Não há dois assuntos que dividam tanto os homens como política e religião”.

A esperança é que, ao aderir a estas “regras”, surja uma organização mais unificada. Nós, como membros desta fraternidade, pretendemos ser irmãos, não apenas no título, mas na mais ampla importância do termo. Devemos chorar com os nossos irmãos, alegrar-nos com os nossos irmãos, estar intimamente ligados a eles – ter Storge. Storge é o termo grego para um amor familiar. O escritor Irlandês C. S. Lewis, autor da obra “As Crónicas de Nárnia”, considerava que: “O amor familiar é responsável por 9/10 de toda a felicidade humana sólida e duradoura”.

Este amor é da maior importância. Ele fornece uma base para os nossos relacionamentos e gentilmente guia-nos nas nossas acções ao interagir com os nossos irmãos de fraternidade. Unidade é o objectivo. Não podemos ter homens com raiva uns dos outros e também sermos unidos, não da (Publicado em freemason.pt) maneira que queremos. Queremos promover uma visão unificada de melhorar os homens bons, elevar a condição humana e a mente consciente. Acima de tudo, tratamos os nossos membros como família. Somos uma colecção diversificada de pessoas, todas com origens, costumes e crenças diferentes. Assim como no mundo profano, onde temos famílias biológicas com crenças diferentes das nossas.

Nas nossas várias interacções com a nossa família, desviamo-nos da discussão sobre política e religião?

Nos últimos tempos, esta resposta é “Sim”. De acordo com uma pesquisa da CBS de 2018, a maioria dos americanos não fala de política na mesa de jantar no Dia de Acção de Graças. Actualmente, as opiniões políticas são mais do que divisivas, são acusatórias, são definidoras, são mal compreendidas. Absolutamente polarizadoras e disruptivas. Esta é uma tendência que, no Brasil, virou uma febre a partir das últimas eleições.

A apreensão, o medo e a ansiedade que temos como sociedade em termos de discussão das nossas ideologias e outras crenças derivam de algumas deficiências simplistas.

Quando estão ocorrendo discussões de qualquer tipo, existe uma incapacidade da pessoa comum escutar, pensar e fazer perguntas refinadas sobre as ideias que estão sendo propostas. Nós ouvimos algumas palavras-chave e a nossa atenção é imediatamente atraída para as nossas próprias mentes, instantaneamente respondendo e tomando uma série de tangentes mentais. Perdemos a capacidade de perguntar e ouvir, para apenas repetir.

Uma vez que ouvimos uma opinião contrária à nossa, o primeiro ponto é procurar entender o que ela está querendo dizer, qual a sua visão sobre o assunto. Então, se não concordar, apresente a sua posição. Isto é apropriado, educado e permite-nos crescer através da expressão mútua de ideias.

Em segundo lugar, temos um problema com a dissonância cognitiva. Esta é a aversão emocional em aprender algo que pode não apoiar ou que pode estar em completo contraste com uma ideia em que passamos anos acreditando.

Para ilustrar esta ideia, dou o exemplo de um homem que foi para a prisão por um assassinato há dez anos. O depoimento de testemunhas oculares, juntamente com o principal trabalho de investigação, foi usado na condenação do homem. A ideia de que este homem era culpado era algo acreditado pela acusação. A sua convicção era prova da sua culpa absoluta. Anos depois, há um apelo. Evidência de DNA está disponível e pela primeira vez, o nosso homem condenado tem a chance de provar a sua inocência. O caso é reaberto, o DNA é testado e a sua inocência é comprovada. Nas mentes das pessoas que colocaram o homem na prisão, ainda estão convencidos que ele é o culpado. Este é um exemplo de dissonância cognitiva. Quando deixamos de reconhecer novas informações, independentemente do que isto significa para nós, não conseguimos progredir mentalmente e emocionalmente.

Se pudermos aprender a abordar estas coisas como uma sociedade, então talvez haja uma chance de crescimento e comprometimento efectivo. Isto, no entanto, é apenas um começo.

Abordando as nossas vulnerabilidades

Temos uma incapacidade de admitir vulnerabilidade aos nossos pares. Especificamente, não admitimos quando não entendemos algo. Não há vergonha em admitir que não entendemos um conceito político ou religioso.

Todos nós temos receio disso, porque ao admitir que não entendemos algo, podemos ser notoriamente rotulados como de conhecimento inferior. Em vez de ajudar alguém a entender, algumas pessoas a rotulam como ignorantes e parte do problema. Isto está errado.

Fortalecendo a Mente

Temos um analfabetismo geral da mente que só é enfraquecido por uma incapacidade ou uma ignorância intencional para tentar entender melhor. Esta “tentativa” é uma acção – um exercício que, sem seu uso, atrofia as nossas mentes e a consequência é um quadro em branco pelo qual a comunicação social politicamente carregada pode imprimir a sua própria versão de eventos. Uma mensagem subjectiva que é apresentada numa rede, promoverá uma maneira de pensar ou narrativa que é projectada para conquistar uma mente simples ou solidificar a crença existente do observador.

A única maneira de combater isto é praticar as suas próprias habilidades de pensamento crítico. É difícil. Todos conhecemos os perigos de compartilhar artigos em redes sociais sem lê-los, baseando a nossa participação num excelente título. Isto é relevante porque este é um exemplo de não pensar criticamente, não ler, não absorver a informação real para si mesmo.

Consumindo Ideias

Isto nem sempre foi desta forma. Houve um tempo antes das redes sociais, antes que as manchetes fossem ressaltadas com o número de minutos que levaria para ler, por exemplo, “3 minutos de leitura”. Aparecendo sob um artigo postado no Facebook. No passado, precisaríamos pegar o papel ou o livro, abrir e lê-lo. Digeri-lo, falar com os nossos amigos, familiares, vizinhos e colegas de trabalho, a fim de trabalhar a informação nas nossas mentes. Se viajarmos mais para trás no tempo, você poderia notar que o título dos (Publicado em freemason.pt) livros vinha no final do texto. Por exemplo, no final dos evangelhos, pode-se ler algo como: “Este é o evangelho segundo João”. Desta forma, você leria o livro e depois obteria um título. Hoje, temos um título e, se não formos atraídos, passamos adiante.

Nos dias de outrora, pré-internet, cobertura de notícias pré-24 horas, presumo que talvez tenhamos sido melhores em discussões e em pensamento crítico. Provavelmente, porque nós tivemos que ser. Agora estamos muito ocupados para fazer a nossa própria pesquisa, para nos ocuparmos de formar as nossas próprias opiniões e confiar naquilo em que confiamos para ser notícias e informações precisas e objectivas.

Como o actor Bing Crosby disse no filme “White Christmas” de 1954, “todo mundo tem um ângulo”. Você sabe como é o ângulo do outro? Não. O único ângulo que podemos ter é o de tentar entender e, pelo nosso entendimento, pelo nosso ângulo de vista.

E o que é que isto tem a ver com a Maçonaria?

Porque é que proibimos os tópicos de religião e política dentro das lojas?

Eles são divisivos, sim, mas apenas quando decidimos não praticar as três primeiras peças das artes e ciências liberais. Aquelas três artes cuja fundação é baseada na fé da intenção, compreensão e amor ao nosso irmão. O Trivium – Gramática, Retórica e Lógica, que são encobertos nas lojas e a ênfase é quase inteiramente dada ao Quadrivium.

Mas, vamos ser honestos, quantos realmente estudaram isto quando nos foi dito?

O que descrevi acima são apenas algumas técnicas sobre como podemos começar a utilizar o Trivium para entender e manter um discurso educado com o objectivo de encontrar um terreno comum e resolver os nossos problemas.

Diz-se que a Maçonaria é uma Ciência Moral Progressista. Muito do que falamos dentro da ordem é de uma linguagem desconhecida. Enquanto afirmamos que entendemos as palavras e o significado, a realidade é que não entendemos. Nós raramente olhamos para o significado das palavras visualizando o tempo em que estas palavras foram escritas. As palavras mudam com o tempo e seus significados também.

Um exemplo maravilhoso é a palavra “Condescendência”. No uso actual, é algo negativo. Mas quando a palavra foi escrita, no entanto, significava algo totalmente diferente. Significava encontrar-se no nível.

Vejamos as palavras, Ciência Moral Progressista, muito utilizadas para se referir a maçonaria, no seu uso contextual – isto é, o que essas palavras queriam dizer quando foram escritas. Este exercício permitir-nos-á compreender se estamos realmente agindo de acordo com as regras da Maçonaria, algo com o qual estamos frequentemente preocupados, por outras palavras, protegendo a visão como exposta pelos documentos “sacrossantos”, “antigas obrigações” e os famosos “Landmarks”, como alguns gostam de citar.

A palavra “progressista” tem sido usada desde a década de 1600 na maioria das vezes para descrever o idealismo e movê-lo para frente. Embora isto possa não ser novidade para você, será novidade para aqueles que dizem que a palavra “Progressista” serve apenas para transmitir que “Progredimos” de grau para grau. Porque é mais provável que o primeiro, quando dizemos uma ciência moral “progressista”, estamos definindo o tom para um propósito. Esse propósito é aprovar um sistema pelo qual podemos influenciar um idealizador que promova a aceitação e as reformas sociais. Este ponto é ainda mais apoiado quando olhamos para a próxima palavra, “Moral”.

A palavra “moral” pode ser rastreada até os anos 1400 e seu uso lá, retrata o ideal de carácter e as ideias que alguém exibe no seu dia-a-dia. Os seus comportamentos são definidos como a sua moralidade. À medida que progredimos no tempo, provavelmente no período em que a linguagem foi usada na nossa fraternidade, a palavra mudou muito pouco. Agora é assumido não apenas os comportamentos, mas também o conceito de costumes. Finalmente, em 1752, vemos o uso para descrever os princípios, a boa conduta e a confiança de alguém. Curiosamente, mantém a ideia de costumes também, o que é muito relevante quando consideramos que existem vários costumes em todo o mundo. Além disso, cada um desses costumes é de natureza subjectiva no país de onde nasceram. Por exemplo. Alguém usa a mão esquerda para saudar? E se assim for, é essa “moral” na região em que a saudação foi dada?

Esta informação apoia a ideia de que a palavra “Progressista” significa ou está ligada a “Reformas Sociais”.

Em seguida, devemos olhar para a palavra “Ciência”. A partir de meados dos anos 1300, vemos que é usado para descrever o conhecimento, a aplicação do conhecimento e da aprendizagem. Este permaneceu assim até hoje.

Por esta exploração, devemos necessariamente perguntar-nos como praticamos esta Arte Real?

Obviamente, vamo-nos deparar com um enigma. Ainda não viu? Vamos continuar.

O enigma explicado

Há um ponto em que os nossos governos nos forneceram líderes através do processo de meios democráticos. Estes líderes são titãs construídos no idealismo e financiados por doações de constituintes, lobistas e empresas. Estes líderes dão-nos as leis pelas quais devemos viver e, no entanto, de onde tiram essas leis? As nossas leis derivam, na maioria dos casos, da nossa visão filosófica da vida – a maior parte disso é dada a nós através das nossas várias crenças e, noutras ocasiões, é derivada da simples reflexão sobre a condição humana.

O nosso sistema político, tal como existe, assumiu o idealismo dado pelos nossos textos religiosos. Para tornar as coisas mais complicadas, ele é amplamente baseado na questão das interpretações desses textos. Esta é a natureza humana, para dar sentido às coisas e querer governar com um conjunto de ideias em que se acredita, para transmitir o melhor modo de viver, para promover a ideia de unidade acima mencionada.

Por natureza, um governo deve tratar das questões do povo. A nossa constituição dá-nos o direito à “vida e a liberdade”. Um sentimento semelhante na natureza vem de Thomas Paine, no seu livro The Rights of Man, no qual ele lista o papel do governo. No seu caso, a monarquia britânica e parlamento. “O único propósito do governo é salvaguardar o indivíduo e seus direitos inerentes e inalienáveis; cada instituição social que não beneficia a nação é ilegítima – especialmente a monarquia e a aristocracia ”.

A fim de ajudar a nação, um governo assume a si próprio para abordar as reformas sociais, a “ciência moral progressista”. Não é surpreendente, considerando a conexão maçónica com a filosofia fundadora do nosso país.

O Resultado / Problema

Então, o resultado final é que a religião se infiltrou na política e tornou os dois inseparáveis. Além disso, o sistema político assumiu o que a fraternidade maçónica é encarregue (Publicado em freemason.pt) de fazer. E, porque estes são agora inseparáveis, muitos não discutem a “Ciência Moral Progressista” no seu contexto apropriado sem violar a nossa posição contra a discussão de política ou religião nas nossas lojas.

Hoje, se me disser algo em que acredita, posso apostar que seria rotulado como uma definição ampla de um campo político. Provavelmente como de Direita ou de Esquerda, devido ao extremismo presente actualmente. Alternativamente, você poderia me dizer qual partido político do qual você é membro e eu vou adivinhar o seu alinhamento Religioso.

O Pew Research Center publicou um inquérito que nos fornece os dados sobre este tópico. A afiliação partidária quase que se tornou a nova religião devido aos valores morais que foram absorvidos pela instituição. Uma ideia simples como ajudar os menos afortunados através de um imposto é democrata e apoiar as mesmas pessoas através de doação voluntária é vista como republicana. O resultado é semelhante, mas a maneira como chegamos lá é diferente. A disputa que existe é em grande parte impulsionada pela compreensão dos direitos humanos no que se refere à nossa própria propriedade e a sua capacidade de ser tributada ou não, e uma série de outras várias minúcias filosóficas.

Voltando ao início deste artigo, eu delineei um conjunto de práticas em que as pessoas poderiam começar a manter o discurso social e trabalhar para entender um ao outro. Se fizéssemos isso, poderíamos então começar a falar sobre questões que afectam a sociedade e despertar mais consciência do que os nossos temperamentos?

Eu pergunto-me se não há problema em discutir numa loja de materiais de construção, a segurança de um grupo de trabalhadores locais que estão construindo um prédio?

Eu poderia fazer isto de tal maneira e organizar um programa social ou mesmo introduzir um projecto de lei no governo local para ajudar estes trabalhadores?

Você poderia usar a loja maçónica para falar aos nossos irmãos benevolentes sobre uma injustiça social que aconteceu na comunidade?

A resposta muitas vezes é um retumbante, “Não”.

Há uma grande confusão entre política e valores morais. Como é que sei disto? Porque eu já vi isso ser derrubado numa Loja. Porque eu tenho visto homens educados sob acusações maçónicas por tentarem praticar a “Ciência Moral Progressista”. Uma ideia simples para auxiliar e organizar algo para a comunidade, devido à jurisdição intelectual dos governos locais sobre todas as coisas relacionadas ao bem-estar de seus constituintes, é por vezes entendido como assunto de natureza política e, como tal, banido da loja.

Resta-nos apenas doar dinheiro para causas benignas. Doando dinheiro para organizações que fazem o trabalho por nós e que provavelmente contribuem para os próprios políticos que prometem ajudar. Nós abandonamos a intenção original da Maçonaria? Nós negamos isso completamente? Ou talvez, o que temos feito é simplesmente o melhor que podemos fazer desde que nos vinculamos a ordem?

Conclusão

É minha intenção demonstrar algo muito real. Directamente, que pelo exercício de remover o nosso direito de discutir política ou religião dentro de uma loja, nós efectivamente neutralizamos a nossa capacidade de praticar a Arte Real dentro do contexto do nosso propósito declarado original. Abandonando a nossa tradição, sem nunca perceber. Por um lado, opomo-nos veementemente a mudanças em qualquer coisa, por outro lado, ignoramos o que já mudou e aceitamos as limitações que colocamos em nós mesmos.

Se quisermos assumir o controle e praticar a Maçonaria, então devemos aprender como efectivamente comunicar, ouvir, digerir, fazer mais perguntas, ouvir de novo e compreender. Por esta acção, podemos ser capazes de ter estas discussões dentro de uma loja e, portanto, afectar as nossas comunidades (Publicado em freemason.pt) locais, trabalhando verdadeiramente para a melhoria da condição humana. Talvez até mesmo deixar o mundo numa versão melhor do que era antes de entrarmos nisso. Talvez em vez de proibir conversas de natureza religiosa ou política, deveríamos, ao contrário, treinar como manter um discurso apropriado?

Sem dúvida, não há recurso para separar a ideologia política da ideologia religiosa. A ligação é indissolúvel. Talvez com razão. Há, ao longo dos tempos, discussões filosóficas sobre se a humanidade pode ter um conjunto de morais sem ter um dogma religioso codificado do qual seria lamentável. Mais uma vez, os dois lados, que discordam ardentemente sobre a revelação dos direitos humanos e a moralidade.

Ao fechar este diálogo, desejo fazer um pedido a todos vocês, leitores do Prumo de Hiram, que é estar atento. Escutar antes de formular uma resposta e tentar, por mais desconfortável que seja, ver as coisas do ponto de vista de seu irmão. Coloquem-se no lugar dele, verdadeiramente. Somente através da tentativa deste exercício de percepção podemos ver a fundação de uma ideia estranha a nós, e a partir daí, onde podemos alinhar os nossos valores e esforçar-nos para incorporar a Unidade. Então, podemos praticar a Arte Real da Maçonaria, a Ciência Moral Progressista.

Robert H. Johnson

Adaptado de tradução feita por Luciano R. Rodrigues

Fonte

  • Blog “O Prumo de Hiram”

Artigos relacionados

Um Comentário em “O problema da proibição da Política e da Religião na Maçonaria

  • Avatar

    Faço parte de um grupo de irmãos maçônicos no whatsApp onde os irmãos discutem somente sobre politica atual, de uma maneira ferrenha, as vezes me pergunto o porque um grupo, onde a desentendimentos e troca de insultos por motivos políticos, deixa essa incerteza se realmente estou em um grupo de irmãos maçônicos.
    Apos ler este artigo vou procurar entender melhor.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *