A história extraordinária do Rito Escocês Antigo e Aceito

Bem conhecidos pelos maçons, o “REAA” é hoje um dos rituais mais praticados no mundo. Mas de onde ele vem? Para entender a origem dos rituais das lojas do Rito Escocês Antigo e Aceito devemos abordar duas áreas intimamente interligados, a história e os “altos graus” que eles preferem chamar de “graus adicionais”. A menção a esses graus adicionais é quase tabu em loja simbólica, porque a sua organização é hoje hermeticamente separada das Grandes Lojas. Mas, nem sempre foi assim. Ao longo do século 18, as lojas azuis irlandesas trabalhavam com muitos graus adicionais e os comunicavam aos seus membros. A separação entre os três primeiros graus e todos os outros, na maioria dos países do mundo, ocorre somente depois de 1813, data essencial história maçónica. Porquê?

O século 18 além da Mancha

Durante a segunda metade do século 18, duas Grandes Lojas rivais compartilhavam a Inglaterra. Uma foi fundada em 1717. É a ela que devemos as Constituições de Anderson. A outra foi criada também em Londres, em 1751. Essa criação não foi apenas o resultado de um cisma, porque os fundadores dessa segunda Grande Loja nunca tinham feito parte da Grande Loja de 1717. Trabalhadores imigrantes irlandeses, de origens modestas, eles estavam convencidos de que seu rito era o único autêntico. Eles tiveram a brilhante ideia de se autodenominar Grande Loja dos Antigos e atribuir à sua antecessora, a Grande Loja de 1717 o apelido de Grande Loja dos Modernos. Essas duas Grandes Lojas excomungaram-se reciprocamente por mais de sessenta anos, devido às diferenças entre os respectivos rituais, não só na Inglaterra, mas também nas colónias inglesas na América que se emanciparam em 1776 para se tornar os Estados Unidos da América.

Note-se que as Grandes Lojas da Irlanda e da Escócia tinha relações apenas com a Grande Loja dos Antigos com a qual eles estavam de acordo para afirmar que os Modernos não respeitavam os Landmarks. As duas Grandes Lojas rivais decidiram se unir e fundaram a actual Grande Loja Unida da Inglaterra. O Ato de União foi assinado em Londres em 25 de Novembro 1813 e ratificado ao som de trombetas em 27 Dezembro seguinte. Esse Ato decretava em seu artigo II: a pura maçonaria antiga consiste em três graus e não mais, aprendiz, companheiro e mestre, incluindo nela a Suprema Ordem do Arco Real.

Fórmula admirável ilustrando o senso de compromisso e a falta de lógica britânica: existem apenas três graus … que são quatro. É que, para a Grande Loja dos Antigos, a de 1751, a Maçonaria incluía não três, mas quatro graus, sendo o quarto o do Royal Arch.

O século 18 na França

Desde 1728 ou 1729, existia a primeira Grande Loja da França da qual ignoramos a data exacta em que foi fundada. A Maçonaria francesa foi, então, ela também dividida. Em 1773, a maioria das lojas decidiu que os Veneráveis agora seriam eleitos, enquanto que antes, pelo menos em Paris, eles eram veneráveis vitalícios. Uma minoria recusou esta nova disposição e sobreviveu como o Grande Oriente de Clermont. A maioria assumiu o nome de Grande Oriente de França, que existe ainda hoje. Diferentemente da Inglaterra, é uma modalidade administrativa a eleição do Venerável de Loja e não uma questão de ritual, o que separou essas duas Grandes Lojas na França.

Em 1782, o Grande Oriente da França criou uma Câmara dos Graus que enviará às suas lojas, antes da Revolução de 1789, o texto dos rituais com os quais ela concordava. A união das duas Grandes Lojas francesas será alcançado em 1799, mas durou apenas cinco anos. Para entender os motivos, precisamos voltar aos graus adicionais e à fundação do Supremo Conselho da França em 1804.

O século 18 no outro lado do Atlântico

No século 18, quando um Maçon recebia um grau adicional, ele tinha o direito de o transmitir a outro irmão. Na Europa, esses graus não estavam ainda constituídos em rito ou sistema, e não estavam sob a autoridade nacional com possibilidade de controlar a sua evolução, com excepção do Grão-Priorado da Helvetia fundado em 1779.

Um comerciante francês, nascido em Cahors por volta de 1717, Étienne Morin, desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento da Maçonaria em Bordeaux. Ele viajava com frequência entre a França e Santo Domingo, então uma colónia francesa. Ele recebeu em Paris em 1761 uma carta constitutiva que lhe dava o direito de atribuir os “graus sublimes” então conhecidos da primeira Grande Loja da França, onde ele fosse. Voltando a Santo Domingo, ele auferiu lucros com inteligência notável acrescentando outros graus que ele possuía e fundou na Jamaica em 1769 um Capítulo abrangendo um sistema de vinte e cinco graus que ele havia criado, a que chamou Ordem do Real Segredo. Morin morreu na Jamaica, em Novembro de 1771. A Ordem do Real Segredo foi trazida para a América do Norte pelas mãos do braço direito de Morin, Henry Andrew Francken. Ele prosperaria ali por várias décadas, mas manteve-se desconhecido na Europa.

A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi escrita em 04 de Julho de 1776, na Filadélfia. A guerra durou seis anos. Em Junho 1781 foi realizada uma reunião na Filadélfia, durante a qual Grandes Inspectores foram nomeados para supervisionar a Ordem do Real Segredo em vários estados norte-americanos.

Quando a revolta dos negros expulsou os colonizadores franceses de Santo Domingo, muitos se refugiaram na Carolina do Sul, em Charleston. Este pequeno porto na costa leste tinha, então, 16.000 habitantes, dos quis um terço de negros. Ali existiam como na Inglaterra duas Grandes Lojas rivais, os Antigos e os Modernos. Havia, igualmente, desde 1783 uma Loja de Perfeição, desde 1788 um Grande Conselho de Príncipes de Jerusalém e um Consistório de Príncipes do Real Segredo fundado um pouco mais tarde, um Capítulo da Rosa Cruz de acordo com o rito do Grande Oriente da França e um Capítulo da Ordem Real da Escócia.

O Conde de Grasse-Tilly

Entre os refugiados franceses em Charleston em 1793 estava um francês 28 anos, o Conde de Grasse-Tilly, cujo pai, o almirante de Grasse havia ajudado os americanos durante a Guerra da Independência. Com seu padrasto, Jean Baptiste Marie Delahogue, o Conde de Grasse fundou em Charleston, em 24 de Julho de 1796 uma loja independente, La Candeur, que somente se filiaria à Grande Loja do Estado da Carolina do Sul (dos Modernos) em Janeiro de 1796.

No mês de Novembro seguinte, chegaria a Charleston médico da Jamaica, Hyman Isaac Long, Inspector Geral da Ordem do Real Segredo, que tinha consigo um caderno dos vinte e cinco graus do rito. Ele estava morrendo e arruinado e a loja La Candeur o ajudou financeiramente. Para mostrar sua gratidão, Long conferiu os graus do rito a alguns membros da loja La Candeur, nomeou-os Inspectores Gerais Adjuntos e criou sob a sua autoridade uma “loja” de Kadosh. Parece que essa ‘loja’ viria a se transformar em Conselho de Príncipes do Real Segredo depois da morte de Long.

Em 04 de Agosto de 1799, Grasse-Tilly demitiu-se da loja La Candeur e fundou uma nova loja, La Reunion Française sob os auspícios da Grande Loja dos Antigos. Esta era, de longe, a mais numerosa da Carolina do Sul, a que pertenciam os membros dos “altos graus” de Charleston, incluindo os Príncipes do Real Segredo, cujo Consistório tinha anteriormente sido fundado sob a autoridade de Filadélfia. É provável que discussões tenham ocorrido entre eles, Grasse-Tilly e Delahogue, mas nada sabemos.

O primeiro Supremo Conselho

O que se sabe é que em 1 de Janeiro de 1803, o Supremo Conselho dos Estados Unidos anunciou sua criação de 31 de Maio de 1801 em Charleston por meio de uma circular enviada em nível mundial. Essa Circular listava os 33 graus de seu rito, sob a autoridade de seus Soberanos, Grandes inspectores Gerais, e afirmava que a Grande Constituição do grau 33 tinha sido ratificada em 01 de Maio de 1786 por Frederico II, rei da Prússia, então “Grande Comandante da Ordem do Real Segredo”.

Grasse-Tilly e Delahogue eram membros desse Conselho Supremo que lhes forneceu credenciais em 21 de Fevereiro de 1802. Graças a elas, retornando a Paris em 1804, Grasse-Tilly criou ali o Supremo Conselho da França. Imediatamente, algumas lojas ditas “escocesas”, que não reconheciam a autoridade do Grande Oriente da França, colocaram-se sob a sua autoridade. Em Outubro, elas se constituíram se em uma Grande Loja Escocesa que se reuniu apenas seis vezes. Por meio de uma Concordata que ela assinou com o Grande Oriente da França, em Dezembro, essa Grande Loja desapareceu.

É no texto dessa Concordata que aparece pela primeira vez a expressão Rito Escocês Antigo e Aceito, expressão que permaneceu ignorada por muto tempo nos Estados Unidos.

A Concordata foi denunciada e o Supremo Conselho da França criou lojas azuis sob a sua autoridade. Mas era preciso distinguir o rito que essas lojas iriam utilizar nos graus simbólicos, e para fazer isso, elas adoptaram, modificando pouco o rito da Grande Loja dos Antigos que os franceses, retornando da América, haviam praticado.

Basta comparar as primeiras divulgações inglesas dos anos 1760, Three Distinct Knocks e Jachin and Boax, aos rituais dessas lojas para encontrar sua semelhança e muitas vezes a sua perfeita identidade.

Antigos e Modernos, a eterna rivalidade

Quando o Grande Secretário dos Antigos, o pintor irlandês Laurence Dermott publicou em 1764 a segunda edição de seu Aimã Rezon, livro que é para usa Grande Loja o que o de Anderson é para a dos Modernos, vejamos como ele descreve o início de seus rivais:

“Por volta de 1717, alguns companheiros alegres que tinham recebido o grau de Companheiro (ainda que de maneira rudimentar) resolveram constituir um Lodge para colocar-se em memória (fazendo) o que lhes havia sido ensinado anteriormente; ou, se isso revelou-se impossível, para substituir algo novo que poderia mais tarde passar entre eles por Maçonaria. Nesta reunião foi feita a pergunta: Alguém conhece o ritual de Mestre? A resposta sendo negativa, foi decidido, sem objecção, que isso seria sanado por uma nova redacção … “

Na terceira edição, com seu senso de humor irlandês, Dermott adicionaria isso:

“Depois de observar durante anos os seus engenhosos métodos para se mover, concluo que o primeiro foi inventado por um homem que sofre de dor ciática severa. O segundo por um marinheiro muito acostumados ao balanço de um navio. E o terceiro por um homem que, como uma piada ou porque ele havia bebido demais, costumava dançar um camponês bêbado.”

Publicado na Revista Franc-Maçonnerie em Novembro 2013, por Alain Bernheim

Tradução para o Português feita por José Filardo

Um Comentário em “A história extraordinária do Rito Escocês Antigo e Aceito

  • Muito interessantes os vossos conteúdos.
    Quero receber as vossas newsletter.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *