Booz ou Boaz? A resposta definitiva

Introdução

Boaz ou Booz: Qual o verdadeiro nome da coluna do Templo de Salomão, que é objecto também de boa parte das tradições maçónicas?

Este estudo tem por objectivo dar uma resposta definitiva à questão, analisando a palavra nas formas hebraica e grega.

A origem do nome

O nome Boaz deriva da seguinte passagem bíblica, que foi originalmente escrita no hebraico:

“Depois levantou as colunas no pórtico do templo; e levantando a coluna direita, pôs-lhe o nome de Jaquim; e levantando a coluna esquerda, pôs-lhe o nome de Boaz.” (1 Reis 7:21)

Há ainda uma passagem muito semelhante em 2 Crónicas 3:17. O termo também aparece, associado ao nome próprio de pessoas, nos livros de 1 Crónicas e Ruth.

Análise do Hebraico

No total, Boaz, na forma original hebraica, aparece no texto bíblico 24 vezes. Elas subdividem-se em duas grafias básicas:

  • Bho`az (בֹעַז) – aparece 8 vezes
  • Bo`az (בֹּעַז) – aparece 16 vezes

(Esta pequena variação na letra inicial, que pode ser lida de forma aspirada ou não, é comum no hebraico e não será objecto deste estudo, pois em nada impacta a questão da vogal.)

Em ambos os casos, a vogal que aparece é chamada Pata’h (também grafada Patach), que é representada por um traço horizontal ( – ) abaixo da consoante.

Entre dialectos e sistemas escritos, o hebraico tem (Publicado em freemason.pt) hoje treze dialectos. A saber: Ashkenazi, Babilónio, Bíblico (Massorético), Medieval, Mishnaico, Moderno, Palestino, Samaritano e Sefardita.

Entre eles, existem muitas diferenças fonéticas. Porém, naquilo que diz respeito ao Pata’h, acontece algo curioso: TODOS os sistemas que usam sinais massoréticos pronunciam-no da mesma maneira: /a/

O único sistema que não utiliza os sinais massoréticos e derivativos, o samaritano, também costuma pronunciar /a/ para palavras sílabas onde o pata’h é utilizado!

Ou seja, não se conhece no hebraico nenhuma outra tradição fonética que não seja pronunciar a segunda vogal do nome Boaz como /a/, isto é, de forma semelhante à letra A com acento agudo no português.

A versão Grega

Existem essencialmente duas fontes para o texto que os (Publicado em freemason.pt) cristãos conhecem como Antigo Testamento: O Texto Massorético, dos judeus, e a Septuaginta, da Igreja Católica, que deriva de uma outra família, hoje perdida, de manuscritos hebraicos.

Olhando para o grego, da Septuaginta, que poderia ser outra fonte fonética a considerar, mesmo que com ressalvas, encontramos no texto de 1 Reis 7:21 a grafia Βόαζ, que também seria pronunciada Boaz!

É na narrativa do livro de Ruth, encontramos finalmente a grafia Βοόζ, Boóz, que predomina na Septuaginta em todo o livro. Todavia, a conexão para com a Maçonaria estabelece-se a partir de 1 Rs. 7:21 e não directamente com o personagem do livro de Ruth!

Além disto, estas duas não são as únicas grafias existentes no grego. Nos manuscritos da Bíblia cristã, no Novo Testamento, aparece ainda, por duas vezes, a grafia Βοὲς, que seria pronunciada Boéz, em Mateus 1:5.

Grafias de outros nomes também mostram fenómenos semelhantes, indicando que o grego não é muito confiável para descobrir a pronúncia original das palavras hebraicas. E, ainda assim, no grego, o nome da coluna do Templo é Boaz e não Boóz!

A fonte do problema

O problema ocorre porque a versão da Vulgata Latina, influenciada provavelmente pela grafia predominante Boóz na Septuaginta do livro de Ruth, utilizou Boóz para 1 Reis 7:21. O que (Publicado em freemason.pt) é um erro, por dois motivos: Primeiro, porque não reflecte a pronúncia correcta do hebraico. E segundo, porque o mesmo a Septuaginta traz Boaz ao se referir à coluna do Templo!

Como durante muito tempo as traduções católicas tiveram por base Vulgata Latina, a forma Boóz, equivocada, popularizou-se. Isto é compreensível, dado que as gerações anteriores à Era da Informação nem sempre tinham como verificar determinadas informações.

Todavia, considerando que atualmente temos acesso aos manuscritos mais antigos e a toda esta gama de informações, é injustificável persistir no erro simplesmente por apego ao mesmo.

Conclusão

Resumindo, temos o seguinte:

  • O nome Boaz aparece 24 vezes no hebraico, sempre com a mesma vogal (pata’h).
  • A vogal pata’h tem pronúncia /a/ em todos os dialectos conhecidos do hebraico.
  • Não há outra tradição fonética para o nome Boaz no hebraico.
  • O grego da Septuaginta também traz Boaz como nome para a coluna do Templo.
  • Existem ainda, no grego, as pronúncias Boóz e Boéz, para o mesmo nome, noutros trechos da Bíblia, mostrando que o grego não é muito confiável como fonte de pronúncia.
  • A Vulgata Latina optou por padronizar o nome como Booz. A partir daí, muitas bíblias ocidentais passaram a adoptar esta grafia/pronúncia equivocada.

É compreensível que, no passado, não se tivesse acesso a tais informações. No presente, contudo, isso seria injustificável.

Luis Felipe Moura

Fonte: O prumo de Hiram de Luciano R. Rodrigues

Bibliografia

  • BROWN, Francis; DRIVER, S. R.; BRIGGS, Charles A.; A Hebrew and English Lexicon of the Old Testament. Oxford: Clarendon Press, 1906.
  • KHAN, Geoffrey. Encyclopedia of the Hebrew Language and Linguistics – Volume 1. Boston: Leiden, 2013.
  • THAYER, Joseph H. Thayer’s Greek Lexicon. Biblesoft: 2011.
  • STRONG, James. Strong’s Exhaustive Concordance of the Bible. Peabody: Hendrickson Publishers, 2007.
  • Interlinear Greek English Septuagint Old Testament (LXX). Disponível em: <https://archive.org/details/InterlinearGreekEnglishSeptuagintOldTestamentPrint/page/n5>. Acesso em: <19/08/2019>
  • The Clementine Vulgata. Disponível em: <http://www.catholicbible.online>. Acesso em: <19/08/2019>

Artigos relacionados

Um Comentário em “Booz ou Boaz? A resposta definitiva

  • Avatar

    MUITO PROFUNDO OS ENSINAMENTOS. SERVEM EM MUITO PARA REFLETIRMOS.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *