O que é Rito e o que é Ritual

Rito e Ritual: costuma-se fazer grande confusão entre estes dois termos, principalmente na Maçonaria. Alguns acreditam serem sinónimos, outros que se trata de colectivo e unidade. Há ainda algumas explicações filosóficas complexas ou mesmo reflexões etimológicas sobre os termos, que, muitas vezes, mais complicam do que explicam.

Ao pesquisar sobre os termos na literatura maçónica, você pode deparar-se com afirmações de que Rito é a teoria e Ritual é a prática. Ou que Rito é conteúdo e Ritual é forma. Ou que o Rito é um conjunto de graus, sendo que cada grau é um Ritual. Em homenagem aos doutos do direito, os quais compõem parcela significativa dos membros da Ordem Maçónica, utilizemos de analogia com dois termos jurídicos para explicar o que é Rito e o que é Ritual. Pois bem, se o Rito fosse uma lei, Ritual seria como uma Regulamentação. (Publicado em freemason.pt)

Um Rito é realmente como uma lei. É um conjunto de preceitos e obrigações gerais que produz efeitos sobre aqueles que estão sob o seu alcance. Assim como uma lei, um Rito reflecte princípios que o orientam, possui elementos históricos, além de buscar um objectivo específico. Para ilustrar esta afirmação, podemos utilizar o Rito Escocês Antigo e Aceite – R∴ E∴ A∴ A∴, devido à sua expressividade no cenário maçónico brasileiro. Da mesma forma que uma lei é desenvolvida com base em valores de uma determinada sociedade e normas éticas oriundas desses valores, o R∴ E∴ A∴ A∴ tem por base os princípios de Fraternidade, Tolerância, Caridade e Verdade, conforme missão declarada do Supremo Conselho do Rito Escocês “Mãe do Mundo”. Assim como uma lei surge de uma demanda social presente em um contexto histórico específico para tratar de um conflito ou situação que necessite ordenamento, o R∴ E∴ A∴ A∴ surgiu, em Maio de 1801, para trazer ordem ao caos em que se encontrava o Rito de Heredom nos EUA, com dezenas de diferentes autoridades conferindo os graus de diferentes formas. E assim como uma lei atende a um objectivo específico por meio da sua observância, o R∴ E∴ A∴ A∴ tem por objectivo o desenvolvimento moral e espiritual dos seus membros por meio da sua prática.

Já o Ritual é como uma Regulamentação, um manual de procedimentos que determina e regulamenta como essa lei deve ser praticada e observada. Uma lei pode ter várias regulamentações, quando necessário. Como bem registrou Vincenzo Cuoco, “sem regulamentação, as melhores leis tornam-se inúteis”. Do mesmo modo, o Ritual é o manual de procedimentos que determina a prática do Rito, o qual pode ter vários rituais. E sem os rituais, não há como praticar o Rito. O Rito está morto.

Uma instituição que possui um sistema de ritos e rituais que podem colaborar para as suas compreensões é a Igreja Católica. A Igreja possui vários ritos: Rito Ambrosiano, Rito Bracarense, Rito Galicano, Rito Bizantino, Rito Romano, etc. Cada um destes Ritos possui diferentes Rituais para a sua prática: missa, baptismo, crisma, casamento, natal, etc. E mesmo dentro de um Rito específico, como o Rito Romano, há variações nos Rituais, conforme país, movimentos, etc.

Voltando ao exemplo do R∴ E∴ A∴ A∴, algo similar ocorre, havendo Rituais diferentes de um mesmo grau conforme país e Obediência Maçónica. Assim sendo, ao contrário dos prejulgamentos inconsequentes de alguns maçons quando dizem que “o Rito Escocês deles é diferente do nosso”, ou ainda pior, “isto não é Rito Escocês”, a variação não é no Rito e sim nos Rituais. Estas diferenças nos Rituais são algo totalmente natural e esperado, e cuja única consequência negativa são as ofensas que a fraternidade sofre com tal ignorância e intolerância de alguns pelo que é diferente do que se está acostumado. (Publicado em freemason.pt)

É também por este motivo que o Ritual de Emulação é chamado de Ritual e não de Rito, pois refere-se a um manual com textos e práticas específicas, que segue estritamente as directrizes do sistema inglês, sistema esse que a Grande Loja Unida da Inglaterra opta por não chamar de Rito. Há na Inglaterra outros tantos rituais diferentes: Bristol, East End, Falcon, Goldman, Henley, Humber, Logic, Newman, Oxford, Paxton, Stability, Sussex, Taylor, Universal, Veritas, West End, etc. Porém, todos estes Rituais, assim como o de Emulação, como boas instruções normativas que são, também seguem as mesmas directrizes da “lei” maçónica inglesa pós-1813.

O próprio Rito de York, o legítimo, norte-americano, não fica de fora de ter diferentes rituais. Há nos graus simbólicos diferentes versões do Ritual de Webb, além do Ritual de Duncan e tantos outros pouco conhecidos por grande parte dos maçons, mas todos provenientes do Antigo Rito de York. Enfim, como registrado anteriormente, a existência de diferentes Rituais é algo natural e esperado em todos os Ritos Maçónicos. Entretanto, estas definições de Rito e Ritual, tão básicas e essenciais para a Maçonaria, infelizmente não estão presentes na educação maçónica convencional, cabendo a cada um de nós colaborar para que este conhecimento seja compartilhado entre nossos Irmãos.

Kennyo Smail

Artigos relacionados

Partilhe este Artigo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *