A câmara de reflexões

A origem da Câmara de Reflexões provém de quando, segundo a lenda, os três assassinos de Hiram Abiff, em fuga, esconderam-se no interior de uma profunda gruta, tanto para evitar que fossem presos e castigados como para “reflectir” sobre o que haviam feito. Hiram Abiff era talentoso, cheio de inteligência e habilidade para fazer toda a espécie de trabalhos em bronze. A lenda de Hiram Abiff, está ligada à construção do Grande Templo do rei Salomão.

Primeiro contacto

O primeiro contacto real que o candidato tem com a Maçonaria é através da Câmara de Reflexões, cujo principal papel é o de conduzi-lo à meditação. A Maçonaria oferece aos que ali se encerram um conjunto de símbolos que os levam a mais profunda meditação, de modo a induzi-lo a sentir uma verdadeira catarse, sofrendo uma profunda transformação interior. Cada um daqueles símbolos tem, como veremos, uma explicação própria. Todavia, importa mesmo o significado do conjunto.

Construída em plano menos elevado que o piso da Loja, representa um “túmulo” onde o candidato será “enterrado”. Eis que vai “morrer” um homem cheio de vícios, para “renascer” um Maçon com virtudes a serem aprimoradas e buriladas. Representa o interior da terra, de onde viemos e para onde retornaremos. Simboliza, igualmente, o ventre da mãe terra (a Maçonaria) no qual nascem os novos homens (o iniciado Maçon). Com paredes negras, impede a penetração de qualquer luz do exterior. Uma vela ou uma pequena lâmpada à ilumina. Há um banco e uma mesa. Sobre ela, um pedaço de pão, uma moringa com água, um recipiente com enxofre e outro com sal. Ainda ali, caneta, tinta e um crânio escaveirado. Uma ampulheta completa os utensílios sobre a mesa. Vêem-se outros símbolos de morte: esqueletos, ossadas, esquife. Mais ainda: a figura de um galo, expressões e advertências quanto à curiosidade e outras possíveis fraquezas humanas. Uma particularidade intrigante: V.I.T.R.I.O.L.. Assim, é a Câmara de Reflexões. Vamos procurar interpretar seu simbolismo.

O lugar

Devido aos símbolos de arte que ali se encontram, pela profundidade de sua instalação, pela ausência de luz, a Câmara de reflexão assemelha-se a um “túmulo” onde será o candidato simbolicamente “enterrado”. Morreu para as coisas do mundo: luxo, vaidade, gozos transitórios. Dali surgirá um novo homem humilde, puro, sincero, Justo e Perfeito. Enfim, um Maçon. No entanto, tem o candidato a oportunidade de considerar a sua decisão e tornar-se um Maçon, ou reconsiderá-la. Até ali, nada o impede de voltar ao mundo profano. A decisão de seguir adiante deve ser acima de tudo, consciente.

O pão e a água

Dois alimentos de suma importância para a vida do homem. O Pão tem sido considerado como a carne de DEUS e o costume de distribuí-lo entre os crentes é comum a todos os povos. Feito à base de trigo, é o símbolo da ressurreição, porque morre, é sepultado no seio da terra e dela ressurge com novas forças. Pôr seu turno, a água simboliza o alimento espiritual. É um dos quatro elementos que harmonizam as relações na terra. Água e pão simbolizam o alimento para o corpo e espírito.

O enxofre e o sal

O enxofre é o símbolo do espírito. O sal e o símbolo da sabedoria e da ciência. Apresentados em taças separadas indicam que o candidato, deve estar sempre cheio de entusiasmo, mas moderado, à fim de que o ardor não o leve a cometer excessos.

A ampulheta

É um antigo instrumento para medir o tempo, a ampulheta sugere a necessidade de rápidas decisões. Os instantes perdidos são irrecuperáveis e o tempo de permanência na Câmara é limitado. Silenciosa, a ampulheta concita-o a decidir.

O testamento

Sobre a mesa encontra material próprio para que o candidato redija o seu testamento moral e filosófico. Ele não se refere à disposição de bens materiais após a morte. Trata-se, isso sim, de uma afirmação de novos princípios, segundo os quais, ele deverá renunciar à sua vida profana. Várias questões fundamentais são formuladas naquele momento:

  • Quais os deveres do Homem para com DEUS?
  • Quais os deveres do Homem para com a Humanidade?
  • Quais os deveres do Homem para com a Pátria?
  • Quais os deveres do Homem para com a Família?
  • Quais os deveres do Homem para consigo mesmo?

As respostas a estas perguntas constituem o testamento. Como se vê, englobam todas as situações em que se deve envolver um homem de bem, um Maçon. As suas respostas claras e precisas possibilitarão aos IIr∴ uma avaliação do candidato.

O galo

O galo sugere audácia e vigilância. Induz à meditação, lembrando de que um novo dia se aproxima trazendo ao candidato uma nova aurora. Ele deve vigiar os seus defeitos, corrigindo-os e procurando tornar-se puro para se tornar digno da aurora que se aproxima, quando então irá conhecer a luz da verdade maçónica.

A foice

A ceifadeira traz a ideia do trabalho. Serve também para cortar as ervas daninhas e assim sugere ao candidato que todos os seus vícios e todas as suas imperfeições serão eliminados à mercê de seu trabalho e de sua dedicação.

Os símbolos da morte

O esquife, o crânio e os ossos indicam simbolicamente, o fim da vida quando tudo o que é motivo de preocupação e cuidados do homem se reduz à uns poucos ossos. Riqueza, glórias, miséria, fome, tristeza, tudo terá um dia o seu fim. Por isso, a Maçonaria apresenta esses símbolos mortuários para lembrar aos Maçons que todos seremos um dia apenas ossos.

Vigilância e perseverança

Estas duas Palavras são uma mensagem ao candidato, concitando-o a manter, quando for recebido Maçon, uma vigilância constante e uma atenção aguçada para aprender, através de acurada investigação, todos os sentidos dos diversos símbolos com que lhe será dado deparar. Conhecimento, aliás, que lhe dará a possibilidade de trabalhar na construção do seu Templo interior. Mas, para tanto, não basta apenas a vigilância. Necessita também, de férrea perseverança.

V∴I∴T∴R∴I∴O∴L∴

As letras desta Palavra são as iniciais de uma frase latina: “Visita Interiora Terrae Retificandoque, Invenies Occultum Lapidem”, ou seja: “Visita o Interior da Terra e Nele, Rectificado, Encontrarás a Pedra Oculta”. Eis aí um convite que se faz ao candidato para, em silêncio e meditação, pesquisar em sua própria alma todos os escaninhos, a fim de encontrar o seu EU mais profundo. O homem verdadeiro que habita o corpo material. A pedra oculta que todos nós temos necessidade de conhecer e que estaria no “interior da terra”, isto é, dentro de nós mesmos, no mais íntimo do nosso ser, cujo conhecimento somente será possível se conseguirmos agir “rectificando” os nossos pensamentos, os nossos costumes, os nossos vícios e nossa moral.

As outras frases:

As outras frases espalhadas pelas paredes são estímulos que servem para instruir e reanimar o candidato, fazendo-lhe vislumbrar os princípios maçónicos que adoptará se persistir no seu propósito de se tornar Maçon, dando-lhe, em caso contrário, inclusive a oportunidade de interromper a Iniciação e de se retirar.

Se a curiosidade aqui te conduz, retira-te

A Maçonaria não pode servir de campo experimental para satisfação de uma simples curiosidade. Inteiramente dedicada ao estudo de problemas fundamentais e de grandes ensinamentos, todo elemento possuído por uma simples curiosidade, longe de lhe ser útil, seria um perigo. Sendo manifesto o desejo da Maçonaria de participar ao mundo a sua utilidade por meios sábios e discretos ensinamentos e por elevados exemplos, ela reprime a louca afeição ao superficial , ao fútil, engrandecendo no homem o desejo de instruir-se através de estudos sadios, sérios e proveitosos.

Se queres bem empregar a tua vida, pensa na morte

Sendo a morte o fim de tudo, a sua aproximação será o castigo ou a recompensa da vida, de acordo com o emprego que lhe foi dado e a direcção que lhe foi impressa. O homem deve reflectir sobre a morte para assim valorizar e lapidar a sua vida. Sendo assim, o Maçon deve fazer de sua vida um caminho laborioso, superando obstáculos, com a máxima valorização intrínseca de si mesmo. Pode-se entender, ainda, a morte, como sendo o fim da vida profana e o nascimento na vida maçónica, na qual o iniciado começa a glorificar a verdade e a justiça, levantando Templos à virtude e cavando masmorras ao vício.

Se tens receio que se descubram os teus defeitos, não estarás bem entre nós

O ensinamento que essa frase encerra é fundamentalmente proveitoso. O homem não pode alcançar um grau de elevada perfeição, senão pelo constante estudo de si mesmo e com o conhecimento mais amplo de seus próprios defeitos, e, dessa forma, a Maçonaria exige de seus adeptos uma recíproca advertência sobre si mesmos. O Maçon, para seguir e seu caminho de constante aprendizado, precisa transparecer, sem receios, todos os seus defeitos, por mais amargo que isso venha a ser, pois é através desta exteriorização que se pode lapidar a verdadeira pedra bruta.

Se és apegado as distinções mundanas, retira-te; nós aqui, não conhecemos

A Maçonaria respeita as hierarquias do mundo profano e as distinções sociais exigidas pela ordem social. No entanto, dentro de seus templos, isso é desprezado pelo princípio da igualdade que deve reinar entre todos os seres, sem mais distinções que as merecidas pela virtude, nobreza e talento; da mesma forma em que os trabalhos dos aprendizes maçons iniciam-se ao meio dia, fazendo com que os irmãos trabalhem sem fazer sombra uns aos outros. Esse sentimento de igualdade traz, por conseguinte, uma evolução em conjunto muito mais forte e duradoura, fazendo com que o sentimento de desprezo ou o próprio individualismo não sejam bem quistos na Ordem Maçónica.

Se fores dissimulado, serás descoberto

A hipocrisia é uma das causas principais que fazem progredir o mal no mundo, devendo o Maçon fazer sempre o possível para desmascará-la, combatendo-a por toda a parte onde ela se encontre. Todo aquele que finge, aquele que oculta, cedo ou tarde será desmascarado e seus vícios expostos à luz do sol, a luz da verdade.

Se tens medo, não vás adiante

Embora a Maçonaria não pretenda despertar o terror ao iniciante, essa inscrição existe para indicar que no momento de perigo, o homem carente de fé e de valor, que se deixa dominar pelo terror e a superstição, não consegue exteriorizar a sua pedra bruta. O sentimento de medo faz com que o homem bloqueie seu caminho a ser triunfado, inibindo a sua coragem, perseverança, auto-estima, valor e fé, que é justamente o que o iniciante está precisando exteriorizar nesse momento.

Conclusão

A meditação profunda é o único caminho capaz de levar o homem a um reencontro consigo mesmo. Os grandes iniciados, os verdadeiros guias espirituais da humanidade, em todos os tempos, recorreram invariavelmente à meditação prolongada e profunda, inteiramente isolados do mundo, procurando um reencontro íntimo que os tornasse capazes de exercer o seu ministério junto aos homens.

A Câmara de Reflexões é a transição da vida profana para a vida Maçónica, que usa de seus elementos e simbolismos para preparar o iniciante para essa nova e frutífera vida. Assim, constatamos que a Câmara de Reflexões tem como fundamento maior fazer com que o iniciante consiga exteriorizar, expor a sua pedra bruta, para que assim, a mesma possa ser permanentemente lapidada, intuito este, inerente à Maçonaria.

Adaptado de Prancha traçada conjuntamente por:

  • Carlos Alberto Schnetzler Machado Apr∴
  • Dirceu Zamboni Apr∴
  • Ricardo A. Bittar Hagel Filho Apr∴
  • Sergio Henrique Boer Apr∴
  • Vitor Simonetti Junior Apr∴

A∴R∴G∴B∴L∴S∴ “ESTRELA DO RIO CLARO” nº 496

Bibliografia

  • Gama, António Carlos – Apostila Gr∴1 – Apr∴ – C.E.P.A.M. (Centro de Estudos Para Aprendizes Maçons) – Rio Claro/SP 2004
  • Aslan, Nicola – Comentários ao Rit∴ de Apr∴ – Vade-Mécum Iniciático – Editora Maçónica – Cabo Frio/RJ 26/11/1975;
  • Camino, Rizzardo da – O Apr∴ MAÇON– As Benesses do Aprendizado Maçónico – Editora Madras – São Paulo/SP – 2.000;
  • GOB, Rit∴ Apr∴ MAÇON – R∴E∴A∴A∴ – Edição 2009;
  • Internet.

3 Comentários em “A câmara de reflexões

  • Gosto de ler os artigos e pesquisas publicadas aqui. São de extrema importância.

    Reply
  • Bom dia!
    Cada artigo que leio nessa iluminada página me enche de luz divina. Obrigado por permitir reflexões tao profundas , louváveis, inspiradoras e divina como estas. Sou grato a vocês por me permitir tais esclarecimentos para me aperfeiçoar .
    Att:. Fabio Ferreira Moreira (Fabio Arierom)

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *