A marca

mark master keystone 3jj67656

Nos primeiros tempos, os maçons que esculpiam uma pedra colocavam nela uma Marca de identificação. Era assim que os inspetores do trabalho identificavam o artesão responsável por cada pedra. Como sinal de aprovação, eles frequentemente adicionavam a sua Marca à pedra, para mostrar que ela havia passado na inspeção e estava pronta para ser utilizada na construção. Uma terceira Marca era frequentemente adicionada, para indicar em que lugar do edifício a pedra seria usada.

Atualmente, podemos ver evidências de tais Marcas nas pedras de castelos, catedrais e outros edifícios. No entanto, nunca se pretendeu que essas Marcas fossem vistas. Imediatamente após as paredes serem erguidas, elas eram normalmente cobertas com argamassa ou gesso e, portanto, permaneciam invisíveis, a menos que o gesso caísse mais tarde. As Marcas dos maçons operativos eram registadas no Livro de Marcas, e eram frequentemente transmitidas dentro de uma família.

Na cerimónia para Mestre de Marca, o candidato admite que a Marca na pedra não é sua. Até que o seu trabalho seja aprovado, o candidato não tem direito a ter uma Marca e não recebe o seu salário, por isso. Mais tarde, o candidato recebe uma folha de papel e é instruído a escolher e desenhar a sua Marca, sendo esta registada no Livro de Marcas da Loja. Embora algumas Marcas iniciais tenham sido bastante elaboradas, atualmente o candidato é aconselhado a selecionar um desenho simples composto por linhas retas.

A palavra “Marca” contem mais do que um significado. Pode ser um sinal físico colocado sobre um objeto para denotar autoria, ou revelar propriedade, por exemplo, na Marca de um animal. Pode ser uma distinção com fins religiosos, como o ponto vermelho colocado sobre o “terceiro olho” por muitos hindus, ou a elaborada pintura corporal usada em tribos, desde os celtas até às tribos nativas americanas. Na Bíblia, também somos lembrados de que uma Marca pode ser um sinal divino de separação. Observamos isso na história de Caim, em que a Marca era símbolo de vergonha, mas também lhe salvou a vida (Gênesis 4:15, “E o Senhor colocou uma Marca em Caim, para que ninguém que o encontrasse o matasse“). Mais uma vez, em Ezequiel, lemos que Deus diz ao homem vestido de linho: “Passa pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e põe uma Marca na testa aos homens que veem e clamam por todas as abominações, que seja feito no meio dela “(Ezequiel 9: 4).

A Marca tem inúmeros significados. É utilizada pelo homem ao nível terreno para identificar as suas criações e propriedades, mas também ao nível espiritual como um meio pelo qual Deus identifica Seu próprio povo. O homem é desafiado a trabalhar com as mãos a sua Pedra Espiritual, adequada para o uso no Templo de Deus. Deus não está ausente no processo, Ele é o Grande Arquiteto e tudo o que fazemos está de acordo com a Sua Vontade. Podemos fornecer o trabalho, mas é Ele quem fornece o projeto. Lembremo-nos do que Deus disse: “… e (Eu) lhe darei uma pedra branca, e na pedra um novo nome será escrito, um nome que ninguém conhece senão aquele que a recebe“. (Ap 2:17). Como a Marca coberta com argamassa numa antiga catedral, também nós recebemos o nome conhecido apenas por nós e por Deus, que ele o usará para nos identificar.

No Louvor ao Senhor.

RP – 01.07.2250

Artigos relacionados

2 thoughts on “A marca

  • Avatar

    Bom dia estimado irmão e companheiro
    Isto é,
    com este estudo se completa um ótimo aprendizado.

    Parabéns.

    Reply
    • Avatar

      Obrigado pelas instruções!! Otimos livros quero continuar recebendo

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *