O número Três, coincidências ou simbolismo?

Meus Irmãos, nesta minha ainda tão curta vida de aprendizagem em Maçonaria, e apesar da valorosa presença e disposição incondicional dos meus irmãos para me explicarem quando solicitados sobre as minhas perguntas de recém-Maçon, apesar dos fraternos ensinamentos que oportunamente vivenciei nas reuniões que tive a graça de participar, confesso que ainda estou perplexo com a tão vasta simbologia da ordem.

Está presente nos paramentos, nos adornos do templo, na ritualística e por que não dizer no convívio entre os irmãos. Então gostaria de compartilhar com os Irmãos que talvez instigado pelo hábito do meu ofício quando na vida profana, percebo a incessante presença do número três nos adornos e na ritualística do meu grau de aprendiz Maçon.

Ora,

  • São 3 os princípios (Liberdade, Igualdade e Fraternidade),
  • 3 batidas de malhete,
  • 3 é a idade do aprendiz Maçon,
  • 3 vezes pela aclamação,
  • 3 vezes pela bateria,
  • são 3 as jóias móveis,
  • 3 também são as Luzes de Loja,
  • 3 são os degraus do Oriente,
  • 3 são os pontos na assinatura de um Maçon representando três qualidades a serem cultivadas,
  • 3 também são os lados do Delta Sagrado,
  • 3 são os passos da macha do aprendiz,
  • Naquele dia sublime de iniciação, fiz 3 viagens,
  • Naquele mesmo dia aconteceram 3 purificações (Ar, Água, e fogo),
  • Três são os deveres do aprendiz Maçon (pg. 118 do ritual de aprendiz),
  • Se dividirmos o comprimento do templo em três partes, uma delas será o Oriente e as outras duas formarão o ocidente e no centro deste, está o altar dos juramentos,
  • Três são os elementos presentes no altar dos juramentos (Livro da Lei, o esquadro e o compasso),
  • 3 são os malhetes existentes em Loja,
  • 3 são os toques na falange,
  • Numa Loja, 3 a governam,
  • 3 são os graus da Loja simbólica (Aprendiz, Companheiro e Mestre),
  • São 3 os bastões (1º Diácono, 2º Diácono e Mestre de Cerimónias) que se unem para a abertura do Livro da Lei.
  • São necessários pelo menos 3 mestres maçons para a abertura dos trabalhos em Loja,
  • No Oriente, estão 3 símbolos (Sol, Olho e a Lua),
  • 3 são as colunas (Jónica, Dórica e Coríntia),
  • Na divisória que existe entre o Oriente e Ocidente, existem 3 colunas de cada lado,
  • 3 estrelas formam a constelação de Órion,
  • 3 são os pontos que coloco na minha assinatura,
  • Reconhecemos um Irmão Maçon de três formas (Palavras, Sinais e Toques),
  • Por 3 vezes: Saúde, Sabedoria e Segurança na cadeia de união.

Então meu Irmão imagina que não seja coincidência a tão forte presença deste número três. Daí, buscámos investigar como este número se comporta e qual é o seu significado noutras ciências, rituais e no mundo profano.

Na Matemática

  • O três é o Primeiro numero ímpar e primo;
  • É o único numero que é igual à soma dos seus antecessores;
  • Do ponto de vista geométrico é o primeiro número existente, pois necessitam-se de pelo menos três pontos para formar um triângulo, que é a primeira figura geométrica;
  • Para Pitágoras o três era um número puro e significa liderança, força e ambição, também transmite confiança no amor e na vida, além de ser tido como a causa de toda a matéria, pois toda ela possui três dimensões.

Para os Povos

  • No Egipto, na Índia e em Israel este número foi considerado como um número sagrado. Para os religiosos hindus, o número três representa a trindade de Brahma, Vishnu e Shiva.
  • Já Para os hebreus o número três era chamado Ghimel, que é aproximadamente a nossa G e é tido como um número neutro.
  • Para os gregos, o três é o Gamma (Terceira letra do seu alfabeto), é também o número de sorte para os nascidos sob o signo do zodíaco de virgem e também para eles, o três, representa a origem do conhecimento.

Nos primórdios, o reino do Egipto estava dividido em três partes:

  • o Alto Egipto;
  • o Egipto Médio;
  • Baixo Egipto
  • reconheciam três corpos no Ser Humano:
    • Dyet, o corpo físico;
    • Ka, o corpo fluído ou astral;
    • Ba, o espírito.

Na Cabala

  • A Cabala consta de três variedades, nela três são os atributos da divindade, e ainda nela estão Keter (Coroa), Hockma (Sabedoria) e Binah (Inteligência).

No Budismo

  • Já no budismo tem-se Buda (Iluminado), Darma (Lei) e Sanga (Assembleia dos fiéis).

No Cristianismo

  • Três é o número da Santíssima Trindade;
  • Três foi os Reis Magos que foram a Belém guiados pela estrela “mágica”;
  • três foram os presentes levados ao menino Jesus;
  • Três foram os evangelistas sinópticos (Mateus, Marcos e Lucas);
  • De acordo com as escrituras, Pedro negou três vezes a cristo antes que o galo cantasse;
  • Três foram os filhos de Noé que repovoaram a terra após o dilúvio;
  • Abraão viu três homens, que seriam três anjos;
  • Moisés trouxe três dias de trevas sobre o Egipto;
  • Daniel orava três vezes por dia;
  • O templo de Salomão estava dividido em três partes: átrio, lugar santo e santos dos santos;
  • Jesus ressuscitou no terceiro dia após a sua morte;

Na Maçonaria

Portanto meus Irmãos percebe-se nesse breve estudo, o quanto o número três esteve, está e estará sempre presente nas nossas vidas. Desta forma, em busca de maiores esclarecimentos lançámos mão da nossa literatura maçónica. Lá encontramos citações sobre um culto, um segredo, a maçonaria (3), da forma como nos reconhecemos (por S∴, T∴ e P∴) (3), diz-se também que o aprendiz foi recebido numa Loja Justa, perfeita e regular (3), afirma-se que para a Loja estar justa e perfeita, é necessário que Três a governem, cinco a componham e sete a completem.

  • Aprendemos que as três Pancadas dadas pelo Orad∴. Significam Batei e sereis atendido, Pedi e recebereis, Procurarei e encontrareis(3).
  • Que quando entre CCol∴, os aprendizes fizeram três viagens para se lembrarem das dificuldades e das atribulações da vida, bem como foram purificados pelos elementos água, ar e fogo(3).
  • Afirma-se que as três viagens simbolizam a conquista de novos conhecimentos. Explicita que o número Três indica os centros da Pérsia, Fenícia e Egipto, lugares onde primitivamente foram cultivadas as ciências.
  • A nossa literatura esclarece ainda sobre o esquadro, o nível e o prumo (3):
    • O esquadro suspenso no colar do V∴ M∴ significa que o chefe deve ter unicamente um sentimento – o dos estatutos da ordem – e que deve agir de forma única, com rectidão;
    • O nível que decora o 1º Vig∴ Simboliza a igualdade social que é a base do direito natural;
    • Já o prumo trazido pelo 2º Vig∴ Significa que o Maçon deve ser recto no julgamento sem se deixar dominar pelo interesse nem pela afeição.
  • A nossa literatura diz que a idade do aprendiz é de três anos porque, na antiguidade, este era o tempo necessário para o seu preparo.
  • Garante que a diferença, o desequilíbrio e o antagonismo (3) existem no número dois, mas que cessam rapidamente, quando se lhe junta uma terceira unidade.
  • Assegura que o número três é a unidade da vida, que existe por si próprio, do que é perfeito.
  • Explica que o triângulo, entre as superfícies, é a forma que corresponde ao numero três, e tem a mesma significação deste.
  • Que o triângulo é o símbolo da existência da divindade, bem como da sua “potência produtiva” ou da evolução e que o três é o número da Luz (Fogo, Chama e Calor).
  • Três são os pontos que o neófito se deve orgulhar de apor ao seu nome, lembrando na verdade, que estes três pontos como o delta sagrado, são um dos nossos emblemas mais respeitáveis, pois eles representam todos os ternários conhecidos e especialmente as três qualidades indispensáveis ao Maçon:
    • Vontade
    • Amor ou Sabedoria
    • Inteligência

Afirma-se que estas qualidades são absolutamente inseparáveis uma das outras e que devem existir em equilíbrio perfeito no candidato à iniciação para que a sua iniciação seja de facto real vivida e não emblemática.

Lembra ainda que estes três pontos que se apõem ao nome de um Maçon são quais as três estrelas que brilham ao Oriente da Loja.

Esclarece que em toda parte existe o número três, pois o ternário, do qual o Delta Sagrado é o mais luminoso e, talvez o mais puro emblema e, nas Lojas Maçónicas, ainda é simbolizado pelos três grandes pilares:

  • Sabedoria
  • Força
  • Beleza

Que representam as Três Grandes Luzes colocadas sobre o Painel da Loja, a primeira no Oriente, a segunda no Ocidente e a terceira no Sul de acordo com a orientação das “Três Portas” do Templo de Salomão.

Assim meus Irmãos, percebemos a importância e parte do significado desse número no grau de aprendiz Maçon. Certamente que com o nosso amadurecimento perceberemos em luz o seu valoroso sentido na sua totalidade. Imagino que nos graus que almejamos alcançar também teremos a oportunidade de estudar este símbolo.

A unidade é a lei de Deus (Ou seja, do Primeiro, o principio, A causa Imanente), A dualidade é o número da lei do universo, já a Evolução, a Lei da Natureza é o Ternário”.

(Pitágoras)

Marcos Fabiano Oliveira Mangueira – Professor de matemática e Obreiro da Loja simbólica 05 de JULHO – Grande Oriente – Oriente de Conceição – PB.

Bibliografia

  • Ritual de Aprendiz, Rito Escocês Antigo e Aceito – Grande Loja Maçónica do Estado da Paraíba

Um Comentário em “O número Três, coincidências ou simbolismo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *