A Intolerância da intolerância

Paradoxo da tolerânciaSe o amor fraternal, o alívio e a verdade são os alicerces da Maçonaria, a tolerância é o cimento que os une. No entanto, num mundo que registou e / ou testemunhou uma crescente tolerância, nós, como maçons, somos bastante intolerantes. De muitas formas, o nível inaceitável de intolerância dentro das nossas lojas faz sentido quando observamos os esforços para manter o status quo actual.

Como fraternidade, há muito que falamos de tolerância, universalismo e Maçons reunidos no nível. Isto é um ideal fantástico e será verdade? Os maçons realmente praticam a tolerância e a equanimidade para com todos, e fizeram-no no passado? A Maçonaria trata os afro-americanos da mesma forma que os caucasianos? Trata os muçulmanos, judeus, hindus, mórmons e outras religiões monoteístas, da mesma forma que os cristãos; as mulheres têm tratamento igual aos homens? Podemos nós que estamos dentro verdadeiramente afirmar que não há fanatismo na Maçonaria? Será que já ouviu piadas racistas ou anti-semitas, insultos raciais ou anti-semitas e pejorativos, estereótipos de homens, mulheres, religiões, raças e grupos étnicos de outro maçom? Observações pessoais e experiências expuseram este escritor a todos esses comentários intolerantes – não apenas no mundo profano;  foram ouvidos directamente da boca de homens que se chamam maçons livres.

E quanto à tolerância entre irmãos? Um Venerável Mestre é tolerante para com o aprendiz mais jovem, quando ele tenta oferecer uma ideia diferente? Um Grão-Mestre é tolerante às críticas construtivas oferecidas para beneficiar a Ordem como um todo? Ou, quando um irmão confronta um Grão-Mestre ou um Venerável Mestre e o responsabiliza pelos seus compromissos verbais? São tolerantes com esta responsabilidade fraternal que foi solicitada? E quando um irmão discorda da visão de um Grão-Mestre (ou um Venerável Mestre), é tolerante com essa visão e está disposto a trabalhar com ele para conseguir um resultado bem-sucedido? E quanto aos irmãos que aderem a diferentes filosofias políticas, os irmãos têm sido tolerantes com as suas diferentes perspectivas e permaneceram irmãos de verdade? Novamente, este escritor observou muita intolerância nas circunstâncias descritas acima.

Será que os Maçons apoiam honestamente o direito de cada irmão a ser diferente da maioria? Nos anos 1900, a Maçonaria imaginou-se como construtora da sociedade, apoiando a liberdade e a democracia. Os maçons que escreveram e falaram durante esse período identificaram a fraternidade como uma instituição que trabalha para o aprimoramento da sociedade, acolhendo homens de todas as raças, religiões, etnias, culturas, níveis socioeconómicos e todas as origens, juntos e promovendo um mundo de paz. H. L. Haywood disse que deveríamos melhorar a condição humana através da educação e usar a Maçonaria para ajudar a família humana a viver feliz e junta.

Embora os Estados Unidos tenham evoluído de forma incremental nas suas visões gerais sobre a tolerância, muitos dos seus cidadãos estão presos em uma época e continuam a promover uma atitude de intolerância. O movimento de sufrágio feminino previa a tolerância nacional do voto feminino e eventual participação como funcionários eleitos. No entanto, este foi um pequeno abraço de tolerância, desde que as mulheres vêm lutando pela igualdade e, lentamente, ganhando pedaços do que elas procuraram durante um longo período. Mais de 30 anos se passaram desde que a Equal Rights Amendment (ERA) foi derrotada e as mulheres ainda estão à procura de igualdade de status com seus pares masculinos na sociedade americana.

Os afro-americanos foram libertados dos laços da escravidão no decurso da Guerra Civil dos EUA de 1860. No entanto, estes cidadãos não foram tolerados pela sociedade convencional fora do seu local socialmente construído por quase mais 100 anos. Os anos 60 expuseram a horrível falta de tolerância não apenas para afro-americanos; também expuseram os preconceitos religiosos contra um candidato à Presidência dos EUA. A Lei dos Direitos Civis abordou a intolerância da população através do estado de direito e, embora parecesse bom no papel e a comunicação social e as autoridades eleitas o aplaudissem, havia pouca fiscalização. Mais tristemente, os maçons fracassaram em aceitar os homens afro-americanos como iguais e continuaram a considerar o membros do Prince Hall Affiliation (PHA )como “clandestinos” e, portanto, indignos do seu companheirismo e reconhecimento até aos anos 80. Embaraçosamente, ainda existem 13 Grandes Lojas do sul que continuam a farsa e a falta de tolerância ao não reconhecer as Grandes Lojas da PHA dentro dos seus estados.

Os judeus ainda são o alvo do fanatismo, da intolerância religiosa e de piadas e estereótipos anti-semitas. Eles são vítimas de crimes de ódio e são culpados por fanáticos e teóricos da conspiração pelos males do mundo. Os homossexuais são também vítimas de grande intolerância, discurso de ódio religioso e social, e estereótipos falsos atribuindo o HIV / SIDA como resultado da sua orientação sexual.

Contudo, a nossa sociedade de amigos e irmãos fala de nossa diversidade como um aspecto enriquecedor da nossa fraternidade. É uma irmandade que une homens de todas as classes sociais. James Anderson disse em 1700, “a Maçonaria reúne homens que, de outra forma, permaneceriam em uma distância perpétua”. Os maçons dos anos 1900 e os irmãos da sua geração disseram que a Maçonaria poderia promover a paz mundial através do entendimento humano.

Intolerância, injustiça racial, étnica, religiosa, social e política atormentaram os Estados Unidos e todo o mundo. As experiências de intolerância por humanos, incluindo maçons, em todo o mundo revelam que a humanidade deve aprender a lidar com equanimidade a interagir com diferenças de raça, género, orientação sexual, etnias, cultura, idioma, nacionalidade, estilo de vida, religiões e diferenças políticas, se queremos sobreviver e continuar a evoluir como espécie.

Maçonaria pode ser e poderia ter sido no passado, em todos os tempos e em todos os sentidos, o principal promotor da tolerância e união sobre o nível. Como maçons, podemos ser os líderes na procura da harmonia racial e cultural, relações igualitárias e paridade vocacional entre homens e mulheres, bem como criar espaço para relacionamentos respeitosos entre pessoas de diferentes filosofias políticas.

Pode-se perguntar quando é que a Maçonaria mostrou o princípio da tolerância tanto filosoficamente como de forma prática. Nenhuma maior exposição de tolerância foi observada do que as ocorrências durante a Guerra Civil dos EUA. Este escritor está confiante de que estas ocorrências aconteceram como uma questão de rotina da vida diária, ainda que pareçam ter-se tornado uma prática rara após a Guerra Civil dos EUA. Não existe nenhum teste maior à tolerância existe do que aquele que ocorre no meio de conflitos armados, resultado de diferentes filosofias e ideologias políticas. A transcrição que se segue, é apenas um exemplo das aplicações práticas da tolerância que ocorreram durante os dias mais intolerantes da história dos EUA.

Funeral Maçónico pelo Inimigo

Em 11 de Junho de 1863, a lancha canhoneira Federal Albatross, com o tenente J. E. Hart da Loja St. George’s nº6 de Nova York no comando, estava ancorado no rio Mississippi, em frente à cidade de Bayou Sara (alguns relatos dizem que St. Francisville) que fica 15 milhas acima da fortificação Confederada­ de Port Hudson. A canhoneira fazia parte dos navios que sitiavam Port Hudson, Louisiana. O comandante Hart estava em delírio há muitos dias e estava confinado aos seus aposentos. Soou um tiro e o oficial-chefe do navio, Theodore E. Dubois, e o médico encontraram o comandante morto.

Os oficiais do navio que não queriam enterrar o seu comandante no rio enviaram uma bandeira de tréguas a terra para descobrir se havia uma Loja Maçónica local. William W. Leake, Venerável Mestre interino da Loja Bayou Sara, foi abordado pelo capitão Samuel White, que morava perto do rio, para realizar um funeral maçónico para o comandante Hart.

O Irmão Leake respondeu: “Como soldado do Exército Confederado, acho que é meu dever. Como Maçon, sei que é meu dever“. Em 13 de Junho, alguns membros da loja local usando paramentos maçónicos reuniram-se e encontraram-se com o cortejo de 50 homens do Albatroz sob uma bandeira de tréguas no topo de uma colina. Os irmãos Benjamin F. e Samuel F. White, da Bayou Sara, o cirurgião e os dois oficiais da canhoneira, que eram maçons, estavam no cortejo juntamente com um esquadrão de fuzileiros navais em posição de respeito.

Leake e os Irmãos locais marcharam em frente ao cadáver para o Cemitério da Grace Episcopal Church e enterraram o Irmão Hart na Secção Maçónica com honras militares e maçónicas com a colaboração do serviço da Igreja Episcopal. O irmão Leake liderou a parte maçónica dos cultos. O Cirurgião e os oficiais dos EUA pediram aos Irmãos que se juntassem a eles no Albatroz para jantar, mas estes recusaram. O cirurgião disponibilizou-se então ao irmão Leake para lhe fornecer remédios para a sua família. O irmão Leake recusou, mas posteriormente, o cirurgião enviou alguns medicamentos para Leake através do irmão Samuel White.

O túmulo de Hart foi marcado com uma lápide de madeira por muitos anos e, posteriormente, foi colocada uma lápide permanente cobrindo todo o túmulo. Esta lápide tinha escrito: “Este monumento é dedicado como tributo carinhoso à universalidade da Maçonaria“.

[Nota do autor: a expressão “e tolerância” poderia e provavelmente deveria ter sido acrescentada após o termo “universalidade” nesta dedicação do monumento].

Este evento único é o epítome da tolerância enraizada nos ensinamentos da Maçonaria. Se irmãos de lados opostos que se envolveram em batalhas letais na defesa das suas filosofias políticas e ideológicas são tolerantes com os seus irmãos e respeitam a tolerância o suficiente para impedir uma guerra de realizar um memorial funeral conjunto para um irmão caído, então nós como, Os maçons do século XXI, não devem ser menos tolerantes com os outros que enriquecem a nossa fraternidade com as suas diversidades únicas.

A tolerância é um princípio único e um comportamento esperado, associado à Maçonaria, mais do que a qualquer outra instituição na história. Por causa deste princípio único, a Maçonaria poderia ser a organização de ponta promovendo e apoiando a tolerância entre todos, em todos os lugares, em todas as circunstâncias. No entanto, com toda honestidade, se a Maçonaria quer ser o líder maior, único e de vanguarda, em direcção à tolerância, então devemos eliminar a intolerância dentro da nossa irmandade. A intolerância deve ser eliminada imediatamente e sem esperar que os outros mudem ou morram. Deve ser adoptada e bem clarificada nos nossos respectivos códigos jurisdicionais! Deve ser demonstrada e esperada nas nossas acções em todas as nossas Lojas: votação, reconhecimento e amizade com todos os seres humanos, independentemente de raça, religião, cor, sexo, orientação sexual, status socioeconómico, política, estilo de vida ou qualquer outra coisa fora da composição do carácter de cada um.

É vital que a tradição maçónica e o ideal de tolerância andem de mãos dadas na nossa irmandade imediatamente e sem demora. Paradoxalmente, deve haver tolerância zero à intolerância relacionada com qualquer coisa que vá para além da composição do carácter do outro humano. Através desta acção, a Maçonaria pode e será a maior instituição à face da terra na sua singularidade para promover e apoiar a tolerância e equanimidade para todos os seres humanos. Esta acção poderá ser a nossa mais forte contribuição e legado em nome de nossos ancestrais maçónicos – de nós, para os nossos futuros irmãos e para o mundo. Se nos recusarmos a abraçar o princípio maçónico de tolerância, então desonraremos os nossos irmãos ancestrais e a nós mesmos e, na opinião deste escritor, não temos o direito de reivindicar associação com os irmãos ancestrais que “se encontraram no nível, agiram no prumo e partiram segundo o quadrado“.

C. Shawn Oak

Tradução de António Jorge

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *