Equilíbrio: o primeiro passo para alcançarmos a Espiritualidade

Partilhe este Artigo:

equilíbrio

O alcance da evolução maçónica passa, necessariamente, pelo equilíbrio que é o primeiro passo no caminho da espiritualidade.

Se observarmos, na vida, tanto o equilibrista, propriamente dito, quanto o sábio são possuidores de equilíbrio, cada qual conforme o seu conhecimento, a sua necessidade e evolução. Daí, então, a dificuldade de se encontrar uma definição comum a todos a respeito do que venha a ser “EQUILÍBRIO”. Pois, equilíbrio pode ser definido de diversas formas, vejamos alguns significados a ele atribuídos:

  • “Equilíbrio significa igualdade, pelo menos aproximada, entre os opostos”.
  • “Equilíbrio é a estabilidade mental e emocional, ou seja, em regra tem equilíbrio a pessoa possuidora de moderação, comedimento e prudência consigo e com os outros”.
  • “Ter equilíbrio é estar em harmonia consigo mesmo”.
  • “Os dois pratos na balança representam o equilíbrio”.

A palavra-chave do equilíbrio é a integração. É a necessidade constante de se integrar espírito, matéria e acções.

O equilíbrio contém certos atributos que se caracterizam pela integração dos instintos animais inferiores (irracionais) e superiores (racionais). É a através desta integração entre o pensamento e as atitudes que o ser humano vai adquirindo uma consciência transcendental.

Muitas vezes para se alcançar o equilíbrio é preciso estabelecer um novo padrão de pensamento (NPP) ou novo padrão mental (NPM).

Faz-se necessária a aquisição de um NPM, para alcançarmos a paz e a felicidade porque o presente é consequência de programação mental passada e, o futuro é consequência do presente.

Daí a importância de nos organizarmos, quer na vida pessoal, emocional, quer na vida financeira, profissional. Pois, são estes os eixos que nos auxiliam na caminhada em busca à harmonia espiritual. Uma vez que, o contrário, podem levar-nos ao desequilíbrio, que encontra origem na ansiedade, nas preocupações e na ausência de fé ou de confiança em si mesmo.

Não vale a pena sofrer por antecipação. Aquele que sabe programar bem o que tem a resolver, não precisa de se preocupar, pois a solução, em algum momento, aparecerá.

Na busca do equilíbrio defrontamo-nos com duas palavras extremamente significativas. São elas: necessidade e carência. A necessidade significa o essencial inevitável e muitas vezes até vital; a carência tem significado relativo e pode ser passageira. A necessidade é absoluta e, geralmente, encontra-se fora de nós, ou seja, é encontrada com terceiros; a carência, ao contrário da necessidade, pode ser preenchida por algo que pode ser encontrado em nós mesmos. A percepção de ambos passa pelo autoconhecimento.

O exercício da paciência e da tolerância geram confiança e segurança. Todavia, o principal instrumento para se chegar ao equilíbrio é a oração ou a meditação. Nesta linha de pensamento, já dizia um ilustre pensador:

“Em qualquer circunstância, seja na vitória ou no fracasso, na paz ou no combate, entre amigos ou sitiado por adversário, jubiloso ou em lágrimas, recolha-se à oração e à paciência”.

A própria natureza ou a ciência da vida ensina-nos que devemos viver em paz, e, ao mesmo tempo, deixar os outros também viverem as suas vidas com tranquilidade.

Há um processo simplista que, se observado, poderá levar-nos ao equilíbrio. Vejamos:

“Primeiro, façamos o melhor para nós mesmos; em seguida, para os outros, sem nos preocuparmos se eles estão ou não a ser-nos gratos”.

Este desprendimento vai actuar como um canal aberto em conexão com o universo.

Vale lembrar que, tanto a busca pela harmonia quanto pelo equilíbrio requerem que se dê uma especial atenção ao nosso corpo físico. Por exemplo: tratá-lo adequadamente; não sobrecarregá-lo com alimentação imprópria ou pesada; fazer exercícios físicos, conforme a capacidade de cada um; evitar fumo e bebidas alcoólicas, enfim, respeitar o seu corpo, porque assim você estará respeitando a si mesmo, e não correrá risco de ver alguma área ou órgão do seu corpo ficar sem trabalhar em busca da SABEDORIA DIVINA, que é consequência do equilíbrio e da harmonia.

Desta forma, lembre-se de que tanto o equilíbrio como a harmonia dependem directamente das suas escolhas internas ou externas. Ou seja, prefira suprir, primeiramente, as suas necessidades para que a sua energia vital fique cada vez mais activada e, consequentemente, em harmonia com o universo ou com a sabedoria cósmica.

Por outro lado, registe-se que o verdadeiro equilíbrio terá sempre como consequência um agir com mais eficiência e eficácia necessárias para que se possa dar solução aos possíveis problemas que lhes são apresentados. Esta solução deve ocorrer na medida certa, nem mais nem menos, tudo de forma equilibrada. Corroborando esta afirmação dizia Confúcio: “ultrapassar o alvo é tão incómodo quanto não o atingir”.

É muito frequente estarmos cultivando a nossa própria ansiedade que, via de regra, a projectamos para o futuro e sempre carregada de certos factos, muitas vezes indesejáveis, tristes e infelizes. Esta carga negativa, causada por essa ansiedade, se não for revertida a tempo, estará à nossa espera um pouco mais adiante.

Há uma afirmação bastante usada pelos esotéricos, com vista a facilitar a abertura do canal para alcançarmos o equilíbrio: “integro e combino diversas polaridades da minha vida para gerar o equilíbrio, a unidade e a harmonia ao criar o que sou e ao manifestar o que faço”.

O Caminho da Espiritualidade, segundo a Teosofia

Segundo alguns esotéricos, para alcançar à espiritualidade é preciso conhecer as 7 Voltas da Chave Espiritual, as quais poderão facilitar a abertura do canal de comunicação com o Divino. Elas são basicamente representadas da seguinte forma:

  1. Compaixão (amor): Significa sentir a dor do outro;
  2. Verdade: Deve-se evitar toda e qualquer mentira, até mesmo as pequeninas;
  3. Simplicidade (humildade): A sociedade consumida afasta-nos sempre da simplicidade natural, por isso, devemos estar sempre atentos. Todavia, ser simples ou humilde não significa ser subalterno;
  4. Ordem (equilíbrio): Temos que estar sempre em ordem para darmos equilíbrio a nossa vida. A desordem externa representa a desordem interna, causadora de tantos males;
  5. Contentamento: Devemos procurar viver em estado de graça ou de alegria;
  6. Paciência: Significa tolerância, ou seja, a ciência da paz (paz + ciência); e
  7. Compreensão: Trata-se do amor que sentimos por nós mesmos e, ao mesmo tempo, o que é/ deve ser projectado para os nossos semelhantes.

Portanto, concluímos reflectindo sobre as seguintes frases, inerentes à sabedoria cósmica: “Orai e vigiai, porque o temor me sobrevém” e “Não faça força, deixe que a força cósmica faça por você”. Pois, como as palavras de um sábio: “se pretendemos ser os arquitectos e actores da nossa própria caminhada evolutiva é mister que cuidemos do nosso equilíbrio espiritual, escolhendo quando e como sintonizar com as vibrações alheias, seja numa conversa, num convívio mais íntimo, numa palestra, enfim, numa simples leitura, como é o caso que ora ocorre, pois, até o que lemos pode ser-nos motivo de enriquecimento ou de desarmonia interior, já que é vibração que nos penetra a alma”.

Aildo Carolino

Artigos relacionados

Partilhe este Artigo:

One thought on “Equilíbrio: o primeiro passo para alcançarmos a Espiritualidade

  • Avatar

    Muito obrigado estou grato ao artigo ,paz aos homens por Deus amado .

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *