Grande Loja Legal de Portugal / GLRP – Comunicação do Grão Mestre – Solstício de Verão de 2020

grao mestre gllp 67rtfghbjn
Armindo Azevedo – Grão-Mestre da GLLP / GLRP

Meus Queridos Irmãos,

Começo por enviar as minhas saudações fraternas e amigas a todos os meus queridos Irmãos. Faz hoje um ano em que estávamos reunidos, em Assembleia da Grande Loja, para comemorar o Solstício de Verão, como é tradição Universal na nossa Fraternidade.

Infelizmente, hoje como no Equinócio da Primavera, continua a não ser possível vivermos esta data em convívio fraterno, que marca um dia especial para a Maçonaria e para os Maçons.

Nos últimos meses fomos confrontados com um surto epidemiológico que alterou de forma radical as nossas vidas, e que nos trouxe privações nunca antes vivenciadas.

Nunca o planeta foi atingido de forma tão extensa e profunda por uma pandemia como a que estamos ainda atravessar, porquanto a doença chegou até aos confins lugares mais distante da Terra, incluindo ilhas e ilhotas, no mais recôndito dos oceanos.

Desde o início desta nefasta ocorrência que nós, Maçons Regulares portugueses e também de todo o mundo, nos manifestamos pela palavra, por actos e obra feita. Sempre discretos, mas assertivos no combate ao vírus e às consequências provocadas nas sociedades humanas.

Chegados aqui, com o decrescer dos efeitos negativos da pandemia, impõe-se dizer que sempre acreditamos na força e inteligência do homem para enfrentar a desdita e, claro, nunca duvidamos de que com a protecção do G∴A∴D∴U∴ a nossa tarefa seria um êxito. E é isso que está a acontecer pois, iluminados pelo Todo-Poderoso, seguimos o único caminho certo: continuar a obra do nosso Templo Interior.

Estas palavras antecedem o essencial da mensagem por ocasião do tão esperado Solstício de Verão, que comemoramos a 20 de Junho. Este ano, ainda semi-confinados, não poderemos festejar como sempre, o raiar da nossa estrela, da qual dependemos para a vida.

Mas o Solstício aí está, com o movimento aparente do Sol na esfera celeste a atingir a maior declinação em relação à linha do equador, no caso, no hemisfério norte.

E é assim que nos obrigamos a receber essa luz para enfrentar as lutas, todas as lutas que dificultam o avanço do progresso ou impedem o crescimento do conhecimento do homem.

Estes tempos de confinamento e distanciamento social, a que a pandemia nos obrigou, não nos afastaram das nossas preocupações mundanas.

E bem vemos o que se passa no mundo de hoje, em que a pandemia tanto contribui para que as misérias humanas crescessem volumosamente, criando milhões de desempregados, doentes e esfomeados.

Nunca tantos sofreram tanto em tão pouco tempo.

Se já tínhamos antes, os migrantes e refugiados, passamos a ter os sem trabalho a uma escala inaudita, com reflexos em todos os aspectos essenciais da vida, e que se resumem ao desespero das famílias para fazerem face aos seus compromissos.

É verdade que a pandemia também permitiu muita solidariedade, levou os povos a questionarem a política e a procurarem novos caminhos para o futuro, mas o mais significativo que poderá ter produzido, é a noção de que o planeta é um todo singular, que pertence a todos os que nele habitam e nele fazem um ecossistema de interdependências que obrigam a uma prolixa conectividade biológica (a vida) entre todos os seres, desde os micróbios, às florestas e aos homens. E certamente, tudo e todos, dependentes do Sol, da sua radiação, do seu calor, da sua iluminação.

Este momento deve fortalecer a solidariedade e despertar a responsabilidade individual para com o colectivo, para com a sociedade.

O Homem, soberano e árbitro de si mesmo, no seu livre arbítrio, apesar de portador de uma capacidade criativa, e de transformação do mundo, não tem sido capaz de se transformar a si mesmo.

O Homem é um ser eminentemente social. Esta circunstância impõe, a cada um de nós, um forte compromisso e respeito para com os outros e, com a nossa consciência.

Agora, mais do que nunca, teremos de aproveitar esta situação para defender o nosso planeta e criarmos a sustentabilidade de que carece para nos mantermos vivos e vivermos na beleza desta Terra, tão longinquamente colocada no espaço e num extremo do braço da Via Láctea.

E se temos a certeza de que os nossos valores e crenças, aqueles que enformam todos os Maçons, nos garantem o bom caminho e o bom augúrio, então digo-vos que se não aproveitarmos os dias longos banhados pelo nosso Sol, para fazermos o bem e lutarmos por um mundo melhor, as noites que se seguem a partir deste Solstício começam a ganhar forças crescentes até ao Equinócio do Outono e assim perderemos a luz de que tanto precisamos para procurarmos concluir as obras do nosso templo.

Hoje gostaria de honrar aqueles Irmãos corajosos que tomaram a decisão de restaurar a Regularidade no nosso país e ousaram criar a Grande Loja Regular de Portugal em 29 de Junho de 1991, com o apoio da G∴L∴N∴F∴.

Presentemente, é mais fácil entender porque um grupo de Maçons tenha decidido, aquilo que para muitos, naquele tempo, parecia uma aventura: a instalação da Regularidade em Portugal.

Este caminho foi encetado por um grupo liderado por homens, infelizmente alguns já desaparecidos, e dos quais se destaca a figura de Fernando Teixeira, primeiro Grão Mestre da Grande Loja Regular de Portugal.

A G∴L∴R∴P∴ agrupando diversas Lojas e personalidades, das mais variadas origens, profissões, idades e ideologias uniram-se pelas mesmas crenças, foi reconhecida pelas potencias maçónicas Regulares do mundo.

Assim, passou a existir em Portugal a Maçonaria Regular disposta a abrir-se a todos os Maçons que, de forma consciente, se sentissem atraídos por ela e pelos seus princípios e valores. A postura dos Maçons Regulares é diferente dos Maçons, ditos irregulares, perante as grandes questões.

Muitas obras publicadas referem-se à Maçonaria em geral, sem qualquer distinção entre a Maçonaria Regular e a irregular. A Maçonaria Regular deve continuar a lutar para evitar que lhes sejam imputados princípios e atitudes que não são os seus.

Nas Constituições de Anderson (1723), documento fundamental para a Maçonaria, os seus autores, dois pastores protestantes, Desagulliers e Anderson, referiam-se à Maçonaria: “como lugar de encontro de homens de uma certa cultura e preocupações intelectuais, interessados por uma certa fraternidade humanista, situada acima das oposições sectárias, causadoras de sofrimento, e que tinham como objectivo fundamental a criação de uma atmosfera de tolerância e de fraternidade”.

A Maçonaria Regular está intimamente ligada à Maçonaria Universal dos últimos trezentos anos, congregando pessoas de todas as ideologias democráticas, não devendo, como tal, intrometer-se na vida político-partidária, como aliás, resulta imperativamente da sua Constituição.

A Maçonaria Regular é a maior e a mais antiga fraternal ordem secular no mundo, que reúne homens de todos os países, raças, crenças e opiniões, em paz e harmonia. É uma fraternidade Universal, dedicada ao aperfeiçoamento intelectual, moral e espiritual dos seus elementos, e por essa via, à melhoria e ao progresso da Sociedade.

Pertencemos a uma Ordem iniciática que, em estrita fidelidade aos juramentos e às regras ancestrais e imutáveis, deve balizar o nosso horizonte espiritual em conformidade com os valores da Maçonaria.

Na Maçonaria Regular só é admitido aquele que declare a sua Crença em Deus, Grande Arquitecto do Universo (1º Landmark). Os Maçons prestam os juramentos mais solenes sobre os livros fundamentais das suas religiões (7º Landmark) e trabalham à Glória do Grande Arquitecto do Universo, expressão que utilizam para designar o Princípio Divino Criador, que cada um dos seus elementos conceba ou aceite, segundo a sua convicção religiosa ou espiritual.

Este princípio de tolerância religiosa vem ao encontro do movimento ecuménico, pelo que acreditamos que o espírito de desconfiança e ressentimentos, dos tempos idos, contra a Maçonaria Regular, está a ser gradualmente ultrapassado.

O 6º Landmark proíbe, formalmente: “…no seu seio, toda e qualquer discussão ou controvérsia política e religiosa.” Ou ainda, o 10º Landmark: “os Maçons cultivam nas suas Lojas o amor da Pátria, a submissão às leis e o respeito pela autoridade constituída.”

Compreender que todos somos essencialmente iguais, valorizar as diferenças inerentes à nossa individualidade, articular o que é comum com o que é diverso, em harmonia e tolerância, são características da Maçonaria. Para nós os Maçons Regulares, reconhecer a Igualdade é valorizar e aproveitar a Diferença.

E, por isto, no coração do Maçom, Igualdade e Solidariedade são meios para atingir o fim, ainda mais nobre, da União entre todos os Homens, independentemente da sua origem, da sua religião ou filiação política ou, empregando uma narrativa maçónica: “Encontrar o Equilíbrio e Reunir Tudo o que anda Disperso”.

A Maçonaria Regular aspira à melhoria da Sociedade através da melhoria dos seus membros e do exemplo por eles transmitido.

A Maçonaria Regular pretende precisamente SER e FAZER melhor do que o comum da sociedade e, assim, contribuir, pela via do aperfeiçoamento dos seus membros, para a melhoria, para o desenvolvimento e para o avanço ético da Sociedade. Esta tem de ser uma hora e um tempo de solidariedade.

Estima-se que nos próximos meses muitas empresas, em diversos sectores de actividade, deixem de laborar, que muitos milhares de pessoas possam perder os seus empregos, diminuição das condições de vida, de empobrecimento, que trará inevitavelmente problemas agravados para um Sistema Nacional de Saúde, centrado no Covid-19, e que por isso tem prestado pouca atenção a outras doenças mais graves ou às patologias cronicas.

D. José Tolentino de Mendonça, uma das vozes mais esclarecidas e inspiradoras da nossa contemporaneidade, disse (10JUN20): “desconfinar não é simplesmente voltar a ocupar o espaço, mas é poder, sim, habitá-lo plenamente”.

O cardeal português pediu ainda um “novo pacto ambiental”, citando a encíclica “Laudato Si” (Papa Francisco), que apela a uma ecologia integral, na qual os seres humanos sejam “cuidadores sensatos” do mundo em que vivem.

D. Tolentino de Mendonça, cita o Canto Sexto d’Os Lusíadas: “a tempestade não suspendeu a viagem, mas ofereceu a oportunidade para redescobrir o que significa estarmos no mesmo barco”. Neste enorme barco que é a nossa vida e numa clara alusão ao perigo que representa a desunião global.

E continua D. Tolentino de Mendonça, e cito: “a tempestade provocada pela covid-19 obriga-nos, como comunidade a reflectir sobre a situação dos idosos, que estão mais sós, mais pobres, remetidos muitas vezes para precários contextos de institucionalização”; e, por ultimo enfatizou: “A vida é um valor sem variações e por isso, mesmo uma vida mais curta não tem menos valor intrínseco que uma vida mais longa”. Que extraordinária lição de vida, de afectos e de humanismo!

Se estamos ainda no tempo do mote lançado por mim, há seis meses: Temos de Agir! Precisamos de saber “Se Agimos” e se o fizemos é porque as sementes, então lançadas estão agora a florir. E isso reconforta-nos porque os Maçons querem sempre ser os melhores – e não os maiores – mas melhores no benefício dos outros e do engrandecimento da humanidade.

Cada maçom tem a possibilidade de aperfeiçoar-se, de instruir-se, de disciplinar-se, de conviver com pessoas que, pelas suas palavras, pelas suas obras, podem constituir-se em exemplos na sociedade, e encontrar afectos fraternais em qualquer lugar que esteja, dentro ou fora do país.

Finalmente, o Maçom obtém a enorme satisfação de haver contribuído, mesmo que em pequena escala, para a obra moral e grandiosa levada a efeito pelos homens.

É por essa razão que os Maçons espalhados pela Terra são convocados a agir, isolada ou colectivamente, para minorar o sofrimento, para evitar as doenças, para promover o desenvolvimento, para matar a fome, para elevar a ciência, para defender a liberdade, para tolerar as diferenças, para combater as injustiças, e apelar aos governantes para as emergências sociais das guerras e dos conflitos.

O Futuro não vai ser fácil. Só unidos e com a Luz do Grande Arquitecto do Universo a iluminar o nosso caminho é que chegaremos lá.

Devemos estar orientados para objectivos que nos cativem, porque só assim conseguiremos, em prol do bem da humanidade, contribuir para o bem estar das pessoas. É isso que nos deve nortear. Eu estarei sempre na linha da frente de todas as “batalhas” na defesa intransigente da dignidade humana, da verdade e da justiça, no combate contra a miséria, a fome e a exclusão.

Mas sei que não estou sozinho, e que o meu olhar se perde na enorme imensidão de todos os Maçons que me acompanham, e que me fazem sentir forte e determinado para concretizar a nossa nobre missão, com bondade, denodo e amor fraternal.

“Ninguém, absolutamente ninguém, deve ficar à beira da estrada”

Armindo Azevedo – Grão-Mestre
Lisboa, 20 de Junho de 6020

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *