São João – uma pequena história

É comum ouvirmos a pergunta: Qual é o padroeiro da Maçonaria, São João Baptista, São João Evangelista ou São João da Escócia?

st john evangelist nhfr5
S. João Evangelista

Os regulamentos maçónicos determinam comemorações festivas nas datas de 24 de Junho (São João Baptista), para as Lojas Simbólicas, e, dia 27 de Dezembro (São João Evangelista), para os corpos superiores ou filosóficos.

As Lojas dos primeiros graus da Maçonaria são chamadas de “Loja de São João”, e deriva do título usado durante a Idade Média, pelas corporações de construtores, que formavam a Confraria de São João.

Assim como os chamados pagãos festejam os seus deuses, os cristãos, os seus santos, a Maçonaria tem as suas datas consagradas a São João Baptista e São João Evangelista.

A festa de São João no dia 24 de Junho é marcada por “fogos e fogueiras” que, ainda são queimadas em muitas regiões, e o folclore é rico em tradições relacionadas com esta festa, principalmente no Brasil.

São também muitos graus consagrados a São João de 24 de Junho e o de 27 de Dezembro.

Possuem razões históricas, com fundamento esotérico, Isto é, “oculto”, segundo dizem os livros maçónicos, considerados na época como hereges.

Na jurisdição de algumas potências, de vários outros países foi introduzido, em alguns rituais, o São João da Escócia. Isto veio a alterar o primordial sentido de São João na Maçonaria.

Este facto deve-se, talvez, à influência do nome dado a uma Loja de Marselha em 1751, pouco antes da revolução que passou a ser considerada Loja Mater de Marselha, após a canonização de um príncipe escocês, cavaleiro das cruzadas de Jerusalém, como São João Esmoler, conhecido como São João da Escócia.

A Maçonaria já existia mesmo antes da constituição de 1717. São João da Escócia data de 1751. O Grande Oriente da França inspirou-se na Loja Mater de Marselha, provavelmente ao inserir nos seus rituais o São João da Escócia, como seu padroeiro.

Há vários nomes de São João dado às Lojas do mundo. Citarei aqui algumas:

  • São João da Palestina, título dado a uma Loja, fundada em Paris no ano de 1780 pela Loja Mater da Escócia.
  • São João de Boston, denominação dada à Ia Grande Loja americana, no ano de 1733.
  • São João de Edimburgo, nome dado em 1736 à Grande Loja da Escócia, berço da Maçonaria moderna naquele país.

São João Baptista, filho do sacerdote Zacarias e de Isabel, prima da Virgem Maria, foi chamado de “precursor” porque preparou os caminhos de Jesus.

Ele foi chamado de Baptista, porque baptizava no Jordão.

João, o precursor, pregava a renúncia e o arrependimento. A Ordem Maçónica desempenha, ela também, num sentido, o papel de precursora e pode fazer-nos lembrar o combate espiritual que João Baptista travou contra os publicanos e a multidão.

João, o precursor, era considerado um personagem perigoso para a época, pelas suas ideias de fraternidade e de justiça.

Herodes Antipas, irritado com as suas advertências por causa da sua união com Herodíades, sua sobrinha, e a mulher do seu irmão, lançou-o na prisão de Maquerunte para, mais tarde o mandar decapitar. Reverencia-se a sua degolação no dia 29 de Agosto.

João Evangelista era filho do pescador Zebedeu e de Salomé, parente da mãe de Jesus, irmão mais novo de Tiago Maior.

Natural de Betsaida sobre o Lago de Genesaré. Exercia, na mocidade, a profissão de pescador. Foi discípulo de São João Baptista e juntou-se ao Divino Mestre, juntamente com André.

Depois da ascensão do Senhor, João permaneceu em Jerusalém até a morte de Maria, pregando o cristianismo na Judeia e na Samaria; mais tarde, depois da morte de São Paulo, vivia em Éfeso, onde formou os seus discípulos, entre eles os bispos de Pápias, Inácio de Antioquia e Policarpo de Smirna.

Sob o império de Domiciano, foi desterrado para a Ilha de Patmos, de onde regressou para Éfeso durante o governo de Nerva, vindo a falecer no tempo de Trajano, com a idade de 100 anos aproximadamente.

Diz-se ainda, que os Templários celebravam as suas festas mais importantes no dia de São João, e que a Maçonaria nada mais fez do que perpetuar um costume da ordem dos Templários.

Na realidade, nada permite supor qualquer filiação entre a ordem dos Templários e a Maçonaria.

A alma da Maçonaria é a dedicação que os irmãos oferecem uns aos outros.

O amor fraterno é a luz que ilumina a Loja, e por isto, São João passou a ser considerado o Patrono da Maçonaria, evidentemente, sem o cunho vulgar que se imprimem aos santos, em busca de protecção vinda dos céus.

A Maçonaria foi bem inspirada ao dar este nome às suas Lojas, dado os múltiplos sentidos que lhe podem ser atribuídos.

  • De onde vindes?
  • De uma Loja de São João

Ary Lima Marques

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *