Maçonaria e Artes Marciais

artes marciaisA Maçonaria e as Artes Marciais tradicionais são duas das minhas paixões e temas favoritos para praticar e estudar. À superfície, podem parecer completamente diferentes. A Maçonaria é um belo sistema de moralidade baseado em alegorias e ilustrado por símbolos, enquanto as artes marciais são um sistema de técnicas mortais de autodefesa. No entanto, é a posição deste autor que são muito semelhantes em estrutura, filosofia e metas para os seus alunos. O objectivo deste humilde texto é apresentar os seus benefícios e semelhanças aos meus companheiros maçons, com a esperança de inspirar interesse novo e contínuo, estudo e participação em ambas as disciplinas. Por favor, note que para o âmbito deste trabalho, quando é usado o termo Artes Marciais, refere-se aos estilos tradicionais de artes marciais como Taekwondo, Karate Shotokan ou Wing Chun Kung Fu.

Vamos primeiro examinar a estrutura de ambas as entidades. Historicamente, tanto a Maçonaria como as artes marciais exigiam um processo de selecção antes de permitir que as pessoas se juntassem às suas fileiras e obtivessem os seus “segredos”. O general Hong Hi Choi, fundador do Taekwondo, afirma: “É feito um exame minucioso da constituição mental e do histórico de qualquer candidato antes da sua admissão no ginásio”. Enquanto a Maçonaria ainda tem esta prática, a maioria das escolas de artes marciais modernas, especialmente na América, permitirão que qualquer pessoa com recursos financeiros se junte ao seu “Dojo” e comece a treinar. Historicamente, no entanto, esse não era o caso, pois as artes marciais eram passadas dentro de uma linhagem familiar ou clã e se alguém fora desse grupo quisesse aprender, teria de ser “comprovada”.

Ambos os sistemas também eram praticados em segredo. “O treino em karatê foi sempre conduzido com o maior sigilo em Okinawa, com ninguém ensinando ou treinando abertamente as artes como é feito hoje.” A razão deste segredo era uma questão de vida ou morte tanto para o Maçon quanto para o praticante de Artes Marciais. Durante o tempo da maçonaria operativa, o conhecimento que os maçons possuíam era o seu “negócio” e, subsequentemente, como eles alimentavam as suas famílias. Se os bisbilhoteiros pudessem obter as suas informações secretas, poderiam tirar o trabalho daqueles que estavam devidamente preparados. De uma maneira muito real, isso era uma questão de vida e morte para o Maçon e a sua família; da mesma forma, se as técnicas ou segredos do praticante de Artes Marciais fossem revelados a uma pessoa, tribo ou vila hostis, essas informações poderiam ser usadas para os derrotar em combate.

Ambas as disciplinas têm um Mestre e Grão-Mestre que colocam os membros para trabalhar e lhes dão instruções para os seus trabalhos. Ambos são uma ciência progressiva com notas ou graus e para que um aluno avance, deve mostrar proficiência adequada no conhecimento do seu nível actual. Além disso, parte desse material envolve a memorização de movimentos físicos numa determinada ordem que a Maçonaria chama de sinais devidos, e as Artes Marciais chamam de formas, kata ou poomse.

Finalmente, ambos apresentam as suas informações num formato exotérico e esotérico. Por exemplo, o público pode ver um praticante de artes marciais a demonstrar uma forma ou kata que pode ter movimentos que parecem dançar (exotéricos), mas eles são realmente técnicas de luta mortal (esotéricas). O verdadeiro significado só é ensinado aos iniciados, que é o conhecimento esotérico. Como instrutor de artes marciais, eu ainda ensino através dessa fórmula tradicional.

A Maçonaria tem como objectivo melhorar os homens bons, e seu objectivo é tornar os seus devotos mais sábios, melhores e, consequentemente, mais felizes! O nosso ritual ensina-nos que a Maçonaria está preocupada em desenvolver as qualidades internas do homem. As artes marciais também têm o mesmo objectivo como indicado na seguinte citação do Mestre Gichin Funakoshi, o fundador do Karate Shotokan e muitas vezes referido como o pai do Karate moderno.

“Aqueles que seguem o Karate-do desenvolverão coragem e força. Estas qualidades não têm a ver com acções fortes ou com o desenvolvimento de técnicas fortes como tais. A ênfase é colocada no desenvolvimento da mente e não nas técnicas. Num momento de crise grave, é preciso ter a coragem, se necessário por uma questão de justiça, de enfrentar um milhão e um adversários ”.

Além disto, o Taekwondo tem cinco princípios: Cortesia, Integridade, Perseverança, Autocontrole e Espírito Indomável, que cada aluno é incumbido de interiorizar. Estas são muito semelhantes às quatro virtudes cardeais da Maçonaria que são a Moderação, a Coragem, a Prudência e a Justiça. Eles não se correlacionam directamente, mas há uma sobreposição significativa. Por exemplo, Integridade refere-se à Justiça, como Perseverança e Espírito Indomável correspondem à Coragem e Autocontrole com Moderação. Além do desenvolvimento interno, os dois sistemas incentivam também a melhoria da comunidade.

Como maçons, aprendemos o seguinte do Volume da Lei Sagrada: “E agora permanece a Fé, a Esperança e a Caridade, mas destas três, a maior delas é a caridade”. O Grão-Mestre Hong Hi Choi no seu texto de Mestre de Taekwondo declarou o seguinte sobre o serviço comunitário: “… prestando o seu contributo para o trabalho público e para as aldeias pobres durante as suas horas de lazer, para que possam ensinar-se o espírito do serviço público e da ajuda mútua”. Tanto os maçons como os praticantes de artes marciais trabalham para subjugar as suas paixões e se melhorar em qualquer um dos sistemas respectivos, devendo também ajudar a transformar e a construir as suas comunidades. Para aqueles de nós que trabalham nas duas “arenas”, temos a dupla responsabilidade de estender o nosso cabo de reboque ao serviço dos outros. O melhor exemplo disso e da harmonia entre a Maçonaria e as Artes Marciais é o Loja Shotokan Karate, nº 9752 da Grande Loja Unida de Inglaterra (UGLE).

Em conclusão, tanto a Maçonaria como as Artes Marciais são ciências progressistas com estrutura e objectivos semelhantes para desenvolver o carácter moral dos seus devotos. À medida que o estudante cultiva os atributos internos do amor fraterno, alívio, cortesia, integridade, perseverança, justiça etc., espera-se que estes sejam estendidos ao seu próximo e à comunidade em geral. É minha esperança que depois de ler esta breve comparação, os meus irmãos que não são praticantes de artes marciais possam considerar dar o primeiro passo e começar a treinar num estilo à sua escolha. Para os meus irmãos, que viajam em ambos os caminhos, esta discussão pode aumentar seu interesse, foco e paixão para estudar e treinar mais – para se tornar o melhor Maçon e praticante de artes marciais que você possa ser!

David Pugh – Midnight Freemason Guest Contributor

Tradução de António Jorge

Referências

  • Choi, Hong HI(1965) Taekwondo The Art Of Self Defence, Los Angeles California: Masters Publication
  • Gichin Funakoshi (1973) Karate-Do Kyohan The Master Text, New York New York: Kodansha America
  • Tedeschi, Marc(2003) Taekwondo The Essential Introduction, Trumbull, CT: Weatherhill Inc
  • Holy Bible 1st Corinthians 13:13 KJV
  • http://shotokanlodge.com/
  • Yours in Brotherly Love, Relief, and Truth

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *