A morte do Papa Pio IX – o Papa que foi Maçom

Partilhe este Artigo:
Papa Pio XIX
Papa Pio IX

Nós, em casa, assistimos regularmente ao programa da RAI, (Radio e Televisão Italiana. No passado dia 1.11.2017 ao ligar a TV, o canal já estava sintonizado na RAI, e, a programação naquele momento, era sobre “Cristianitá” ou seja Religiosidade.

A apresentadora, a freira, Miryan Castelli. O assunto do dia, era sobre Seitas, que se desenvolve no período de halloween. E, como bons Cristãos, não podiam deixar de falar mal sobre a “seita” Maçónica.

Miryan Castelli recordou que, quando ocorreu a morte do Papa Pio IX em 7 de Fevereiro de 1878, sepultado, somente em 13 de Junho de 1881, os Maçons Italianos queriam atirar o seu caixão no rio Tevere. Porque será?

Bem, creio que nem todos sabem, mas “Giovanni Maria Ferretti Mastai” (1846-1878) Isto é Papa Pio IX, foi iniciado numa Loja Maçónica. Não foi o único Papa a ser iniciado na Maçonaria, mas somente Pio IX perseguiu fortemente a Maçonaria, depois de ser iniciado.

Papas que foram iniciados na Maçonaria

O primeiro foi Hildebrando que eleito Papa, assumiu o nome de Gregório VII (1073-1085)

Nicolau III (1277-1280) foi sem duvida o maior protector da Maçonaria. Assinalou o seu curto pontificado de três anos pelo acordo que firmou com Rodolfo de Habsburgo, príncipe Maçom, e auxiliou os Maçons perseguidos por Carlo de Anjou.

Benedito XIV, Lorenzo Ganganelli (1742-1758), antigo frade franciscano.

Pio IX, Giovanni Maria Ferretti Mastai (1846-1878), quando bispo de Imola, em 1839, foi iniciado na Maçonaria. Quando em 20 de Setembro de 1870, dia da unificação da Itália, voltou-se ferozmente contra a Sublime Instituição condenando, por mais de vinte vezes, e amaldiçoando mesmo, aqueles que nela ingressassem, tanto na Europa como além mar. O desespero Papal contra a Maçonaria, foi de tal maneira, que chegou a afirmar que jamais tinha sido iniciado. As bulas por ele expedidas transmitem Ódio.

Mas, para que não pairem duvidas a respeito, O “Jornal do Comércio” de Lisboa, nº 6681, de 12 de Fevereiro de 1876, publica o seguinte:

“Il Popolo”, jornal de Genova, acaba de publicar o importante documento que abaixo se transcreve referindo o Papa:

“Oriente de Nuremberga. Respeitável Loja Fidelidade Germânica, filha da Grande Loja-Mãe: Os Três Globos ao Oriente de Berlim. Possuímos nos nossos arquivos sob o nº 13715, o seguinte documento, certificado e autentificado em devida forma, escrito em Italiano e munido do grande selo da Gran Loja Luz Perpétua, ao Oriente de Napoles, Respeitável Loja Eterna Catena, Oriente de Palermo:

Nós, Mestre e Oficiais Dignitários dos três Graus Maçónicos de São João, certificamos em nome do Grande Arquitecto que dirige tudo, que à meia noite recebemos nesta Loja, com todas as formalidades prescritas pelo Ritual, e com completa obediência às prescrições da Ordem, o irmão Giovanni Maria Ferretti Mastai, natural dos Estados Pontifícios, o qual depois de ter prestado juramento em presença de Nós todos, afirmou não pertencer a nenhuma sociedade secreta, para além da nossa Loja; e pagou os direitos que correspondem ao seu Grau.

Por consequência, ordenamos a todas as Lojas Maçónicas do Universo que o reconheçam como verdadeiro e perfeito Maçom, recebido em Loja regular e perfeita, porque assim o julgamos e testemunhamos como pessoas conscienciosas e honestas. E para que este documento seja tido como verdadeiro, nele pomos as nossas assinaturas.

Em Palermo, na primeira quinta-feira, do mês de Agosto do ano profano de 1839. No 1º dia do 6º mês do ano de V:. L:. de 5839.

Assinado por:

Giovanni M. Ferretti Mastai

O Venerável da Loja – Matteo Chiavo
O Secretário da Loja – Paolo Duplissi
O Grão-Mestre da Grande Loja de Napoli – Xisto Catano.

Eu, abaixo assinado, certifico que o que fica acima é exacto, e que este documento existe nos arquivos sob o numero supra mencionado.

Guilherme Whittelsbach, Grão-Mestre da Grande Loja de Baviera (Príncipe de Baviera)”

Portanto, apesar do facto de que todas as Maçonarias Reconhecidas sejam regularmente constituídas perante as autoridades, os Grupos Maçónicos na Itália não consegue obter a mesma Liberdade que gozam em toda a Europa e noutros Continentes; sobre a Maçonaria permanece ainda desinformação, ignorância e preconceito. Sobre tudo, faz-se pesada a intolerância da Igreja Católica.

Franco Perrone

Trabalho apresentado na R:. L:. “Caminho da Luz”, nº 447 no dia 6.11.2017

Artigos relacionados

Partilhe este Artigo:

7 thoughts on “A morte do Papa Pio IX – o Papa que foi Maçom

  • Avatar

    Muito bom ler e recordar que somos maçons em todo o planeta terra, porem por falta de conhecimentos muitos profanos ainda continuam a nos contrariar, Parabens aos estudiosos e defensores da Sublime Ordem. Vamos em frente

    Resposta
  • Avatar

    Boa Tarde meu querido Ir.: António Jorge,
    Quero Te agradecer por ter inserido meu nome, mas sobretudo por ter feito as correções no testo, quero que saiba; eu escrevo alla italo sud americana. Antonio Jorge, Te desejo ottimas festas e um afetuoso T.f.a. Franco

    Resposta
  • Avatar

    Caro Ir. Antonio Jorge, esse trabalho foi escrito por mim. Franco Perrone

    Resposta
    • Avatar

      MQI Franco Perrone. Muito Obrigado. Quando me foi enviado, não tinhe identificação. Vou já alterar. TAF. ANtónio Jorge

      Resposta
    • Avatar

      Muito proveitoso esse relato sobre a costumeira perseguição que a Igreja Católica sempre cumpriu a risca sua intolerância a todas as Sociedades que não leram na sua cartilha. Um Tfa.

      Resposta
  • Avatar

    Parabéns pelo trabalho de pesquisa! Textos que nos trazem informações importantes.

    Resposta
  • Avatar

    Acho o documento de relativa importância. Gosto de ler documentos antigos com interesse para melhor conhecer o passado .

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *