O 1º dia como Venerável Mestre

rlmad medalha 5er878

Caros Leitores

Ser Venerável Mestre de uma loja constitui, em si, um motivo de orgulho, já que significa que os restantes Irmãos da Loja nos aceitam e nos confiam a orientação da Loja, durante um Veneralato; ser Venerável da Respeitável Loja Mestre Affonso Domingues é, no meu entender, mais do que isso. Vejamos:

  • A RLMAD é uma das mais antigas Lojas que integram a GLLP / GLRP.
  • A RLMAD é uma das Lojas mais activas, tendo sido pioneira em muitos aspectos, dos quais a presença activa na Internet constitui um excelente exemplo.
  • A RLMAD é uma Loja de referência, dado o rigor e dedicação com que se envolve em tudo. Como exemplo deste facto, pode-se destacar um determinado período da sua vida em que era a única Loja a fazer iniciações.
  • Na RLMAD, discutem-se forte e veementemente todos os assuntos, sendo que essas discussões são sempre balizadas pelo forte sentimento de tolerância e amizade que une os Irmãos.

Face ao acima exposto, creio que fica claro que assumir o Veneralato nesta Loja, traz consigo um forte “receio de não estar à altura”, mas também um desejo enorme de que, no final, os Irmãos considerem ter valido a pena. Sinto-me simultaneamente um bafejado pela sorte e alguém a quem foi confiada uma tarefa na qual falhar não é uma opção.

Acresce que existe sempre uma tendência para fazer comparações e o anterior Venerável foi extraordinário na forma como conduziu os trabalhos da Loja; se não fosse o receio de com isso poder ser injusto com outros Veneráveis, arriscaria a dizer que considero este, um dos melhores Veneralatos da história da Loja. Fica aqui a minha homenagem ao Irmão Rui Clemente Lelé, pelo excelente trabalho que desenvolveu, bem como um sentimento de tranquilidade, por poder contar com ele como meu conselheiro.

Como é que se resolve o problema da comparação??? trabalhando muito todos os dias, buscando levar a Loja ainda mais alto, usando como alicerces, tudo o que os anteriores Veneráveis “plantaram”. Para todos eles, o meu Muito Obrigado e para mim, Mãos à obra

António Jorge

Publicado no Blog “A partir pedra” em 28 de Outubro de 2010

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *