Profanos vs. maçons: uma viagem por dois mundos

símbolos maçónicos

Envolvendo mística, mistério e incertezas, a Maçonaria é uma das instituições mais pesquisadas e especuladas por todo o mundo. Uma vasta produção de sites, blogs, livros, artigos e tópicos em fóruns de discussão proporcionam opiniões divergentes acerca do que verdadeiramente é tal ordem. Mas, o que alguns profanos relatam acerca da maçonaria? Qual o posicionamento dos maçons acerca das especulações do mundo profano? E o que é a maçonaria, definida pelos Ir∴? Estas são questões norteadoras do debate neste trabalho, intitulado “Profanos e maçons: uma viagem por dois mundos”.

Diversas opiniões são emitidas sobre a maçonaria no mundo profano. Da parte de quem tenta difamar a ordem maçónica, a associação mais comum existente é que os maçons possuem um pacto com o diabo e que “a maçonaria é coisa do diabo”. No site intellectus, mantido pelo codinome Dr. Leadnet, há um artigo intitulado “Maçonaria, o braço direito do diabo”. Neste, a maçonaria é tratada como o verdadeiro “império do satanás” no mundo e, quem se envolve com a mesma, adquire prejuízos de cunho espiritual. Com interpretações meramente subjectivas e exageradas, o Dr. Leadnet ousa das mais variadas formas associar à maçonaria com todo o mal existente no mundo, por intermédio de passagens bíblicas e comparações simbólicas com figuras. Já no site “A Espada do Espírito”, o autor (não identificado), também relaciona a ordem maçónica aos trabalhos de lúcifer, diabo ou satanás. Noutro artigo, intitula a mesma como uma religião.

Ainda tratando a maçonaria sob a óptica do mundo profano, os admiradores da ordem concentram-se basicamente em dois tópicos de discussão: como ser Maçon e os augustos mistérios na iniciação do candidato. Na página “Cultura Brasileira”, de Lázaro Chaves, há uma espécie de “guia” de como se tornar Maçon. Neste, alguns procedimentos são indicados, como por exemplo, se tornar amigo de um Maçon da sua cidade e, durante as conversas com o mesmo, demonstrar interesse pelo assunto. No site de vídeos youtube, pequenos detalhes são “revelados” do processo de iniciação dos candidatos. Acerca da literatura maçónica existente no mundo profano, destacamos dois livretos, um resumo de textos da internet e de livros editados por maçons: “Maçonaria: os mistérios desta sociedade serão revelados”, de Sérgio Pereira Couto; “O que você precisa saber sobre a maçonaria”, do M∴ M∴ Elias Mansur Neto. Nos dois livros aqui citados, um panorama da ordem é dado ao leitor, tratando a maçonaria nos seus aspectos verdadeiros.

Na “Cartilha do Aprendiz”, do renomado Ir∴ José Castellani há uma abordagem geral sobre o grau. Além disto, várias questões de interesse do recém admitido na ordem maçónica são elucidadas, facilitando muito a compreensão dos símbolos existentes no templo. Para tratar as especulações do mundo profano, dividimos este assunto em duas vertentes: a defesa da maçonaria e o cuidado com os falsos maçons. Creio que nós, A∴ M∴ ou M∴ de qualquer grau ou rito, possuímos o dever de defender a maçonaria em toda e qualquer situação, considerando as importantes realizações da ordem e de M∴ para toda a humanidade. Como aponta Castellani, há apenas um modo de reconhecimento sem que se recorra a sinais, toques e palavras: a pergunta S∴ M∴? Se ainda assim dúvidas quanto ao interlocutor permaneçam, um exame detalhado do mesmo pode ser solicitado, questionando, por exemplo, qual loja e potência o suposto farsante pertence. Caso a resposta não corresponda às principais potências em actividade no país, o interlocutor provavelmente não deve ser M∴

Diante deste panorama, opondo as visões dos profanos e dos Ir∴, a maçonaria é uma instituição filosófica, filantrópica e progressista. Filosófica por tratar de assuntos nas cerimónias e reuniões com essência, propriedades e efeitos das causas naturais. Filantrópica por não visar o lucro, mas actuar na busca incessante do bem-estar humano. E progressista, considerando o postulado da imortalidade e não se apegando aos dogmas, superstições ou prevenções. Com os princípios firmados sob a égide da liberdade, igualdade e fraternidade, a maçonaria é responsável por inúmeras conquistas em prol da humanidade.

Por estas questões abordadas, a maçonaria (como exposto) é fruto de grande especulação e curiosidade. Instituição discreta – e não secreta como muitos dizem, deve-se aos Ir∴ em toda e qualquer circunstância defender os ideais, princípios e trabalhos da maçonaria, demonstrando ao interlocutor as grandiosas acções realizadas pela mesma. Aos profanos que emergem acusações falsas à nossa ordem (provavelmente por má fé ou desconhecimento das causas maçónicas), resta-nos apenas instruir das múltiplas visões proporcionadas pelo prisma maçónico, além de apontar sempre para a verdade. Aos Ir∴, que o G∴ A∴ D∴ U∴ possa iluminar os pensamentos e acções dos mesmos, na conduta correcta da investigação da verdade, da liberdade e dos bons costumes, sustentáculos dos maçons.

Tiago Valenciano

Bibliografia

  • CASTELLANI, José. Cartilha do Aprendiz. 1ª edição. Londrina: A Trolha, 1992.
  • COUTO, Sérgio Pereira. Maçonaria. Os mistérios desta sociedade secreta são revelados. São Paulo: Editora Universo dos Livros, 2005.
  • MANSUR NETO, Elias. O que você precisa saber sobre a maçonaria. São Paulo: Editora Universo dos Livros, 2006.
  • Site Intelectus – http://intellectus-site.com/site2/artigos/maconaria-braco-direito-do-diabo.htm

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *