Ser um Homem, Nascido Livre

free man ki76rte4wes

No grau de Aprendiz , uma das coisas que mais me chamou à atenção foi a seguinte pergunta e resposta depois de você, como candidato, bater pela primeira vez na porta da sala para declarar o seu desejo de se tornar um Maçom. É uma pergunta feita ao Diácono Júnior pelo Diácono Sénior. A questão é: “Com que direitos e benefícios espera ele ser admitido?” A resposta é: “Sendo homem, nascido livre, de boa reputação e bem recomendado“. Depois de o candidato entrar no Templo da Loja, a mesma pergunta é feita pelos 1º e 2º Vigilantes e pelo Venerável Mestre ao Diácono Sénior. Para ser correcto, o Mestre Venerável pergunta duas vezes ao Diácono Sénior. Ele responde uma vez no altar quando relata a causa do alarme na porta do Templo e outra quando o candidato está a ser examinado pelo Venerável Mestre, antes de ser reconduzido para o Ocidente, onde o 1º Vigilante lhe ensina a se aproximar do Oriente por um passo regular e erecto.

A principal razão que me chamou à atenção foi o termo “nascido livre”. Há uma resposta bastante simples para o porquê de ainda ser usado no nosso ritual. Para citar a explicação que Chris Hodapp dá sobre o termo no seu livro Maçonaria para Leigos (Freemasonry for Dummies):

“O termo“ nascido livre” vem dos dias em que escravidão, servidão contratada e vínculo eram comuns. Significa que um homem deve ser o seu próprio Mestre e não estar ligado a outro homem. Actualmente, isto não é um problema, mas a linguagem é mantida por causa da sua antiguidade e do desejo de manter a herança da Fraternidade”.

Contudo, ao ler “Uma Palestra sobre Vários Rituais da Maçonaria”, do Rev. George Oliver D. D., enquanto ele explica as Palestras Prestonianas para Aprendizes, encontrei outra explicação interessante.

A terceira parte da Palestra de Aprendiz Prestoriano, apresentada por Oliver, é a seguinte:

P: Que tipo de homem deve ser um Maçom livre e aceite?

R: Um homem livre, nascido de uma mulher livre, irmão de reis e companheiro de príncipes, se Maçons.

P: Porquê livre?

R: Para que os hábitos cruéis da escravidão não contaminem os verdadeiros princípios nos quais a Maçonaria se baseia.

P: Uma segunda razão…

R: Porque os Maçons que foram escolhidos para construir o templo do rei Salomão foram declarados livres e isentos de todas as imposições, deveres e impostos. Depois, quando este templo foi destruído por Nabucodonosor, a boa vontade de Ciro deu-lhes permissão para erigir um segundo templo, e ele colocou-os em liberdade para esse fim. É a partir desta época que ostentamos o nome de Maçons Livres e Aceites.

P: Porquê irmão de reis e companheiro de príncipes?

R: A um rei na Loja é lembrado de que, embora uma coroa possa adornar a sua cabeça e um ceptro a sua mão, o sangue nas suas veias é derivado do pai comum da humanidade, e não é melhor do que o do sujeito mais malvado. O estadista, o senador e o artista são lá ensinados que, tal com os outros, eles são, por natureza, expostos a enfermidades e doenças; e que um infortúnio imprevisto, ou uma estrutura desordenada, pode prejudicar as suas faculdades e nivelá-las com as mais ignorantes da sua espécie. Isto é motivo de orgulho e incita cortesia ao comportamento. Homens de talentos inferiores, que não são colocados por fortuna em tais posições exaltadas, são instruídos na Loja a considerar os seus superiores com estima peculiar; quando os descobrem voluntariamente despojados das armadilhas da grandeza externa e condescendentes, no emblema da inocência e do vínculo de amizade, para rastrear a sabedoria e seguir a virtude, auxiliada por aqueles que estão abaixo deles. A virtude é a verdadeira nobreza, e a sabedoria é o canal pelo qual a virtude é dirigida e transmitida; Sabedoria e virtude apenas marcam a distinção entre os Maçons.

P: De onde surgiu a frase – nascido de uma mulher livre?

R: Na grande festa que Abraão deu ao seu filho Isaac. Posteriormente, quando Sara, esposa de Abraão, viu Ismael, filho de Hagar, a escrava egípcia, provocando e perturbando o seu filho, ela protestou a Abraão, dizendo: Afasta essa escrava e o seu filho, pois eles não podem herdar como os nascidos livres. Ela falou como sendo dotada de inspiração divina; sabendo que, se os rapazes fossem criados juntos, Isaac poderia absorver alguns dos princípios escravos de Ismael; sendo universalmente reconhecido que as mentes dos escravos estão muito mais contaminadas do que as dos nascidos livres.

P: Porquê essas igualdades entre os Maçons?

R: Todos somos iguais pela nossa criação, mas muito mais pela força da nossa obrigação”.

Algumas coisas acima se destacaram para mim. A primeira é que um homem deve ser livre para que “os hábitos cruéis da escravidão não contaminem os verdadeiros princípios sobre os quais a Maçonaria se baseia“. Para tentar entender isto, fui ver as definições de vicioso e de hábitos. Uma das definições de cruel é: “Ter a natureza do vício; mal, imoral ou depravado“. Uma das definições de hábito é: “Uma disposição estabelecida da mente ou do carácter“. Isto parece apontar para uma crença na época de que os escravos seriam de carácter imoral.

Esta crença parece estar apoiada na resposta à pergunta que pergunta a origem do termo mulher livre.

Ela falou como sendo dotada de inspiração divina; sabendo que, se os rapazes fossem criados juntos, Isaac poderia absorver alguns dos princípios escravos de Ismael; sendo universalmente reconhecido que as mentes dos escravos estão muito mais contaminadas do que as dos nascidos livres”.

Por que seria universalmente reconhecido que as mentes dos escravos estão muito mais contaminadas do que as dos nascidos livres? Eu acho que é impossível responder a isto, pois não sou daquele tempo. Devo suspeitar que a resposta que Chris Hodapp deu acima, que é a ideia de que um escravo não seria capaz de ser o seu próprio Mestre, provavelmente é a resposta mais próxima que poderíamos esperar encontrar. Também vale a pena mencionar que isto também pode ser um remanescente da arte especulativa proveniente da arte operativa. Na época, os pedreiros operativos não estariam dispostos a partilhar os segredos de seu ofício com alguém que não os pudesse proteger. Um escravo, ou servo contratado poderia ser obrigado pelo Mestre a lhe contar esses segredos. Portanto, pelas mesmas razões, Maçons especulativos não gostariam que alguém que não pudesse proteger os segredos fosse membro.

Olhando para a última pergunta: “Porquê essas igualdades entre os Maçons?” A resposta que é dada é: “Somos todos iguais pela nossa criação, mas muito mais pela força da nossa obrigação“. Esta resposta é uma homenagem emocionante à ideia essencial da nossa irmandade de que somos irmãos devido à nossa obrigação. No entanto, também demonstra por que a ideia de alguém não ter nascido livre seria prejudicial para a Ordem. Isto fica mais claro na quarta parte das palestras de Preston com esta pergunta e resposta:

P: Como não trouxe outras recomendações, o que veio aqui fazer?

R: Não pela minha própria vontade e prazer, mas para aprender a governar e governar minhas paixões, ser obediente à vontade do Mestre de manter uma língua de boa reputação, praticar sigilo e fazer mais progressos no estudo da Maçonaria.

Oliver menciona que “Esta cláusula foi introduzida para ilustrar a subordinação necessária para garantir a observância da disciplina estrita na Loja“. Como Mateus 6:24 diz: “Ninguém pode servir a dois senhores. Ou você vai odiar um e amar o outro, ou será dedicado a um e desprezará o outro”. Portanto, seria impossível ser obediente ao Mestre da Loja, assim como ao Mestre que o possuía. Para evitar a potencial na desarmonia Loja, seria essencial que apenas homens nascidos livres pudessem participar.

Independentemente das razões originais, felizmente vivemos numa época em que isto já não é uma preocupação. No entanto, para os nossos irmãos que viveram numa época em que estas coisas abomináveis ainda eram praticadas, era uma preocupação. Penso que parte da razão pela qual permaneceu no nosso ritual é como um lembrete de que não devemos entrar na Maçonaria devido a quaisquer motivos mercenários. Perguntam-nos várias vezes ao longo dos nossos graus se a nossa razão para buscar o avanço maçónico é de livre e espontânea vontade. Se não fosse, então você não seria livre, mesmo que nascesse livre. Você estaria a entra por outras razões, para além das da sua própria vontade. Isto é o que nossos irmãos da época de Preston e antes tentavam evitar afastando da Fraternidade aqueles que não nasceram livres.

Darin A. Lahners

Tradução de António Jorge

Fonte

  • Midnight Freemasons

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *