Da teoria à prática: o que fazer, como Maçons?

square compass bronze hh654er

Existe uma história que é atribuída a Gandhi que passo a relatar e servirá de base para este trabalho.

“Certa vez, uma mãe muito preocupada com o seu filho, veio de uma aldeia muito distante para pedir a Gandhi que falasse para o filho dela parar de comer tantos doces, pois ele comia demasiados. Gandhi então olhou para ela e respondeu: “Volte daqui a duas semanas“. Passado este tempo, a mãe trouxe o seu filho novamente e então, dessa vez, Gandhi olhou para ele e disse: “Você deve parar de comer doces, isso fará muito mal à sua saúde“. Então a mãe do menino perguntou: “Porque é que o senhor nos pediu para esperar este tempo todo para aconselhar o meu filho? Nós moramos numa aldeia muito longe daqui e a viagem é muito cansativa, porque o senhor não disse isto ao meu filho há duas semanas atrás quando estivemos aqui pela primeira vez?” Mahatma Gandhi então respondeu: “Porque há duas semanas atrás eu também ainda comia muitos doces “.”

Na Maçonaria alguns princípios regem a nossa conduta: Liberdade, Igualdade e Fraternidade, combate a ignorância, ao preconceito e aos erros; segundo o ritual do Aprendiz Maçom a Maçonaria nasceu para forjar líderes.

Líder (segundo Carl Rogers – psicólogo comportamental, especializado em psicologia organizacional), é aquele que inspira e conduz pelo exemplo, aqui abro aspas para questionar:

  • O que estamos a fazer para liderar?
  • Onde estamos a aplicar o que aprendemos em Loja?
  • Que exemplo estamos a passar para a sociedade moderna, tão carente de ídolos e heróis?

Não que seja minha pretensão elevarmo-nos ao patamar de heróis, mas a degradação chegou a tal ponto que a falta de figuras que sirvam de vectores para a sociedade facilita a aparição de pessoas que vêem preencher esta lacuna com um discurso fantasioso, que usam de uma máxima de Sun Tsu, dividir para conquistar, e, para se manter no poder, instilam o ódio entre classes, promovendo a fragmentação da mais antiga e solida instituição social que é a família.

No velho mundo, como uma forma de transmitir o conhecimento, foram criados mitos e os personagens destes mitos eram Deuses, Deuses Nórdicos, Deuses Egípcios, Celtas, Gregos, Romanos. Todos estes seres, devidos às suas capacidades extraordinárias, eram referências para o povo, a mitologia sempre teve um papel educacional importante na formação do carácter, assim como as alegorias e o simbolismo esta para a maçonaria, seja dando exemplos para o crescimento de uma sociedade, seja punindo quem não respeitasse os valores ditados por estes Deuses, heróis e ídolos também tiveram um papel importantíssimo na formação do carácter de um povo.

Por exemplo na mitologia grega, a alma dos mortos, vai para um mundo subterrâneo, governado por Hades, nos seus domínios, todos são julgados por três juízes – , os que tiveram uma vida correcta são premiados e seguem para uma região Campos Elísios, um paraíso, já os que aprontaram na vida terrena, vão para o Tártaro, um poço profundo, escuro, sem fundo e húmido.

Todos reclamam, mas destes, poucos, procuram meios e modos para mudar o ambiente em que inseridos, para fazer frente a essa horda, nós Mestres Maçons, homens livres e de bons costumes, mais do que nunca temos que levantar templos à virtude, e isso, só será possível se passarmos de maçons da teoria, para maçons na prática – peço, por favor que não interpretem isto como uma crítica e sim como um pedido em nome de quem não tem voz, nem conhecimento, tampouco discernimento para bradar por justiça numa sociedade fragmentada de valores morais.

Chegou a hora de nós obreiros da Arte Real, inspirados nos nossos ancestrais, honrar as suas memorias; assim como Gandhi, devemos levar para a sociedade o que praticamos em Loja, que é o combate ao despotismo, à ignorância, aos preconceitos e aos privilégios e regalias. A nossa filosofia é linda, a nossa aplicabilidade, face às dificuldades criadas pelo sistema dominante e impedimentos legais, é ainda pequena perto da capacidade que temos de liderança e mobilização.

A educação de uma sociedade só será completa se esta for politizada, e ser politizada significa ter ciência e consciência do seu papel no meio em que vive. Em Loja é-nos proibido discutir política, porém, nada impede que nós Irmãos possamos alinhar as nossas visões e participarmos da vida pública apoiando candidatos, comprometidos com o bem estar social, sabatinar pretensos candidatos para conhecer as suas ambições políticas, lançarmos candidatos que tenham visão congruentes com a nossa filosofia, apoiarmos acções concretas que derrubem estigmas de que somos uma sociedade secreta com ideais satânicos de autoprotecção, bem como outros mitos gerados pelo obscurantismo e pela ignorância.

Abraham Lincoln, disse: O campo da derrota, não está povoado de fracassos, mas de heróis que tombaram antes de vencer.

Já Albert Einsten disse:O mundo é um lugar perigoso de se viver, não por causa daqueles que fazem o mal, mas sim por causa daqueles que observam e deixam o mal acontecer.

Diante destas duas verdades, fica uma reflexão, onde estamos? Como é que nos estamos a preparar para enfrentar o momento político e social que vivemos? Nós, pela capilaridade que temos na sociedade, temos o poder de influenciar muitas pessoas, temos a capacidade de formar homens melhores junto aos que connosco trabalham, junto à nossa família, junto ao nosso círculo de amigos. Devemos liderar pelo exemplo e não pela batuta. Para parametrizarmos as nossas atitudes e antes de as tomarmos, devemos colocar uma questão: isto é justo? Eu vou ter orgulho e coragem de contar aos meus filhos o que estou prestes a fazer?

Ficou bem visível ao longo deste trabalho que tenho muitas aspirações para a nossa irmandade e duvidas maiores ainda, não a respeito da Maçonaria e sim da minha capacidade de honrar e corresponder à grandeza desta instituição, porém tenho fé no GADU, que ao longo da minha caminhada terei muitas respostas e inúmeras dúvidas irão advir destas respostas. Enfim, esta é a essência do conhecimento, saber que quanto mais sei, mais sei, que nada sei. Este inclusive foi um dos motivadores para  aminha admissão.

Como se trata de um tema em que, no meu entender, deve prevalecer a visão do Maçom, e, como cada visão é peculiar, de como nós devemos agir e comportar para fazer face ao momento, busquei na minha experiência de vida e na minha visão de mundo ideal, sempre usando os meus valores, para produzir esta prancha de arquitectura.

Segundo Henry Ford “se você acha que pode ou não pode fazer alguma coisa, você tem sempre razão”. Finalizando, questiono: Daqui a cinco anos, se você olhar para traz, qual será o seu sentimento? Terá a certeza de que fez todo o possível? Ou terá um peso nos ombros por não ter feito o que poderia, para mudar a nossa realidade, o nosso mundo?

Adaptado de texto escrito por Francisco Esoron

Artigos relacionados

2 thoughts on “Da teoria à prática: o que fazer, como Maçons?

  • Avatar

    Bom dia Caríssimo Irmãos.
    Realmente estamos passando por esse tempo: Parábola do Joio e do Trigo. Parábola do Semeador e a Parábola do Grão de Mostarda. Momentos de REFLEXÃO, OBSERVAÇÃO E PRUDENCIA. Após nossas conclusões vamos semear, colher e posterior separar. A Todos um TFA.
    Sergio Pires MM.

    Reply
  • Avatar

    Boa noite
    Sou adminirador da maçonaria e gostaria que meu e mail fosse incorporado a e mailing list
    Obrigado pela atenção dispensada
    Att.
    Juvenil

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *