Lewis – a promessa Maçónica

lewis yt65rgh

O Lewis é uma ferramenta operacional para levantar grandes pesos, um símbolo maçónico ou ainda o nome dado ao jovem que é adoptado por uma loja. Iremos analisar todos estes aspectos deste símbolo que aparece nos painéis e que é pouco entendido.

Ferramenta de trabalho

As origens do Lewis como instrumento usado na maçonaria operativa estão perdidas para a história. Sabe-se que os romanos o usaram. Provavelmente a sua origem remonta ainda mais longe. Nos tempos modernos, diferentes tipos de ferramentas ainda são referidas como Lewis, embora a forma como elas sejam diferentes das formas mais antigas. A origem do nome Lewis também se perdeu na história. Há quem acredite que Lewis era realmente um nome próprio, talvez o inventor da ferramenta. Outros acreditam que pode vir do latim leva para levantar, como também levantado por levavi e levatum.

O Lewis é um instrumento da maçonaria operativa constituído de um ferro de grampo que é inserido numa cavidade preparada para esse fim em qualquer pedra grande, de modo a prender uma polia e um gancho, de modo que a pedra possa ser convenientemente elevada a qualquer altura e depositada na sua posição adequada. O artefacto já era conhecido dos romanos, e vários deles encontrados em  antigas ruínas estão agora no Vaticano.

Provavelmente, a palavra deriva do francês antigo levis, significando  qualquer ferramenta de elevação. Os franceses modernos o chamavam de o instrumento de louvor.

No sistema inglês de maçonaria, o Lewis é encontrado no painel simbólico do aprendiz, como no de John Harris, onde é usado como um símbolo de força, porque, com a sua assistência, o Maçom operativo era capaz de levantar as pedras mais pesadas com pouca força física aplicada.

Há evidências de que o dispositivo foi empregue para colocar em prática algumas das pedras mais maciças da Muralha de Adriano ou da Muralha Romana (120 DC), para o que parece ter sido feito um buraco de Lewis que ainda pode ser visto em partes construídas pelo imperador romano Severus, que reparou o muro em 120 DC.

O Lewis do Maçom é um grampo, para o qual um encaixe de formato especial precisa ser cortado na face superior dos blocos de pedra a serem levantados. Dois lados opostos ou extremidades são rebaixados. Duas peças de aço cónico em forma de cunha são inseridas no corte e entre elas é inserido um espaçador de aço paralelo, que espalha as cunhas nas partes rebaixadas. Um pino de manilha, ou parafuso, é passado através das extensões superiores dos três e fornece uma retenção para a corrente de elevação. (A ilustração acima mostra como o dispositivo funciona.)

O objectivo preciso da Lewis é permitir que a corrente de elevação do tripé, torre ou guindaste, levante a pedra e a abaixe na sua posição final exacta na estrutura, o que não seria possível se correntes ou cordas passassem por baixo do pedra.

Quando a pedra está na sua posição exacta, a chave de metal e o parafuso da manilha são removidos, permitindo que a peça espaçadora seja retirada e depois as duas cunhas.

Assim, o Lewis não apenas fornece ao Maçom um método conveniente de prender as correntes de elevação à pedra, mas também a capacidade de levantar as pedras mais pesadas com o mínimo de esforço físico.

A primeira vez que um Maçom especulativo aprende sobre o Lewis é geralmente quando ainda aprendiz, recebe a palestra sobre o Painel do Grau e lhe dizem que o Lewis denota força e significa o filho de um Maçom. O uso da palavra na maçonaria especulativa parece ter surgido como resultado da antiga amizade entre a França e a Escócia, que passou a ser conhecida como “Aliança Auld”, desde 1295.

Nas Constituições de Anderson 1738, o termo aparece no trecho:

“Mais uma vez, deixe-o passar para o NOME REAL,
Cuja admissão gloriosa coroou toda a nossa fama:
Que nasça um LEWIS, a quem o mundo admira,
Sereno como a sua mãe, augusto como o seu SENHOR”.

Os historiadores maçónicos concluem que o termo entrou em uso no século XVIII. A Palestra no Segundo Grau, publicada por William Preston na década de 1780, contém um longo discurso sobre Lewis.

A visão mais geralmente aceita é que o Lewis é derivado do francês “louve”, que significa “ele o lobo”. A palavra “louvateau” refere-se a toda a assembleia de Lewis. Também é geralmente aceito que o “louve teau”, que significa “filhote de lobo”, ou “pequeno filhote”, refere-se às duas partes laterais em forma de cunha da montagem Lewis. A palavra “louve teau” foi usada, na França, na década de 1740, para descrever o filho de um Maçom, da mesma forma que “Lewis” foi usado, na Inglaterra, por volta do ano de 1738, para designar o filho não iniciado de um Maçom.

Deve-se notar que, nos mistérios egípcios de Ísis, o candidato foi obrigado a usar a máscara da cabeça de um lobo, portanto, nestes mistérios, um lobo e um candidato eram sinónimos. Este rito osiriano surgiu da lenda de que Osíris assumiu a forma de um lobo durante uma disputa com o seu irmão e matador final, Typhon. Na mitologia grega, segundo Mackey, o lobo foi consagrado a Apolo por causa da semelhança entre “luke”, que significa “luz” e “lukos”, que significa “lobo”.

Filho do Maçom

O filho de um Maçom é chamado Lewis na Inglaterra e Lowton noutros países, porque ele constitui a força do futuro da maçonaria seguindo os passos do seu pai. Nos rituais de meados do século passado, ele foi chamado de Louffton. A partir daí, os franceses derivaram a sua palavra para Louveteau e chamam a filha de um Maçom de Louvetine.

Louveteau provavelmente é derivado directamente de louve, o nome francês do implemento de ancoragem das pedras. Num diálogo de Preston encontramos:

Pergunta: Como chamamos o filho de um Maçom?

Resposta: Lewis.

Pergunta: O que é que isso significa?

Resposta: Força.

Pergunta: Como um Lewis é representado na Loja de um Maçom?

Resposta: Como uma peça de metal, pela qual, quando fixados numa pedra, grandes e pesadas ​​pedras são elevadas a uma certa altura e fixados nas suas bases apropriadas, sem as quais os Maçons Operativos não o poderiam fazer tão convenientemente.

Pergunta: Qual é o dever de um Lewis, filho de um Maçom, para com os seus pais idosos?

Resposta: Suportar o fardo pesado no calor do dia e ajudá-los em momentos de necessidade, dos quais, devido à sua grande idade, devem ser dispensados dos deveres, de modo a tornar o final dos seus dias feliz e confortável.

Pergunta: Qual é o seu privilégio por fazer isso?

Resposta: Tornar-se Maçom antes de qualquer outra pessoa, por mais digna que seja por nascimento, posição social ou riqueza, a menos que, por meio da sua decisão, renuncie a esse privilégio.

Claramente, os Lewis podem ser considerados um símbolo apropriado da FORÇA – um símbolo duplo, na medida em que tal nome foi dado ao filho de um Maçom, sendo seu dever suportar o fardo e o calor do dia para que os seus pais idosos possam descansar na velhice, tornando assim o ‘crepúsculo’ das suas vidas pacífico e feliz.

Tal  simbolismo duplo é mencionado em alguns catecismos antigos, mas o ritual normal da maçonaria não se refere a ele, embora o dispositivo tenha um lugar especial na Maçonaria.

Na Maçonaria especulativa, Lewis é filho de um Maçom que se junta à fraternidade. Como analogia, geralmente entende-se que o pai levantou (levatum) o filho para que ele ocupasse o seu lugar como parte da estrutura da Maçonaria, tomando o seu lugar.

Curiosamente, nas descrições de como os maçons operativos antigos colocaram os objectos no lugar, diz-se que eram usadas cintas adicionais para evitar uma colisão no andaime, causando a queda da pedra antes de ser colocada. Estendendo a analogia de Lewis em relação aos maçons especulativos, as tiras poderiam ser vistas como outros membros da loja que ajudam no levantamento da nova pedra.

Algumas jurisdições maçónicas fornecem jóias de Lewis para os seus membros. Os requisitos variam de jurisdição para jurisdição quanto ao que torna um indivíduo elegível para receber uma jóia de Lewis. É quase sempre que pai e filho sejam maçons. Pode haver várias graduações numa jóia de Lewis, uma linhagem de membros da família que remontam a várias gerações de maçons.

A jóia de Lewis está em uso na Inglaterra e noutras jurisdições da Grande Loja Unida da Inglaterra há muitas décadas para homenagear o pai de um novo Maçom. A jóia também foi adoptada nas jurisdições de Vermont, Texas, Massachusetts, Virgínia, Connecticut e outras nos Estados Unidos e é oferecida em todo o Canadá.

A Grande Loja do Canadá na província de Ontário autorizou o uso de uma jóia de Lewis. A jóia de Lewis consiste em duas barras conectadas por correntes. A barra superior contém o nome do pai e a data da sua iniciação. A barra inferior, o nome do filho e a data da sua iniciação.

O Lewis maçónico

Não há dúvida de que o Lewis e particularmente o desenvolvimento posterior do Lewis sendo incorporado no arranjo do tripé, com o Ashlar Perfeito, foram de particular importância para os “Modernos”. Para os “Antigos”, não passava de outra inovação “Moderna” e, portanto, digna de desprezo. Os “modernos” tinham uma mente diferente. Eles incluíam o Lewis, de uma forma ou de outra, no frontispício de várias edições do seu Livro das Constituições. A união dos “Antigos” e dos “Modernos” provocou a formação da Grande Loja Unida da Inglaterra em 1813. Pouco antes da unificação, o maior oponente dos “Modernos”, Laurence Dermott, morreu e ficou claro que um dos pontos conquistados por eles foram a retenção da montagem de Lewis e tripé. Isto é comprovado pelo facto de ainda estar em uso hoje.

Baptismo Maçónico e Adopção

A adopção de um “louve teau” criou uma obrigação para todos os membros da Loja. Eles tiveram que cuidar da sua educação e, quando isso foi concluído, fornecer a ele, se necessário, os meios para estabelecê-lo nos negócios da Maçonaria. Um documento emitido pela Loja dava testemunho da adopção. Quando o “louve teau” (ou Lewis) atingia a idade necessária para se tornar um Maçom, era necessário apenas, na apresentação da Carta de Adopção”, que ele cumprisse a Obrigação. A posse deste documento dava ao titular o direito de pertencer a qualquer loja da sua escolha, sem as referências ou investigações habituais. O seu carácter foi dado como garantido como estando acima da censura. Infelizmente, essa suposição absurda causou, às vezes, um constrangimento agudo às Lojas em questão. Vários desses maçons adoptivos tornaram-se expositores e aviltadores da Arte, trazendo desonra, e não o contrário, para a Loja.

Conclusão

Em conclusão, podemos ver que o artefacto chamado “Lewis” é sem dúvida uma antiguidade, sendo conhecido pelos antigos romanos. Como símbolo da Maçonaria Especulativa, os ensinamentos morais a ela ligados parecem ter nascido no momento da transição das Lojas Operativas para as dos Maçons Livres e Aceitos. O tripé e o Ashlar Perfeito podem ser vistos como de origem inglesa. De facto, este símbolo foi reconhecido apropriadamente na Inglaterra ao ser incorporado ao crachá do Instituto Real Maçónico para Meninos. Embora a derivação da palavra maçónica “Lewis” seja perdida na antiguidade, para nós como maçons, ela vive como um dos símbolos mais importantes dos nossos mistérios. Como tal, merece muito mais destaque do que recebe.

A adopção pela Loja do filho de um Maçom é praticada com cerimónias peculiares em algumas lojas francesas, alemãs e brasileiras, e foi introduzida, tanto para meninos como para meninas em alguns casos.

Pesquisa por Alberto Feliciano

Artigos relacionados

One thought on “Lewis – a promessa Maçónica

  • Avatar

    Excelente conteúdo. Parabéns!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *